53: Primeiras regras do mundo para plataformas online entram esta sexta-feira em vigor na União Europeia

 

🇪🇺 UE // 💻REGRAS DIGITAIS // PLATAFORMAS

Plataformas digitais como X (anterior Twitter) e Facebook passarão a ser obrigadas a remover conteúdos ilegais.

A União Europeia (UE) torna-se desde esta sexta-feira, após um período de adaptação, a primeira jurisdição do mundo com regras para plataformas digitais como X (anterior Twitter) e Facebook, que passarão a ser obrigadas a remover conteúdos ilegais.

Após alguns meses de adaptação, plataformas de grande dimensão como X (anteriormente designada Twitter) e Facebook (do grupo Meta) têm de começar agora a cumprir as obrigações impostas pela nova Lei dos Serviços Digitais da UE.

Estas obrigações devem-se à entrada esta sexta-feira em vigor da Lei dos Serviços Digitais na UE, no âmbito da qual a Comissão definiu 19 plataformas em linha de muito grande dimensão, com 45 milhões de utilizadores activos mensais, que terão de cumprir as novas regras, entre as quais AliExpress, Amazon, Apple AppStore, Booking.com, Facebook, Google Play, Google Maps, Google Shopping, Instagram, LinkedIn, Pinterest, Snapchat, TikTok, Twitter, Wikipedia, YouTube e Zalando.

Acrescem dois motores de pesquisa de muito grande dimensão, como Bing e a ferramenta de busca da Google.

Em Novembro passado, foi oficialmente adoptada a nova Lei dos Serviços Digitais, criada para proteger os direitos fundamentais dos utilizadores ‘online’ e tornando-se numa legislação inédita para o espaço digital que responsabiliza plataformas por conteúdos ilegais e prejudiciais.

DN/Lusa
25 Agosto 2023 — 08:48


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 1 mês ago

Loading

52: Sabia que pode assinar documentos sem instalar nada?

 

CHAVE MÓVEL DIGITAL // ASSINATURAS

Sabia que pode assinar documentos com a sua Chave Móvel Digital sem a necessidade de instalar nada? O processo é simples e dá muito jeito. Vejam todos os passos.

A Chave Móvel Digital (CMD) é um sistema simples e seguro de autenticação dos cidadãos em portais da Administração Pública na Internet e recentemente passou a estar disponível também em alguns sites de empresas privadas.

A assinatura digital permite ao titular de Chave Móvel Digital com funcionalidade de assinatura activa, por vontade própria, assinar documentos em formato pdf.

Como assinar Documentos com a sua Chave Móvel Digital?

Para começar deve aceder aqui ao site autenticação.gov. Comece por carregar em Avançar para dar início ao Processo.

Em seguida, indique qual o documento que pretende assinar.

A seguir indique o posicionamento da sua assinatura. Deverá assim escolher qual a orientação do PDF e a respectiva posição da assinatura no documento. Se o documento tiver mais do que uma página, também poderá indicar em que página pretende.

Proceda à autenticação através da Chave Móvel digital indicando o seu número de telemóvel.

Indique o código de segurança recebido via SMS ou o apresentado na app Autenticação.GOV.

E por fim é só fazer download do seu documento assinado, com a assinatura digital, que aparecerá no local que foi indicado anteriormente. Para quem não tem leitor de cartões, pode sempre utilizar a Chave Móvel Digital para proceder à assinatura digital de documentos. Fantástico serviço! Experimentem…

Pplware
Autor: Pedro Pinto
20 Ago 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 1 mês ago

Loading

51: Usar o modo de avião do smartphone é muito mais importante do que pensa

 

TECH // 📱 SMARTPHONES // ✈️ MODO AVIÃO

Ao ligar o modo de avião, estamos a proteger todos os que estão no nosso caminho de voo. Os sinais de rádio dos smartphones podem provocar estragos no meio aéreo — chegando até a bloquear a visão das estrelas.

Pixabay

Em todos os momentos da nossa vida contemporânea, voam pelo ar sinais invisíveis de rádio que carregam informação entre os vários dispositivos. O sinal é tão forte que, se os seus olhos conseguissem ver estas ondas de rádio, o seu telefone seria visível de Júpiter.

