4023: A maioria das colisões entre buracos negros permanece oculta dos telescópios

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

LIGO
Concepção artística da colisão de dois buracos negros por Aurore Simonnet

A maioria das colisões entre buracos negros permanece escondida dos telescópios convencionais, de acordo com uma campanha de observação sobre colisões de objectos compactos no Universo.

A busca por colisões entre buracos negros baseia-se na análise de fontes de ondas gravitacionais detectadas pelo maior observatório de ondas gravitacionais do mundo, o Laser Interferometric Observatory (LIGO) e revela que todas as fontes são opticamente “escuras”.

A Universidade da Austrália Ocidental (UWA) e a Universidade de Paris coordenaram uma abordagem para controlar várias instalações e observatórios em todo o mundo que publicariam os resultados em publicações mensais da Royal Astronomical Society.

A colaboração, denominada GRANDMA, é uma rede multinacional de 25 telescópios robóticos de 12 países com a capacidade electromagnética de acompanhar ondas gravitacionais.

Segundo o Europa Press, a capacidade de detectar fontes de ondas gravitacionais é relativamente nova. Até agora, apesar de terem sido detectadas várias, só uma foi observada através de um telescópio óptico.

Os especialistas argumentam que a indescritibilidade destes objectos se deve à incerteza da sua localização exacta, que pode diferir de milhares de quadrados graduados no Espaço – o mesmo que encontrar uma agulha num palheiro.

Bruce Gendre, investigador da UWA, realça que esta iniciativa destaca a importância de ter uma rede dedicada de telescópios que possam contribuir para o conhecimento global.

ZAP //

Por ZAP
21 Julho, 2020

 

spacenews