832: Nova limitação à circulação das 23:00 às 05:00 horas em 45 concelhos

SAÚDE/COVID-19/LIMITAÇÃO À CIRCULAÇÃO

Conselho de Ministros tomou mais uma medida restritiva para conter os números da pandemia. E mantém a restrição de saída e entrada da Área Metropolitana de Lisboa entre as 15:00 horas de sexta-feira e 06:00 horas de segunda-feira.

Mariana Vieira da Silva, ministra de Estado e da Presidência
© ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Num momento em que o número de novos casos de covid-19 continuam a subir no país, e sobretudo na Área Metropolitana de Lisboa, o Conselho de Ministros adoptou uma nova medida para tentar conter a pandemia. O governo institui que os cidadãos “se devem abster de circular em espaços e vias públicas e permanecer no respectivo domicílio no período compreendido entre as 23:00 horas e as 05:00 horas”. Uma espécie de recolher obrigatório, sem que seja mencionada esta figura jurídica que só pode ser desencadeada ao abrigo do estado de emergência.

A governante apontou para que a medida restritiva de circulação, que será para cumprir todos os dias, entre em vigor já esta sexta-feira. Mariana Vieira da Silva garantiu que está enquadrada legalmente.

Mariana Vieira da Silva esclarece que esta medida de limitação de circulação não tem excepções. Mesmo para quem apresente testes à covid-19 negativos ou para pessoas vacinadas. “Esta é uma medida de redução de ajuntamentos”, argumentou a ministra da Presidência, justificando com o aumento de casos de infecção nas camadas mais jovens da população. Ao invés do que acontece nas “idades já vacinadas”. O que, concluiu, “significa que a vacina resulta”.

A medida foi anunciada pela ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva após a reunião do Conselho de Ministros, e seguida de um apelo reiterado para que a população continue a cumprir as regras estipuladas pela Direcção-Geral de Saúde para controlar a doença. “Ainda não estamos em condição de controlar a pandemia”, disse.

Há neste momento 19 concelhos, a maioria na Área Metropolitana de Lisboa (AML), que se encontra em risco muito elevado de infecção, ou seja que já atingiram por duas vezes os 240 casos de infecção por covid-19 por 100 mil habitantes (ou 480 nos territórios de baixa densidade). Da AML são os municípios de Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Odivelas, Oeiras, Seixal, Sesimbra, Sintra e Sobral de Montagraço. Nesta situação estão ainda Albufeira, Constância, Loulé, Mira e Olhão.

Na semana passada apenas estavam na zona vermelha, Lisboa, Albufeira e Sesimbra.

Há ainda a somar 26 outros concelhos que atingiram o risco elevado de infecção, ou seja que ultrapassaram duas vezes os 120 casos por 100 mil habitantes (ou 240 nos territórios de baixa densidade). São eles Alcochete, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Avis, Braga, Castelo de Vide, Faro, Grândola, lagoa, Lagos, Montijo, Odemira, Palmela, Paredes de Coura, Portimão, Porto, Rio Maior, Santarém, São Brás de Alportel, Sardoal, Setúbal, Silves, Sines, Sousel, Torres Vedras e Vila Franca de Xira.

Em estado de alerta, os que ultrapassaram os 120 casos de covid-19 por 100 mil habitantes (ou 240 nos territórios de baixa densidade) estão Albergaria-a-Velha, Aveiro, Azambuja Cartaxo, Bombarral, Idanha-a-Nova, Ílhavo, Lourinhã, Matosinhos, Mourão, Nazaré, Óbidos, Salvaterra de Magos, Santo Tirso, Trancoso, Trofa, Vagos, Viana do Alentejo, Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Gaia e Viseu.

Quais são as restrições?

Nos concelhos em risco elevado:

1 – Mantém-se o teletrabalho obrigatório, quando as funções permitam

2 – Restaurantes, cafés e pastelarias encerram às 22:30 horas. Sendo que no interior é permitido o máximo de seis pessoas por grupo e 10 em esplanada.

