868: Há 130 concelhos com incidência acima de 120 casos por 100 mil habitantes

SAÚDE/COVID-19/INFECÇÕES

Loulé (1.016) e Albufeira (997), no Algarve, são os dois concelhos que apresentam uma incidência superior ao limite de 960 casos por 100 mil habitantes

© EPA/MARIO CRUZ

Cento e trinta concelhos registam uma incidência de novos casos de infecção pelo vírus SARS-CoV-2 superior a 120 por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, mais 43 do que na última sexta-feira.

Segundo os dados esta sexta-feira divulgados no boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), Loulé (1.016) e Albufeira (997), no Algarve, são os dois concelhos que apresentam uma incidência superior ao limite de 960 casos por 100 mil habitantes.

Os 130 concelhos que apresentam uma incidência superior a 120 casos representam de 42% do total de concelhos do país.

De acordo com os mesmos dados, 27 concelhos apresentam uma incidência cumulativa a 14 dias superior a 480 casos de infecção, e 27 concelhos registam uma incidência superior a 240 casos por 100 mil habitantes.

Outros 58 concelhos registam uma incidência acumulada a 14 dias de entre os 120 e os 239,9 casos por 100 mil habitantes, enquanto 20 concelhos apresentam zero casos nas últimas duas semanas.

Nos concelhos de baixa densidade populacional, que representam mais de metade do território continental, a linha vermelha que obriga os municípios a recuar no plano de desconfinamento está fixada nos 480 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias e os restantes concelhos ficam sob alerta quando ultrapassarem os 240 casos por 100 mil habitantes no mesmo período.

Diário de Notícias
DN/Lusa
09 Julho 2021 — 17:50

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

867: Mais 3.194 casos de covid-19 e sete mortes em 24 horas. R(t) desce e incidência dispara

– Sem problema! Que interessa existirem mais de TRÊS MIL INFECTADOS/DIA e mais SETE MORTOS/dia, se a festa continua impávida e serena, cheia de alegria e boa disposição por parte dos labregos indigentes acéfalos que continuam nas suas marchas populares, indiferentes ao trabalho exaustivo dos profissionais de saúde que dedicam o seu tempo – e a sua vida -, a tratarem de uma choldra de imbecis (os que são, claro!) que andam na farra, sem atenderem ao momento extremamente perigoso que atravessamos com esta “gripezinha” do COVID-19? Não existirá, porventura, um mínimo de CONSCIÊNCIA, de PUDOR, de SERIEDADE nesses cérebros doentios e altamente desequilibrados psicologicamente? Só gente desequilibrada mentalmente pode dedicar-se a actividades em grupo, SEM RESPEITAREM DISTÂNCIAS FÍSICAS, num ESTADO DE CALAMIDADE NACIONAL, com um índice de transmissibilidade da PANDEMIA no limite da linha vermelha! VEJAM O GRÁFICO ABAIXO, imbecis!!! PAREM COM ESSAS MERDAS, PORRA, cambada de ANORMAIS…!!!

SAÚDE/COVID-19/INFECÇÕES/MORTES

Mais 3.194 casos de covid-19 e sete mortes em 24 horas. R(t) desce e incidência dispara

Centro de vacinação ‘drive-thru’, instalado no Queimódromo, junto ao Parque da Cidade, no Porto
© JOSÉ COELHO/LUSA

Foram registados mais 3.194 casos de covid-19 em Portugal nas últimas 24 horas, indica o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), elevando para mais de 900 mil o número total de infectados confirmados desde o início da pandemia.

Relatório diário desta sexta-feira (9 de Julho) refere também que sete pessoas morreram devido à infecção por SARS-CoV-2. O número de internados volta a subir. São agora 617 (mais 18 face a quinta-feira), dos quais 141 estão em unidade de cuidados intensivos (mais cinco).

Se o índice de transmissibilidade, o chamado R(t), desce para 1,18 a nível nacional e 1,19 no continente (antes era de 1,20), a taxa de incidência regista uma subida significativa.

