5001: Astrónomos descobrem um raro exoplaneta semelhante a Júpiter sem nuvens nem neblina

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Uma equipa de astrónomos norte-americanos descobriram um raro exoplaneta com muitas similaridades a Júpiter, mas sem nuvens nem neblina na atmosfera. Este é o segundo corpo celeste deste tipo observado pelos cientistas.

O corpo celeste WASP-62b encontra-se a 575 anos-luz de distância do nosso planeta. Este astro tem aproximadamente metade da massa de Júpiter.

WASP-62b orbita a sua estrela WASP-62 de classe F

Os exoplanetas livres de nuvens são extremamente raros. Os astrónomos estimam que menos de 7% dos exoplanetas têm atmosferas claras. Por exemplo, o primeiro e único outro exoplaneta conhecido com uma atmosfera límpida, WASP-96b, foi descoberto em 2018.

Os astrónomos acreditam que estudar exoplanetas com atmosferas sem nuvens pode levar a uma melhor compreensão de como estes foram formados.

A sua raridade sugere que está a acontecer algo mais ou que eles formaram-se de uma maneira diferente da maioria dos planetas.

As atmosferas claras também tornam mais fácil estudar a composição química dos planetas, o que pode ajudar a identificar do que um planeta é feito.

Referiu Munazza Alam, astrónomo do Harvard & Smithsonian Center for Astrophysics.

O planeta agora alvo de investigação, o WASP-62b, foi detectado pela primeira vez em 2012 pela WASP (uma organização académica internacional que realiza buscas automatizadas de planetas extras-solares através do método de trânsito astronómico).

Um exoplaneta que está a 575 anos luz da Terra

O planeta orbita WASP-62 é uma estrela do tipo F localizada a 575 anos-luz de distância na constelação de Dourado. Este mundo alienígena tem cerca de metade da massa de Júpiter e orbita a sua estrela hospedeira uma vez a cada 4,4 dias, a uma distância de 0,06 UA.

Usando o telescópio espacial Hubble da NASA/ESA, Alam e os seus colegas registaram dados e observações do WASP-62b. Para isso, recorreram à espectroscopia, o estudo da radiação electromagnética para ajudar a detectar elementos químicos.

Os astrónomos monitorizaram especificamente o planeta enquanto este passava três vezes na frente da sua estrela hospedeira, oferecendo observações de luz visível, que podem detectar a presença de sódio e potássio na atmosfera de um planeta.

Admito que no começo não estava muito animado com este planeta. Mas assim que comecei a examinar os dados, fiquei animado.

Disse o investigador Munazza Alam.

Embora não houvesse evidência de potássio, a presença de sódio era notavelmente clara. Os investigadores foram capazes de visualizar as linhas de absorção de sódio completas nos seus dados, ou a sua impressão digital completa.

As nuvens ou neblina na atmosfera obscureceriam a assinatura completa do sódio, e os astrónomos normalmente só conseguem perceber pequenos indícios de sua presença.

Esta é a prova definitiva de que estamos a ver uma atmosfera clara.

Concluiu Alam.

O estudo foi publicado no Astrophysical Journal Letters.

Autor: Vítor M.
24 Jan 2021