4883: As focas estão a fazer estranhos sons debaixo de água (mas são inaudíveis para os humanos)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Oregon descobriu que as focas de Weddell estão a chilrear, assobiar e vibrar sob o gelo da Antárctida em frequências sonoras que são inaudíveis para os humanos.

Dois anos de gravações num observatório subaquático de transmissão ao vivo em McMurdo Sound capturaram nove tipos de vocalizações ultra-sónicas tonais de focas que chegam a 50 quilohertz. Os humanos ouvem na faixa sónica entre 20 a 20 mil hertz – ou seja, até 20 quilohertz.

As focas de Weddell (Leptonychotes weddelii), o mamífero mais meridional do mundo, prosperam sob o gelo marinho, usando os seus grandes dentes para criar buracos de ar e conseguem mergulhar a 600 metros em busca de presas e permanecer submersos durante 80 minutos.

Os cientistas identificaram em 1982, e pela primeira vez, 34 tipos de chamada de focas em frequências sónicas, vinculando os sons às interacções sociais.

O autor principal do estudo, Paul Cziko, professor no Instituto de Ecologia e Evolução da Universidade de Oregon, começou a registar as vocalizações sonoras de alcance das focas em 2017, após concluir a instalação do Observatório Oceanográfico McMurdo. Segundo Cziko, muitos trabalhadores na Estação McMurdo adormeciam a ouvir a transmissão dos sons das focas.

“As chamadas das focas de Weddell criam uma paisagem sonora sob o gelo quase inacreditável”, disse Cziko, num comunicado divulgado pelo EurekAlert. “Realmente parece que se está no meio de uma batalha espacial em Star Wars, com raios laser e tudo.”

Nos dois anos seguintes, o hidrofone digital de banda larga do observatório captou as vocalizações de alta frequência durante a monitorização passiva das focas.

“Continuámos a encontrar este tipo de chamadas ultra-sónicas”, disse Lisa Munger, bióloga marinha e instrutora no Clark Honors College da Universidade de Oregon. “Finalmente, percebemos que as focas estavam a usá-los com bastante regularidade.”

Os nove novos tipos de chamadas eram compostos de elementos vocais únicos ou múltiplos com frequências fundamentais ultra-sónicas.

Onze elementos, incluindo chilros, assobios e vibrações, estavam acima de 20 kHz. Dois ultrapassaram os 30 kHz e seis ficaram sempre acima de 21 kHz. Um apito atingiu 44,2 kHz e os chilros noutro tipo de chamada começaram a cerca de 49,8 kHz. As harmonias de algumas vocalizações ultrapassaram 200 kHz.

O significado das vocalizações ultra-sónicas das focas de Weddell é desconhecido.

As focas estão entre 33 espécies de mamíferos com pés de barbatana agrupados como pinípedes e, até agora, acreditava-se que os pinípedes (que também incluem leões-marinhos e morsas) vocalizavam apenas em níveis sónicos.

Segundo Czico, as focas podem produzir os sons para “se destacar sobre todo o ruído de baixa frequência, como mudar para um canal diferente para se comunicar“.

Outra hipótese é que as vocalizações ultra-sónicas podem ser usadas para eco-localização, um sonar biológico que golfinhos, baleias e morcegos usam para navegar com visibilidade limitada para evitar obstáculos e localizar amigos ou presas.

“Gostaríamos de saber quem está a produzir as chamadas ultra-sónicas – machos, fêmeas, jovens ou todos”, disse Munger. “E como é que as focas usam esses sons quando estão em águas mais profundas em busca de peixes? Precisamos de gravar em mais lugares para poder correlacionar os sons com os comportamentos.”

Este estudo foi publicado a 18 de Dezembro na revista científica Journal of the Acoustical Society of America.

Por Maria Campos
29 Dezembro, 2020