3902: Virgin Galactic will organize private passenger trips to the space station for NASA

The suborbital space company is going orbital… kind of

Richard Branson’s space tourism venture, Virgin Galactic, will start coordinating private astronaut trips to the International Space Station for NASA — a new partnership aimed at increasing commercial use of the space agency’s orbiting outpost.

Thanks to a new Space Act Agreement with NASA, Virgin Galactic is tasked with putting together a “new private orbital astronaut readiness program,” for the agency. That means finding companies or organizations with an interest in sending people to the space station — for whatever reason — and then finding the right transportation to get them up there. Virgin Galactic will also be responsible for coordinating the necessary resources, both in space and on the ground, to make these trips successful.

It’s a similar mission to that of Space Adventures, a space tourism company that has put together trips to space for wealthy tourists. However, Virgin Galactic says it’s looking for a wide variety of customers, beyond the ones who just want a fun trip to space. “This is not just for potentially private space travelers, but could also be for researchers or even government researchers,” George Whitesides, Virgin Galactic’s CEO, tells The Verge, noting that people from all over the world could fly through this program.

This new focus on orbital spaceflight may seem odd for Virgin Galactic, which has been mostly focused on suborbital spaceflight for the last decade and a half. Virgin Galactic’s main business revolves around sending paying customers to the edge of space and back on the company’s rocket-powered spaceplane, VSS Unity. The passenger vehicle is designed to take off in midair after deploying from underneath the wing of a carrier aircraft. It climbs to a height of about 55 miles, giving any prospective passengers a short taste of weightlessness, before gliding back to Earth and landing on a runway.

Virgin Galactic has yet to begin commercial operations of its space tourism business, and it has only sent five people to space on two separate test flights. But the company argues that its experience so far makes it qualified to run this kind of program for NASA. Additionally, many of the people who work at Virgin Galactic have experience on past human spaceflight programs at NASA. “We actually have grown on a lot of that experience to build the suborbital program in the first place,” Mike Moses, Virgin Galactic’s president who worked as the launch integration manager for the Space Shuttle Program, tells The Verge. “It’s obviously a reduced down version, and it’s a little more simplified — you’re not going for multiple days. But a lot of the philosophies are the same. A lot of the rationale is the same.”

Virgin Galactic’s spaceplane VSS Unity. Image: Virgin Galactic

Virgin Galactic is developing an astronaut training program for its future customers who will fly on the company’s spaceplane out of Spaceport America in New Mexico. And through this new agreement, Virgin Galactic will draw on that experience and develop another training program for the customers it finds for NASA. Though that program will be tailored to prepare people for orbit and how to use the space station.

The new training program may entail riding on Virgin Galactic’s spaceplane, providing customers with some experience of space and weightlessness before they head to orbit for a longer stay. The company’s spaceplane also pulls extra Gs when it ascends to space, as do rockets taking off to orbit. Experiencing that firsthand could also be valuable for training, according to the company. Virgin Galactic says prospective astronauts will also use some of the company’s facilities at Spaceport America in New Mexico to prepare for their journeys.

“We want to put the right package around it, so it’s not just ‘Go to a class and listen to a PowerPoint for three hours,’” says Moses. “How do you make that an engaging and enjoyable experience that you’re going to want to be able to do?”

NASA says it will ultimately review the plan that Virgin Galactic puts together. “Under the agreement, NASA will conduct an assessment of the feasibility of Virgin Galactic’s plan to develop a new private orbital astronaut readiness program to enable private astronaut missions to the International Space Station,” NASA said in a statement to The Verge. “Virgin Galactic’s plans to develop a new private orbital astronaut readiness program directly support NASA’s broad strategy to facilitate the commercialization of low-Earth orbit by U.S. entities.”

This news comes after NASA administrator Jim Bridenstine also announced plans to fly NASA astronauts on suborbital vehicles, like Virgin Galactic’s spaceplane and rival Blue Origin’s tourist rocket. Bridenstine didn’t provide much detail on that, saying those plans would come out sometime this week.