Esses olhos hipotéticos conseguiriam mesmo ver as ondas — caso o céu não estivesse inundado de interferência de, por exemplo, pessoas que estão em voos e não puseram o telemóvel em modo de avião.

Supondo agora que os seus olhos hipotéticos vêem os comprimentos das ondas electromagnéticas como cores: quando faz uma chamada, o seu smartphone envia uma onda de rádio para a torre celular mais próxima, mas e se estiver longe do serviço — como, por exemplo, se estiver num avião?

Nesse caso, o smartphone tem de fazer um esforço extra, gastando mais energia para enviar um sinal com maior amplitude. As torres comunicam entre si até a chamada chegar ao recipiente.

Para não confundir os milhões de ondas a circular em simultâneo, são atribuídas a cada telefone cores (comprimentos de onda) específicas. Mas há um problema grave as cores não são infinitas.

A invenção do wifi veio mesmo estragar o esquema — desde então, a demanda de comprimentos de onda aumentou drasticamente, dificultando o evitar de interferência.

É por isso que os smartphones deixam, por vezes, de conseguir fazer chamadas em situações de emergência regional ou em aglomerados de pessoas num só sítio — as torres celulares não conseguem dar resposta à exigência dos utilizadores.

O modo de avião não serve só para não ser incomodado

No caso das telecomunicações de dentro de um avião, a coisa fica ainda mais complicada.

A distancias muito maiores das torres celulares do que em terra, os smartphones têm de “gritar” muito mais alto por um sinal. Maior problema surge quando, potenciados pela rápida deslocação do avião, o smartphone está a meio desse “grito” e encontra-se, de repente, muito próximo de uma torre.

Nessa situação inesperada, o smartphone emite um sinal muito maior do que o normal que apaga os sinais terrestres.

Ao ligar o modo de avião, estamos também a proteger todos os que estão no nosso caminho de voo. Os aviões têm equipamentos de navegação que dão uso aos sinais de rádio e, assim, usar ondas de rádio a partir do seu smartphone é interferir com a segurança do voo.

Mas o modo de voo também é útil noutras circunstâncias, como para poupar bateria, para viajar noutros países em que são cobradas taxas de telecomunicação ou até para proteger os mais jovens quando estes usam o telemóvel dos adultos.

 Tomás Guimarães, ZAP //
13 Agosto, 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 1 mês ago

Loading

50: 5 razões pelas quais as baterias amovíveis dos telemóveis deviam voltar

 

TECH // SMARTPHONES // BATERIAS

As baterias amovíveis foram sendo eliminadas para acomodar designs de telemóveis mais leves e elegantes e, actualmente, quase todos os telemóveis têm uma. Contudo, o facto de poder mexer na sua bateria tem bastantes vantagens. Trazemos 5 delas.

Embora as baterias não amovíveis sejam óptimas, há algumas coisas das amovíveis de que provavelmente sente falta. Desde a sua conveniência até à possibilidade de reiniciar rapidamente o telemóvel.

A Apple explicou recentemente o porquê de não querer fazer os iPhones com bateria amovíveis. Contudo, existem razões pelas quais devia fazê-lo.

1. As baterias amovíveis são cómodas

As baterias amovíveis dos telemóveis são práticas: pode mudá-las facilmente. Além disso, pode transportar baterias extra quando está em movimento, para não ter de depender de uma tomada eléctrica ou transportar um powerbank, que é muito mais volumoso.

Por exemplo, se uma pilha acabar enquanto estiver em trânsito ou numa viagem de campismo, pode trocá-la pela pilha extra.

2. Vida útil mais longa

Actualmente, os smartphones são finos, o que é óptimo para a estética, mas não tanto para a capacidade da bateria. Os fabricantes utilizam baterias mais pequenas com uma capacidade menor. Assim, não demora muito tempo até se desgastar, mesmo com bons hábitos de carregamento.