3 – Os espectáculos culturais têm os mesmos horários da restauração

4 – O comércio a retalho encerra às 21:00 horas

Nos concelhos em risco muito elevado, além destas medidas, acrescem ainda as seguintes limitações:

1 – Ginásios sem aulas de grupo; modalidades desportivas de baixo e médio risco

2 – Os restaurantes, cafés e pastelarias encerram as 15:30 horas ao fim de semana e no interior apenas podem permitir 4 pessoas por grupo e seis em esplanadas

3 – Os casamentos e baptizados têm de ter uma lotação de 25%

4 – O comércio a retalho alimentar funciona até às 19:00 horas e o não alimentar até 15:30 horas

Vacinar rapidamente e apoios renovados

No briefing do Conselho de Ministros, a ministra Mariana Vieira da Silva garantiu “há capacidade de vacinar rapidamente”.

Já antes tinha frisado que os maiores de 60 anos que estavam à espera da segunda dose da vacina da Astrazeneca, mas agora assegurou que poderão estar “todos vacinados no dia 11 de Julho”.

Mariana Vieira da Silva alertou para a importância da vacinação, ao insistir que a incidência nos vacinados é muito menor do que nos não vacinados. “Todos devemos ser vacinados na nossa vez”, apelou.

A ministra do Trabalho anunciou, por sua vez que foi prorrogado o apoio às empresas, o “apoio extraordinário à retoma progressiva”, com quedas de facturação superior a 25%, que estava em vigor para os meses de Julho e Agosto.

Ana Mendes Godinho disse que este apoio também é extensível aos trabalhadores do sector da cultura e do Turismo para os mesmos meses, tal como para os sócios gerentes dos mesmos sectores. Também foi prorrogado o mecanismo extraordinário de pagamento do subsídio de doença covid-19 a 100% até Setembro.

“Até ao momento entre apoios por isolamento e doença” foram abrangidas 810 mil pessoas, disse a ministra.

“Cerco” a Lisboa

O Governo tinha decidido no Conselho de Ministros da semana passada retroceder o confinamento no concelho de Lisboa, devido à elevada incidência pandémica, que aliás, aparentemente, ainda continua em fase de crescimento.

Lisboa recuou assim para os níveis de confinamento que vigoraram a partir de 19 de Abril (e até 3 de Maio). Foram adoptadas as regras que então vigoravam nos concelhos de Sesimbra e Albufeira. O sector mais atingido foi, como habitualmente, o da restauração.

O Conselho de Ministros deverá também renovou há uma semana o cerco da Área Metropolitana de Lisboa (AML) instaurado pela primeira vez no fim de semana de 17 e 18 de Julho.

A partir dessa altura voltou a ser proibido sair ou entrar na AML das 15:30 horas de amanhã (sexta-feira, 25 de Junho) até às 06:00 horas da manhã de segunda-feira 28 de Junho. É, no entanto, permitido circular dentro da região em causa. A AML inclui, na margem norte do Tejo, os concelhos de Lisboa, Amadora, Loures, Odivelas, Oeiras, Cascais, Sintra e Vila Franca de Xira. E, na margem sul, os de Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Setúbal, Sesimbra e Alcochete.

Há uma semana, havia 16 concelhos de alta densidade e um de baixa densidade que corriam o risco de recuar para o nível de restrições mais apertadas, as que vigoraram para Lisboa, Albufeira e Sesimbra. A grande maioria destes municípios com maior risco de recuo estava nas regiões de Lisboa e do Algarve. A nível nacional, existiam 56 concelhos com mais de 120 novos casos por 100 mil habitantes, dos quais 54 são no Continente.

Diário de Notícias
Paula Sá
01 Julho 2021 — 17:58

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

797: Marta Temido aponta para continuação das restrições em Lisboa

 

SAÚDE/COVID-19/RESTRIÇÕES/LISBOA

A ministra da Saúde admite que a situação em Lisboa ainda é complicada e comentou as críticas de Angela Merkel: “Se soubéssemos o que sabemos hoje poderíamos ter actuado de outra maneira? Provavelmente, sim.”

© EPA/JULIEN WARNAND

A ministra da Saúde disse esta quarta-feira que a situação epidemiológica da covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo deve traduzir-se na continuidade da aplicação das medidas de restrição em vigor.

“Os números neste momento levam a sugerir que a situação de Lisboa ainda não esteja ultrapassada”, o que leva a que “as medidas específicas tenham de se manter, como se mantiveram em outros pontos do país quando estavam em situação de risco especial” na evolução epidemiológica, disse Marta Temido em declarações à margem da apresentação do Relatório de Primavera do Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS).

