2533: Super-computador criou 8 milhões de universos virtuais (e apontou falhas ao nosso)

CIÊNCIA

ESO/Beletsky/DSS1 + DSS2 + 2MASS

Uma equipa de astrónomos e cientistas da computação levou a cabo uma simulação computorizada que gerou mais de 8 milhões de universos virtuais, tentando esclarecer como se desenvolveu o nosso Universo.

A investigação, que levou um super-computador a operar mais de 400.000 horas, revelou que algumas das nossas ideias sobre a formação estelar podem estar parcialmente erradas. Em particular, o novo modelo permite reavaliar o papel da matéria escura na formação e evolução das galáxias e também no nascimento das estrelas.

“No computador, podemos criar muitos universos diferentes e compará-los com o real”, disse o astrónomo Peter Behroozi, da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, citado em comunicado. “Isto permite-nos deduzir que leis nos levaram ao [Universo] que vemos”, esclarece na mesma nota de imprensa.

Acredita-se que as estrelas se formam quando um nó numa nova de gás colapsa sobre o seu próprio peso, iniciando assim o processo de acumulação estelar. Acredita-se também que este gás seja refrigerante, uma vez que quanto mais quente for o gás, mais difícil será a formação das estrelas.

Nas últimas décadas, os cientistas encontraram várias evidências para este pressuposto em estudos sobre buracos negros super-massivos que habitam, por norma, o centro das galáxias. Quando estes enormes corpos celestes estavam activos, estes aqueceriam a matéria à sua volta, reduzindo a formação de estrelas mesmo que houvesse gás.

No entanto, nota a Russia Today, nem todas estas hipóteses foram confirmadas pelas simulações agora levadas a cabo pelos cientistas norte-americanos.

“À medida que recuamos mais cedo e mais cedo no Universo, esperamos que a matéria escura se torne mais densa e, portanto, o gás se torne cada vez mais quente”, explicou Behroozi. Contudo, este fenómeno seria prejudicial à formação estelar. Por isso, os cientistas acreditavam que muitas das galáxias do Universo inicial teriam parado de produzir estrelas há muito tempo.

Contudo, o modelo agora simulado sugere o exactamente o contrário: “galáxias de um determinado tamanho eram mais propensas a formar estrelas a uma taxa maior, ao contrário do esperado”.

Uma ideia mais clara dos “primeiros tempos”

Quando a equipa incluiu nas suas simulações um universo com estrelas sem brilho, os resultados do seu desenvolvimento foram bem diferentes do Universo real, tal como precisa o artigo científico publicado na edição de Setembro da revista científica especializada Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Neste cenário, as galáxias tinham uma cor diferente, muito mais vermelha do que esperado devido à falta de estrelas jovens de cor azul. Já nas simulações em que a formação estelar continuou, o universo virtual criado era muito semelhante ao Universo que conhecemos actualmente.

A formação de estrelas nas galáxias foi “muito mais eficiente nos primeiros tempos do que pensávamos”, admitiu a equipa. Tendo em conta estes resultados, Behroozi estima que a energia criada pelos buracos negros e estrelas que explodem não limitam assim tanto a formação continuada de estrelas.

ZAP //

Por ZAP
28 Agosto, 2019