Quando isto acontece, é provável que tenha de substituir o telemóvel por um novo. No entanto, com as amovíveis, pode facilmente substituir a bateria em vez do telemóvel, o que lhe permite utilizar o telemóvel durante mais tempo.

3. Acabam-se as baterias de telemóvel inchadas

Todos nós tememos o fenómeno da bateria do telemóvel inchar. Uma vez iniciado, é irreversível. A única coisa a fazer é substituir o telemóvel o mais rapidamente possível. Caso contrário, corre o risco de a bateria do seu telemóvel explodir, danificar o ambiente e prejudicá-lo a si próprio.

4. Menores custos de reparação

As reparações dos telemóveis podem ser bastante caras. A substituição do ecrã de um telemóvel (por exemplo, do iPhone 11) é dispendiosa, tal como tudo o que é necessário para o desmontar.

Se tiver um telemóvel com uma bateria não amovível, poderá evitar os custos de reparação. Se for um problema de bateria, pode retirar a parte de trás do telemóvel e substituí-la em vez de se preocupar em remover parafusos ou adesivos para lá chegar.

5. Reinicialização rápida se o telemóvel congelar

Os telemóveis congelam, tal como os computadores. Quando isto acontece, é provável que seja necessário reiniciar o telemóvel. Infelizmente, por vezes, o botão de alimentação pode não funcionar, deixando-o com um grave problema.

Com uma bateria amovível, não tem de se preocupar com isso. Pode retirá-la e voltar a colocá-la para uma reinicialização rápida.

As baterias amovíveis têm várias vantagens

A eliminação progressiva das baterias amovíveis dos telemóveis tem uma razão de ser. Muitos de nós gostamos dos efeitos positivos que isso teve no design dos telemóveis, como a elegância e a maior resistência à água e ao pó. No entanto, não se pode negar que as baterias amovíveis são atraentes.

Pplware
Autor: Rui Jorge
13 Ago 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 2 meses ago

Loading

49: Dica: Melhore as chamadas do seu Xiaomi ao activar estas opções no smartphone

 

– No meu Xiaomi Redmi Note 11S, MIUI 14.0.4, procedimento sem problemas.

📱SMARTPHONES // XIAOMI // CHAMADAS

Gerir as definições de um smartphone Xiaomi é algo simples, dada a forma como a MIUI foi criada e as opções do Android estão presentes.

Ainda assim, há pormenores que podem alterar e que nem sempre são lógicos ou imediatos. Hoje explicamos como melhorar as chamadas do seu Xiaomi ao activar algumas opções no smartphone.

Um dos pontos que mais vezes os utilizadores pretendem é o controlo do volume das suas chamadas. Como nem sempre estão no mesmo ambiente controlado, o ideal é ter o volume num nível que por um lado seja audível, as que por outro não incomode os restantes presentes.

Isso num smartphone Xiaomi tem uma forma simples de ser resolvido, recorrente a uma simples opção que está presente nas definições da MIUI. Vai garantir que o toque aumente de volume até a chamada ser atendida ou ser desligada pelo utilizador. Assim, parte de um volume mínimo e cresce até ser audível.

Para activar esta opção, os utilizadores devem começar por abrir a app de Definições da MIUI do seu Xiaomi e procurar depois a entrada Aplicações. Dentro desta entrada vão encontrar a opção Definições das aplicações do sistema, que deverá ser aberta para fazer as alterações necessárias.

De seguida, e para continuar o processo, os utilizadores devem agora escolher a nova opção Definições das chamadas recebidas. É aqui dentro que vão poder terminar o processo. A opção que devem activar está no meio, com o nome Volume de toque crescente.

Além desta opção da MIUI, podem também activar as duas restantes e que estão ali presentes. Falamos da possibilidade de diminuir o tom de toque ao levantar o smartphone Xiaomi. De seguida, podem também activar a opção acender o flash quando tocar, para ser ainda mais visível.

É desta forma simples que as chamadas, ou pelo menos o toque associado a estas, pode ser melhorado num smartphone Xiaomi. Os utilizadores não precisam de ter o som no máximo e ao mesmo tempo este cresce até ser audível e identificável facilmente.