“Temos de estar conscientes de que estamos a lidar com um fenómeno cuja evolução ainda se reveste de muitas incertezas. Não é possível garantir que o futuro seja desta ou daquela maneira, o que podemos garantir é que tudo faremos para que isso não seja necessário, mas conhecemos a nossa realidade. Os números continuam a aumentar, ainda não estamos num momento em que estejamos a vê-los decrescer e, portanto, temos de estar atentos”, adiantou a ministra.

Sublinhando a importância da vacinação, da testagem e de “algumas medidas não farmacológicas”, a governante reagiu também à crítica da chanceler alemã Angela Merkel a propósito da abertura de Portugal para acolher a final da Liga dos Campeões e, consequentemente, milhares de adeptos ingleses.

“O controlo dos movimentos de circulação das populações é um dos desafios que enfrentamos. Estamos numa fase de combate à pandemia em que cada vez mais há uma apetência por retomar uma vida normal e isso é uma dificuldade. Se soubéssemos tudo o que sabemos hoje poderíamos ter actuado em determinados momentos de outra maneira? Provavelmente, sim, mas não é possível reescrever a história”, disse.

Marta Temido repetiu também a ideia de que o país procura “ganhar algum tempo através de medidas não farmacológicas”, como o uso de máscara e o distanciamento, para poder vacinar mais pessoas e apelou à população para realizar testes com regularidade, embora sem definir uma periodicidade fixa.

“Aquilo que pedimos é que, neste momento, beneficiando daquilo que é a gratuitidade de testes em muitos pontos ou da possibilidade de prescrição que existe através dos serviços de saúde, as pessoas que ainda não estão vacinadas possam realizar um teste antes de se submeterem e submeterem os outros a uma exposição que possa ser de risco”, concluiu.

Diário de Notícias
DN/Lusa
23 Junho 2021 — 14:57

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

776: Proibição de circulação de e para a região de Lisboa tem 18 excepções

 

SAÚDE/COVID-19/PROIBIÇÕES AML

Deslocações para desempenho de funções profissionais ou equiparadas, atestadas por declaração da entidade empregadora ou declaração emitida pelo próprio no caso de trabalhadores independentes ou empresários em nome individual entre as excepções

A proibição de circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa (AML) entre as 15:00 de sexta-feira e as 06:00 de segunda-feira, tem 18 excepções, entre as quais “motivos de saúde ou por outros motivos de urgência imperiosa”.

A decisão de proibir as deslocações de e para a AML no fim de semana foi anunciada esta quinta-feira pelo Governo, no final da reunião do Conselho de Ministros, devido à subida dos casos de covid-19 neste território.

Segundo a resolução do Conselho de Ministros publicada esta noite, “é proibida a circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa no período compreendido entre as 15:00 do dia 18 de Junho e as 06:00 do dia 21 de Junho”.

Relativamente às excepções a esta proibição, o diploma remete para o artigo 11.º do decreto de 21 de Novembro, salientando que “são aplicáveis com as necessárias adaptações”.

O artigo 11.º estabelece 18 excepções à proibição de circulação, nomeadamente as deslocações para desempenho de funções profissionais ou equiparadas, atestadas por declaração da entidade empregadora ou declaração emitida pelo próprio, no caso de trabalhadores independentes ou empresários em nome individual.

Os profissionais de saúde que se desloquem no exercício das suas funções “ou por causa delas” não necessitam de declaração, bem como os trabalhadores de instituições de saúde e de apoio social, pessoal docente e não docente dos estabelecimentos escolares, agentes de protecção civil, das forças e serviços de segurança, militares, pessoal civil das Forças Armadas e inspectores da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Estão igualmente dispensados de apresentar declaração os titulares dos órgãos de soberania, dirigentes de partidos políticos representados na Assembleia da República, ministros de culto e pessoal das missões diplomáticas, consulares e das organizações internacionais localizadas em Portugal, “desde que relacionadas com o desempenho de funções oficiais”.

Estão também autorizadas as deslocações de menores e seus acompanhantes para estabelecimentos escolares, creches e actividades de tempos livres, bem como as deslocações de estudantes para instituições de ensino superior ou outros estabelecimentos escolares e dos utentes e seus acompanhantes para Centros de Actividades Ocupacionais e Centros de Dia.

Serão ainda possíveis as deslocações para a frequência de formação e realização de provas e exames, bem como de inspecções, as deslocações para participação em actos processuais junto das entidades judiciárias ou em actos da competência de notários, advogados, solicitadores, conservadores e oficiais de registos, bem como para atendimento em serviços públicos, desde que munidos de um comprovativo do respectivo agendamento.

