890: OMS avisa que poderão surgir mais variantes e mais perigosas

SAÚDE/COVID-19/INFECÇÕES/MORTES/VARIANTES/OMS

Peritos que aconselham o director-geral da OMS alertam que “a pandemia está longe do fim”

© Fabrice COFFRINI / AFP

O Comité de Emergência da Organização Mundial de Saúde (OMS) avisou hoje para a “forte probabilidade” de surgimento de novas variantes do coronavírus, “possivelmente mais perigosas”.

“A pandemia está longe do fim”, afirmaram em comunicados os peritos que aconselham o director-geral da OMS, acrescentando: “Há uma forte probabilidade de surgimento e propagação de novas variantes preocupantes, possivelmente mais perigosas e ainda mais difíceis de controlar”, do que as já reportadas pela agência da Organização das Nações Unidas (ONU).

“As tendências recentes são preocupantes, 18 meses após a declaração de uma emergência sanitária pública internacional, continuamos a perseguir o vírus e o vírus continua a perseguir-nos”, sublinhou o presidente do comité, o francês Didier Houssin, durante um ponto de situação com a imprensa.

Até agora, a OMS reportou quatro variantes consideradas preocupantes: Alpha, Beta, Gamma e Delta.

A variante Delta, identificada na Índia, está a espalhar-se muito rapidamente pelo mundo, provocando um ressurgimento da pandemia.

Muito mais contagiosa do que as outras variantes, mostra-se um pouco mais resistente às vacinas, mesmo que estas continuem a proteger dos casos mais graves de covid-19 e das mortes.

O professor Houssin frisou que o comité fez duas recomendações principais: defender o acesso equitativo às vacinas e não apoiar iniciativas pouco justificadas cientificamente como uma terceira da vacina contra a covid-19, proposta nomeadamente pelo grupo Pfizer/BioNTech.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.061.908 mortes em todo o mundo, entre mais de 188,3 milhões de casos de infecção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Diário de Notícias
DN/Lusa
15 Julho 2021 — 18:30

© ® inforgom.pt e apokalypsus.com são domínios registados por F. Gomes

 

580: Conheça as novas recomendações da OMS para doentes com sintomas persistentes

 

SAÚDE/OMS/RECOMENDAÇÕES

OMS recomenda uso de anticoagulantes em baixas doses para prevenir o risco de tromboses graves.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou esta terça-feira recomendações para doentes de covid-19 com sintomas persistentes, mesmo após a sua recuperação, e que incluem a medição do oxigénio no sangue e o uso de anticoagulantes de baixa dosagem.

Nestas novas recomendações, que estão em revisão contínua, a OMS salienta que os doentes de covid-19 “devem ter um fácil acesso aos cuidados de saúde se apresentarem sintomas persistentes, novos ou em mudança”.

A agência com sede em Genebra aconselha os doentes de covid-19 que estão nos seus domicílios a usar oxímetros de pulso – dispositivos de medição de oxigénio e não invasivos -, juntamente com o monitoramento regular de sua situação clínica.

Para os casos de pacientes hospitalizados, a OMS recomenda o uso de anticoagulantes em baixas doses para prevenir o risco de tromboses graves.

Ainda no caso de pacientes hospitalizados que necessitem de oxigenação suplementar ou ventilação não invasiva, a organização da ONU indica nas suas recomendações que a melhor postura para aumentar o fluxo de oxigénio é deitado de bruços com a cabeça para o lado.

A OMS adiantou também que está a analisar sintomas de longo prazo de covid-19, entre os quais os frequentemente identificados como fadiga extrema, tosse persistente e intolerância ao exercício.

A OMS vai realizar consultas com especialistas em Fevereiro, contando também com grupos de doentes, e poderá categorizar a covid-19 como uma nova doença.

Diário de Notícias
DN/Lusa
26 Janeiro 2021 — 17:12

 

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

São precisos quatro a seis meses até ter “níveis significativos de vacinação”, alerta a OMS

 

SAÚDE/VACINAS/COVID-19

Responsável pelo programa de emergências sanitárias da OMS avisa que as vacinas contra a covid-19 não devem ser vistas como uma solução mágica nesta segunda vaga da pandemia.

