386: 15.Jun.2020

 

Desde que a pandemia do COVID-19 ou coronavírus chegou a Portugal e devido ao confinamento imposto pelo governo, nunca mais pudemos ir visitar-te ao cemitério. Fomos hoje levar-te um raminho de flores e cuidar da tua campa. Nunca te esquecemos nestes longos dias de isolamento social.

Nesta visita de hoje, como em todas as outras anteriores, senti sempre uma paz interior enorme, uma tranquilidade entre os mortos, que não sinto entre os vivos.

Onde quer que te encontres, espero que finalmente estejas em Paz, depois de tantos anos de sofrimento.