As deslocações necessárias para “saída do território nacional continental” é outra das excepções previstas à proibição de circulação de e para a AML no fim de semana, assim como as deslocações de cidadãos não residentes para locais de permanência comprovada.

Estão ainda autorizadas as deslocações por outras razões familiares imperativas, nomeadamente para o cumprimento de partilha de responsabilidades parentais e as deslocações para “retorno ao domicílio”.

Diário de Notícias
DN/Lusa
18 Junho 2021 — 00:06

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

Lisboa não deve avançar para nova fase. “É difícil baixar incidência”

 

SAÚDE/COVID-19/AGRAVAMENTO

A capital passou a linha vermelha da incidência. O relatório de monitorização do INSA, a ser publicado hoje, irá esclarecer a situação. A hipótese de avançar parece remota. O mais provável é que se mantenha na 4.ª fase de desconfinamento ou que recue à 3.ª fase.

Se incidência chegar aos 240 casos por 100 mil habitantes, Lisboa pode recuar um passo no desconfinamento.
© Pedro Reis Martins Global Imagens

Na sexta-feira da semana passada, o relatório do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA) indicava que, a manter-se a taxa de crescimento registada, a região de Lisboa e vale do Tejo atingiria a taxa de incidência acumulada a 14 dias de 120 casos por 100 mil habitantes em 15 a 30 dias.

Mas Lisboa, enquanto concelho, já está à frente deste valor. Segundo a equipa da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa que faz a modelação da evolução da doença desde o início da pandemia, a capital está com uma incidência de 177 casos por 100 mil habitantes, podendo atingir os 240 casos a 13 ou 14 de Junho.

Para alguns especialistas a situação é preocupante e Lisboa tem dez dias para tentar reduzir o R(t) – índice de transmissibilidade – e a incidência, embora, seja quase certo, que “muito dificilmente a capital conseguirá passar ao próximo nível de desconfinamento”, a vigorar a 14 de Junho.

Mais. A capital, com esta incidência, arrisca mesmo recuar no passo que já deu a 1 de Maio. Ou seja, regressar à terceira fase de desconfinamento e a mais restrições. De acordo com as medidas apresentadas pelo governo nesta quarta-feira, uma incidência de 120 casos por 100 mil habitantes suspende o avanço de um concelho à fase seguinte, e se a incidência atingir os 240 casos o concelho recua.

Lisboa é um dos seis concelhos em alerta. E, mais uma vez, vários especialistas contactados pelo DN apelam à responsabilidade individual no cumprimento de regras, porque “a pandemia ainda não acabou”, volta a reforçar a pneumologista Raquel Duarte, que tem sido convidada pelo governo para elaborar as propostas para cada uma das fases do desconfinamento.

“As pessoas têm de ter a noção de que têm de cumprir o que já sabem. Devem manter as regras de protecção individual, devem manter o conceito de bolha familiar, social e laboral. Não devem andar em festas e todos os eventos em que seja possível a aglomeração de pessoas não podem acontecer. Este é o tipo de situação que não pode mesmo acontecer”, reforça.

Regras e comportamentos que comprovaram ser eficazes na redução de risco de transmissibilidade. Por isso, sublinha a médica, “o controlo da situação não pode depender só da lei, mas também da responsabilidade de cada um”. Aliás, e como refere, nunca é de mais recordar que, “do ato de cada um vai depender não só a sua protecção, mas a da sua família e de toda uma comunidade”. Acrescentando: “Se não queremos medidas restritivas, se queremos continuar a caminhar para uma vida normal, vamos ter de confiar cada vez mais na responsabilidade individual.

Lisboa: semana que aí vem é de risco elevado para o contágio

A semana que aí vem não ajuda Lisboa, podendo mesmo aumentar ainda mais o risco de contágio. Para o epidemiologista Tiago Correia, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT), é uma fase em que a capital “corre um grande risco. É a semana dos Santos e, com ou sem festejos, vai haver excessos, surpreende-me que se possa pensar que as pessoas não vão sair ou que não se juntem em casa. É notório que os mais novos já desligaram completamente dos comportamentos de protecção”, sustentando: “Parece-me difícil que em dez dias o R(t) baixe o suficiente para que a incidência fique abaixo dos 120 casos.”

