101: Os extraterrestres podem ser mais parecidos com os humanos do que pensamos

Futurilla / Flickr

Investigadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, acreditam que os extraterrestres podem apresentar mais semelhanças com os seres humanos do que se pensa.

De acordo com a pesquisa realizada por investigadores da conceituada Universidade de Oxford, os extraterrestres podem ter passado por processos de evolução, nomeadamente por selecção natural, semelhantes aos humanos.

Num comunicado sobre o estudo, os cientistas notam que as formas de vida alienígenas podem ter também evoluído para se tornarem “mais capazes e mais fortes” com o tempo.

A nova teoria, publicada no International Journal of Astrobiology, aponta que o processo de selecção natural descrito por Darwin e verificado na Terra, com os organismos vivos, pode ter ocorrido também noutros planetas.

Com base nesta ideia, os investigadores da OX partiram para a previsão de como podem ser fisicamente os extraterrestres.

“Nós oferecemos uma abordagem alternativa que é usar a teoria evolucionária para fazer previsões que são independentes dos detalhes da Terra”, explica Samuel Levin, do o investigador Departamento de Zoologia da universidade, citado no comunicado.

“É uma abordagem útil porque as previsões teóricas se aplicarão a extraterrestres que são formados de silício, que não têm ADN e que respiram azoto, por exemplo”, conclui.

E se é certo que ainda não se pode definir exactamente o aspecto desses extraterrestres, os cientistas da OX acreditam podemos tirar ilações sobre que tipo de formas de organismos podem ser.

“Ainda não podemos dizer se os extraterrestres andam em duas pernas ou se têm grandes olhos verdes. Mas acreditamos que a teoria evolucionária oferece uma ferramenta única adicional para tentar perceber como é que os extraterrestres serão, e mostrámos alguns exemplos dos tipos de fortes previsões que podemos fazer com ela”, diz Levin.

Um desses exemplos é o “Octomite”, uma espécie de criatura de tubos “feita de entidades mais pequenas que alinharam os seus interesses para cooperarem, muito como as células do corpo humano trabalham juntas para manter a pessoa viva”, destacam os investigadores.

Helen.S.Cooper
O ‘Octomite’, um extraterrestre complexo, formado por uma hierarquia de entidades que cooperam e mantêm o organismo a funcionar.

A teoria da evolução natural na Terra assenta na ideia de que “grandes transições”, ou seja, eventos ou fenómenos com grande impacto, levaram grupos de organismos a evoluírem para formas de vida mais complexas. Assim, organismos de células únicas deram origem a organismos multi-celulares.

“Prevendo que os extraterrestres passaram por grandes transições – que é como a complexidade surgiu nas espécies da Terra -, podemos dizer que há um certo nível de previsibilidade de evolução que faria com que se pareçam connosco“, destaca Levin citado pela OX.

“Como os humanos, prevemos que são feitos de uma hierarquia de entidades, com todas a cooperarem para produzirem um extraterrestre. Em cada nível do organismo, haverá mecanismos para eliminar o conflito, manter a cooperação e o organismo a funcionar”, acrescenta o investigador.

Levin lembra ainda que “há, potencialmente, centenas de milhares de planetas habitáveis só na nossa galáxia”. E se “não podemos dizer se estamos ou não sozinhos no Universo”, esta investigação sobre a vida alienígena é “um pequeno passo em frente para responder a outra questão: como é que serão os nosso vizinhos“, conclui o investigador.

SV, ZAP //

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[yasr_visitor_votes size=”medium”]

[powr-hit-counter id=5414ab28_1509742542894]