The partnership also means that Virgin Galactic will take on a new role as a broker, procuring customers, resources, and transportation to make these trips possible. Right now, the company has a handful of new transportation options, geared toward flying people to orbit. SpaceX’s Crew Dragon just sent its first two passengers to the ISS and should start regularly flying people to and from orbit later this year. Boeing is also developing a crew capsule called the CST-100 Starliner to take people to orbit, though the vehicle likely won’t fly its first passengers until next year at the earliest. Each seat on the Crew Dragon runs a little less than $60 million, while a seat on the Starliner costs around $90 million.

Meanwhile, there is a third non-American option for getting to orbit: Russia’s Soyuz capsule, which has been the sole method for getting astronauts to and from the space station since NASA’s Space Shuttle program ended in 2011. Historically, NASA has paid about $80 million for one seat on the Soyuz.

Though these are the only three options for getting humans to the International Space Station, Virgin Galactic would not comment on which vehicles are being considered for flights. However, Moses said the training program that the company develops will have to be tailored, depending on which capsules the people take to space. SpaceX, for instance, has developed various hardware at its facilities in Hawthorne, California, to simulate what it’s like to fly on the Crew Dragon, which could come in handy for training.

Virgin Galactic says it’s in preliminary discussions with prospective customers interested in sending people to the space station for a variety of different reasons — from commercial purposes to research. The company is also looking at a way to train customers for how they’ll use the space station when they’re up there, depending on the reason for their visit. “What you’re going to do while you’re there is the other big piece we’re really looking forward to sinking our teeth into,” Moses says. “How to prepare you while you’re there and then support you once you’re on station.”

This new program feeds into a larger goal for NASA of opening up the International Space Station to more commercial pursuits. For decades, the ISS has mainly been a place for government and academic research, but the space agency announced last year that it will allow companies access to the ISS for commercial purposes, such as filming ads or movies, and even allow these companies to send their own private astronauts to the station. So far, a company called Axiom, aimed at building a private space station, announced plans to send its own representatives to the ISS via a Crew Dragon capsule late next year.

“The exciting thing here is that this is sort of another step towards opening up low Earth orbit to a diverse renaissance of activity, and we’re happy to be a part of it,” says Whitesides.

The Verge

 

spacenews

 

3723: Virgin agenda primeiro voo orbital para sábado… se tudo correr bem

CIÊNCIA/ESPAÇO/VIRGIN

O teste vai ter início no deserto do Mojave com a descolagem de um Boeing 747 que foi transformado para transportar o LauncherOne acoplado a uma das asas

A Virgin Orbit tem tudo preparado para um primeiro teste de voo orbital com o lançador LauncherOne no próximo sábado. O teste, que poderá revelar-se decisivo para a companhia dar início a colaborações com agências espaciais como a NASA, depara-se com uma histórica probabilidade de falha de 50%, pelo que a empresa do grupo de Richard Branson já fez saber da eventualidade de repetir os testes no dia seguinte.

O teste vai ter início no deserto do Mojave com a descolagem de um Boeing 747 que foi transformado para transportar o LauncherOne acoplado a uma das asas. Segundo o site SpaceNews, o LauncherOne deverá ser lançado em pleno voo 50 minutos depois desta descolagem e usar os motores do primeiro estágio do veículo durante três minutos.

Depois de se libertar do primeiro estágio, o LauncherOne deverá activar os motores do segundo estágio, a fim de funcionarem durante seis minutos. Após se libertar deste segundo estágio, o lançador da Virgin Orbit deverá planar durante 22 minutos sem ajuda de motores, até retomar novamente a propulsão por alguns segundos e libertar a carga numa órbita de baixa altitude da Terra.

“Vamos manter a missão durante o tempo que conseguirmos. Quanto mais tempo o LauncherOne voar, mais dados conseguiremos recolher”, refere a empresa em comunicado.

A Virgin Orbit mantém ainda a esperança de que o teste consiga contrariar os dados estatísticos do passado e consiga ter sucesso à primeira tentativa. E é deixada ainda a promessa de que o lixo ou desperdícios espaciais serão reduzidos ao mínimo.

No grupo empresarial da Virgin ninguém esconde a expectativa: caso o lançamento de teste seja bem sucedido, fica dado um passo importante para a companhia entrar finalmente na fase operacional. O programa Venture Class Launch Services, da NASA, é apontado como a meta para o voo de estreia no que toca a serviços comerciais prestados a terceiros que venham a usar o LauncherOne.

Actualmente, a VirginOne está a desenvolver mais um lançador LauncherOne, em Long Beach, Califórnia, que já terá em vista a prestação de serviços a outras entidades.