O especialista acredita mesmo que o que vai acontecer é que “Lisboa não avançará para a nova fase do desconfinamento”, mas para a situação não agravar ainda mais defende que “é preciso definir já um plano de actuação para os dias seguintes. Não podemos esperar cinco a seis dias para avançar com a testagem em massa, porque aí, se calhar, vamos assustar-nos com o número de casos, pois o risco teórico de chegar aos 240 casos por 100 mil habitantes pode acontecer”.

769. Casos Este é o número de novas infecções registado ontem. O boletim diário da DGS dá conta de três óbitos e de um aumento nos casos activos, 23.343, mais 378 do que no dia anterior.

Ricardo Mexia, epidemiologista e presidente da Associação Portuguesa dos Médicos de Saúde Pública, argumenta ao DN que “a evolução da situação em Lisboa depende muito da aposta nas medidas individuais” e que tal “é um desafio comunicacional, que não tem funcionado desde o início da pandemia. Quando as pessoas veem acontecer determinadas situações, como os adeptos ingleses no Porto ou os festejos do Sporting, depois torna-se muito difícil que cumpram as regras definidas”

A situação de Lisboa é uma preocupação, sobretudo quando os modelos matemáticos indicam uma incidência de 177 por 100 mil habitantes, podendo chegar-se aos 240 casos numa semana, o que faz Ricardo Mexia mencionar: “Provavelmente, o modelo matemático está a estimar por baixo, porque sabemos que, na semana que vai entrar, de festividades populares, haverá encontros entre as pessoas.” Portanto, o que assusta “é que seja o que for que os modelos matemáticos estejam a projectar, é provável que a realidade seja um pouco mais negativa”.

Questionado sobre se é possível inverter a tendência em Lisboa, Ricardo Mexia, diz: “Possível é, mas ou mudávamos hoje uma série de coisas no que diz respeito à comunicação e à testagem ou então é difícil alcançar isso neste horizonte temporal”, reforçando: “Ou somos mais assertivos já agora e claros para que as pessoas percebam que, apesar desta aparente normalidade, a pandemia ainda não acabou, que não estamos nessa fase, ou então podemos ter um aumento nos internamentos e na mortalidade, como de resto está acontecer em algumas zonas do Reino Unido.

O médico alerta também para a necessidade da mensagem passada: “É preciso fazer com que as pessoas percebam que podem realizar um conjunto de actividades, que estão permitidas, desde que cumpram as regras. E há que promover ainda mais a testagem massiva nos contextos em que há maior incidência, como é o caso de Lisboa, para se identificar quais são as cadeias de transmissão e quebrá-las.”

É preciso controlar situação senão haverá mais internamentos, inevitavelmente

Em relação a Lisboa, Raquel Duarte diz ser preciso perceber se o aumento que tem sido observado é o resultado do reforço do rastreio e do trabalho da saúde pública – ou seja, se estes casos estão a surgir porque se está a conseguir identificá-los precocemente com testagem em grupos vulneráveis ou em áreas geográficas e laborais de maior risco e com maior incidência – ou se está a resultar de pessoas já com sintomas e de cadeias de transmissão que não são conhecidas. De qualquer forma, é “preciso controlar a situação”, refere.

385. Este é o número de infecções registadas ontem na região de Lisboa e Vale Tejo. São mais do que os registados nas restantes regiões continentais: norte (242), centro (54), Algarve (36) e Alentejo (12).

“A saúde pública está a fazer trabalho no terreno e quanto mais rápido e precoce for, melhor.” Por isso, explica, “é que defendo que se deve manter o limite dos 120 casos por 100 mil habitantes, porque, a partir do momento que começa a haver muitos casos, torna-se cada vez mais difícil de fazer de forma rápida os inquéritos epidemiológicos, para depois se implementar medidas. Senão for assim, corremos o risco de voltarmos a ter o que aconteceu no ano passado, inquéritos epidemiológicos em atraso, e isso significa que podemos ter contactos positivos na comunidade que não sabem que estão infectados”.

