2497: Há um misterioso reservatório de metano debaixo do oceano

CIÊNCIA

(CC0/PD) Mariamichelle / pixabay

Cientistas descobriram evidências de um enorme reservatório distribuído de metano formado por reacções químicas no fundo do oceano.

Há séculos que se sabe que há metano abiótico – criado em reacções que não envolvem matéria orgânica ou criaturas vivas – enterrado no leito do mar, que é libertado através de aberturas nas profundezas. No entanto, as origens do gás neste ambiente subaquático ainda não foram totalmente compreendidas.

“Identificar uma fonte abiótica de metano do fundo do mar tem sido um problema com o qual estamos a lutar há muitos anos”, disse, em comunicado, o geoquímico marinho Jeffrey Seewald, do Instituto Oceanográfico Woods Hole (WHOI). “Aqui está uma fonte de energia química que está a ser criada pela geologia.”

Num novo estudo publicado este mês na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences, Seewald e outros investigadores da WHOI analisaram amostras de rocha do manto superior da Terra e crosta oceânica inferior recolhidas do oceano: 160 pedaços de rocha no total, provenientes de numerosas cristas oceânicas, juntamente com zonas de sub-ducção e secções erguidas da crosta oceânica chamadas ofiolitos.

Em quase todos os locais de mar profundo amostrados, as técnicas de espectroscopia e microscopia revelaram que as rochas continham bolsões de metano, muitas vezes juntamente com hidrogénio.

Quanto ao modo como o metano é produzido, os cientistas dizem que isto acontece quando a água do mar, movendo-se lentamente através da crosta oceânica profunda, fica aprisionada dentro do mineral quente formador de rocha chamado olivina – o principal componente do manto superior da Terra.

Com o tempo, o mineral começa a arrefecer. Quando isso acontece, a água armazenada dentro das “inclusões fluidas” dentro da rocha passa por uma reacção química chamada serpentinização, que acaba por produzir metano e hidrogénio.

Uma vez formados, o metano e o hidrogénio podem permanecer selados dentro da rocha “em escalas de tempo geológicas até serem extraídos por dissolução ou fractura do hospedeiro olivina”.

Sabe-se que o metano existe noutras partes do Sistema Solar e as novas descobertas ajudam a explicar como pode persistir, mesmo na ausência de água líquida ou actividade hidrotérmica.

“Como as inclusões fluidas se podem formar em rochas ricas em olivina que interagem com a água em corpos celestes noutras partes do Sistema Solar, a sua formação pode ter implicações importantes na manutenção da vida microbiana além da Terra”, observam os autores, notando que a eventual ventilação ou fuga dessas fontes de combustível das rochas poderia potencialmente sustentar formas de vida.

Na Terra, é possível que este ciclo de produção e libertação química possa ter sido um factor importante na sobrevivência de organismos terrestres oceânicos. Segundo os cientistas, o processo deverá estar “ocorrer desde o início das placas tectónicas” e “pode ter apoiado os ecossistemas microbianos dentro de diversos ambientes geológicos”.

A equipa reconhece que a explicação de como a massiva distribuição de metano surgiu é especulativa. A origem dos fluidos aprisionados não pode ser determinada de forma inequívoca, mas notam que a detecção de outros químicos dentro das rochas é “consistente com um fluido de fonte semelhante à água do mar“.

A equipa estima que os depósitos oceânicos no total excedam a quantidade de metano na atmosfera da Terra antes da era industrial.

ZAP //

Por ZAP
23 Agosto, 2019