315: Putin acusa Ocidente de querer saquear Rússia e invoca herança imperial

 

– Este russonazi não está senil… está demente, paranóico, psicopata, é uma amostra de ser humano por fora e diabo por dentro. As suas fobias contra o Ocidente, contra tudo o que lhe é hostil – por não serem da mesma ideologia dele -, são a doença que o mina cerebralmente e o leva a ter estas disfunções patológicas mentais, num exercício constante de ocidental-fobia paralisante e produzindo estas “crónicas” demenciais. É muito possível que o único neurónio que lhe resta, já se encontre fundido!

🇷🇺☠️ MOSCÓVIA // 🇷🇺☠️ RUSSONAZIS // OCIDENTALFOBIA // 🇷🇺☠️ DEMÊNCIA

O presidente russo, Vladimir Putin, acusou hoje o Ocidente de querer desmembrar e saquear a Rússia, numa mensagem via videoconferência aos participantes no XXV Conselho Mundial do Povo Russo, que se realiza em Moscovo.

“O que eles realmente querem [no Ocidente]? ??O que eles realmente querem é desmembrar e saquear a Rússia. Não funciona para eles pela força, então semeiam o caos”, disse o líder do Kremlin.

Segundo Putin, o Ocidente “em princípio não precisa de um país tão grande e multinacional como a Rússia”.

“A nossa diversidade e unidade de culturas, tradições, línguas, grupos étnicos não se enquadram na lógica dos racistas e colonizadores ocidentais, no seu sistema cruel de total desumanização, divisão, opressão e exploração”, afirmou.

Putin criticou que “a russofobia e outras formas de racismo e neonazismo são hoje praticamente a ideologia oficial das elites dominantes ocidentais”.

“Consideramos qualquer interferência externa, qualquer provocação com o objectivo de provocar conflitos inter-étnicos ou inter-religiosos, como acções agressivas contra o nosso país, como uma tentativa de lançar mais uma vez o terrorismo e o extremismo contra a Rússia, como uma ferramenta para lutar contra nós”, declarou o Presidente russo, deixando palavras alusivas à herança do país.

“O mundo russo são todas as gerações dos nossos ancestrais, os nossos descendentes. O mundo russo é a antiga Rus, a Moscóvia, o Império Russo, a União Soviética e a Rússia de hoje, que recupera, fortalece e multiplica a sua soberania como potência mundial”, destacou.

No início do seu discurso, Putin pediu um minuto de silêncio em homenagem por aqueles que morreram na campanha militar na Ucrânia: “Eles lutaram por nós, pelo nosso país. Glória eterna”.

Uma das razões apresentadas pelo Kremlin para lançar a campanha militar no país vizinho é a defesa do que é conhecido como “Mundo Russo”, ou seja, o espaço geográfico pós-soviético onde vivem os russos étnicos e se fala a língua do poeta e dramaturgo Aleksandr Pushkin.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 22 de Fevereiro de 2022, com o argumento de “desnazificar” o país vizinho, independente desde 1991 após a desagregação da antiga União Soviética e que tem visto a desde então a afastar-se do espaço de influência de Moscovo e a aproximar-se da Europa e do Ocidente.

A guerra na Ucrânia, que já provocou dezenas de milhares de mortos de ambos os lados, não tem conhecido avanços significativos nos últimos meses, mantendo-se ambas as partes irredutíveis nas suas posições territoriais e sem abertura para cedências negociais.

Notícias ao Minuto
28/11/23 16:25
por Lusa


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 2 dias ago

Loading

312: “Os portugueses viveriam muito bem como parte do império russo”

 

– Império russo! Os russonazis do kremlin da Moscóvia, não escondem a veia imperialista com base no terrorismo, invasão, genocídio, assassínios, de Estados soberanos e independentes, sem qualquer tipo de pudor e cagando para a Carta das Nações Unidas, Convenções e Direito Internacional. Estão ao nível dos neandertais mais primatas de que a Humanidade tem conhecimento. Porquê esta escumalha ainda pertence à ONU e ao Conselho de Segurança?

🇷🇺☠️ MOSCÓVIA // 🇷🇺☠️ RUSSONAZIS // 🇷🇺☠️ IMPERIALISMO // 🥷🏼 🐷TERRORISMO

Lisboa volta a ser assunto quando se fala sobre a guerra na Ucrânia. Uma enorme tempestade “destruiu” trincheiras da Rússia.