Raquel Duarte, que também é coordenadora da Unidade de Investigação da ARS Norte, defende ao DN que, neste momento, a nível nacional “estamos bem, mas estamos numa fase em que precisamos ter muito controlo na situação. E este tem de ser local e concelhio, não podemos deixar que o número de casos aumente acima dos 120 por 100 mil habitantes, porque uma coisa é ter uma incidência de 120 por 100 mil num concelho que tem 4 ou 5 mil habitantes, outra é ter 120 num concelho que tem milhares de habitantes”, como é Lisboa ou até o Porto. “O denominador é muito grande, são muitos casos a poder estar a transmitir na comunidade, o que pode escalar rapidamente para valores muito elevados. E se a incidência aumentar muito, inevitavelmente voltaremos a ter internamentos, embora com outros grupos etários.”

Um ano depois, já tratamos a pandemia por tu, já nos habituámos a ela, a vacinação está a ter eficácia, isso prova a redução nos internamentos e na mortalidade, mas, agora, há outra “ameaça terrível, a do excesso de confiança”, argumenta Raquel Duarte.

Uma ameaça que tem sido comprovada em várias situações, mas a mensagem que deixam os especialistas é a de que é preciso testar mais, vacinar mais, porque, como diz Tiago Correia, com o nível de vacinação que temos, “não é possível mudar a matriz de risco”, confessando, no entanto, que nesta quarta-feira, ao ouvir o primeiro-ministro, sentiu que ficou sem respostas, porque “é preciso explicar às pessoas porque não mudou e isso não foi feito”. E alerta: “Em relação a Lisboa, agora, não houve reacções, porque continua tudo como está, mas a partir de 14 de Junho, se houver mais restrições, as pessoas vão reagir e acho que não houve reflexão sobre isso”.

As fases de desconfinamento que o país já passou

1.ª Fase 15 de Março

Começou com o regresso à escola das crianças no pré-escolar, creches e primeiro ciclo. Com a abertura de cabeleireiros e barbearias e do comércio ao postigo, mas também de livrarias, bibliotecas e arquivos. E retomou-se a actividade do comércio automóvel e da mediação imobiliária.

2.ª Fase 5 de Abril

Esta fase marcou o regresso às aulas presenciais para os segundo e terceiro ciclos. Assinalou também o regresso da actividade na restauração. Abriram as esplanadas para grupos até quatro pessoas e as lojas até 200 metros quadrados com porta para a rua. Mas há mais. Os equipamentos sociais na área da deficiência começaram a funcionar. As feiras e mercados não alimentares também e o mesmo aconteceu com as modalidades desportivas de baixo risco. Ginásios reabriram, sem aulas de grupo, e voltou exercício em grupo até quatro pessoas ao ar livre.

3. ª Fase 19 de Abril

Restaurantes, cafés e pastelarias abriram e foi permitida a presença de grupos de quatro pessoas no interior e seis na esplanada até às 22h30 durante a semana e 13h00 ao fim de semana e feriados. Há o regresso ao ensino presencial para alunos do secundário e ensino superior. Abriu todo o comércio, incluindo centros comerciais, mas com encerramento às 21h00 durante os dias úteis e às 13h00 aos sábados, domingos e feriados. Abrem também cinemas, teatros, auditórios e salas de espectáculo, até às 22h30 durante os dias de semana e às 13h00 aos sábados, domingos e feriados. Atendimento presencial nas lojas do cidadão, desde que com marcação prévia. Voltam as modalidades desportivas de médio risco, actividade física ao ar livre para grupos até seis pessoas, eventos exteriores com diminuição de lotação (cinco pessoas por 100 metros quadrados), festas de casamento e baptizado, com limite de ocupação dos espaços de 25%.

4.ª Fase 1 de Maio (actual e até 14 de Junho)

Restaurantes, cafés e pastelarias funcionam mas ainda com limitação condicionada a um máximo de seis pessoas por mesa no interior e dez pessoas por mesa nas esplanadas. É permitida a prática de todas as modalidades desportivas e toda a actividade física ao ar livre. Os ginásios podem funcionar com aulas de grupo e a lotação para casamentos e baptizados passa a estar limitada a 50% do espaço. E passam a funcionar todas as instalações desportivas onde ocorrem prestação de serviços até às 22h30, volta a actividade dos equipamentos itinerantes de diversão, os parques de diversão infantil, parques aquáticos. Os restaurantes e espectáculos funcionam até às 22h30 e o comércio em geral até às 21h00 nos dias de semana e até às 19h00 nos fins de semana e feriados. Os restaurantes em centros comerciais funcionam também até às 22h30 nos dias de semana e até às 19h00 nos fins de semana e feriados.

