694: Portugal tem 22 concelhos com incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

Um total de 14 concelhos têm valores entre os 120 e os 239,9 casos por 100 mil habitantes, menos 17 em relação ao boletim anterior.

A Aldeia de Anceriz, perto de Arganil, foi severamente afetada pelos incêndios de outubro de 2017.
© Fernando Fontes / Global Imagens

Portugal tem esta sexta-feira 22 concelhos com incidência do novo coronavírus superior a 120 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, menos 14 em relação ao boletim anterior divulgado na última sexta-feira.

Segundo os dados revelados esta sexta-feira pela Direcção-Geral da Saúde, tal como no boletim anterior não existem concelhos em risco muito elevado, ou seja, com incidência a 14 dias superior a 960 casos por 100 mil habitantes.

Em risco elevado de contágio mantém-se apenas o município de Arganil (826) que regista incidência acumulada superior a 480 casos por 100 mil habitantes.

Dos 22 concelhos, sete registam um acumulado, nos últimos 14 dias, de mais de 240 casos por cada 100 mil habitantes: Lajes das Flores (410), Lamego (261), Ribeira Grande (375), Castelo de Paiva (298), Montalegre (289), Nordeste (329) e Odemira (271).

Um total de 14 concelhos têm valores entre os 120 e os 239,9 casos por 100 mil habitantes, menos 17 em relação ao boletim anterior.

Com zero casos nos últimos 14 dias são referidos 85 concelhos, mais seis em relação ao boletim anterior.

A incidência cumulativa a 14 dias do boletim de hoje refere-se aos dias entre 24 de Abril e 12 de Maio.

Na nota explicativa dos dados por concelhos é referido que a incidência cumulativa “corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e a população residente estimada”.

Em 11 de Março, na apresentação do plano de desconfinamento, o primeiro-ministro, António Costa, avisou que as medidas da reabertura serão revistas sempre que Portugal ultrapasse os “120 novos casos por dia por 100 mil habitantes a 14 dias” ou sempre que o Rt – o número médio de casos secundários que resultam de um caso infectado pelo vírus – ultrapasse 1.

O índice de transmissibilidade (Rt) do coronavírus SARS-Cov-2 em Portugal subiu hoje para os 0,95, enquanto a incidência de casos de infecção por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias desceu para 50,3.

Os números anteriores destes indicadores, divulgados na quarta-feira, indicavam um Rt de 0,93 e uma incidência de 51,0 casos por 100.000 habitantes.

No boletim epidemiológico conjunto da Direcção-Geral da Saúde e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) divulgado hoje, os números relativos apenas a Portugal continental revelam que o Rt subiu de 0,92 para 0,95, sendo ainda registada uma descida de 48,7 para 48,1 em relação ao valor médio de novos casos de infecção por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias.

Diário de Notícias
Lusa
14 Maio 2021 — 15:00

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

693: Mais 450 casos em Portugal em 24 horas. Não há registo de mortes, mas R(t) sobe

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

Em 24 horas, 324 pessoas recuperaram da covid-19, mostram os dados da Direcção-Geral da Saúde. Índice de transmissibilidade, R(t), sobe para 0,95.

Centro de Vacinação Covid-19 de Matosinhos
© André Rolo / Global Imagens

O boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal registou 450 novos casos nas últimas 24 horas. O país voltou a não registar mortes por covid-19, refere também o relatório desta sexta-feira (14 de maio).

Este é o quinto dia, desde o início da pandemia, em que Portugal não reporta óbitos associados à infecção pelo novo coronavírus. O primeiro ocorreu a 3 de Agosto de 2020, o segundo foi a 26 de Abril, o terceiro a 30 de Abril e o quarto a 3 de Maio.

Número de hospitalizações desce para 236 (menos oito face ao dia de ontem). Já nas unidades de cuidados intensivos há mais duas pessoas internadas, são, no total, 72 doentes.

Índice de transmissibilidade, R(t), sobe para 0,95, tanto a nível nacional como no continente. A incidência da infecção a 14 dias mantém, no entanto, a tendência de descida, com 50,3 casos de covid-19 por 100 mil habitantes a nível nacional. Em território continental, a incidência situa-se nos 48,1 casos de infecção por 100 mil habitantes.