ESTA IMAGEM É UMA OFENSA À SOBERANIA LUSA QUE NUNCA SE SUBMETERIA À OCUPAÇÃO RUSSONAZI TERRORISTA…!!! SIMULAÇÃO UMA MERDA!!!
Crédito: ZAP // DALL-E-2
Bandeira de Portugal no Kremlin, Rússia (simulação)

O Inverno está a chegar e, nesta guerra de outros tronos, isso será sinónimo de vantagem para a Ucrânia.

Mais habituados ao seu território e mais conhecedores do seu terreno, na guerra com a Rússia os ucranianos poderão ter pequenas vitórias graças à Natureza.

Isso aconteceu ao longo dos últimos três dias: entre sábado e segunda-feira uma enorme tempestade na Ucrânia destruiu posições defensivas da Rússia na Crimeia.

O jornal Kiev Post cita o conselheiro ucraniano Anton Gerashchenko: “Uma tempestade destruiu trincheiras na Crimeia ocupada que o exército russo tinha construído nas praias”.

Jornais locais indicam que, em Eupatória, a água destruiu a linha de defesa na costa, edifícios e postos de tiro.

Esta tempestade registou ventos até 150 quilómetros por hora e a costa teve ondas de 9 metros.

O ministro da Energia da Rússia admitiu nesta segunda-feira que quase 2 milhões de pessoas ficaram sem electricidade por causa desta tempestade.

A tempestade já chegou a Kiev. Houve nevões e ventos fortes na capital, que está sob aviso laranja.

Portugal volta a ser assunto

Entretanto, e longe do terreno de batalha, o mesmo Anton Gerashchenko partilhou um vídeo do canal Russia-1, onde se voltou a falar sobre Portugal.

Em mais um debate sobre a guerra na Ucrânia e a ideia de criar um “império russo”, o apresentador Vladimir Solovyov começou por dizer que este conflito só se resolve se Berlim for “desnazificada”.

Mas logo a seguir seguiu mais para Ocidente: “E parem de dar Lisboa aos outros. Vocês (os outros participantes no programa) tentam abandonar Lisboa em todas as emissões deste programa!”.

Foi aí que alguém lembrou: “Mas Lisboa nunca fez parte da Rússia”. Vladimir respondeu: “É por isso que deveria fazer parte“.

Até que surgiu a pergunta: “Mas porque precisamos de Lisboa?”. Resposta: “Não precisamos mas gosto muito de Lisboa”, referiu, antes de passagens por Califórnia ou Hawai, entre sorrisos.

O russo defendeu que “é preciso ir até ao oceano” – novo reparo, quando outro apresentador lembrou que a Rússia não tem geopolítica virada para oceanos.

Mas Vladimir Solovyov concluiu: “Os portugueses viveriam muito bem se fizessem parte do império russo”.

ZAP //
28 Novembro, 2023

É PRECISODESNAZIFICARA MOSCÓVIA
DOS ORCS 🐷 NAZIS E DOS SEUS APOIANTES,
PARA BEM DA HUMANIDADE!


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 2 dias ago

Loading

265: Rússia lança ataque recorde a Kiev e Ucrânia teme que isto seja só o início de uma grande campanha

 

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦

🇺🇦🔱 UCRÂNIA // 🇺🇦🔱 KIEV // 💥 BOMBARDEAMENTOS

Uma noite como nunca se tinha visto em quase dois anos de guerra na Ucrânia. Kiev diz que a Rússia lançou o maior ataque com drones desde o início do conflito, o que faz com que as forças ucranianas temam que este seja apenas o começo de uma longa campanha direccionada à destruição das infraestruturas energéticas.

Jardim de infância danificado por drones russos em Kiev (Efrem Lukatsky/AP) © TVI Notícias

“Kiev é o alvo principal”, afirmou o comandante Mykola Oleshchuk, que coordena a Força Aérea ucraniana. E foi na capital que o poderoso ataque mais se fez sentir. Cerca de 75 drones de fabrico iraniano – os conhecidos Shahed – foram lançados contra a cidade, sendo que 71 foram abatidos.