O boletim diário mostra que a incidência a 14 dias passa de 247,3 para 272,0 casos de covid-19 em todo o território nacional. Já no continente, este indicador passa de 254,8 para 280,5 infecções por 100 mil habitantes.

Estes são os dois indicadores da matriz de risco, que serve de base ao Governo na gestão do processo de desconfinamento.

© DGS

Lisboa e Vale do Tejo volta a registar o maior número de novos casos, 1.482, o que corresponde a 46,4% do total nacional, sendo a região onde ocorreram, em 24 horas, quatro mortes devido à covid-19.

Os restantes três óbitos foram confirmados no Norte, onde se verificaram mais 891 diagnósticos de infecção pelo novo coronavírus.

Algarve é a terceira região com mais novas infecções, ao registar mais 323 casos. Logo a seguir surge o Centro com 319, o Alentejo com 108, os Açores com 48 e a Madeira com 23.

© DGS

Em 24 horas, foram reportados 1727 casos de pessoas que recuperaram da doença, sendo no total 842 024. Portugal agora contabiliza 902 489 diagnósticos de covid-19 desde o início de pandemia e 17 142 óbitos.

Perante estes dados, Portugal tem, actualmente, 43.323 casos activos de covid-19 (mais 1.460 face ao dia anterior). A DGS indica ainda que há mais 2.451 contactos que estão em vigilância pelas autoridades de saúde.

Com a incidência da infecção a subir no país e com 60 concelhos em risco elevado ou muito elevado, realiza-se no próximo dia 27 a reunião sobre a evolução da situação epidemiológica, que junta especialistas e políticos no Infarmed, em Lisboa. A última reunião realizou-se a 28 de Maio passado.

Ir a restaurantes e alojamentos só com certificado ou teste negativo

O agravamento da pandemia levou o Governo a aprovar na quinta-feira novas medidas, em reunião de Conselho de Ministros, entre as quais insere-se a apresentação de teste negativo ou certificado digital para ter acesso a estabelecimentos turísticos e de alojamento local no território continental.

Os cidadãos terão de fazer o mesmo – apresentar teste negativo ou certificado digital – para frequentarem o espaço interior dos restaurantes durante todo o dia aos sábados, domingos e feriados e às sextas a partir das 19:00. O horário de funcionamento destes estabelecimentos é alargado até às 22:30 nos concelhos de risco elevado e muito elevado (antes era até 15:30), conforme anunciou ontem a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva.

– O bicho apenas é PERIGOSO nesses horários, srs. governantes?

Novo recorde na vacinação com 158 mil pessoas vacinadas num dia

Entretanto, o ritmo de vacinação continua a aumentar, tendo sido registado um novo máximo diário na quinta-feira, com cerca de 158 mil pessoas vacinadas.

“Ontem (quinta-feira), 8 de Julho, foi novamente superado o máximo diário de vacinação com cerca de 158.000 inoculações. Esta nova marca só foi possível com a compreensão e paciência de todos os utentes e o profissionalismo e a entrega dos profissionais dos centros de vacinação que dão, diariamente, o seu melhor”, indicou a task force que coordena o processo de vacinação, liderada pelo vice-almirante Gouveia e Melo.

“Confirma-se assim a estimativa divulgada ontem, vacinando mais de 611 mil pessoas em apenas 4 dias”, adianta.

Portugal está a acelerar o ritmo de vacinação devido à rápida disseminação da variante Delta do SARS-CoV-2, considerada mais transmissível e que já é a predominante no país.

Pfizer quer aprovar terceira dose da vacina para aumentar imunidade

Ainda no que se refere à vacinação, a Pfizer fez saber esta sexta-feira que, em Agosto, pretende pedir ao regulador norte-americano, a Food and Drug Administration (FDA), “uma autorização de emergência para uma terceira dose” da vacina. A empresa farmacêutica afirmou que outra inoculação em 12 meses poderia aumentar a imunidade.