Exame Informática
21.05.2020 às 15h06
Hugo Séneca

 

spacenews

 

3641: Virgin Galactic lost $60 million in first quarter, announces new NASA partnership for supersonic tech

SCIENCE/ASTRONOMY

Also, 400 new people put down deposits for flights

Space tourism venture Virgin Galactic lost $60 million in the first quarter of 2020, down from the $73 million net loss it suffered at the end of last year, according to the company’s earnings statement today. The company says it earned revenue of just $238,000 this first quarter by “providing engineering services.”

Along with these earnings results, Virgin Galactic is announcing that 400 people put down refundable deposits to fly on the company’s tourist spaceplane in the future. The full cost to fly on the vehicle is $250,000, but through a new initiative, Virgin Galactic allowed aspiring astronauts to put down just $1,000 to reserve a seat on a future flight. The company says those deposits represent “over $100 million of potential future revenue upon full ticket payment.”

Virgin Galactic is also announcing today that it is getting some help from NASA to develop future high Mach vehicles — or supersonic jets — that can potentially be used for high-speed air travel. Today, the company announced a new Space Act Agreement with NASA, which will leverage the space agency’s research in the field of supersonic air travel.

For the last two decades, Virgin Galactic’s primary goal has been to send paying customers to the edge of space and back to get a quick taste of weightlessness. The company’s primary vehicle is the VSS Unity, a spaceplane that deploys from underneath the wing of a giant carrier aircraft in midair. Pilots on board the spaceplane ignite the vehicle’s onboard engine to climb to an altitude 50 miles above the Earth, what many consider to be the boundary to space. At that height, passengers would experience a few minutes of floating before the plane glides back down to Earth and lands on a runway.

Though space tourism is Virgin Galactic’s ultimate focus, the company has expressed interest in expanding its capabilities. Virgin Galactic founder Richard Branson has talked about eventually developing point-to-point travel, which entails rocket-powered vehicles taking passengers from one point on the Earth to another. Point-to-point travel has been floated by other companies, too, notably SpaceX, but such technology is far from reality. And there are concerns about the feasibility of such forms of travel.

Developing supersonic aircraft could be an important step to making point-to-point travel happen, though. And NASA has a lot of experience with these kinds of high Mach vehicles, with decades of history developing aircraft to travel faster than the speed of sound. In recent years, NASA has also been working on a new “silent” supersonic jet called the X-59 QueSST.

Along with all of these announcements, Virgin Galactic said it was still unsure how the COVID-19 pandemic would affect the company. “The full impact of the COVID-19 pandemic on the company’s full year financial results and test flight program will depend on future developments, such as the ultimate duration and scope of the outbreak, the timing and impact of future stay-at-home orders and other government mandates, and the pace at which the company can resume normal course operations,” the company said in a statement.

Virgin Galactic CEO George Whitesides said that after pausing operations in March, the company took various safety precautions at the company’s facilities to allow employees to continue working. They required facial coverings, rearranged facilities to encourage social distancing, and tested up to 579 employees for the virus. “Over 90 percent of our employees, whose work requires them to be in the facilities, are now working back on site,” Whitesides said. “For the time being, we are encouraging those employees who are able to work from home to continue doing so while we develop our plans for the safe return of those workers to our facilities.”

The company has also been working on side projects to help fight the coronavirus pandemic, such as creating a breathing hoods to help provide oxygen to patients with COVID-19. Virgin Galactic also worked with NASA to develop enclosures for patients on gurneys, to help protect medical workers from the virus.

Despite the pandemic, Virgin Galactic is still looking ahead to its next test flights. So far, the company has only flown a total of five people to the edge of space and back on two test flights. The company recently did a glide flight with its plane at the company’s new permanent headquarters at Spaceport America in New Mexico, after moving there from their test facilities in Mojave, California. Virgin Galactic plans to fly at least one more glide flight before starting powered flights back up again.

Virgin Galactic doesn’t have a timeline for when the first passenger flights will begin. Before the pandemic, the company was targeting the first customer trip — with Branson — to occur this summer. Now the company is just focused on starting their powered tests back up again and Whitesides says they can continue to test throughout lockdowns if needed.

“We also remain focused on flying Richard Branson to space as soon as we can,” Whitesides said.