Na sequência do ataque cinco pessoas ficaram feridas, todas por causa dos destroços provocados pelos drones. Entre as vítimas está uma criança de 11 anos, de acordo com o autarca de Kiev. Em paralelo, vários edifícios e até um jardim de infância foram danificados (ver fotografia de capa), sendo que perto de 17 mil pessoas ficaram sem electricidade.

As autoridades ucranianas referiram que os drones vieram de duas direcções diferentes, tentando assim confundir as defesas instaladas na capital.

Os habitantes de Kiev foram acordados pelas sirenes às 02:30, quando a grande onda de ataques começou, fazendo-se ouvir fortes explosões às 04:00 e 06:00.

“Os nossos soldados abateram a maioria dos drones. Infelizmente, não todos”, disse o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Este ataque surge numa altura em que o frio se começa a sentir com maior intensidade em Kiev. Nos últimos dias verificou-se um grande nevão, com temperaturas negativas a registarem-se na capital ucraniana.

A embaixadora dos Estados Unidos na Ucrânia fez nota disso mesmo, dizendo que “à medida que as temperaturas caem para lá dos 0 graus, a Rússia envia, cinicamente, ondas de ataques com drones à capital”.

Uma estratégia que não é nova, uma vez que também no ano passado a Rússia lançou vários ataques a infraestruturas energéticas durante o inverno, tentando tirar partido do frio que caracteriza a capital ucraniana.

MSN Notícias
António Guimarães
25.11.2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 5 dias ago

Loading

260: Maior ataque de sempre com drones na Ucrânia no aniversário do Holodomor

 

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦

🇺🇦🔱 UCRÂNIA // 🇷🇺☠️TERRORISMO

80 blocos residenciais e 120 edifícios em Kiev ficaram sem electricidade e fragmento de um dos drones abatidos chegou a provocar um incêndio numa creche. Tudo aconteceu no dia mais sensível para os ucranianos.

Sergey Dolzhenko/Lusa
Um dos apartamentos atingidos ao nascer do sol de Kiev, este sábado.

Kiev foi este sábado alvo do maior ataque de sempre com drones desde a invasão do país, segundo as autoridades ucranianas.

Vários edifícios de diversos bairros da capital foram atingidos por grandes explosões ao nascer do sol, provocadas por mais de 70 drones kamikaze Shahed.

Mais tarde, segundo a Reuters, a Força Aérea anunciou ter abatido 71 destes drones iranianos e um míssil. Não se sabe ao certo qual seria o alvo dos russos.

Cerca de 80 blocos residenciais e 120 edifícios em Kiev ficaram sem electricidade, após o ataque em massa, informaram as autoridades ucranianas.

Uma menina de 11 anos está entre as cinco pessoas que ficaram feridas devido aos ataques, confirmou o Presidente da Câmara de Kiev, Vitali Klitschko em mensagem no Telegram. Um fragmento de um dos drones abatidos chegou a provocar um incêndio numa creche.

“O inimigo continua a espalhar o terror”, acrescentou.

“Matar pela fome”. “É impossível esquecer”

Tudo aconteceu num dia sensível para os ucranianos. Assinala-se, no quarto sábado de Novembro, o dia da maior tragédia nacional, o Holodomor, de 1932-33.

A data lembra o genocídio por fome que ocorreu na Ucrânia Soviética durante o regime de Josef Stalin na União Soviética. Estima-se que milhões de ucranianos morreram devido à fome, provocada por políticas soviéticas. O termo “Holodomor” significa literalmente “matar pela fome” em ucraniano.

Terror intencional…os dirigentes russos orgulham-se do facto de poderem matar”, lamentou o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

A Ucrânia, conhecida como o “celeiro da Europa”, saiu seriamente afectada pelas políticas de colectivização agrícola de Stalin, destinadas a integrar a agricultura individual em fazendas colectivas, como a requisição forçada de grãos e outros alimentos, deixando os agricultores sem suficiente para sobreviver.

Sobre a efeméride, Zelensky afirmou ser “impossível” perdoar os “crimes de genocídio” cometidos pelos soviéticos durante a era de Estaline contra os ucranianos durante a grande fome dos anos 30.