De acordo com as primeiras impressões do estudo de reforço de vacinação da Pfizer, é demonstrado que os níveis de anticorpos das pessoas aumentam de cinco para 10 vezes mais após uma terceira dose, em comparação com a segunda.

Investigações em vários países mostram que as vacinas utilizadas contra a covid-19 oferecem forte protecção contra a variante Delta, que é altamente contagiosa e está a espalhar-se rapidamente em todo o mundo.

Diário de Notícias
DN
09 Julho 2021 — 15:32

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

858: Mais 3.285 casos de covid-19 e oito mortes nas últimas 24 horas em Portugal

SAÚDE PÚBLICA/COVID-19/INFECÇÕES/MORTES

3.285 INFECTADOS e 8 MORTOS! A situação pandémica AGRAVA-SE a cada dia, mas a choldra de imbecis acéfalos continua a organizar, a promover, a realizar e a participar nas passeatas, caminhadas, casamentos, aniversários, baptizados e bebedeiras! Para quando a PSP e a GNR PÕEM COBRO A TODA ESTA MERDA? E também para quando o sr. inquilino do palácio de Belém, DECLARA, novamente, o ESTADO DE EMERGÊNCIA? Está à espera de quê? Que teimosia será esta?

Dados da DGS mostram que estão 603 pessoas com covid-19 internadas, das quais 130 em unidades de cuidados intensivos.

Enfermaria dedicada à covid-19 do Hospital de Santa Maria, em Lisboa
© Gerardo Santos / Global Imagens

Foram registados 3.285 novos casos de covid-19 em Portugal nas últimas 24 horas, refere o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS). Desde 11 de Fevereiro que não eram reportados tantas novas infecções.

O relatório desta quarta-feira (7 de Julho) indica também que morreram mais oito pessoas devido à infecção pelo novo coronavírus. Não se registavam tantos óbitos desde 14 de Abril, dia em que também foram registadas oito mortes.

A autoridade de saúde dá conta de que o número de internados desce para 603 (menos 10 face ao reportado na terça-feira). Nas unidades de cuidados intensivos estão agora 130 doentes (menos três).

Portugal está a aumentar o ritmo de vacinação contra a covid-19, tendo batido um novo recorde de doses de vacinas administradas na terça-feira. ​​​​​​”Ontem ultrapassámos as 150 mil doses administradas”, disse, esta quarta-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido, em comissão parlamentar.

Foram, no total, 154.600 pessoas inoculadas na terça-feira, o segundo dia a registar um número elevado na administração de vacinas. Em dois dias, foram administradas mais de 290 mil doses de vacinas contra o SARS-CoV-2.

“Sabemos que têm sido utilizadas as soluções que em cada momento são as mais eficientes”, afirmou a governante, sublinhando: “Somos neste momento um dos países da União Europeia [UE] que mais vacinas tem administradas, queremos fazer esta corrida contra a variante Delta através da vacinação”, referiu aos deputados.

A ministra da Saúde referiu que também a campanha de testagem tem “sido reforçada”. Nos primeiros dias de Julho, “a média diária de testes é a mais alta desde o início da pandemia, também acima de Janeiro”.

Estado de emergência? “Não há impossibilidades totais”, diz ministra

No primeiro mês de 2021, a média de testes efectuados por dia rondou os 52 mil, segundo dados divulgados em 29 de Janeiro pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA).

Na Comissão de Saúde, a ministra da Saúde não descartou o regresso ao estado de emergência, embora tenha afirmado que este mecanismo não passa exclusivamente pelo Governo. “Não há impossibilidades totais, há necessidades de avaliação constante”, argumentou.

Também esta quarta-feira, Válter Fonseca, coordenador da Comissão Técnica de Vacinação Contra a covid-19, fez saber que está a ser analisada a vacinação das faixas etárias acima dos 12 anos, devendo ser emitido um parecer antes do arranque do ano letivo, revelou em entrevista à Lusa.

