MÚLTIPLOS METAIS – E POSSÍVEIS SINAIS DE ÁGUA – ENCONTRADOS EM EXOPLANETA ÚNICO

Impressão de artista do exoplaneta WASP-127b e da sua estrela hospedeira.
Crédito: Instituto de Astrofísica das Canárias

Uma equipa internacional de investigadores identificou “impressões digitais” de múltiplos metais num dos exoplanetas menos densos já encontrados. “A detecção de traços de lítio numa atmosfera planetária é um grande avanço,” comenta o co-autor Nikku Madhusudhan.

A equipa, da Universidade de Cambridge e do IAC (Instituto de Astrofísica das Canárias), usou o GTC (Gran Telescopio Canarias) para observar WASP-127b, um gigante gasoso com céus parcialmente limpos e assinaturas fortes de metais na sua atmosfera. Os resultados foram aceites para publicação na revista Astronomy & Astrophysics.

WASP-127b tem um raio 1,4 vezes maior do que o de Júpiter, mas apenas 20% da sua massa. Um tal planeta não tem análogo no nosso Sistema Solar e é raro até nos milhares de exoplanetas descobertos até agora. Demora pouco mais de quatro dias a orbitar a sua estrela-mãe e a sua temperatura ronda os 1400 K (1127º C).

As observações de WASP-127b revelam a presença de uma grande concentração de metais alcalinos na sua atmosfera, permitindo a detecção simultânea de sódio, potássio e lítio pela primeira vez num exoplaneta. As absorções de sódio e potássio são muito amplas, o que é característico para atmosferas relativamente limpas. De acordo com o trabalho de modelagem feito pelos cientistas, os céus de WASP-127b são aproximadamente 50% limpos.

“As características particulares destes planetas permitiram-nos realizar um estudo detalhado da sua rica composição atmosférica,” comenta o Dr. Guo Chen, investigador pós-doutoral do IAC e autor principal do estudo. “A presença de lítio é importante para entender a história evolutiva do sistema planetário e pode lançar luz sobre os mecanismos de formação planetária.”

A estrela-mãe do planeta, WASP-127, é também rica em lítio, o que poderá apontar para que uma estrela AGB – uma gigante vermelha e brilhante milhares de vezes mais luminosa do que o Sol – ou uma super-nova tenha enriquecido a nuvem de material da qual este sistema se formou.

Os investigadores também encontraram possíveis sinais de água. “Embora esta detecção não seja estatisticamente significativa, já que as características da água são fracas na faixa visível, os nossos dados indicam que observações adicionais no infravermelho próximo devem ser capazes de a detectar,” comenta o co-autor Enric Pallé, também do IAC.

Os resultados demonstram o potencial dos telescópios terrestres para o estudo das atmosferas planetárias. “A detecção de traços de lítio numa atmosfera planetária é um grande avanço e motiva novas observações de acompanhamento e modelagem teórica detalhada para corroborar as descobertas,” comenta o co-autor Nikku Madhusudhan, do Instituto de Astronomia de Cambridge.

Estamos apenas a começar a estudar as atmosferas de exoplanetas com telescópios terrestres, mas os autores pensam que este também será um exoplaneta de referência para futuros estudos com telescópios espaciais, como o Telescópio Espacial James Webb, o sucessor do Telescópio Hubble. Estes estudos futuros vão revelar a natureza detalhada de WASP-127b como referência para esta nova classe de exoplanetas de densidade muito baixa.

Astronomia On-line
5 de Junho de 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=bb2f5c7c_1528182160082]