Cuidadores informais: “Em que é que me vão formar depois de 23 anos a cuidar das minhas filhas?”

Iniciativas legislativas do governo e dos diferentes partidos são discutidas hoje no parlamento. Cuidadores não querem projectos-piloto e torcem o nariz a formações. Querem apoios concretos e imediatos para quem se dedica aos seus

© Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Helena Lagartinho vai respondendo às perguntas em andamento. Está na faculdade, onde foi buscar uma das duas filhas gémeas. Ambas são estudantes universitárias. “A Rita está a tirar Artes e Humanidades e a Inês está a tirar Estudos Portugueses”. Ambas têm paralisia cerebral. Mas nunca deixou que essa condição as impedisse de sonhar alto. “Se as tivesse institucionalizado, acha que estavam na faculdade? Que tinham feito estes cursos”? Não espera pela resposta. “A Rita é atleta paraplégica de grau 1, de equitação adaptada. Já é internacional. A Inês publicou um livro. Tudo isto porque estão a ser criadas por mim”.

Desde que as filhas nasceram, há 23 anos, Helena pôs de lado a profissão de contabilista e passou a dedicar-se a elas a tempo inteiro. É cuidadora informal. Uma actividade que, segundo as associações, ocupa integralmente ou a tempo parcial cerca de 800 mil portugueses – o governo aponta para 230 mil, fazendo as contas com base nas pessoas que recebem complementos por dependência. Mas para a qual não existe qualquer enquadramento específico.

Esta sexta-feira, no Parlamento, na sequência de uma petição lançada há quase dois anos, serão discutidas propostas do governo e dos diferentes partidos no sentido de reconhecer esta actividade e lhe conceder alguns direitos. Quase todas contemplam a introdução de algum tipo de subsídio – pelo menos para os cuidadores a tempo inteiro – e reconhecem o direito ao descanso e à protecção no trabalho dos cuidadores, bem como o acesso em condições privilegiadas a serviços de saúde.

Mas todas ficam aquém das expectativas destes cuidadores. A começar pela proposta do governo, anunciada pelos ministérios da Saúde e da Segurança Social, que prevê a realização de projectos-piloto em cerca de 15% do território nacional e acções de formação dos cuidadores antes que as novas medidas sejam generalizadas, o que deverá atirar a sua aplicação concreta para 2020 ou 2021.

“Quando ouvimos o governo falar na capacitação e na formação dos cuidadores, pergunto em que é que me vão formar ou capacitar depois de 23 anos“, questiona Helena, que tem outras três filhas, já adultas, todas criadas unicamente com o salário do marido. “O cuidador informal é abandonado e marginalizado e ainda nos olham como se quiséssemos viver à conta das pessoas de que cuidamos”, lamenta. “Acompanhei as minhas filhas todo este tempo, não tenho carreira contributiva. O que é que vão fazer aos cuidadores que deixaram tudo, como é o meu caso”?

Das propostas dos partidos em cima da mesa, as que mais agradam a esta mãe são as “do Bloco de Esquerda e do CDS”, nomeadamente por contemplarem apoios concretos para os cuidadores a tempo inteiro, entre os 300 e os 380 euros. “Uma família de acolhimento que receba em casa uma pessoa normal recebe 380 euros do Estado. Se acolher uma pessoa deficiente, dão-lhe 600 euros. Eu sou cuidadora das minhas filhas e o Estado não me dá nada”, diz, estimando que terá poupado ao Estado “talvez meio milhão de euros” por ter decidido criar as filhas em vez de as entregar a uma instituição, à qual a Segurança Social pagaria “1040 euros por mês por cada uma”.

Reformada “compulsivamente”…por cuidar da irmã e dos sobrinhos

” É verdade que é a primeira que vemos um projecto do governo sobre esta matéria”, reconhece Maria dos Anjos Catapirra. “Mas está muito aquém das nossas expectativas. Não são os projectos-piloto que nos vão ajudar a mudar o quer que seja. Do que precisamos é de legislação aprovada e aplicada”, diz, apontando também a preferência para o projecto de outro partido. neste caso do CDS: “Além daquilo que acreditamos que seja viável, que é o descanso para o cuidador e o subsídio, defendem medidas laborais, inclusivamente, que nem estão contempladas no projecto do governo. E também apoios e benefícios fiscais”.

Helena aponta também a importância de proteger os cuidadores a tempo parcial ou temporários no emprego. “Se tivesse a possibilidade de conciliar o cuidado dos meus filhos com um período de trabalho, por exemplo da parte da manhã, mas sem perda de remuneração, seguramente que o que faria”, diz.

Maria dos Anjos era profissional de seguros quando começou a tratar da irmã, mãe solteira, que desenvolveu Alzheimer precoce. Acompanhou a irmã até à morte desta e tomou conta dos sobrinhos até estes se tornarem adultos e ganharem a sua independência. No processo, perdeu o emprego. “Acabei por ter uma reforma compulsiva pelas ausências, por tudo aquilo de que precisava e não compreendiam que precisava.

Foi uma das subscritoras da primeira petição a dar entrada no parlamento, para tentar mudar as coisas.

A proposta do PSD, que prevê um estatuto do cuidador informal, centra atenções nas pessoas que tratam de familiares idosos. Mas para Maria dos Anjos esse é um dos erros comuns: acreditar-se que estes são os únicos a precisar de cuidados permanentes.”Hoje em dia tomo conta da minha mãe, que é invisual e tem 87 anos. Mas nem mais ou menos é semelhante situação pela qual passei”, garante. “Tratar de uma pessoa com demência é completamente diferente. Por isso é que hoje em dia nem me considero uma cuidadora. Sou filha dela e tomo conta dela. As pessoas com demência perdem toda a remuneração que tinham – a minha irmã, porque era jovem, nem reforma tinha. Tinha filhos menores, era mãe solteira, e não tinha qualquer apoio estatal”.

Hoje, já não pede medidas a pensar em si mas, sobretudo, “nas imensas pessoas em situação de pobreza que não têm condições para aguardar por projectos-piloto”. Mas confessa estar pouco optimista. “Acredito que vai baixar tudo à comissão e vamos adiar esta história toda por mais algum tempo. É o que andamos a fazer há dois anos: adiar”.

Diário de Notícias
Pedro Sousa Tavares
08 Março 2019 — 08:20

[vasaioqrcode]

A propósito de “desonra”…

Um dia após a passagem de um ano do falecimento de minha esposa, li num diário online, o seguinte título: “Costa considera que manutenção de Ventura como candidato “desonra” Passos”, isto em ordem ao candidato autárquico André Ventura do PPD a Loures, por eventuais afirmações “racistas” contra a etnia cigana.

Mas quem se pode desonrar quem já não possui qualquer espécie de honra, de verticalidade, de honestidade, de dignidade, como é o caso do farsolas PaFioso que destruiu este país e o seu Povo, no governo anterior?

As imagens que se seguem, são extremamente chocantes para pessoas sensíveis, mas elas têm de ser mostradas para que provem o que o desgoverno do regime PaFioso proto-nazi do PPD/CDS e, concomitantemente, o seu executor principal, mais conhecido por Dr. Morte fez enquanto esteve no poder.

Minha esposa não morreu da doença (Alzheimer) mas da falta de assistência hospitalar – que vários médicos lhe negaram (médico de família, psiquiatria e neurologia) – e onde deveria estar para ser assistida, tratada, medicada e acompanhada, evitando o sofrimento atroz nos seus últimos dias de vida.

A resposta era sempre que não existiam meios, não existiam condições para o seu internamento e a solução passava, sempre, por um Lar de Idosos, como se estas instituições tivessem a capacidade técnica de uma unidade hospitalar ou, pelos cuidados paliativos e/ou continuados, todos eles de elevados custos para o nosso orçamento familiar.

Não satisfeitos com a situação em curso, ainda me acusaram de ter negado esses cuidados (paliativos e continuados) a minha esposa o que levou ao extremo da minha indignação informando-os que se pagasse aqueles “cuidados”, teria de ir viver para debaixo da ponte com a minha filha que também e infelizmente, possui uma doença crónica grave, com estados de coma frequentes.

Nas últimas semanas de vida de minha esposa, iam ao domicílio duas enfermeiras do Centro de Saúde fazerem-lhe a limpeza das feridas, renovarem pensos, duas vezes por semana, que passaram a três vezes dada a gravidade da situação. Mesmo com a presença da médica de família por duas vezes nas últimas semanas de vida e constatando in loco, ao vivo e a cores, a gravidade da situação, nunca lhe foi dada a mais pequena hipótese de internamento hospitalar.

Foi algaliada e colocaram-lhe uma sonda gástrica que já nada adiantava e que fez com que tivesse de chamar o INEM que a levou para a urgência do hospital de S. Francisco Xavier, onde viria a falecer horas depois, devido a insuficiência respiratória provocada por choque séptico. Quem pretender saber o que é choque séptico, vá ao Google e escreva essas palavras, mas resumidamente:

Choque séptico é uma complicação de uma infecção na qual as toxinas dão início a uma resposta inflamatória em todo o corpo. É frequente em idosos ou em pessoas com comprometimento do sistema imunológico.

Os médicos identificaram três estágios de sepse:

  • sepse, quando a infecção atinge a corrente sanguínea e causa inflamação em todo o corpo
  • sepse grave, que ocorre quando a infecção interrompe o fluxo de sangue para o cérebro ou para os rins, levando à falência órgãos. Os coágulos de sangue causam gangrena (morte do tecido) nos braços, pernas e dedos das mãos e dos pés.
  • choque séptico, quando a pressão sanguínea cai significativamente. Isso pode levar a falência respiratória, cardíaca ou de um órgão e à morte.

A queixa que ainda em vida de minha esposa apresentei contra a médica de família, logo, há mais de um ano, ainda encontra-se de pantanas de um lado para o outro na Ordem dos Médicos e, pelos vistos, vai morrer solteira. Meus amigos, quem neste País não tem uma forte componente financeira como suporte, está previamente condenado a este tipo de situações em toda e qualquer outra área social.

Atenção às imagens que podem chocar pessoas sensíveis:

Tratamento às úlceras

6 de Julho de 2016 – úlcera na anca com exposição óssea
Saco da algália com urina completamente castanha
Úlcera num dos braços
Úlcera na região sagrada, com exposição óssea
Não é uma cama de hospital mas sim no domicílio já com sonda gástrica e algália instaladas.

Descansa em Paz, minha querida, que eu nunca perdoarei a quem tanto mal te fez em vida.

[vasaioqrcode]

13.Mar.2020

13.Mar.2020

3 semanas ago cuidador cuidador
  Dia de visita à campa da nossa querida. Como já não íamos há duas semanas, as flores já esta…
Read More
3 semanas ago13.Mar.2020
28.Fev.2020

28.Fev.2020

1 mês ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida. Como já não íamos há duas semanas, as flores já estavam murc…
Read More
1 mês ago28.Fev.2020
18.Fev.2020

18.Fev.2020

1 mês ago cuidador cuidador
Faz hoje quarenta e três meses que nos deixaste para sempre e a Saudade não sai dos nossos coraç…
Read More
1 mês ago18.Fev.2020
14.Fev.2020

14.Fev.2020

2 meses ago cuidador cuidador
DIA DOS NAMORADOS Sabes que nunca liguei a este tipo de datas consumistas, mas acabava sempre por t…
Read More
2 meses ago14.Fev.2020
03.Fev.2020

03.Fev.2020

2 meses ago cuidador cuidador
Hoje, com enorme dificuldade da minha parte porque tive de ir e vir a pé desde a nossa casa até Alcâ…
Read More
2 meses ago03.Fev.2020

[powr-hit-counter id=0bc08bbf_1500456803434]

 

116: 31.Out.2016

.

0-lutotransp200Hoje, paguei € 300,00 referente à 2ª. e última prestação referente ao IRS de 2015, imposto que até à tomada do poder pela caranguejola PaFiosa PPD/CDS, nunca antes tinha pago devido aos baixos rendimentos auferidos pelas pensões de reforma do casal.

Apenas desejo que o PaFioso Pedro Passos Coelho e todo o gang que o ajudou na tarefa de saquear os mais necessitados, passem tantas amarguras e desastres nas suas vidas como as que tenho passado pelo austericídio que eles impuseram a quem mais necessita e possui rendimentos básicos de sobrevivência.

Mas que, pelos vistos, a geringonça que lá está agora, continua sem aliviar este autêntico saque ao bolso dos mais precários.

As moscas mudaram mas a trampa é a mesma. Apenas diferem nas cores que utilizam para os identificarem politicamente.

logo_transp_200

[vasaioqrcode]

13.Mar.2020

13.Mar.2020

3 semanas ago cuidador cuidador
  Dia de visita à campa da nossa querida. Como já não íamos há duas semanas, as flores já esta…
Read More
3 semanas ago13.Mar.2020
28.Fev.2020

28.Fev.2020

1 mês ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida. Como já não íamos há duas semanas, as flores já estavam murc…
Read More
1 mês ago28.Fev.2020
18.Fev.2020

18.Fev.2020

1 mês ago cuidador cuidador
Faz hoje quarenta e três meses que nos deixaste para sempre e a Saudade não sai dos nossos coraç…
Read More
1 mês ago18.Fev.2020
14.Fev.2020

14.Fev.2020

2 meses ago cuidador cuidador
DIA DOS NAMORADOS Sabes que nunca liguei a este tipo de datas consumistas, mas acabava sempre por t…
Read More
2 meses ago14.Fev.2020
03.Fev.2020

03.Fev.2020

2 meses ago cuidador cuidador
Hoje, com enorme dificuldade da minha parte porque tive de ir e vir a pé desde a nossa casa até Alcâ…
Read More
2 meses ago03.Fev.2020

[powr-hit-counter id=8a450802_1488653536739]

98: 06.Out.2016

0-lutotransp200Finalmente (!!!) recebi hoje a atenção do CNP – CENTRO NACIONAL DE PENSÕES com um e-mail nestes termos:

De: CNP-PENSOES <CNP-PENSOES@seg-social.pt>
Assunto: FW: Situação difícil
Data: qui 06/10/2016 14:17
Para: F Gomes

Caro Senhor
FRANCISCO GOMES

Relativamente ao seu contacto o qual agradecemos, informa-se que o pedido de benefícios por morte (subsídio por morte e pensão de sobrevivência) apresentado encontra-se concluído.

Assim, o pagamento da pensão de sobrevivência, reportando-se a 2016/08/01, será efetuado no mês de novembro de 2016.

Para qualquer esclarecimento adicional, não hesite em contactar-nos.

Com os melhores cumprimentos,

Núcleo de Gestão da Relação com o Cliente
Unidade de Apoio à Direção
Centro Nacional de Pensões
Instituto da Segurança Social, I.P.
Campo Grande, n.º 6 | 1749-001 Lisboa
Telef.: (+351) 300 502 502 | Fax: (+351) 300 510 851

Ou seja, não basta AINDA NÃO TEREM PAGO os subsídios de Agosto, Setembro e Outubro fazendo-o apenas em NOVEMBRO! Entretanto as pessoas podem ir comendo trampa ou se calhar nem isso têm para comer; podem ter ficado sem água, sem electricidade ou sem gás por falta de pagamento, que eles também não se importam com isso e continuarem com a renda da casa por pagar e dependendo apenas da bondade do senhorio…

Acho que já nem vale a pena fazer mais comentários pois a merda de país em que vivo, a merda de políticos que por cá vegetam e a merda de instituições que são tudo menos de segurança ou sociais demonstram bem o que são ou representam para essa corja, os pensionistas, reformados ou utentes.

Aliás, existe apenas uma coisa em que eles se interessam principalmente: ROUBAR O MAIS POSSÍVEL A QUEM POUCO OU NADA TEM.

logo_transp_200

[vasaioqrcode]

13.Mar.2020

13.Mar.2020

3 semanas ago cuidador cuidador
  Dia de visita à campa da nossa querida. Como já não íamos há duas semanas, as flores já esta…
Read More
3 semanas ago13.Mar.2020
28.Fev.2020

28.Fev.2020

1 mês ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida. Como já não íamos há duas semanas, as flores já estavam murc…
Read More
1 mês ago28.Fev.2020
18.Fev.2020

18.Fev.2020

1 mês ago cuidador cuidador
Faz hoje quarenta e três meses que nos deixaste para sempre e a Saudade não sai dos nossos coraç…
Read More
1 mês ago18.Fev.2020
14.Fev.2020

14.Fev.2020

2 meses ago cuidador cuidador
DIA DOS NAMORADOS Sabes que nunca liguei a este tipo de datas consumistas, mas acabava sempre por t…
Read More
2 meses ago14.Fev.2020
03.Fev.2020

03.Fev.2020

2 meses ago cuidador cuidador
Hoje, com enorme dificuldade da minha parte porque tive de ir e vir a pé desde a nossa casa até Alcâ…
Read More
2 meses ago03.Fev.2020

[powr-hit-counter id=ef9d04af_1488654186466]