O parecer está a ser elaborado e “será naturalmente conhecido para que o planeamento da vacinação possa ser feito atempadamente”, como tem sido feito desde o início da campanha, referiu.

“Será feito um parecer (…) de forma atempada e para proteger a saúde pública, nos ‘timings’ mais adequados, também em função da evolução da cobertura vacinal da restante população, que continua a ser a nossa prioridade”, acrescentou.

Diário de Notícias
DN
07 Julho 2021 — 14:05

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

844: 2.605. Há quase cinco meses que não havia tantos casos novos

SAÚDE/COVID-19/INFECÇÕES/MORTES

De acordo com o Boletim da Direcção-Geral da Saúde, há 543 pessoas internadas, das quais 122 em unidades de cuidados intensivos.

© EPA/ADI WEDA

Portugal contabiliza 2.605 novas infecções por covid-19 e 4 mortos nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado este sábado (3 de Julho) pela Direcção Geral da Saúde (DGS). É o número mais alto desde 13 de Fevereiro, quando se registaram 2856 casos.

Foram ainda registados mais 11 doentes internados, totalizando agora 543, dos quais estão 122 nos cuidados intensivos, mais quatro do que no dia anterior.

Refira-se que o boletim regista mais 1.718 casos dados como recuperados.

Com mais 1.362 casos, Lisboa e Vale do Tejo continua a representar mais de metade das novas transmissões do vírus, e três dos quatro óbitos. O Norte registou 557 casos e uma morte.

Apesar de ser a região do continente com menos casos no total, o Algarve continua a ser a terceira região com novas transmissões, agora com 299 (mais 86 do que na véspera).

Tendo em conta o aumento de casos registados em vários concelhos de Portugal, o Governo decretou na passada quinta-feira o dever de permanecer no domicílio e não circular na via pública entre as 23:00 e as 05:00 horas da manhã nos 45 municípios de risco elevado e muito elevado de contágio por covid-19.

Esta medida entrou em vigor na sexta-feira e abrange um total de 3,9 milhões de pessoas. Trata-se de uma regra cuja violação pode ser sancionada com prisão até um ano e quatro meses ou 160 dias de multa.

Variante Delta tem uma prevalência de 92,3% no Algarve

A variante Delta, associada à Índia, representa uma frequência relativa de 69,5% dos casos em Portugal, tendo em conta a sequenciação genética para a semana de 14 a 20 de Junho. É a variante dominante no nosso país, sendo que o Algarve é a região onde se regista a maior prevalência, 92,3%, para o mesmo período, indica relatório de monitorização das linhas vermelhas para a covid-19.

Já na região Centro, a prevalência desta variante é de 85,7%, em Lisboa e Vale do Tejo, o valor situa-se nos 84,7%, no Alentejo chega aos 70,8% e no Norte é de 49%. Nos Açores é de 4,4% e na Madeira de 22,7%, sendo que nas regiões autónomas os dados são referentes a duas semanas, a de 14 a 20 de Junho e a anterior.

“A frequência estimada para a semana 25 (21 a 27 de Junho), baseada na detecção do gene “S” por análise PCR, foi de 85% em Portugal continental. Apesar de menos exacto do que o valor obtido por sequenciação genética, este último valor indica também a manutenção da tendência crescente da frequência da variante Delta nos casos em Portugal.

Na análise por regiões da variante Delta (B.1.617.2), o relatório da Direcção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), refere, no entanto, que “é de esperar a existência de algumas flutuações nas frequências apresentadas na medida em que ainda estão a ser apurados dados relativos a este período”.

Portugal pode atingir 240 casos por 100 mil habitantes dentro de seis dias

O relatório mostra o agravamento da pandemia, com uma incidência cumulativa a 14 dias a subir, situando-se nos 200 casos por 100.000 habitantes, à data de 30 de Junho. Um valor que deve atingir, a nível nacional, 240 casos nos próximos seis dias, caso a tendência crescente se mantenha.

