1844: Lockheed Martin revela projecto para levar humanos à Lua em 2024

Lockheed Martin
Conceito artístico do programa lunar da Lockheed Martin

O veículo em questão tem dois elementos: um módulo de aterragem, capaz levar os astronautas até ao solo lunar, e um veículo de subida para os trazer de volta da superfície da Lua.

Para ajudar a NASA a atingir a sua meta de voltar à Lua até 2024, a Lockheed Martin está a desenvolver o Lander Lockheed, um novo veículo lunar tripulado. O projecto tem como objectivo levar o Homem de volta à Lua, e, se tiver os recursos necessários, diz a empresa aeronáutica norte-americana, poderá estar concluído nos próximos anos.

O veículo em causa tem dois elementos: um módulo de aterragem, capaz levar os astronautas até ao solo lunar, e um veículo de ascensão para os trazer de volta da superfície da Lua. A sonda lunar deverá partir do local para a estação espacial Gateway, que a NASA pretende construir em órbita da Lua.

“Vamos precisar de recursos para fazer isto acontecer, e vamos ter que trabalhar de forma diferente”, disse Lisa Callahan, vice-presidente de programas e CEO da Lockheed Martin, durante uma conferência de imprensa. “Mas acho que é realmente viável e estamos super animados com o projecto.”

A principal vantagem do novo conceito do Lander Lockheed é que a empresa não está a construir o veículo completamente do zero. Alguns dos elementos necessários foram desenvolvidos para a Orion, cápsula espacial em que a Lockheed está a trabalhar há quase dez anos.

NASA
Conceito artístico da Orion, a nave espacial da Lander Lockheed

Alguns dos elementos da Orion, explica a empresa, vão ser usados no novo módulo. “Este é o nosso grande trunfo: construir a partir do que já temos”, diz Mike Hawes, vice-presidente e director de projecto da Orion na Lockheed Martin.

A primeira fase é a velocidade“, diz o administrador da NASA, Jim Bridenstine. “Queremos ter os pés na Lua o mais rápido possível. Não queremos desviar nada desse objectivo, e estamos a livrar-nos de qualquer coisa que seja uma distracção.”

Mas para que a Lockheed consiga lançar o seu módulo é necessário que a NASA termine a construção da estação orbital Gateway até 2024 — outro objectivo ambicioso que parece mais fácil de conceptualizar do que de concretizar em tão curto espaço de tempo.

ZAP // Oficina da Net / The Verge

Por ON
12 Abril, 2019

[vasaioqrcode]

 

884: China apresenta veículo com o qual vai explorar o lado oculto da Lua

A agência espacial chinesa revelou imagens do veículo de exploração com que espera chegar ao lado oculto da Lua, no final deste ano, no que seria um feito inédito.

O veículo, que ainda não foi baptizado, viajará em Dezembro a bordo da nave não tripulada Chang E 4, e deverá alunar na bacia Aitken, e a partir dali percorrer o lado não visível da Lua, informou hoje a imprensa oficial.

O veículo é semelhante ao Yutu, o primeiro explorador lunar chinês, lançado em 2013, e que continua a percorrer o lado visível da Lua.

Em conferência de imprensa, Wu Weiren, chefe do programa chinês de exploração lunar, explicou que o novo veículo se distingue do Yutu pela sua maior adaptabilidade a terrenos difíceis.

E destacou que, com 140 quilos, é o “mais leve” de sempre.

De forma rectangular, o explorador contará com seis rodas, dois painéis solares, um radar e várias câmaras, visando explorar o lado oculto da Lua.

Ao mesmo tempo que gira em torno da Terra, a Lua gira também em torno do seu eixo, por isso vê-se sempre a mesma metade do astro.

Os programas espaciais da antiga União Soviética e dos Estados Unidos conseguiram, há mais de 50 anos, fotografar a cara oculta da Lua, mas nunca conseguiram aterrar ali com êxito.

Diário de Notícias
DN/Lusa
16 Agosto 2018 — 06:20

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico

497: NASA põe termo ao desenvolvimento do seu único veículo lunar

NASA
Conceito artístico de um Resource Prospector na Lua. Os míticos Rovers das missões Apollo eram mais simpáticos…

A NASA anunciou sexta-feira ter posto termo ao seu único programa de desenvolvimento de um veículo lunar, apesar das declarações em finais do ano passado do Presidente norte-americano, Donald Trump, de que queria voltar a enviar astronautas à Lua.

O anúncio, feito no site da agência espacial, apanhou de surpresa os próprios cientistas envolvidos no programa, denominado “Resource Prospector” (RP), que deveria conduzir à construção de um veículo robotizado destinado a explorar as regiões polares da Lua.

Segundo a France Press, os cientistas enviaram uma carta à NASA onde exprimem a sua estupefacção pela decisão tomada.

“Tomámos agora conhecimento de que o RP foi suspenso a 23 de Abril de 2018 e que a missão terá fim até final de maio”, referem os membros do “Lunar Exploration Analysis Group (LEAG) no correio electrónico enviado a Jim Bridenstine, que lidera a agência, e publicado no site “NASAWatch.com”.

Os cientistas sublinham a “incredulidade e consternação” com que a notícia foi recebida na sua comunidade.

O robot lunar, cuja construção foi iniciada há cerca de dez anos, deveria ser o único do mundo capaz de explorar as regiões polares da Lua.

Seria ainda o primeiro módulo lunar norte-americano depois do Apollo 17, de 1972, e o primeiro veículo autónomo dos Estados Unidos sobre a Lua, com lançamento previsto para 2022.

A NASA indicou, em comunicado emitido na sexta-feira, que certos instrumentos do programa RP serão utilizados em futuros projectos da agência espacial, até porque diz ter prevista uma série de “missões robóticas graduais na superfície lunar”, sem fazer referência específica à anulação do programa RP.

A agência procura “evoluir progressivamente no sentido de veículos de aterragem maiores, capazes eventualmente de ser habitados”, indica apenas o comunicado.

Jim Bridenstine, confirmado esta semana na liderança da NASA, assegurou no Twitter que está empenhado na exploração lunar.

O Presidente dos Estados Unidos confirmou em Dezembro do ano passado a vontade dos Estados Unidos de voltar a enviar astronautas para a Lua pela primeira vez desde 1972, a fim de preparar uma missão habitada em direcção a Marte.

“Desta vez, não se trata apenas de colocar a nossa bandeira e de deixar as nossas pegadas. Estabeleceremos uma base para uma missão a Marte e talvez um dia mais além”, declarou Trump numa cerimónia na Casa Branca.

ZAP // Lusa

Por Lusa
29 Abril, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=6093fbe3_1524997850959]