As medidas que vêm a seguir e que Lisboa arrisca a não adoptar

1.ª Fase 14 de Junho

Teletrabalho recomendado nas actividades que o permitam; restaurantes, cafés e pastelarias (máximo de seis pessoas no interior ou dez pessoas em esplanadas) até à meia-noite para admissão e 01h00 para encerramento; comércio com horário do respectivo licenciamento; transportes públicos com lotação de dois terços ou com a totalidade da lotação nos transportes que funcionem exclusivamente com lugares sentados; espectáculos culturais até à meia-noite; salas de espectáculos com lotação a 50%. Fora das salas de espectáculo, com lugares marcados e com regras a definir pela DGS. Escalões de formação e modalidades amadoras com lugares marcados e regras de acesso definidas pela DGS. Recintos desportivos com 33% da lotação.

2.ª Fase 28 de Junho

Desporto: regressam os escalões profissionais ou equiparados com 33% da lotação (regras de acesso a definir pela DGS). Lojas de Cidadão: funcionam sem marcação prévia; Transportes públicos: sem restrição de lotação.

Concelhos em alerta

Braga

Cantanhede

Castelo de Paiva

Lisboa

Salvaterra de Magos

Vale de Cambra

Concelhos que se mantêm na 3.ª Fase

Odemira

Golegã

Concelhos que avançam

Arganil

Montalegre

Diário de Notícias

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

Responsável da EMA: “Agora podemos afirmar, está claro que há uma ligação com a vacina”

 

SAÚDE/VACINAS/ASTRA-ZENECA

Agência Europeia do Medicamento deverá declarar que existe uma ligação entre a vacina e os casos de coágulos sanguíneos, segundo afirmou um responsável do regulador europeu.

Profissional de saúde prepara doses da vacina contra a covid-19, desenvolvida pela AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford
© EPA/GIUSEPPE LAMI

Marco Cavaleri, director de estratégia de vacinas da Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) admite a existência de “uma ligação” entre a vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, e os casos de coágulos sanguíneos em pessoas que foram imunizadas com o fármaco. A afirmação foi feita em entrevista ao jornal italiano Il Messaggero, publicada esta terça-feira.

Agora podemos afirmar, está claro que há uma ligação com a vacina. Mas ainda não sabemos o que provoca esta reacção (…) Nas próximas horas vamos declarar que existe uma ligação, mas ainda temos de perceber a razão pela qual isso acontece”, disse Cavaleri.

Depois de vários países optarem por suspender, como medida de precaução, a administração da vacina desenvolvida pela farmacêutica anglo-sueca, entre os quais Portugal, a Agência Europeia do Medicamento fez uma nova análise ao fármaco.

O regulador europeu considerou a vacina “segura” e eficaz”, tendo declarado que os benefícios superam os riscos e que deve continuar a ser administrada.

Depois desta nova avaliação da EMA, Portugal foi um dos países que retomou a imunização com a vacina da AstraZeneca.

Estamos a tentar obter uma imagem precisa do que está a acontecer, para definir em pormenor esta síndrome decorrente da vacina”, disse Cavaleri.

O responsável da EMA admitiu ainda: “Entre os vacinados, há mais casos de trombose venosa cerebral… entre os jovens do que seria de esperar.

Reino Unido registou 30 casos de coágulos sanguíneos em 18,1 milhões de doses administradas

De referir que no Reino Unido foram registados 30 casos de coágulos sanguíneos em pessoas que tomaram a vacina e sete mortes de um total de 18,1 milhões de doses administradas até 24 Março.

No final o mês passado, a directora executiva da EMA, Emer Cooke, anunciou que foram comunicados ao regulador europeu 62 casos de coágulos de sangue invulgares e 14 mortes até 22 de Março após a toma da vacina da AstraZeneca contra a covid-19.

A EMA afirmou, na altura, “não existirem provas” científicas que recomendem a restrição do uso da vacina, que foi denominada por Vaxzevria, insistindo não existir “relação casual” com os episódios de coágulos sanguíneos. No entanto, garantiu que “ainda está em curso uma análise mais aprofundada”.

“De acordo com os conhecimentos científicos actuais, não existem provas de apoio à restrição do uso desta vacina em qualquer população”, declarou a directora executiva da EMA.

Emer Cooke notou, nessa ocasião, que, apesar dos casos de aparecimento de coágulos sanguíneos e da morte de algumas pessoas inoculadas com este fármaco, “ainda não foi provada uma relação causal com a vacina”.