Dois parâmetros da matriz de risco, que serve de base à gestão do Governo em relação ao plano de desconfinamento, sendo que Portugal mantém-se na zona verde.

© DGS

De ontem para hoje, recuperaram mais 324 pessoas, elevando para 802.285 o número total de recuperados.

Desde o início da pandemia (em Março de 2020) já foram registados em Portugal 841.379 casos de infecção pelo novo coronavírus, 16.999 óbitos, sendo que actualmente existem 22.095 casos activos da doença (mais 126).

O relatório da DGS indica que o Norte continua a ser a região com o maior número de novos casos (157), seguida de Lisboa e Vale do Tejo, com 141 notificações.

Confirmaram-se mais 28 casos no Centro, 29 no Alentejo, 32 no Algarve, 34 na Madeira e 29 nos Açores.

© DGS

Números da DGS mostram também que há 18.967 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde (menos 144).

Viagens não essenciais de e para o Reino Unido permitidas a partir de segunda-feira

Dados actualizados da pandemia em Portugal no dia em que se ficou a saber que as viagens não essenciais de e para o Reino Unido vão ser permitidas a partir das 00:00 de segunda-feira.

Será apenas necessário apresentar um teste negativo para a covid-19 realizado nas 72 horas anteriores, anunciou esta sexta-feira fonte governamental. A decisão governamental será tomada esta sexta-feira, disse à Lusa fonte do gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Também esta sexta-feira, a União Europeia veio dizer que há condições para “reabertura segura” do turismo no verão.

“É claro que a situação [da pandemia de covid-19] continua difícil. Contudo, estou certo de que finalmente vemos luz no fim do túnel. Agora temos as ferramentas e condições certas para garantir uma reabertura segura da época do turismo”, frisou o responsável, na sessão de abertura do Fórum de Alto Nível sobre Sustentabilidade e Turismo, organizado pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE).

EUA vão acabar com a obrigatoriedade de máscaras para pessoas vacinadas

Entre essas ferramentas, Thierry Breton, responsável pelo grupo de trabalho sobre a estratégia de vacinação da UE, destacou o “aumento considerável da capacidade produtiva” de vacinas, que o leva a crer que “em meados de Julho” serão entregues “doses suficientes para vacinar 70% da população” da UE.

Já os Estados Unidos vão acabar com a obrigatoriedade de máscaras faciais para pessoas vacinadas, incluindo nalguns ambientes fechados, devido à evolução favorável do combate à pandemia de covid-19, uma mudança saudada pelo presidente Joe Biden.

“Hoje é um grande dia para a América”, disse Biden num discurso na Casa Branca, na zona exterior do Jardim das Rosas, em que anunciou a nova orientação.

A declaração do presidente dos EUA surgia na sequência de uma revisão de orientações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) para pessoas totalmente vacinadas, permitindo que estas deixem de usar máscaras ao ar livre em multidões e na maioria dos ambientes fechados.

Mais de 161 milhões de casos registados em todo o mundo

Contudo, é ainda exigido o uso de máscaras em ambientes fechados lotados, como autocarros, aviões, hospitais ou prisões.

A nível mundial, a pandemia é responsável pela morte de pelo menos 3.346.813 pessoas desde que os primeiros casos foram detectados na China em Dezembro de 2019, segundo o balanço desta sexta-feira feito pela AFP.

Desde o início da pandemia, já foram confirmados pelo menos 161.081.960 casos de infecção por SARS-CoV-2 em todo o mundo.

Diário de Notícias
14 Maio 2021 — 15:07

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

692: Calamidade até 30 de Maio. Mais três concelhos desconfinam, dois recuam

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

País está, nesta altura, com uma incidência a 14 dias abaixo dos 50 casos por 100 mil habitantes, avançou a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, após a reunião do Conselho de Ministros desta quinta-feira.

© MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Num contexto geral de decréscimo “muito significativo” de casos de covid-19 – o país tem agora uma incidência a 14 dias abaixo dos 50 casos por 100 mil habitantes – a excepção vai para os concelhos de Arganil e Lamego, os únicos que recuam no desconfinamento, regredindo para as regras definidas para 19 de Abril. Um terceiro concelho – Resende – permanece no mesmo nível, vigorando as medidas adoptadas na generalidade do país a 5 de Abril.