Pplware
Autor: Pedro Simões
31 Jul 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 2 meses ago

Loading

DT NO.1 DT8 Ultra Max – Smartwatch

 

SMARTWATCHES

Já mencionei neste Blogue, vários modelos de smartwatches que testei e utilizei. Hoje, voo mencionar o DT NO.1 DT8 Ultra Max – Smartwatch, um equipamento económico, robusto, completo e com variadíssimas opções.

DT8 Ultra Max Preto – Smartwatch DT NO.1 com ecrã grande de 2,1 polegadas e duas pulseiras: uma de silicone e uma de nylon e uma protecção em silicone transparente que envolve as laterais da caixa do relógio.

Tela IPS – Design rectangular de 2,1″ – Resolução de 420 x 485 p – Chamadas Bluetooth (microfone e altifalante) – Monitor de frequência cardíaca e SpO2 24 horas por dia, 7 dias por semana – Gravação do sono – 150 modos desportivos – Bateria de 380 mAh – Até 5 dias de uso diário típico uso – IP68 resistente à água.

Especificações técnicas DT NO.1 DT8 Ultra Max Preto:

  • Parâmetros gerais
    • Marca: DT NO.1
    • Produto: relógio inteligente
    • Modelo: DT8 Ultra Max
  • Ecrã
    • Tamanho: 2,1″ (rectangular)
    • Tipo: IPS
    • Resolução: 420 x 485p
    • Toque: Sim
  • Parâmetros técnicos
    • Chipset: RealTek 8762DK
    • Conectividade: Bluetooth 5.0
    • Requisitos do sistema: Android e iOS
    • Aplicativo móvel: WearPro
  • Bateria
    • Capacidade: 380mAh
    • Autonomia (uso diário típico): 3 – 5 dias
    • Método de carregamento: Magnético
  • Parâmetros estéticos
    • Material do Corpo do Relógio: Liga de Metal
    • Pulseira: silicone intercambiável (compatível com pulseiras Apple Watch de 44 mm)
    • Grau à prova de água: IP68
    • Dimensões: 49 x 43 x 11,5 mm
    • Peso: 46g
    • Cor: Preto
  • Conteúdo da embalagem
    • 1 x DT NO.1 DT8 Ultra Max
    • 1 cabo de carregamento
    • 1 manual do utilizador

Como tenho alergia às pulseiras de silicone, juntei a este modelo uma pulseira Milanesa prateada (Pulseira Milanesa Apple Watch 42/44/45/49mm), o modelo que utilizo em outros modelos de smartwatches.

27.07.2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 2 meses ago

Loading

47: Android 14 vai trazer o envio de SMS por satélite a todos os smartphones

 

📱ANDROID 14 // SMS // 📱SMARTPHONES

As grandes marcas parecem apostadas em trazer a comunicação por satélite para os seus smartphones. As primeiras ofertas ainda são limitadas e usadas em situações especiais, mas espera-se que evoluam.

A Google parece querer trazer uma novidade no Android 14, com a possibilidade de enviar SMS por satélite em todos os smartphones.

A Apple e a Huawei foram pioneiras no que toca a comunicações por satélite. A empresa americana trouxe ao iPhone a possibilidade de enviar mensagens de emergência no iPhone, tal como a sua concorrente o fez, mas com o envio de SMS via satélite no Mate 50 e 50 Pro, e depois no P60.

Curiosamente a Samsung acabou por descartar por algum tempo esta possibilidade, por estar ainda limitada. Assim, tudo parece pronto para que seja a Google a assumir o papel de disseminar esta tecnologia e esta capacidade, usando para isso o Android 14.

Assim, e do que está a ser revelado, a próxima versão do sistema da Google para smartphones terá uma novidade. No seu interior, junto de muitas outras funcionalidades, estará a capacidade de enviar SMS usando para isso a rede de satélites de um qualquer operador que esteja contratado.

Naturalmente que o Android 14 só por si não terá a capacidade de enviar estas mensagens.

Associado a sistema e ao smartphone onde estiver a correr, será necessário que esteja presente o hardware necessário para se ligar à rede de satélite.