Paul Hunter, especialista em microbiologia médica da Universidade de East Anglia, entrevistado pela agência de notícias AFP, “a evidência aponta mais para a vacina Oxford-AstraZeneca como causa”.

Como precaução, vários países determinaram a aplicação desta vacina a algumas faixas etárias, como França, Alemanha e Canadá.

A AstraZeneca refere que os benefícios da vacina na prevenção da covid-19 superam os riscos dos efeitos secundários. A farmacêutica anglo-sueca afirmou no sábado que a “segurança do doente” é sua “principal prioridade”.

Diário de Notícias
DN/AFP
06 Abril 2021 — 11:35

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

650: As interrogações que recaem sobre a vacina da AstraZeneca

 

SAÚDE/VACINAS/ASTRA-ZENECA

A vacina da covid-19 da AstraZeneca/Oxford tem vindo a acumular polémicas sobre os eventuais efeitos colaterais que pode provocar. Ao mesmo tempo a vacina é mais barata e fácil de armazenar. Estas são as dúvidas mais proeminentes sobre esta vacina.

Vacina da AstraZeneca

Esta é uma vacina “de vector viral”: tem como base outro vírus (um adenovírus de chimpanzé) que foi debilitado e geneticamente modificado para impedir que o coronavírus se reproduza no organismo humano.A forma como introduz o material genético nas células, ordenando-as a atacar o SARS-CoV-2, foi classificada como “cavalo de Troia”.

A vacina da AstraZeneca/Oxford, que foi desenvolvida pelos investigadores da Universidade de Oxford em colaboração com o laboratório britânico AstraZeneca, tem a vantagem de ser barata, entre 1,70 a 2,55 euros por dose (2 a 3 dólares), com variações de acordo com os custos de produção locais. A AstraZeneca comprometeu-se a vendê-la a preço de custo.

Uma das características diferenciadoras em relação a outras vacinas é a facilidade de armazenagem: pode ser conservada na temperatura de uma geladeira, entre 2ºC e 8ºC, ao contrário das vacinas da Moderna e da Pfizer/BioNTech, que podem ser armazenadas a longo prazo apenas a temperaturas muito baixas (-20°C no primeiro caso, e -70°C, no segundo).
Isso facilita uma vacinação em grande escala.

A eficácia

Segundo o laboratório britânico, a vacina tem uma eficácia média de 70% (contra mais de 90% para Pfizer/BioNTech e Moderna), resultado validado pela revista científica The Lancet.

Nos primeiros resultados publicados, de ensaios clínicos anteriores à sua aprovação, houve variações na eficácia, de acordo com as diferentes doses administradas por engano, o que semeou dúvidas e provocou críticas, levando a empresa a realizar estudos adicionais.

A sua eficácia em pessoas com mais de 65 anos também foi questionada na Europa por falta de dados, até que novas informações, extraídas das campanhas de vacinação dos países mais avançados neste campo, deram garantias a esse respeito.

Vários países, como Alemanha e Itália, finalmente a autorizaram para essa faixa etária, na esperança de acelerar suas campanhas de imunização.

Um estudo realizado por autoridades de saúde da Inglaterra mostrou protecção de 60% a 73% contra as formas sintomáticas da doença em pessoas com mais de 70 anos, com dose única.

Os efeitos colaterais

Suspeita-se de possíveis efeitos colaterais graves, mas raros, após a deteção de casos atípicos de trombose em pacientes vacinados com AstraZeneca,. Foram registados dezenas de casos, alguns dos quais resultaram em mortes.

O Reino Unido registou 30 casos e sete mortes, até ao momento, de um total de 18,1 milhões de doses administradas até 24 de Março.

Nenhuma observação semelhante foi relatada após a aplicação de milhões de doses do imunizante Pfizer/BioNTech.

Segundo a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), “nenhuma relação causal foi comprovada, mas é possível”, e os benefícios do imunizante contra o coronavírus continuam a superar os riscos.

Como precaução, vários países decidiram não administrar esta vacina abaixo de certa idade, como a Alemanha e a Holanda (60 anos), França e Canadá (55 anos), ou Suécia e Finlândia (65 anos). Por sua vez, a AstraZeneca disse em Março que “não há evidências de um risco agravado” de coágulos sanguíneos.

Diário de Notícias
DN
03 Abril 2021 — 17:18

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]