Em sentido oposto, avançam no desconfinamento, juntando-se ao resto do país, os concelhos de Carregal do Sal, Cabeceiras de Basto e Paredes. Também a freguesia de Longueira-Almograve, em Odemira – que esteve com cerca sanitária até à meia-noite da última terça-feira – passa a acompanhar o resto do país.

Já São Teotónio, a segunda freguesia de Odemira que foi alvo de uma cerca sanitária, “mantém ainda níveis de incidência elevada, ainda que as autoridades de saúde digam que não existe neste momento transmissão comunitária”, segundo avançou esta tarde a ministra de Estado e da Presidência. Avança um passo no desconfinamento, mas para as regras de 5 de Abril, o que permite a abertura de lojas e a permanência em esplanadas.

Falando na conferência de imprensa após o final do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva sublinhou que há sete concelhos que estavam em alerta na semana passada e que assim se mantêm, há cinco concelhos que entram agora em situação de alerta e 14 concelhos que deixam de estar. “Temos mais concelhos a sair de níveis acima de 120 [casos por 100 mil habitantes] do que concelhos a entrar e isso é um retrato do país”, sublinhou a ministra, destacando a evolução favorável da pandemia nas últimas semanas.

Face a este cenário, Mariana Vieira da Silva avançou que o Governo fez alguns “acertos” às medidas previstas, decidindo que podem agora reabrir os parques infantis não públicos, os parques aquáticos e e os itinerantes de diversão. “Para todos os concelhos que estiverem no nível maior de desconfinamento – que são quase todos -, há possibilidade de entrada em actividade dos itinerantes de diversão, dos parques infantis que não os públicos, que já tinham aberto há 15 dias, e dos parques aquáticos”,, especificou.

As actividades desportivas passam a funcionar até às 22.30 horas, acompanhando os horários da restauração e das actividades culturais. Até agora estavam limitadas às 21 horas aos dias de semana e às 19 horas ao fim de semana.

As restantes regras que já estavam previstas para cada nível de desconfinamento vão manter-se.

Apesar dos números positivos, o Conselho de Ministros desta tarde decidiu prolongar o estado de calamidade até 30 de maio.

Teletrabalho obrigatório reavaliado no final de Maio

Na conferência de imprensa, Mariana Vieira da Silva confirmou que se mantém a obrigatoriedade do teletrabalho até final de maio, mas acrescentou que a medida será reavaliada nessa altura, depois de ser conhecido o novo plano de riscos que foi pedido a Óscar Felgueiras e Raquel Duarte, e numa altura em que as pessoas com mais de 60 anos já estarão vacinadas. Nessa altura serão reanalisadas outras restrições que estão ainda em vigor.

Mariana Vieira da Silva avançou ainda que a final da Liga dos Campeões, que decorrerá no estádio do Dragão, no Porto, a 29 de maio, vai ter lugares marcados, com bilhetes nominais. Segundo a ministra haverá um limite de 12 mil adeptos no estádio, e estes terão de viajar “em bolha” e não poderão permanecer no país mais que 24 horas.

“As pessoas que vierem à final da Liga dos Campeões virão e regressarão no mesmo dia, com teste feito, em situação de bolha, ou seja, em voos charter, com deslocações para uma zona de espera. Daí irão para o estádio e depois para o aeroporto, estando em território nacional menos de 24 horas, numa permanência em bolha e com testes obrigatórios, feitos, em princípio, antes de entrarem no avião”, sublinhou a governante.

Praias com semáforos, mas a verde com metade da lotação

Tal como já sucedeu na época balnear de 2020/2021, as praias voltam a ter semáforos para controlar a lotação, mas os níveis de ocupação são alterados – até 50% da ocupação o semáforo permanece verde; de 50 a 90% da lotação ficará amarelo; acima de 90% dará lugar ao semáforo vermelho. O ano passado o semáforo verde aplicava-se a uma lotação até um terço.