“Este limiar já foi ultrapassado em Lisboa e Vale do Tejo e no Algarve”, ou seja, o dobro da linha vermelha que foi definida em 120 casos.

Diário de Notícias
DN
03 Julho 2021 — 14:04

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

838: 2.436 casos, sete mortes e mais 23 internados em Portugal

SAÚDE/COVID-19/INFECÇÕES/MORTES/INTERNADOS

De acordo com o boletim da Direcção-Geral da Saúde, há um total de 532 pessoas internadas, dos quais 118 em UCI. Incidência volta a subir para os 194,2 casos por 100 mil habitantes no continente.

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 2.436 novos casos e mais sete mortes por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) desta sexta-feira (2 de Julho).

Refira-se que desde 14 de Abril que não se registavam tantos mortos por covid-19 em Portugal. Nesse dia, foram declarados oito óbitos.

A maioria dos casos foi registada na região de Lisboa e Vale do Tejo, num total de 1.371 novas infecções, sendo que foram ainda declarados cinco óbitos. A região Norte voltou a superar os 500 casos diários, totalizando 553, além de um morto.

O Algarve contabilizou 213 novas infecções, no Centro houve 178 casos e o Alentejo contabilizou 92 e um morto. Nas regiões autónomas, foram contabilizadas 16 novos casos nos Açores e 13 na Madeira.

H​​​​​á agora 532 pessoas hospitalizadas (mais 23 do que no dia anterior) em Portugal. Deste total, 118 doentes estão internados em unidades de cuidados intensivos (mais cinco que na quinta-feira).

A matriz de risco volta a mostrar um aumento significativo na incidência, que é agora de 194,2 casos por 100 mil habitantes no continente, quando na anterior actualização era de 176,9. Em todo nacional é agora de 189,4 casos por 100 mil habitantes (era de 172,8).

No que diz respeito ao R(t) é agora de 1,17 no continente (era de 1,15 na anterior actualização), e de 1,16 em todo o território português (era de 1,14).

Lacerda Sales aponta a 80% de primeiras doses e 60% de vacinação completa em Setembro

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde justificou esta sexta-feira o isolamento de António Costa, que esteve em contacto com o primeiro-ministro do Luxemburgo, que entretanto testou positivo, apesar de estar já com a vacinação completa há mais de quinze dias.”Independentemente da vacinação e da testagem, há sempre uma avaliação do risco de contacto próximo. Primeiro-ministro é um cidadão exemplar e seguiu indicações das autoridades de saúde”, afirmou.

Sobre a possibilidade dos profissionais de saúde ficarem novamente impossibilitados de gozar férias no verão, o governante remeteu essa análise para os directores, mas elogiou a “grande consciência profissional” dos profissionais de saúde.

Acerca da vacinação, António Lacerda Sales disse que “temos condições para termos 70% de primeiras inoculações e 50% do esquema vacinal completo em Agosto e 80% de primeiras inoculações e 60% de vacinação completa um mês depois”.

O Secretário de Estado não quis ainda fazer um balanço da pandemia. “É precipitado fazer um balanço da pandemia. Os balanços fazem-se no final. Relatório diz que 62% dos portugueses acreditam que foi feita uma boa gestão da pandemia”, argumentou.

ECDC sugere duas doses da vacina para pessoas de risco mesmo previamente infectadas

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) recomenda a administração de duas doses de vacina contra a covid-19 a pessoas de risco, mesmo que tenham estado anteriormente infectadas com o coronavírus SARS-CoV-2.

“Na ausência de provas sobre a eficácia de uma dose de vacina em indivíduos previamente infectados contra o previsto domínio da variante de preocupação Delta, […] o ECDC aconselha a administração de um curso completo de vacinação a todos os indivíduos com risco acrescido de covid-19 grave, independentemente da infecção anterior”, indica o organismo em resposta escrita esta sexta-feira enviada à agência Lusa.