“É impossível esquecer, compreender e, acima de tudo, perdoar os horríveis crimes de genocídio que os ucranianos sofreram no século XX”, declarou num comunicado à imprensa no dia da comemoração da fome de 1932-1933.

Tomás Guimarães, ZAP //
25 Novembro, 2023

 


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 5 dias ago

Loading

259: Médicos Sem Fronteiras denuncia ataques russos a hospitais na Ucrânia

 

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦

 

🇷🇺☠️ MOSCÓVIA // 💥☠️ BOMBARDEAMENTOS // 🏥HOSPITAIS // UCRÂNIA 🇺🇦🔱

Ataques causaram a morte a pelo menos quatro pessoas. Organização denunciou que a ofensiva russa coloca em risco a vida de quem presta cuidados de saúde e a sua própria capacidade de prestar assistência.

A organização não-governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF) denunciou esta sexta-feira a realização de ataques russos a dois hospitais ucranianos nas regiões de Donetsk e Kherson, que causaram a morte a pelo menos quatro pessoas.

Devido a estes ataques, a organização viu-se obrigada a suspender temporariamente a sua presença nestes dois hospitais, mas assegurou que continua a trabalhar em outros centros sanitários da região.

Trabalhadores da organização estavam presentes nos dois hospitais, mas não ficaram feridos.

A MSF denunciou que a ofensiva russa coloca em risco a vida de quem presta cuidados de saúde e a sua própria capacidade de prestar assistência.

O mais recente ataque, realizado na segunda-feira, foi dirigido ao hospital de Selidovo, em Donetsk, onde as autoridades ucranianas confirmaram a morte de três pessoas. Nas instalações hospitalares encontravam-se cinco funcionários da MSF, avançou esta, em comunicado.

Segundo relatou Artem Tretiakov, condutor de ambulâncias da MSF, as explosões começaram a ouvir-se cerca da meia-noite, “mas foram-se ouvindo cada vez mais perto”.

De repente, recordou, “um míssil atingiu (…) o edifício”.

Em consequência, o hospital de Selidovo sofreu graves estragos, bem como duas ambulâncias da MSF, que integram um sistema destes veículos que já transportou mais de 10.600 pessoas, desde maio de 2022, pouco depois do início da invasão russa da Ucrânia.

Além do ataque em Donetsk, a MSF recordou que na segunda-feira anterior os militares russos tinham atacado outro hospital, em Kherson, onde a MSF também está presente, que causou a morte a uma pessoa e ferimentos em três.

“Condenamos energicamente estes ataques abomináveis a hospitais, que causaram trágicas mortes e ferimento a doentes e pessoal médico (..). Supõe-se que as instalações médicas são lugares onde se salvam vidas, não onde se perdem”, afirmou o coordenador-geral da MSF na Ucrânia, Vincenzo Porpiglia.

A Médicos Sem Fronteiras colabora com o serviço de urgências e cuidados intensivos do hospital de Selidovo desde Julho último, enquanto no hospital de Kherson está presente desde Outubro.

A ofensiva militar lançada a 24 de Fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou, de acordo com os mais recentes dados da ONU, a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

DN/Lusa
24 Novembro 2023 — 22:40

 


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 5 dias ago

Loading

Ex-PM de Putin e actual opositor da guerra na Ucrânia classificado como “agente estrangeiro”

 

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦

🇷🇺☠️ MOSCÓVIA // OPOSIÇÃO

A Justiça russa adicionou hoje Mikhail Kasyanov, antigo primeiro-ministro do Presidente Vladimir Putin e actualmente seu opositor, ao registo de “agentes estrangeiros”, conceito pejorativo que condena o visado a buscas da polícia e outras medidas punitivas. © Fornecido por RTP

O `site` do ministério diz que Kasyanov “participou na criação e divulgação de mensagens e materiais de agentes estrangeiros para um círculo ilimitado de pessoas, disseminou informações falsas sobre as decisões tomadas pelas autoridades públicas da Federação Russa e as políticas seguidas” e “opôs-se à operação militar especial na Ucrânia”.

Kasianov é também acusado pelo Ministério da Justiça de ser membro do Comité Anti-Guerra Russo, uma associação cujas actividades visam “desacreditar a política externa e interna russa”.