Segundo a ministra, tal como no ano passado, não é necessário usar máscara na praia”, mas será obrigatório usá-la nos acessos à praia, nos acessos aos cafés e restaurantes, no interior dos restaurantes e nas casas de banho”. A diferença é que este ano o incumprimento ficará sujeito a multa.

Diário de Notícias

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

689: Dois mortos e menos 20 internados por covid-19 em 24 horas

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

Estão internados 260 doentes (menos 20 do que na véspera), dos quais 74 (menos um) em unidades de cuidados intensivos. Portugal tem 22.260 casos activos da infecção por covid-19, indica o boletim diário da Direcção-Geral da Saúde.

Os testes à covid-19 têm vindo a ser intensificados
© MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal registou, nas últimas 24 horas, mais 406 casos de covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS). O relatório deste sábado (8 de Maio) mostra também que morreram mais duas pessoas devido à infecção pelo novo coronavírus.

Estão internados 260 doentes (menos 20 do que na véspera), dos quais 74 (menos um) em unidades de cuidados intensivos. No caso dos doentes mais graves, é preciso recuar a 24 de Setembro de 2020 para encontrar menos de 80 doentes nos cuidados intensivos.

Há agora 22.260 casos activos no País, menos 161 do que no boletim de sexta-feira tendo sido registados mais 565 recuperados. Os contactos em vigilância são 20.656 menos 406 do que há 24 horas.

A região norte é aquela que apresenta maior número de novos casos, com 127 e uma morte, seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo, com 115 novas infecções e também uma morte registada. A região centro tem 49 novos casos, a do Alentejo 23 e o Algarve 61, mas em nenhuma destas se registou qualquer óbito.

Na região autónoma dos Açores há 22 novos casos de covid-19 e na da Madeira apenas 9, sem que em nenhum haja vítimas mortais da doença.

A taxa de incidência é agora de 61,3 casos de infecção por SARS-CoV-2 por cem mil habitantes a nível nacional (59 casos por cem mil habitantes quando é tido em conta só no Continente). O risco de transmissibilidade R(t) é de 0,95.

Mais vacinas e patentes em discussão

Dados registados num dia em que a União Europeia concluiu um acordo com a ​​​​BioNTech/Pfizer para a aquisição de 1,8 mil milhões de doses extra da vacina contra a covid-19 desenvolvida por estas farmacêuticas, disse a presidente a Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, este sábado.

“Feliz de anunciar que a Comissão Europeia acaba de aprovar um contrato que garante 900 milhões de doses (+900 milhões opcionais) com a BioNTech/Pfizer para 2021-2023”, disse no Twitter.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, também afirmou este sábado que a União Europeia está pronta para debater uma proposta dos EUA para o levantamento das patentes das vacinas contra a covid-19 assim que uma proposta concreta aconteça.

“Estamos prontos para falar sobre este assunto assim que uma proposta concreta seja posta sobre a mesa”, disse Charles Michel, citado pela AFP. Os líderes dos estados-membros da UE estão reunidos para a cimeira social que decorre no Porto.

Diário de Notícias
08 Maio 2021 — 14:06

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

688: Mais uma morte e 377 casos em Portugal em 24 horas

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

Reportados mais 490 casos de pessoas que recuperaram da covid-19, indica o boletim epidemiológico da DGS. R(t) desce para 0,92 e incidência também recua.

Profissionais de saúde preparam a realização de testes à presença do SARS-CoV-2 pouco antes do espectáculo do humorista Fernando Rocha, o primeiro evento-teste a grandes eventos culturais ao vivo e com público © HUGO DELGADO/LUSA

Registaram-se mais 377 casos de covid-19 e uma morte nas últimas 24 horas, segundo o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde.

O relatório desta sexta-feira (7 de maio) indica que estão hospitalizados 280 doentes infectados com o novo coronavírus (menos três face ao dia de ontem), dos quais 75 (menos dois) em unidades de cuidados intensivos.

Desde o início da pandemia, Portugal já confirmou 838.852 diagnósticos de covid-19 e 16.989 óbitos.

Em 24 horas, recuperaram da doença mais 490 pessoas, são, no total, 799.442, sendo que, ao dia de hoje, existem 22.421 casos activos da infecção (menos 114).