The Verge

 

spacenews

 

2466: Virgin Galactic abre as portas do primeiro aeroporto espacial do mundo

A empresa norte-americana Virgin Galactic, do bilionário Richard Branson, está a preparar o primeiro aeroporto espacial comercial do mundo, tendo revelado esta semana algumas das imagens daquelas que vão ser as instalações.

O aeroporto, localizado no estado do Novo México, nos Estados Unidos, permitirá a realização de voos destinados ao turismo espacial comercial.

O terminal Gateway to Space (Porta para o Espaço), de design futurista, será composto por dois andares, que incluem o centro de controlo, uma área de preparação para o piloto e um espaço exclusivo para os passageiros e os seus acompanhantes.

No seu site oficial, a Virgin Galactic adianta ainda que terá um hangar que irá abrigar todas as naves da propriedade da empresa norte-americana.

“A instalação Foster + Partners Gateway to Space é uma homenagem ao passado, num respeito pela antiga paisagem circundante, enquanto abraça o futuro com eficiência e sustentabilidade energética”, pode ler-se na publicação da empresa.

Com a apresentação das suas novas instalações, a Virgin Galactic indica que o aeroporto “está agora funcionalmente operacional” e mais perto de iniciar o seu serviço comercial.

A empresa do britânico Richard Branson oferece-se para levar civis para o Espaço, cobrando para isso cerca de 250.000 dólares. No momento, a Virgin Galactic tem 600 clientes à espera que o serviço comece a ser operacionalizado.

Na corrida ao turismo espacial estão também a agência espacial norte-americana (NASA), a Blue Origin, de Jeff Bezos, e a Space X, de Elon Musk.

ZAP //

Por ZAP
18 Agosto, 2019

 

1636: Virgin Galactic acelera a fundo no Espaço com três tripulantes a bordo

(dr) Virgin Galactic

O voo de demonstração da SpaceShipTwo da Virgin Galactic, conhecida como VSS Unity, bateu vários recordes durante o seu segundo voo para o Espaço, tendo transportado três tripulantes pela primeira vez.

A 14 mil metros de altitude, a Unity descolou da nave-mãe e ligou os motores, tendo acelerado até ficar a quase 90 quilómetros da Terra, antes de aterrar no deserto de Mojave, na Califórnia. A bordo levava dois pilotos, um astronauta.

Dave Mackay e Mike Masucci, os pilotos da Virgin Galactic, ficaram ao comando do quinto teste de voo supersónico da companhia. Além dos pilotos, levou a bordo a engenheira espacial e responsável pela instrução de astronautas, Beth Moses.

Depois de descolar da pista à boleia da nave-mãe WhiteKnightTwo, a Unity ficou por sua conta a cerca de 14 mil metros. A partir dai, chegou aos 88 quilómetros da Terra, onde a tripulação pode experimentar a ausência de gravidade. Segundo a Visão, a nave carregou mais peso do que nos testes anteriores.

Além disso, de acordo com o New Atlas, atingiu a velocidade máxima de 3.629 quilómetros por hora, a maior velocidade e altitude que a nave alguma vez alcançou em qualquer um dos seus cinco voos de teste.

Mas o voo foi ainda mais especial, tornando-se um marco importante tendo em conta os registos da Virginr Galactic. Beth Moses tornou-se não apenas a 571.ª pessoa a voar no Espaço, como também a primeira não-piloto, a primeira mulher e a primeira pessoa a flutuar sem restrições numa espaço-nave comercial.

O primeiro voo de testes da VSS Unity aconteceu no final do ano passado, com a nave a alcançar os 80 quilómetros de altitude – considerado pela Força Aérea como a fronteira para o início do Espaço -, numa estreia para a empresa. Em testes anteriores, o máximo que tinha alcançado tinha sido cerca de 52 quilómetros.

“Costuma dizer-se que os pilotos têm o melhor lugar da sala, com a vista lá de cima, mas hoje não tenho a certeza”, disse David Mackay, citado pela Reuters, referindo-se ao que a Beth Moses podia ver e fazer no seu papel de “turista” espacial. Por sua vez, Moses classificou a sua viagem como “um passeio indescritível“.

O bilionário dono da Virgin Galactic, Richard Branson, já disse que tenciona ir a bordo da Unity até a Espaço no próximo verão, tendo sido encorajado pela própria Moses: “Richard, vais adorar!”

Se os testes continuarem a serem bem-sucedidos, a companhia vai cobrar 250 mil dólares, cerca de 220 mil euros, por uma viagem ao Espaço, que, entre descolagem e aterragem demorará cerca de 90 minutos.

ZAP //

Por ZAP
26 Fevereiro, 2019

– Infelizmente, para poder publicar os vídeos desta viagem espacial, tive de recorrer ao Youtube dado que no artigo não existiam links para a reprodução.

[vasaioqrcode]

 

1415: Virgin Galactic chegou ao espaço com humanos a bordo e fez história. Vem aí o turismo espacial

A Virgin Galactic, a empresa de Richard Branson, conseguiu lançar uma nave até ao limiar do espaço, com dois pilotos a bordo. Um voo de teste que fez história e que abre caminho ao turismo espacial e a uma nova era na conquista do espaço.

A nave da Virgin Galactic, designada SpaceShipTwo, conseguiu alcançar o espaço sub-orbital (não chegando a entrar em órbita), atingindo uma altitude de 82,7 quilómetros, com dois pilotos no cockpit – Mark “Forger” Stucky e C.J. Sturckow.

Foi “o primeiro voo espacial humano a ser lançado de solo americano desde a missão final do Space Shuttle em 2011″ e “a primeira vez que um veículo pilotado construído para serviço comercial de passageiros alcançou o espaço”, anunciou a Virgin Galactic num comunicado.

A nave atingiu a altitude que a Administração Federal de Aviação dos EUA define como o limiar do espaço, mas o conceito não é unânime. Há quem demarque essa fronteira, chamada de linha de Karman, numa altitude de 100 quilómetros – nesta semântica, a nave de Branson terá ficado a 17 km da entrada no espaço, como nota o astrofísico Jonathan McDowell, da Universidade de Harvard, no LiveScience.

Contudo, o astrofísico refere que a marca dos 100 só existe por ser um número redondo, porque “não há justificação física” para a sua definição como linha de Karman. McDowell defende que é preciso rever aquela marca, constatando nas suas investigações, que tanto as publicações tradicionais como “as análises empíricas” e “teóricas” convergem todas no sentido de que “80 é um número melhor do que 100”.

Independentemente deste pormenor técnico, o teste de voo bem sucedido da SpaceShipTwo é encarado como um marco decisivo para a Virgin Galactic que assume a dianteira na corrida espacial para fins comerciais. A empresa fundada por Richard Branson está agora mais perto do objectivo de levar turistas a voar pelo espaço.

Não admira assim que o momento tenha sido celebrado com muito entusiasmo pela Virgin Galactic, nomeadamente com uma publicação no Twitter que destaca “SpaceShipTwo, bem-vinda ao espaço”.

“Hoje mostramos que a Virgin Galactic pode mesmo abrir o espaço para mudar o mundo de vez”, aponta Richard Branson no comunicado da empresa.

O multimilionário foi um dos muitos entusiastas que assistiu ao teste de voo no deserto de Mojave, na Califórnia. “Foram 14 longos anos até chegar aqui“, disse aos jornalistas um Branson emocionado.

“Tivemos lágrimas, lágrimas reais, e momentos de alegria”, acrescentou, reconhecendo que “as lágrimas de hoje são lágrimas de alegria” e “talvez também, sejam lágrimas de alívio”. “Quando se está no programa de testes de voo de uma companhia espacial, nunca se pode ter completamente 100 por cento de certeza”, constata Branson.

Na memória do empreendedor está certamente ainda o acidente de 2014, durante um outro teste de voo que terminou com a nave a partir-se ao meio, matando o piloto Michael Alsbury.

“Uma conquista extraordinária”

O sucesso deste novo teste é “uma conquista extraordinária”, como atesta o CEO da Virgin Galactic, George Whitesides, frisando que é a prova de que os voos espaciais comerciais vão ser “uma das indústrias definidoras do Século XXI”, com potencial para “transformar os negócios e as vidas pessoais de formas que são ainda difíceis de imaginar”.

Certo é que a Virgin Galactic se coloca na frente de empresas como a SpaceX de Elon Musk e a Blue Origin de Jeffrey Bezos. A empresa de Bezos espera fazer os primeiros testes de voo com humanos em 2019, enquanto que a companhia de Musk pretende começar a levar astronautas da NASA até à Estação Espacial Internacional também no próximo ano.

A entrada em força de empresas privadas na corrida espacial, que tem sido até agora monopolizada por Governos de países como EUA, Rússia e China, pode assinalar uma viragem decisiva nos avanços nesta área. Até porque são movidas por jovens multimilionários cheios de entusiasmo e de dinheiro.

Branson investiu quase mil milhões de dólares da sua fortuna pessoal no projecto espacial da Virgin Galactic que já está a vender bilhetes para as futuras viagens turísticas no espaço.

Entretanto, vai também construir mais naves e planeia edificar vários aeroportos espaciais pelo mundo, para permitir que milhares de pessoas possam viver a experiência. Branson já disse que quer seguir a bordo do primeiro voo espacial comercial.

SV, ZAP //

Por SV
14 Dezembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1377: Virgin Galactic vai levar passageiros ao espaço antes do Natal, diz Branson

TECNOLOGIA

@virgingalactic / Twitter
Richard Branson, o fundador da Virgin (direita)

O empresário britânico Richard Branson disse na sexta-feira passada que a sua empresa de voos espaciais – Virgin Galactic – vai levar passageiros para o espaço antes do Natal.

O bilionário disse que estava “razoavelmente confiante” de que a Virgin Galactic poderá atingir a sua meta, com viagens tripuladas até ao espaço antes do Natal.

Os pilotos de teste farão as primeiras viagens ao espaço sem ninguém a bordo, numa nave espacial sub-orbital SpaceShipTwo. Branson afirmou ainda que será o primeiro a viajar para o espaço como passageiro.

Depois, a Virgin Galactic dará a mesma oportunidade aos turistas que puderem pagar por isso. O preço para voar e passar um dia no espaço está estimado em 250 mil dólares (cerca de 220 mil euros) e centenas de pessoas já estão em fila para adquirir bilhetes.

“O espaço é difícil. A ciência de foguetes é complexa. Isto levou 14 longos anos, e Jeff Bezos levou 14 longos anos”, disse Branson, referindo-se à empresa de voos espaciais privada do CEO da Amazon, a Blue Origin, que planeia começar a vender passagens para voos sub-orbitais no ano que vem.

Se conseguir lançar a sua primeira viagem ao espaço antes do final deste ano, a Virgin Galactic superará os seus concorrentes, como Blue Origin, de Jeff Bezos, e SpaceX, de Elon Musk. No entanto, o empresário disse que “a segurança é a única coisa que importa” quando se trata de viagens espaciais.

A Virgin Galactic tem um histórico de promessas de que a empresa estaria próxima de transportar pessoas para o espaço, mas sempre ficou aquém do esperado. Isto foi antes de os planos ambiciosos da empresa serem prejudicados pelo acidente de teste de voo do VSS Enterprise em 2014, que matou um piloto e feriu um copiloto.

A empresa só retomou os voos de teste tripulados com a sua nova aeronave SpaceShipTwo este ano.

ZAP // RT

Por ZAP
5 Dezembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

441: Nova nave da Virgin Galactic realizou primeiro voo supersónico

www.virgingalactic.com

A nova nave espacial da Virgin Galactic realizou quinta-feira o seu primeiro voo supersónico, a partir do deserto de Mojave, na Califórnia, o primeiro desde o acidente fatal em 2014 que matou um piloto.

O voo da VSS Unity foi considerado um grande passo pela empresa, que tem planos para levar turistas para o espaço, segundo a Associated Press.

A Virgin Galactic, propriedade de Richard Branson, considera que este voo marca a fase final do programa de testes de voo da VSS Unity.

“De volta ao caminho (…), O espaço parece tentadoramente próximo agora”, escreveu Richard Branson na rede social Twitter.

Desde que a Virgin Galactic foi fundada, Branson iniciou reservas de voos para quem possa pagar 200 mil dólares (cerca de 170 mil euros) por uma viagem de apenas uns minutos.

Calcula-se, segundo números avançados pela imprensa internacional, que a lista de espera tenha mais de 800 pessoas.

DN
06 DE ABRIL DE 2018 00:44
DN/Lusa

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=95936e9f_1522999631425]