A posição surge numa altura em que países como Portugal, Áustria, Croácia, Estónia, França, Alemanha, Irlanda, Holanda, Eslovénia e Espanha administram apenas uma dose de vacina a pessoas anteriormente infectadas, e em que a variante Delta do SARS-CoV-2, inicialmente detectada na Índia e mais transmissível que qualquer outra, se propaga rapidamente na União Europeia (UE).

Diário de Notícias
DN
02 Julho 2021 — 14:0

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

825: Novos casos e incidência disparam. Há mais de 500 internados

SAÚDE/COVID-19/INFECÇÕES/MORTES/INTERNAMENTOS

De acordo com a DGS, o país contabilizou 2.362 novos casos (número mais alto desde 13 de Fevereiro) e quatro mortes nas últimas 24 horas. Incidência chega aos 176,9 infecções por 100 mil habitantes no continente.

© EPA/MARIO CRUZ

Portugal registou nas últimas 24 horas 2.362 novos casos e mais quatro mortes por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) desta quarta-feira (30 de Junho).

Trata-se do maior número de infecções diárias desde 13 de Fevereiro, dia em que foram reportados 2.856 casos.

Na prática o número de novos casos disparou em todo o continente, sendo que 1336 infecções foram detectadas em Lisboa e Vale do Tejo, onde foram também declaradas três mortes. O Norte registou um aumento de 435 novos casos, no Algarve subiu 254, o Centro contabilizou mais 224 e o Alentejo mais 64. Nas regiões autónomas, os Açores contabiliza 35 novos casos e a Madeira mais 14 e um morto.

H​​​​​á agora 504 pessoas hospitalizadas (mais 12 do que no dia anterior). Deste total, 120 doentes estão internados em unidades de cuidados intensivos (mais um que na terça-feira).

Há nesta altura mais 1.337 casos activos em Portugal, totalizando 33.471, tendo sido declaradas 1.021 pessoas recuperadas da doença. Há ainda mais 2.166 contactos em vigilância.

A martiz de risco também continua a apresentar números preocupantes. Assim, a incidência está cada vez mais no vermelho registando uma nova subida, sendo agora no continente de 176,9 casos de infecção por 100 mil habitantes (era de 161,7 na anterior actualização), enquanto em todo o território chega aos 172,8 casos por 100 mil habitantes (158,5 na anterior actualização).

O R(t) também subiu, embora de forma ligeira, sendo de 1,15 no continente (era de 1,14) e de 1,14 em todo o território (era de 1,13).

Mais de um ano depois, despejos e cortes de energia e voltam a ser permitidos

Mais de um ano depois da adopção de medidas para fazer face aos efeitos da pandemia na economia e nas famílias, os despejos e os cortes de energia e comunicações electrónicas voltam a ser permitidos a partir de quinta-feira.

As medidas cuja aplicação chega agora ao fim foram adoptadas após a chegada da pandemia a Portugal, em Março de 2020, e foram alvo de várias actualizações e prorrogações durante o último ano, com o objectivo de proteger as famílias e arrendatários habitacionais e comerciais.

Com a chegada do segundo semestre, chega também ao fim a moratória que impede despejos e denúncias de contratos de arrendamento, a suspensão da cessão dos contratos de arrendamento não habitacional, a redução nas rendas dos centros comerciais, a proibição de corte de comunicações electrónicas e de energia e as moratórias bancárias.