Kasyanov tornou-se primeiro-ministro em 2000, depois de Putin ter sido eleito para a presidência, e serviu como chefe do Governo até 2004, quando foi demitido, tendo sido o principal responsável por varias reformas económicas.

Tornou-se uma figura proeminente da oposição depois de deixar o cargo e tentou concorrer à presidência em 2008, mas a sua candidatura foi rejeitada pela comissão eleitoral nacional.

Quando Putin enviou tropas para a Ucrânia, em Fevereiro de 2022, Kasyanov deixou o país e deverá estar agora a viver na Letónia.

Em Junho de 2022, afirmou, em declarações à agência francesa de notícias AFP, que já não reconhecia o Vladimir Putin com quem tinha trabalhado, admitindo esperar que um dia a Rússia regresse a um “caminho democrático”.

O estatuto de “agente estrangeiro” impõe pesadas restrições administrativas às pessoas ou entidades em causa, incluindo a monitorização regular das suas fontes de financiamento, e exige que qualquer publicação, inclusive nas redes sociais, seja acompanhada do rótulo “agente estrangeiro”.

O poder russo intensificou a repressão a qualquer voz dissidente desde o lançamento da ofensiva contra a Ucrânia, sendo que quase todos os principais opositores estão na prisão ou exilados no estrangeiro.

MSN Notícias
Lusa
24.11.2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 6 dias ago

Loading

239: Bombardeamentos russos matam três civis na região de Kherson

 

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦

🇷🇺☠️ MOSCÓVIA // 💥BOMBARDEAMENTOS // 🇺🇦🔱UCRÂNIA

Bombardeamentos russos mataram três civis ucranianos e feriram cinco pessoas na cidade de Chornobayivka, na região de Kherson (sul), avançou hoje o ministro do Interior da Ucrânia, Ihor Klimenko.

© Lusa

“Três mortos. Cinco feridos com graus variados de gravidade. Mais de 60 edifícios residenciais e agrícolas foram danificados”, escreveu o ministro na sua conta na plataforma Telegram.

“A polícia está a documentar as consequências de mais um crime de guerra cometido pelas forças de ocupação”, acrescentou.

Por sua vez, o governador de Kherson, Oleksandr Prokudin, afirmou que no “bombardeamento massivo” as forças russas usaram munições de fragmentação (projécteis proibidos em mais de 100 países).

Num vídeo publicado na rede social Facebook, relatado pelas agências internacionais, podem ser vistas casas destruídas numa área rural com vestígios de sangue no chão, além de cadáveres de animais.

A Ucrânia espera resistir ao inverno e aos bombardeamentos russos com a ajuda dos pacotes de assistência militar ocidentais recebidos esta semana e que visam reforçar o seu escudo antiaéreo.

“Existem novos pacotes de apoio para a Ucrânia, para os nossos soldados. Estes são projécteis, mísseis, guerra electrónica, ‘drones’ (aparelhos não tripulados) e novas capacidades para a nossa defesa antiaérea”, anunciou o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, na sua mensagem diária televisiva.

A defesa antiaérea é fundamental para a Ucrânia, especialmente na época de inverno, durante a qual a Rússia reforça os seus ataques contra as infraestruturas civis ucranianas, numa tentativa de colapsar o sistema eléctrico do país.

Segundo Zelensky, foi criada “uma coligação de peso” para aumentar a defesa antiaérea ucraniana, liderada pela Alemanha e pela França.

“Obrigado a todos os países que participam nestes esforços, para tornar possível que as nossas cidades e vilas estejam mais protegidas dos ataques russos. Nem tudo pode ser dito publicamente ainda, mas o escudo aéreo ucraniano é reforçado literalmente todos os meses”, observou.

Uma das tácticas mais utilizadas pelas forças russas é a utilização de ‘drones’, segundo o porta-voz das forças terrestres ucranianas, Volodymyr Fito, segundo o qual o Exército de Moscovo terá utilizado durante o último dia um total de 42 engenhos ‘kamikaze’ apenas nas imediações da cidade de Bakhmut, no leste.

Os dispositivos não tripulados utilizados nesta área da frente de combate foram ‘drones’ de visualização remota manipulados para transportar explosivos, e ‘drones kamikaze’ Lancet que a Rússia utiliza massivamente na Ucrânia, segundo a mesma fonte.

