1538: Activista de 16 anos está a pôr líderes mundiais em xeque (e até Bono aplaude!)

– Este Blogue, dedica-se especificamente a republicar notícias sobre as áreas do Universo, da Ciência, do Ambiente, de Catástrofes naturais e tudo o que possa relacionar-se e ferir a continuidade da existência do Planeta Terra. Esta notícia é fantástica por ter a origem que tem. Obrigado, Greta Thunberg, os teus 16 anos valem mais que todos os cotas juntos do poder mundial!

Greta Thunberg tem apenas 16 anos, mas começa a afirmar-se como uma das vozes mais influentes do mundo na luta pelo ambiente. A jovem sueca participou, recentemente, no Fórum de Davos e deu uma lição aos líderes mundiais que mereceu os aplausos de Bono Vox.

Diagnosticada com Síndrome de Asperger, uma doença do espectro do autismo que afecta a capacidade de comunicação e de relacionamento, Greta Thunberg não parece encaixar neste perfil. Ela está habituada a falar sem papas na língua em grandes palcos mediáticos, em prol de políticas ambientais que ajudem a salvar o nosso planeta.

Na Suécia, tem criticado os responsáveis políticos por não respeitarem o Acordo de Paris para reduzir a emissão de gases poluentes. E já brilhou na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, na Polónia, e no Fórum Económico Mundial em Davos, na Suíça, com discursos poderosos.

Aos 16 anos, Greta Thunberg está certa de que os lideres mundiais não estão a fazer o que deviam para salvar a Terra das alterações climáticas. E foi isso que foi dizer na cara de alguns responsáveis presentes no Fórum de Davos, culpando-os por nada fazerem perante uma crise ambiental que nos pode roubar o futuro.

Diante de presidentes e executivos de grandes empresas mundiais, bem como de celebridades da música e do cinema como Will Smith e Bono Vox, a jovem sueca fez um discurso arrasador que arrancou aplausos do vocalista dos U2.

“Algumas pessoas dizem que a crise climática é algo que nós criámos, mas não é verdade, porque se todos são culpados, ninguém é culpado. E alguém é culpado. Algumas pessoas, algumas empresas, alguns decisores em particular, sabem exactamente que valores preciosos têm sacrificado para continuarem a fazer quantidades inimagináveis de dinheiro. E penso que muitos de vocês aqui, hoje, pertencem a esse grupo de pessoas”, atirou a desafiante Greta perante uma audiência de figuras poderosas.

Antes, Greta já tinha criticado o facto de muitos dos presentes na cimeira se terem deslocado para Davos em jactos privados para “discutir alterações ambientais”. Ela deixou de andar de avião e fez questão de se deslocar da Suécia até à Suíça de comboio, para proteger o ambiente.

Em Agosto de 2018, lançou um movimento de greve às aulas que começou a ser imitado em vários países do mundo por outros jovens da chamada “Geração Z”. Greta começou a faltar às aulas todas as sextas-feiras, manifestando-se, nomeadamente, junto ao Parlamento sueco, para alertar os políticos do país para o problema do clima.

Este movimento intitulado “Skolstrejk för klimatet” [“Greve da escola pelo clima” na tradução para Português] gerou uma onda de protestos por todo o mundo de estudantes que fazem greve às aulas para protestarem contra a inacção dos Governos perante o dilema das alterações climáticas.

O mundo precisa de agir “como se a casa estivesse a arder”, porque “a casa está mesmo a arder”, alerta Greta do alto dos seus sábios 16 anos.

SV, ZAP //

Por SV
30 Janeiro, 2019

 

1391: Chineses vão plantar batatas na face oculta da Lua

Chang’e-4 foi lançada esta sexta feira à tarde do Centro Espacial de Xichang. O lado negro do satélite terrestre vai deixar de ser desconhecido.