– FORMIDÁVEL…!!! A pandemia já se foi, deixou de existirem infectados e mortos, os Portugueses estão TODOS VACINADOS com a segunda dose e estão livres, finalmente, do bicho, volta tudo à normalidade, as pessoas já não estão com problemas financeiros devido à pandemia do COVID-19 que assolou o País durante mais de um ano, a trabalho precário ou desempregadas… ALELUIA! Finalmente estamos LIVRES DE PERIGO!
Há que libertar a suspensão dos despejos e dos cortes de energia e comunicações electrónicas… Bravo!!! Temos um Parlamento e uns deputados, além da governança, que protegem e cuidam do Povo, nomeadamente os mais desfavorecidos, os mais frágeis, os mais desamparados com ajudas nunca recebidas…! Isto é Portugal, carago!
(Webmaster)

As moratórias privadas da Associação Portuguesa de Bancos (APB) para crédito ao consumo terminam igualmente esta quarta-feira, depois de em Março já terem chegado ao fim as moratórias privadas para crédito à habitação.

Vacina da Moderna produz anticorpos contra variante delta

A vacinação contra o SARS-CoV-2 com o fármaco desenvolvido pela Moderna produz anticorpos contra a variante delta, anunciou esta quarta-feira a biotecnológica sediada no Massachusetts, nos Estados Unidos da América (EUA).

“A vacinação com a vacina covid-19 da Moderna produz títulos [um teste laboratorial que avalia a concentração] neutralizantes contra todas as variantes testadas, incluindo versões adicionais da variante beta (…) e das variantes delta”, dá conta um comunicado divulgado pela biotecnológica.

De acordo com a nota, a vacina produzida pela Moderna também produz anticorpos contra as variantes do SARS-CoV-2 identificadas na Nigéria, Uganda e Angola.

Para concluir a eficácia do fármaco, explicita o comunicado, foram recolhidas “amostras de oito participante obtidas uma semana” depois de receberem a segunda dose.

A análise revelou “impacto mínimo em títulos neutralizante contra a variante alfa” e também “uma redução modesta em títulos neutralizantes contra a delta”.

A Moderna acrescentou que está a desenvolver uma estratégia para combater “variantes emergentes”.

O microbiologista João Paulo Gomes disse esta quarta-feira que a variante delta é 60% mais transmissível, tem o dobro das probabilidades de levar uma pessoa ao hospital, mas as vacinas mostraram-se eficazes a prevenir doença grave.

Em declarações à agência Lusa, o especialista do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge revelou, através de relatórios feitos por investigadores do Reino Unido (esta variante tem uma prevalência de 90% em Inglaterra) e dados das autoridades sanitárias britânicas que indicam que a delta é 60% mais transmissível do que a variante alfa (conhecida inicialmente como a do Reino Unido) e tem duas vezes mais probabilidade de levar a pessoa ao hospital, mas sublinha que os resultados da vacinação “são promissores e animadores”.

“Com duas doses da vacina [AstraZeneca], a protecção conferida contra a hospitalização é na ordem dos 92%”, afirmou o especialista, acrescentando: “Quem tenha a vacinação completa, este grau protecção contra a hospitalização é na ordem de 92% a 96% [vacina Pfizer], o que é excelente”. “A palavra de ordem é vacinar”, insistiu.

Segundo o mais recente relatório de situação sobre a diversidade genética do SARS-CoV-2 em Portugal, divulgado pelo INSA, a variante delta, associada inicialmente à Índia, teve “uma subida galopante” na frequência relativa a nível nacional, passando de 4% em Maio para 55,6% em Junho, mas a sua distribuição “é ainda muito heterogénea entre regiões”.

Segundo o INSA, a distribuição da variante delta varia entre 3,2% (Açores) e 94,5% (Alentejo), mas, tendo em conta a tendência observada entre maio e Junho, “é expectável que esta variante se torne dominante em todo território nacional durante as próximas semanas”.

Do total de sequências da variante delta analisadas até à data, 46 apresentam a mutação adicional K417N na proteína Spike, refere o instituto.

No entanto, sublinha, cerca de 50% destes casos restringem-se a apenas duas cadeias de transmissão de âmbito local, o que sugere que a sua circulação comunitária é ainda limitada, sendo a frequência relativa deste perfil (Delta+K417N) na amostragem nacional de Junho de 2,3%.

Diário de Notícias
DN
30 Junho 2021 — 14:04

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes