370: 31.Dez.2019

Véspera de Fim de Ano, dia em que em muitas dessas datas passavas comigo onde estava a actuar e a dar alegria aos outros, a juntar à nossa alegria de vivermos felizes. Ontem, estava a rebuscar uns arquivos e fui dar com um vídeo de uma Passagem de Ano (Arteviva-1989/1990) no Clube Oriental de Lisboa e em que tu também apareces quando fizeram uma panorâmica da sala. Nem imaginas como fiquei…

Mas hoje fui com a Vera visitar a tua campa, levámos umas flores todas catitas, mudou-se a água da jarra e estivemos a fazer-te companhia como nos nossos bons tempos de vida em conjunto. Muito pesado, podes crer, porque ainda não consigo admitir como alguém que dizem ser misericordioso, te levou sem que para isso tivesses feito algo de mal, pelo contrário, no hospital onde trabalhavas, ajudaste centenas de doentes em tarefas que nem eram da tua rotina profissional.

É por isto e por outras coisas que virei ateu. Deixei de acreditar nesse deus misericordioso, que também deixa nascer crianças defeituosas ou com doenças incuráveis e algumas já mortas à nascença.

Creio sim, num ser Criador do Universo e é a ele que peço ajuda para ir enfrentando a negatividade da vida. Hoje, estava um dia nublado mas depois veio o Sol e ajudou à minha deslocação à tua campa. Um beijão do tamanho do Universo para ti, meu amor. Ficam as imagens das flores que te levámos e um pequeno vídeo da Vera a arranjar a campa.