Outro pormenor importante é que esta capacidade não será limitada e um exclusivo dos Pixel da marca, como a Google já fez no passado. Do que é revelado será acessível aos Pixel, mas a Samsung deverá também oferecer esta capacidade nos seus smartphones.

Se até agora a capacidade de ligação aos satélites, ainda que limitada, já provou ser uma mais-valia, a verdade é que a sua massificação oferecerá ainda muito mais.

Espera-se que em breve seja possível complementar as ligações dos operadores com estes serviços de satélite e assim ter uma cobertura totalmente completa.

Pplware
Autor: Pedro Simões
24 Jul 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 2 meses ago

Loading

46: Investigadores recolhem energia das gotas da chuva

 

TECNOLOGIA // 💧CHUVA // ENERGIA

Inspirados nos painéis solares, os investigadores da Universidade de Tsinghua, em Shenzhen, na China, fizeram um grande avanço na recolha de energia das gotas da chuva para gerar electricidade.

ronymichaud / pixabay

A ideia de captar a energia cinética das gotas da chuva que caem não é nova, mas as tentativas anteriores enfrentaram desafios na ampliação da tecnologia para gerar energia significativa.

No entanto, a abordagem inovadora adoptada pelos investigadores mostrou resultados promissores na superação destes obstáculos.

Tentativas anteriores envolveram a utilização da electrificação por contacto líquido-sólido e de nano-geradores tribo-eléctricos (TENG) para obter electricidade de várias fontes, incluindo gotas da chuva.

Embora estes métodos se tenham revelado promissores, depararam-se com dificuldades quando se tratou de aumentar a escala da tecnologia.

Um dos desenvolvimentos anteriores neste domínio foi a criação de TENGs baseados em gotículas, conhecidos como D-TENGs.

Estes dispositivos tinham uma produção instantânea elevada, mas para gerar electricidade ao nível de megawatts, comparável à das centrais eléctricas, era necessário ligar várias D-TENG. Isto levou a uma redução indesejável da produção.

Para resolver este problema, a equipa liderada por Zong Li inspirou-se nos painéis solares. Os cientistas desenvolveram geradores de matriz em ponte, imitando a disposição dos painéis utilizados nas células solares, para minimizar o impacto da capacitância.

Quando as gotas de chuva caem na superfície do D-TENG, as gotas ficam carregadas positivamente, enquanto a superfície fica carregada negativamente.

Com o tempo, as cargas acumulam-se até à saturação, atingindo um equilíbrio entre a dissipação e a geração de carga por cada impacto de gota de chuva.

Assim, os investigadores observaram uma redução na perda de energia não intencional. Os geradores em ponte funcionaram de forma independente, permitindo um processo de recolha de energia mais eficiente.

O pico de potência de saída destes geradores foi quase cinco vezes superior ao dos sistemas convencionais de energia de gotas da chuva de grande área da mesma dimensão, atingindo uns impressionantes 200 watts por metro quadrado.

O novo estudo foi publicado recentemente na revista iEnergy. Esta descoberta é muito promissora para aplicações de energias renováveis, especialmente em regiões com precipitação frequente e prolongada ao longo do ano.

ZAP //
22 Julho, 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 2 meses ago

Loading

45: Encontrado grafeno natural. Foi formado 3 mil milhões de anos antes de ter sido descoberto

 

🇿🇦 ÁFRICA DO SUL // GRAFENO // DESCOBERTAS

Uma equipa de cientistas descobriu numa mina de ouro na África do Sul grafeno em estado natural, incrustado em rochas com mais de 3.2 mil milhões de anos.

Envato Elements
Modelo da estrutura do grafeno

Foi descoberto grafeno em estado natural. A substância super-resistente, constituída por uma única camada de carbono, é conhecida pelas suas impressionantes propriedades electrónicas e considerada um “material maravilha“.

Apesar de ter sido descoberto em 2004, a produção em massa de grafeno tem sido um desafio devido às altas temperaturas necessárias.

Segundo a New Scientist, o grafeno natural foi encontrado por uma equipa liderada por Yoko Ohtomo, investigadora da Universidade de Hokkaido, no Japão, na chamada Barberton Greenstone Belt, uma região rica em ouro da África do Sul.

