539: Perseidas 2023: pense nos desejos que vem aí uma chuva de estrelas

 

CIÊNCIA // ASTRONOMIA // PERSEIDAS

Estamos a poucas horas de podermos assistir a uma “chuva de estrelas”. Pense nos desejos que de 12 para 13 de Agosto vão ser necessários para serem validados pela chuva de meteoros, conhecida como Perseidas ou “lágrimas de S. Lourenço”. Este é um fenómeno que acontece todos os anos.

O que são exactamente as Perseidas?

Vamos perceber do que se trata este que é o fenómeno astronómico mais fascinante que se pode ver actualmente.

Este fim de semana tem lugar um dos fenómenos astronómicos mais populares do ano: as Perseidas, as chamadas lágrimas de São Lourenço. Isto leva-nos a perguntar o que são, como surgem e porque se repetem com tanta regularidade.

Apesar do seu nome, as estrelas cadentes têm pouco a ver com estrelas. As Perseidas e outras chuvas de meteoros são causadas pela fricção entre pequenos pedaços de rocha e os gases da nossa atmosfera.

Nem todos os asteróides no nosso ambiente são gigantes rochosos capazes de causar eventos cataclísmicos. A maioria destas rochas são de pequenas dimensões.

Quando um deles atravessa a Terra, a enorme velocidade de queda pode fazer com que a rocha se incendeie e seja completamente destruída.

É o que acontece nas chuvas de meteoros? Basicamente no “caminho da Terra”, anualmente atravessa-se uma pequena nuvem de poeiras que se encontra com o nosso planeta numa região do sistema solar.

São detritos de pequenas rochas que provocam a proliferação de objectos incandescentes que atravessam a nossa atmosfera, para se desintegrarem no final da sua viagem.

Estas regiões mais densas de poeira e rochas espaciais estão frequentemente associadas aos cometas. Os cometas tendem a deixar atrás de si rastos de poeira, gás e gelo destacados do corpo principal, que se dispersam ao longo da órbita do cometa.

Imagem da origem das Perseidas

Animação da órbita do 109P/Swift–Tuttle desde 1850 até 2150. A amarelo vemos o Sol, azul a Terra, verde é Júpiter, laranja é a órbita de Saturno, amarelo escuro é Úrano e a violeta o cometa 109P/Swift–Tuttle

A chuva de estrelas é culpa do cometa 109P/Swift-Tuttle

As Perseidas são também causadas por um cometa: o cometa 109P/Swift-Tuttle. Foi identificado em 1860, mas depois de modelar os seus movimentos orbitais e as fontes historiográficas, os investigadores conseguiram ligá-lo a avistamentos anteriores, como os de 69 a.C. ou 188 a.C.

A última vez que este cometa se aproximou do nosso planeta no seu trânsito orbital foi em 1992 e, considerando que são necessários 133 anos para completar uma volta completa em torno do Sol, a próxima vez que cruzaremos o nosso caminho com o 109P/Swift-Tuttle será no ano 2125.

Também com base em modelos orbitais, os astrónomos conseguiram saber que o cometa 109P/Swift-Tuttle não corre o risco de colidir com a Terra.

Espera-se que passe perto dele no ano 3044, mas temos de entender este “perto” em termos astronómicos. Boas notícias, tendo em conta que o diâmetro do cometa é de 26 quilómetros.

Num sítio bastante escuro, poder-se-ão ver entre 50 e 60 estrelas cadentes por hora.

Onde e quando as podemos ver?

O cruzamento entre o nosso planeta e a esteira do 109P/Swift-Tuttle ocorre num momento específico do nosso trânsito orbital em torno do Sol.

Isto significa que, ano após ano, atingem o seu pico por volta da noite de 10 de Agosto. Este ano o pico ocorrerá na noite entre os dias 12 e 13.

O pico da chuva de meteoros é atingido quando a densidade destas rochas estelares é mais elevada, mas geralmente o nosso planeta encontra estes meteoros de forma progressivamente mais intensa antes do pico e depois diminui.

Normalmente, é possível apanhar algumas destas “lágrimas” entre o final de Julho e o final de Agosto.

As Perseidas são também regulares num outro aspecto: o ponto de onde irradiam, a constelação de Perseu (daí o nome). A procura desta constelação servirá de referência para facilitar a observação da chuva de estrelas mais popular do ano.

Pplware
Autor: Vítor M
12 Ago 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 2 meses ago

Loading