Além disso, o uso de ‘drones’ também é comum noutras áreas da frente como Kupiansk (nordeste), onde a Rússia utilizou 18 dispositivos não tripulados no dia anterior.

A invasão russa da Ucrânia, iniciada em 24 de Fevereiro de 2022, prossegue com combates sangrentos na região leste, onde as forças de Moscovo desenvolvem ataques massivos em Kupiansk, Marinka e Avdivka, enquanto as tropas de Kiev vão repelindo estas investidas e tentando progredir na região sul, nas frentes de Zaporijia e Kherson.

Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto
23/11/23 17:56
por Lusa

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 6 dias ago

 

Loading

238: Rússia bombardeou 120 cidades de várias regiões da Ucrânia 🇺🇦

 

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦

🇷🇺☠️ MOSCÓVIA // 💥BOMBARDEAMENTOS // 🇺🇦🔱UCRÂNIA

A Rússia bombardeou 120 cidades habitadas nas regiões fronteiriças ou perto da frente em Chernigiv, Sumi, Kharkiv, Lugansk, Donetsk, Zaporijia, Dnipropetrovsk e Kherson, informou hoje o Estado-Maior ucraniano.

© REUTERS

A mesma fonte indicou que Kyiv evitou hoje 11 ataques russos no sul de Bakhmut, 20 em Avdivka e 14 em Marinka, localidades localizadas na região leste de Donetsk.

Em Kupiansk, na região nordeste de Kharkiv, a Ucrânia diz ter repelido três ataques russos.

De acordo com o estado-maior ucraniano, a Rússia perdeu, nas últimas 24 horas, 1.100 soldados, 30 tanques, 32 veículos blindados e 31 sistemas de artilharia nestes ataques.

A invasão russa da Ucrânia, iniciada em 24 de Fevereiro de 2022, prossegue com combates sangrentos na região leste, onde as forças de Moscovo desenvolvem ataques massivos em Kupiansk, Marinka e Avdivka, enquanto as tropas de Kyiv vão repelindo estas investidas e tentando progredir na região sul, nas frentes de Zaporijia e Kherson.

Notícias ao MinutoNotícias ao Minuto
24/11/23 07:52
por Lusa

🇺🇦 SLAVA UKRAYINI 🇺🇦


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 6 dias ago

Loading

178: Estudo prevê ataque russo a países da NATO nos próximos 10 anos

 

🇷🇺☠️ MOSCÓVIA // 🇪🇺EUROPA // 🪖💥 GUERRA

Especialistas em assuntos militares prevêem que a Rússia pode desafiar militarmente países membros da NATO nos próximos cinco a dez anos, caso a guerra na Ucrânia entre num impasse — o que permitiria a Moscovo reforçar as suas capacidades bélicas.

MATEUS_27:24&25 / Flickr
Tanques blindados T-90 do Exército da Rússia

Um estudo de especialistas em assuntos militares prevê um possível ataque russo a países da NATO nos próximos 10 anos, reporta a Deutsche Welle.

A análise foi divulgada pela Sociedade Alemã de Política Internacional (DGAP), com base em dados de inteligência e círculos militares alemães.

Os autores do estudo, Christian Mölling e Torben Schütz, realçam a necessidade urgente de os países da NATO na Europa reforçarem as suas defesas para dissuadir um potencial ataque russo.

De acordo com Mölling e Schütz, a Lituânia, Letónia e Estónia são os estados membros da NATO mais vulneráveis a um ataque russo, sendo prováveis alvos preferenciais de uma iniciativa bélica de Moscovo.

Apesar das perdas sofridas durante a guerra em curso na Ucrânia, a capacidade militar da Rússia permanece substancial, salientam os autores do estudo.

O ministro da Defesa alemão, Boris Pistorius, reiterou recentemente a importância do papel da Alemanha na defesa da Europa, realçando a importância do país como espinha dorsal da dissuasão e defesa colectiva no continente.

As novas directrizes da política de defesa da Alemanha colocam actualmente o foco na renovação das Forças Armadas, visando uma postura mais combativa.

Entretanto, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, garantiu esta quinta-feira que o presidente russo Vladimir Putin está a preparar nova guerra na Europa, incitando um conflito entre a Sérvia e o Kosovo, para distrair as atenções da guerra na Ucrânia.