O director executivo do programa de emergências sanitárias da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan
© Christopher Black / World Health Organization / AFP

O director executivo do programa de emergências sanitárias da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou, esta quarta-feira, que as vacinas não chegam a tempo de derrotar a segunda onda da pandemia de covid-19.

Michael Ryan afirmou que as vacinas não devem ser vistas como uma solução mágica e que os países que lutam contra o ressurgimento do vírus têm de combater esta segunda vaga de infecções sem elas, mesmo que ainda sejam disponibilizadas durante este inverno.

“Acho que são precisos pelo menos quatro a seis meses antes de termos níveis significativos de vacinação em qualquer lugar”, afirmou o responsável da OMS durante uma sessão pública de perguntas e respostas ao vivo nas redes sociais.

Apesar dos recentes anúncios promissores sobre a fase final dos ensaios clínicos de vacinas, nomeadamente a da Pfizer e da Moderna, Ryan alertou: “Ainda não chegámos lá com as vacinas. Chegaremos, mas ainda não estamos lá”

Enfatizou que muitos países vão ter de enfrentar esta segunda onda da pandemia sem as vacinas. “Temos de entender e interiorizar isto, e perceber: desta vez, temos que escalar esta montanha sem vacinas.”

Esta quarta-feira, a Pfizer referiu que o resultado final do teste clínico da vacina mostra eficácia de 95%, enquanto a Moderna disse esta semana que sua própria candidata era 94,5% eficaz contra a infecção pelo novo coronavírus. Já a Rússia afirma que a sua vacina, Sputnik V, tem mais de 90% de eficácia.

Apesar das boas notícias para o combate à pandemia, Ryan alertou para a possibilidade de se abrandar no que se refere à vigilância individual contra o novo coronavírus, tendo a percepção errada de que as vacinas resolveriam agora o problema.

Algumas pessoas acham que uma vacina será, em certo sentido, a solução: o unicórnio que todos nós temos perseguido. Não é”, disse o irlandês.

“Se adicionarmos vacinas e esquecermos as outras coisas, a covid-19 não fica reduzida a zero.”

Número de casos diminui na Europa, mas mortes continuam a subir

O número de novos casos de covid-19 na Europa diminuiu na semana passada pela primeira vez em mais de três meses, mas as mortes na região continuaram a subir, segundo dados da OMS.

Pelo menos 55,6 milhões de casos em todo o mundo foram registados desde o início da pandemia na China, onde foram detectados as primeiras infecções em Dezembro do ano passado. Mais de 1,3 milhões de pessoas já morreram devido à covid-19, de acordo com um balanço feito pela AFP, tendo como base dados oficiais.

Preocupação no impacto das restrições nas crianças

Ryan expressou preocupação sobre como a pandemia deixou muitos netos enlutados que não conseguiram passar pelo processo normal de luto devido às restrições impostas para combater o vírus. “Muitas crianças perderam avós”, disse. “Existe um grande trauma entre as crianças”, considerou.

Para o responsável da OMS, o processo de luto para as crianças foi interrompido devido às medidas restritivas, que impossibilitaram as pessoas de se despedirem dos entes queridos. Manifestou preocupação pelo impacto que isto teve nos mais jovens, o de “lamentar a perda de um avô que foi interrompida”. “Tem um impacto para toda a vida”, reforçou.

Diário de Notícias
DN/AFP
18 Novembro 2020 — 21:37

Entretanto, Portugal tem mais 5.891 casos e 79 mortes nas últimas 24 horas
No dia em que a ministra da Saúde diz esperar ter tudo a postos para distribuir as primeiras doses de vacinas em Janeiro, regista-se um total de 3632 mortos e 236015 infectados por covid-19.

