704: Tratamento trava trombose causada pela vacina da AstraZeneca

 

SAÚDE/COVID-19/VACINAS/ASTRAZENECA

Steven Cornfield / unsplash

Um grupo de médicos austríacos publicou um estudo em que mostra como trataram paciente que estava com sintomas do tipo raro de trombose com hemorragia associado à imunização com vacinas de vector viral.

A equipa médica austríaca explica como evitou o desenvolvimento de um caso do tipo incomum de tromboses com hemorragias que têm sido associadas, em casos raros, à toma da vacina da AstraZeneca, numa mulher de 62 anos.

Ao Público, Paul Knöbl, da Universidade Médica de Viena, que coordenou o estudo, explicou que foram administradas “altas doses de imunoglobulinas por via intravenosa e outros anticoagulantes, que não a heparina, cautelosamente doseados, juntamente com a realização de análises clínicas, pode ser o tratamento que salva vidas nesta situação muito rara”.

O estudo de caso sobre a síndrome rara que tem sido observada em pessoas imunizadas com vacinas contra a covid-19 que usam a tecnologia de vector viral para inserir no organismo a proteína da espícula do coronavírus, e desencadear uma reacção imunitária – como a da AstraZeneca e também a da Johnson & Johnson é relatado no estudo publicado na revista Journal of Thrombosis and Haemostasis.

A síndrome envolve tromboses em sítios pouco comuns no corpo e é associada a uma diminuição no número de plaquetas (trombocitopenia).

De acordo com um comunicado de imprensa da Universidade Médica de Viena, provavelmente a vacina estimula a produção de anticorpos que activam as plaquetas para formar coágulos e as podem marcar também para destruição.

É uma reacção imunitária, semelhante à que pode acontecer em algumas pessoas tratadas com o medicamento heparina: pode-se formar uma nova molécula, que passa a juntar a heparina a uma proteína específica (fator de plaquetas 4) libertada pelas plaquetas, e que as marca para destruição pelo sistema imunitário. É por isso que não é recomendado o uso do anticoagulante heparina para tratar a VITT.

No entanto, a mortalidade desta síndrome é elevada, sendo que 40% a 50% e exige tratamento rápido e adequado. Contudo, frisam os investigadores austríacos, até agora as indicações terapêuticas eram essencialmente “empíricas e baseadas em dados in-vitro”, ou seja, provêm de experiências em laboratório.

“Estamos a observar actualmente sete pacientes com trombocitopenia trombótica induzida por vacina. O tratamento foi eficaz em todos, e os valores das análises normalizaram-se”, garante Knöbl.

ZAP ZAP //

Por ZAP
19 Maio, 2021

 

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]