Com o prolongamento do conflito na Ucrânia, a guerra de trincheiras parece favorecer a Rússia, que, segundo o analista militar austríaco Markus Reisner, mantém uma considerável capacidade de produção de armamento.

A frente de batalha ucraniana, que se estabilizou após os esforços de contra-ofensiva, pode vir a exigir do Ocidente o fornecimento de armas mais modernas, que permitam um avanço mais significativo das forças ucranianas.

Os avanços tecnológicos no campo de batalha também são uma preocupação crescente. A guerra na Ucrânia está a tornar-se tornando mais electrónica, com destaque para o uso de drones — uma tendência que parece poder vir a afirmar-se como o futuro da guerra.

Também o uso de sistemas de interferência electrónica russa em comunicações e equipamentos, incluindo os lançadores de foguetes Himars, dá nota da competência tecnológica da Rússia, representando um desafio adicional.

Finalmente, o estudo da DGAP salienta que, embora a guerra na Ucrânia não pareça poder terminar a curto prazo, a Rússia pode conseguir recuperar rapidamente as perdas sofridas no conflito, ultrapassando a capacidade defensiva da NATO.

Este cenário coloca os países membros da organização com um prazo apertado para reforçar as suas forças armadas e garantir uma posição de dissuasão eficaz contra possíveis agressões russas, nota o estudo.

ZAP //
17 Novembro, 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 2 semanas ago

Loading

167: Kremlin admite censura. “Em tempos de guerra são necessárias medidas duras”

 

🇷🇺☠️ MOSCÓVIA // 🇷🇺☠️ TERRORISMO // 🇷🇺☠️DITADURA

Porta-voz da Presidência aconselhou aqueles que querem criticar a actividade das Forças Armadas russas a “pensarem dez vezes” antes de levantarem quaisquer opiniões. “Em tempos de guerra, deve haver uma certa censura.”

O Kremlin defendeu esta sexta-feira que em “tempos de guerra” são necessárias “medidas duras” e “alguma censura”, em defesa das medidas tomadas desde o início da agressão militar contra a Ucrânia e que resultam na perseguição de dissidentes.

“Estes são tempos difíceis”, disse o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, a um canal de notícias académico, citado pelas agências noticiosas oficiais.

“Em tempos de guerra, deve haver uma certa censura e certas regras que seriam inaceitáveis em tempos normais e pacíficos”, acrescentou.

Peskov aconselhou aqueles que querem especular e criticar a actividade das Forças Armadas russas a “pensarem dez vezes” antes de levantarem quaisquer opiniões, admitindo também que – para as autoridades — não existe uma linha clara sobre quais os comentários que são aceitáveis ou inaceitáveis.

Considerou “muito difícil” que os exilados que “tentam desacreditar” o país regressem à Rússia, porque “as pessoas não os vão aceitar”.

Sobre o futuro político do actual presidente, Vladimir Putin, o porta-voz deu como certo que vai concorrer às eleições de Março, não tendo “qualquer dúvida” de que vai ganhar.

– Em vez de gastarem rublos e tempo inútil, deitem as falsas eleições no lixo e elejam o imperador russonazi sem necessidade de todo este circo. Eleições verdadeiras são para Estados democráticos onde a verdade do voto popular é válido sem recurso a malabarismos de toda a espécie.

Putin ainda não oficializou uma candidatura que já é dada como certa por todos os partidos, dadas as alterações legais que foram efectuadas para permitir a permanência do líder no poder.

Peskov disse ainda que quem vier depois de Putin deve ser “como ele”, num apoio indirecto às políticas actuais.

Pouco depois de enviar dezenas de milhares de tropas para a Ucrânia, em Fevereiro do ano passado, a Rússia introduziu leis de censura de guerra que foram usadas para silenciar vozes dissidentes.

“Desacreditar” o exército pode ser punido com até cinco anos de prisão, enquanto que a divulgação de informações deliberadamente falsas sobre o mesmo pode levar a uma pena de 15 anos.

ZAP // Lusa
17 Novembro, 2023


Ex-Combatente da Guerra do Ultramar, Web-designer,
Investigator, Astronomer and Digital Content Creator

published in: 2 semanas ago

Loading