A incidência da infecção por SARS-CoV-2 a 14 dias recua para 57,7 casos por 100 mil habitantes a nível nacional. Tendo em conta só o território continental, este indicador situa-se nos 55,4 casos de infecção por 100 mil habitantes.

O índice de transmissibilidade, R(t), também desce. Passa de 0,95 para 0,92.

Estes dois indicadores constam da matriz de risco, que serve de base ao Governo para a gestão do processo de desconfinamento.

Os valores indicam que Portugal mantém-se na zona verde desta matriz de risco.

© DGS

O Algarve registou a única morte por covid-19, em 24 horas, tendo esta região confirmado mais 16 casos. A vítima mortal, uma mulher, tinha entre 60 e 69 anos.

A região Norte mantém-se como a que regista o maior número de novos casos (143), seguida de Lisboa e Vale do Tejo, com mais 125 infecções.

Verificaram-se ainda mais 67 casos no Centro, nove no Alentejo, outros nove nos Açores e oito na Madeira.

© DGS

O relatório da DGS indica também que há menos 947 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde, sendo 21.063 no total.

Portugal continental tem um milhão de pessoas com a vacinação completa

Antes da divulgação do boletim da DGS, a task force do plano de vacinação fez saber que cerca de 100 mil pessoas receberam a vacina contra a covid-19 na quinta-feira e hoje deverá ser administrado o mesmo número de doses, o que antecipa em uma semana a meta definida pela estrutura que coordena a logística da vacinação.

“No dia de ontem (quinta-feira) foram administradas cerca de 100 mil vacinas, número que se deverá registar igualmente no dia de hoje, antecipando-se assim a expectativa inicial em cerca de uma semana”, adiantou a task force, liderada pelo vice-almirante Gouveia e Melo, numa informação enviada à Lusa.

A meta de vacinar 100 mil pessoas por dia “só foi possível com a implementação do processo de auto agendamento”, explica a estrutura que gere o plano de vacinação.

A task force avançou ainda que Portugal continental alcançou na quinta-feira a marca de um milhão de pessoas com a vacinação completa com a segunda dose ou com a inoculação com a vacina de toma única da Janssen, o que corresponde a mais de 10% da população portuguesa.

Algarve pede alívio das restrições às viagens

Numa altura em que aumenta o ritmo de vacinação contra a infecção por SARS-CoV-2 e os números indicam uma estabilização da evolução da pandemia, o Algarve pede alívio das restrições às viagens.

“É importante que Portugal, na próxima revisão do estado de calamidade, não condicione as viagens para Portugal apenas a viagens essenciais. Isso será determinante. Já podíamos estar a receber viajantes com mais volume com estas condições se, também nós, não decidíssemos unilateralmente nesse instrumento do estado de calamidade definir essa condição de apenas poderem viajar pessoas com motivos essenciais“, diz ao Dinheiro Vivo João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA).

Assume que há “bons” indicadores para os próximos meses, mas não esconde que “a incerteza ainda nos deixa na expectativa”. E espera boas notícias de Londres no final da semana.

A nível mundial, os dados mais recentes indicam que os casos de infecção aproximam-se dos 156 milhões desde início da pandemia, de acordo com o balanço diário da AFP.

No total, e desde que o novo coronavírus foi identificado na China em Dezembro de 2019, pelo menos 155.981.070 casos de infecção foram oficialmente diagnosticados em todo o mundo.

Diário de Notícias
DN
07 Maio 2021 — 14:47

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

686: Mais 180 casos em Portugal nas últimas 24 horas. Não há registo de mortes

 

 

SAÚDE/COVID-19/ESTATÍSTICAS

O número de internamentos subiu. Há agora 322 doentes com covid-19 hospitalizados, indica o relatório diário da Direcção-Geral da Saúde. R(t) e a incidência descem. Portugal regista o quarto dia sem mortes associadas à infecção por SARS-CoV-2.

Campanha de vacinação contra a covid-19 a professores e funcionários de escolas de Viana do Castelo
© Rui Manuel Fonseca/Global Imagens

Registaram-se 180 novos casos de covid-19 em Portugal nas últimas 24 horas, indica a Direcção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico desta segunda-feira (3 de maio) refere também que ninguém morreu devido à infecção por SARS-CoV-2 neste período de tempo.