Esta descoberta pode abrir caminho a novos métodos de produção mais eficientes em termos energéticos, uma vez que o grafeno natural parece ter-se formado a temperaturas inferiores a 300°C.

A equipa analisou 24 amostras de rocha da mina de ouro de Sheba usando um microscópio electrónico, tendo identificado estruturas de carbono invulgares, incluindo finos filamentos de carbono e flocos à escala de micrómetros.

Segundo os investigadores, este grafeno natural forma uma película extremamente  fina em torno de nano-partículas cristalinas maiores, no interior das rochas.

Uma análise espectroscópica ao material encontrado revelou níveis elevados de um isótopo de carbono com origem biológica, o que sugere que o carbono presente no grafeno provém de bactérias próximas da superfície do oceano.

Após estas bactérias morrerem e descerem ao fundo do mar, é provável que tenham sofrido reacções químicas com subprodutos de hidróxido de ferro oceânico para criar compostos com carbono, explicam os cientistas.

Estes compostos, sob alta pressão e temperaturas elevadas, transformaram-se então em formas exóticas de carbono, incluindo o grafeno natural.

Yoko Ohtomo salienta que são necessários mais estudos para compreender completamente as propriedades únicas da estruturas de grafeno que ocorrem naturalmente.

As descobertas da equipa podem conduzir a novas e mais eficientes formas de produzir este material versátil, expandindo as suas potenciais aplicações na indústria electrónica, e outros sectores.

ZAP //
22 Julho, 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 2 meses ago

Loading

44: Hora de mudar de browser? Firefox conseguiu bater o Chrome em velocidade pela primeira vez

 

– Nunca utilizo o Chrome e o Firefox foi sempre o meu browser de eleição, versão após versão. Como não ando a fazer corridas de velocidade na Net com browsers, o Firefox é e sempre foi um excelente browser.

BROWSERS // FIREFOX // RAPIDEZ

Desde que o Chrome chegou à Internet que o Firefox tem perdido a sua força e muitos utilizadores. Muitos queixam-se que este browser perdeu qualidade e ganhou problemas, algo que não se esperava. Agora, e num teste, o Firefox conseguiu bater o Chrome em velocidade pela primeira vez.

O Firefox conseguiu bater o Chrome

Com cada vez mais propostas de browsers na Internet, o Firefox tem estado a ser preterido por muitos utilizadores. Este era o seu browser padrão e o escolhido, com argumentos bem definidos e que faziam desta a proposta mais acertada para navegar.

Depois de muito tempo a acumular problemas, e a perder espaço para o Chrome, o cenário do Firefox parece ter finalmente mudado para melhor. E é que nos últimos testes de velocidade do Speedometers chegaram à conclusão de que, pela primeira vez, o Firefox é um browser mais rápido que o Chrome.

O teste é realizado simulando situações e interacções reais do utilizador para determinar a velocidade de resposta do browser e outros recursos relacionados à velocidade. Os resultados deixam claro que o Firefox é actualmente um navegador mais rápido que o Chrome.

Browser com melhor velocidade na Internet

Este resultado deverá ser confirmado em breve com outros testes da Mozilla para o seu browser. Certamente que a Google irá reagir e procurar acelerar o Chrome, para assim voltar a dominar o mercado e a Internet, como acontecia até agora.

É interessante ver este crescimento do Firefox face ao Chrome, ainda mais quando falamos de puro desempenho. Esta era uma queixa recorrente nos últimos anos e que parece agora estar resolvida com este resultado único e que acontece pela primeira vez neste universo.

No entanto, o aumento da velocidade do Firefox pode não ser o suficiente para convencer a mudar para este browser. Afinal, o Chrome tem muitas outras vantagens graças à sua integração com o ecossistema do Google, como integração mais fácil de senhas ou favoritos em qualquer dispositivo, maior número de extensões disponíveis e muito mais.

Pplware
Autor: Pedro Simões
23 Jul 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator



published in: 2 meses ago

Loading