 

[ratingwidget_toprated type=”posts” created_in=”all_time” direction=”ltr” max_items=”5″ min_votes=”1″ order=”DESC” order_by=”avgrate”]

 

Novo coronavírus já matou 249 pessoas, mas não é uma emergência – OMS

O Síndrome Respiratório do Médio Oriente (MERS-CoV), mais conhecido como novo coronavírus, infectou mais de 700 pessoas, das quais 249 faleceram, anunciou hoje a OMS, que considera a transmissão do vírus «preocupante» mas não uma emergência.

O director-geral adjunto da Organização Mundial da Saúde (OMS), Keiji Fukuda, apresentou hoje em conferência de imprensa os últimos resultados sobre o MERS, que surgiu pela primeira vez na Arábia Saudita em 2012, e que desde então foi registado em pelo menos quinze países.

Os 16 membros do Comité de Emergência sobre o MERS reuniram-se hoje pela sexta vez, e durante quatro horas analisaram a situação e a gravidade da expansão do vírus.

In Diário Digital online
Diário Digital / Lusa
17/06/2014 | 13:13

[vasaioqrcode]

OMS confirma que novo coronavírus pode transformar-se em pandemia

A Organização Mundial da Saúde confirmou que o novo coronavírus MERS tem potencial para se transformar numa pandemia. Até agora, morreram 31 pessoas

visao11062013A Organização Mundial da Saúde confirmou que o novo coronavírus Mers (sigla para Síndrome Respiratória Coronavírus do Médio Oriente) tem potencial para se transformar numa pandemia.

Na tentativa de evitar a pandemia, a OMS está a divulgar novas directrizes para orientar profissionais de saúde de todo o mundo a se manterem atentos aos sintomas da doença.

Segundo a agência, o planeta também está em “fase de alerta” em relação a duas variações de gripe aviária capazes de infectar os seres humanos: os vírus influenza A (H5N1), que surgiu há uma década, e (H7N9), detectado desde Março na China.

“Estamos a tentar descobrir o máximo que pudermos, e estamos preocupados com esses (três) vírus”, disse, na última segunda feira, Andrew Harper, consultor especial da OMS para saúde sanitária e ambiente.

A directiva provisória, a ser concluída ainda este ano, incorpora lições da pandemia de 2009/10 da gripe suína A (H1N1), que causou cerca de 200 mil mortes, número compatível com os óbitos das gripes sazonais comuns.

A nova escala da OMS, ajustada para incluir a noção de severidade na avaliação de risco, tem apenas quatro fases, em vez das seis anteriores. A ideia é permitir que os países tenham maior flexibilidade na avaliação dos problemas locais.

31 mortos pelo MERS

A Organização Mundial da Saúde elevara, na última sexta-feira, para 31 o número de mortos pelo coronavírus MERS após divulgar informações sobre a morte de mais uma pessoa na Arábia Saudita.

A vítima, que adoeceu no dia 27 de maio e morreu no dia 31 do mesmo mês, era um homem de 83 anos que já apresentava problemas de saúde, disse a organização em comunicado.

Este novo caso aumenta o número de afectados pelo novo vírus, que é similar à Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). Até agora foram confirmados 55 casos em todo mundo, dos quais 31 morreram, de acordo com o último balanço da OMS.

In Visão online
15:23 Terça feira, 11 de Junho de 2013

[vasaioqrcode]

66: OMS: Poliomielite pode voltar a avançar num mundo globalizado

A OMS (Organização Mundial da Saúde) informou que os esforços para erradicar a poliomielite no mundo chegaram a um ponto crítico entre o sucesso e o fracasso. Segundo a organização, o aumento no registo de casos, que ocorreu recentemente em países que tinham sido declarados livres da doença, mostra a ameaça do ressurgimento da poliomielite na era da globalização.

A OMS acrescentou que o sucesso na eliminação da doença na Índia mostrou que, com as verbas necessárias para vacinação, a erradicação está ao alcance dos países.

A poliomielite ainda é considerada uma doença endémica em países como o Afeganistão, Paquistão e a Nigéria.

In Diário Digital online
Director: Pedro Curvelo
sexta-feira, 25 de Maio de 2012 | 00:20