Há mais 11 pessoas internadas, elevando para 322 o número de pessoas hospitalizadas. Há 90 doentes nas unidades de cuidados intensivos (mais cinco face ao dia de ontem).

O relatório diário da DGS actualiza também o índice de transmissibilidade, verificando-se então uma descida no R(t), que passa de 0,98 para 0,96 a nível nacional e no território continental.

A tendência de descida também se verifica na incidência da infecção a 14 dias, registando-se 64,4 casos de COVID-19 por 100.000 habitantes em todo o território e 62,0 infecções no continente.

Estes são os dois indicadores na matriz de risco, que servem de base ao Governo na gestão das diferentes fases do plano de desconfinamento.

© DGS

Bruxelas recomenda alivio de restrições nas viagens para a UE aos vacinados e de países de baixo risco

Uma actualização dos dados da pandemia em Portugal no dia em que a Comissão Europeia recomendou um alívio nas restrições nas viagens não essenciais com destino aos países da União Europeia a todos aqueles que já foram vacinados com as doses da vacina contra a covid-19 e a pessoas provenientes de países onde a situação epidemiológica é favorável.

“A Comissão propõe permitir a entrada na UE, por razões não essenciais, não apenas para todas as pessoas provenientes de países com uma boa situação epidemiológica, mas também para todas as pessoas que receberam a última dose recomendada de uma vacina autorizada pela UE”, lê-se num comunicado do executivo comunitário, liderado por Ursula von der Leyen, divulgado esta segunda-feira.

“Além disso, a Comissão propõe aumentar o limite relacionado com o número de novos casos usados para determinar a lista de países a partir dos quais todas as viagens devem ser permitidas. Isto deverá permitir aumentar esta lista”, diz ainda a Comissão Europeia.

Embora queira aliviar as restrições nas viagens, Bruxelas avisa que é preciso manter as cautelas e atenção redobrada devido às variantes do SARS-CoV-2, vírus responsável pela pandemia de covid-19.

Nesse sentido, para evitar a propagação de novas variantes, a Comissão estabelece um mecanismo de “travão de emergência” para que seja aplicada, de forma urgente e temporária, restrições nas viagens caso haja um agravamento repentino na situação epidemiológica nos países.

A recomendação para aliviar as restrições nas viagens não essenciais com destino aos países da UE vai começar a ser debatida esta terça-feira pelos 27 Estados-membros.

Desta forma, Bruxelas pretende recuperar a economia, nomeadamente a indústria da aviação e o turismo. Aliás, a redução do transporte aéreo, face ao impacto da pandemia de covid-19, levou a União Europeia a perder cerca de sete milhões de postos de trabalho directos e indirectos, divulgou esta segunda-feira a Autoridade Nacional da aviação Civil (ANAC).

“Na Europa, o impacto social da redução do transporte aéreo foi particularmente difícil, levando à perda de cerca de sete milhões de postos de trabalho directos e indirectos”, afirmou o presidente da ANAC, Luís Miguel Ribeiro, citado pela Lusa. O responsável falava no ‘Aviation Day’, uma iniciativa organizada no âmbito da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

Covax assina acordo para compra de 500 milhões de doses da vacina da Moderna

Também neste início de semana, o programa de vacinação global da Covax fez saber que assinou um acordo de compra antecipada de 500 milhões de doses da vacina da Moderna contra a covid-19. O anúncio foi feito esta segunda-feira pela Aliança Gavi, iniciativa da Fundação Bill e Melinda Gates.

“Estamos muito satisfeitos por assinar este novo acordo com a Moderna, dando aos participantes da Covax acesso a outra vacina altamente eficaz”, disse Seth Berkley, o chefe-executivo da aliança de vacinas Gavi, em comunicado.

O sistema Covax, criado pela OMS e parceiros, visa para distribuir vacinas contra a covid-19 às nações desfavorecidas.

O acordo hoje anunciado surge dias após a Organização Mundial de Saúde, com semanas de atraso, anunciar a aprovação de emergência da vacina contra a covid-19 da Moderna, a quinta a beneficiar dessa validação da agência de saúde da ONU.

Diário de Notícias

DN

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes