1670: Há 50 mil milhões de planetas “vagabundos” na Via Láctea

Alex Gorstan / Flickr

Há pelo menos 50 mil milhões de planetas “vagabundos” na Via Láctea. São chamados de planetas errantes, porque não orbitam nenhum sistema solar.

As conclusões dos astrónomos da Universidade de Leiden, na Holanda, baseiam-se em novas simulações de cerca de 1.500 estrelas no aglomerado estelar Trapézio de Orion, a 1.300 anos-luz de distância, em Orion. Os investigadores simularam 2522 planetas que orbitavam 500 estrelas dentro do aglomerado e descobriram que esses 357 se tornarão “planetas flutuantes” nos primeiros 11 milhões de anos da sua evolução.

“Destes, 281 saem do aglomerado, outros permanecem ligados ao aglomerado como planetas flutuantes”, disse Simon Portegies Zwart.

Em simulações computacionais abrangentes envolvendo padrões evolutivos e dinâmicas de estrelas no Trapézio de Orion, Arjen van Elteren e Portegies Zwart estimam que entre 24% e 72% de todas as estrelas da sequência principal de queima de hidrogénio produziram planetas errantes.

Dado que, por estimativas conservadoras, a nossa galáxia abriga pelo menos 200 mil milhões de estrelas, Portegies Zwart refere que um quarto destas estrelas tenha perdido um ou mais planetas.

Os sistemas planetários são afectados pela evolução interna, mas também por perturbações externas, disse Portegies Zwart, que observa que os sistemas planetários que perdem um ou mais planetas tendem a ter órbitas mais inclinadas.

“Colisões entre planetas e entre planetas e a sua estrela-mãe são comuns“, disse Portegies Zwart. “Isto acontece em mais de 3% dos sistemas planetários.” Dos quatro mil sistemas planetários conhecidos actualmente, espera-se que cerca de 120 tenham sofrido alguma forma de colisão.

Existem milhares de regiões como o Trapézio de Orio na galáxia. O aglomerado, descoberto em 1617 por Galileu Galilei, é composto por cerca de duas mil estrelas, mas o número exacto é bastante incerto. É um jovem aglomerado aberto, uma colecção solta de alguns milhares de estrelas de aproximadamente a mesma idade, nascida na mesma nuvem molecular.

Parece ter um grande número de estrelas de baixa massa ligadas às poucas estrelas massivas e é provavelmente muito parecido com o aglomerado estelar original em que o nosso próprio sistema solar se formou.

Estes aglomerados são lugares tumultuosos. Num aglomerado denso, os planetas tornar-se-ão desvinculados principalmente devido à interacção estrela a estrela ou através de perturbações planetárias internas. Encontros com estrelas tendem a tornar os sistemas planetários instáveis. Tais instabilidades subsequentemente levam à ejecção de planetas.

Quando uma estrela deixa o aglomerado de estrelas, a probabilidade de capturar um planeta é extremamente insignificante. Sistemas planetários jovens que ainda são membros do seu grupo-pai são mais vulneráveis. Assim que o grupo se dispersa, as influências externas desaparecem e apenas os processos internos continuam a operar.

Portegies Zwart refere que é possível que, no início da Terra, o Sistema Solar tenha perdido um dos seus irmãos devido às perturbações internas ou à passagem de uma estrela próxima.

Actualmente, as únicas indicações de fortes encontros com outras estrelas provêm do Cinturão de Kuiper e da presença de Sedna, um planeta anão que fica nos limites mais externos do sistema solar.

Existe uma probabilidade externa de que, ao longo de escalas de tempo de centenas de milhões de anos, Mercúrio possa um dia ser conduzido ao sol. As órbitas dos planetas no nosso sistema solar são caóticas. Como consequência das interacções de ressonância orbital a longo prazo com Vénus e Júpiter, Mercúrio tem 5% de probabilidade de ser lançado para o Sol. Isso significa que as órbitas caóticas dos nossos planetas podem criar instabilidades que podem, no caso de Mercúrio, impulsioná-lo gravitacionalmente para o sol.

Perder Mercury teria efeito zero na própria Terra. Mas o facto de haver a probabilidade de esse evento acontecer reforça quão improvável é a verdadeira órbita da Terra.

ZAP // Forbes

Por ZAP
6 Março, 2019

[vasaioqrcode]