Há um lado da Lua que nunca se consegue ver a partir da Terra.
© REUTERS

Eram seis e meia da tarde de sexta, 7 de Dezembro, quando Pequim confirmou a notícia. A sonda não tripulada Chang’e-4 está a caminho do espaço. Dirige-se à face oculta da Lua, o lado que os terrestres nunca conseguem ver no seu satélite e leva consigo, entre outras coisas, sementes de batata para plantar e ovos de bicho-da-seda. É mais um triunfo do expansão espacial chinesa.

Até aqui era impossível tecnologicamente chegar àquele lado do astro. Agora, se tudo correr bem, a sonda (baptizada com o nome de uma deusa chinesa que habita a lua) deverá alunar nos primeiros dias de Janeiro.

A China é então a primeira do mundo a enviar uma sonda e um veículo robotizado para o “lado negro da Lua”, onde pretende testar o crescimento de plantas e captar sinais de radiofrequência normalmente bloqueados pela atmosfera terrestre, de acordo com um artigo da revista científica Nature.

O local provável de alunagem da sonda e do veículo robotizado será a cratera Von Kármán, situada na bacia do Polo Sul-Aitken, a maior e mais antiga depressão na Lua e uma das maiores zonas de impacto do Sistema Solar.

“É uma área-chave para dar resposta a várias questões sobre a história da formação da Lua, incluindo a sua estrutura interna e a evolução da sua temperatura”, afirmou, citado pela Nature, o investigador Bo Wu, da Universidade Politécnica de Hong Kong, que descreveu a topografia e a geomorfologia da cratera.

O veículo robótico da Chang’e-4 está preparado para realizar diversas experiências no solo lunar, como avaliar com um radar a espessura das camadas subterrâneas e estudar com um espectrómetro a composição mineral à superfície.

A sonda, equipada também com vários instrumentos, irá estudar o gás interestelar e os campos magnéticos que se disseminam após a morte de uma estrela e testar se a batata e a planta herbácea arabidopsis thaliana (da família da mostarda) crescem e fazem a fotossíntese num ambiente controlado, mas condicionado à micro-gravidade da superfície lunar.

Experiências anteriores realizadas na Estação Espacial Internacional revelaram que a batata e a arabidopsis thaliana podem crescer normalmente em ambientes controlados que são sujeitos a uma gravidade inferior à da Terra, mas não a uma gravidade tão baixa como a da Lua.

Para comunicar com a sonda, o centro de controlo da missão Chang’e-4 irá usar o satélite Queqiao, lançado em maio, para intermediar as comunicações com o aparelho (a comunicação directa com a sonda não é possível no lado oculto da Lua).

Depois da “Chang’e-4 seguir-se-á a missão Chang’e-5, com lançamento previsto para 2019, e com a qual a China pretende recolher amostras do solo lunar.

A meta final da agência espacial chinesa, ainda sem data marcada, é criar uma base na Lua para exploração humana.

Diário de Notícias

DN

07 Dezembro 2018 — 20:27

 

226: SpaceX lança satélite em missão secreta dos EUA

A empresa de transporte espacial norte-americana SpaceX anunciou o lançamento bem sucedido do foguete Falcon 9, que levava um satélite secreto do Governo dos EUA em órbita.

O foguete Falcon 9, que transportava um satélite secreto do Governo dos EUA, foi lançado com sucesso, esta segunda-feira, na Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, informou a empresa espacial do bilionário Elon Musk.

Esta foi, segundo a euronews, uma missão espacial rodeada de grande secretismo e especulação, que teve como “cliente” o governo dos EUA, sob o nome de código “Zuma”.

Nem a empresa nem o Pentágono responderam a quaisquer questões sobre a natureza deste projecto. O grupo empresarial Northrop Grumman, responsável pelo fabrico do engenho, explicou apenas que a “carga” seria colocada em órbita terrestre baixa, sem avançar, porém, com mais detalhes.

O lançamento do satélite deveria ter ocorrido no passado mês de Novembro. No entanto, foi adiado diversas vezes por razões diferentes.

Esta é já a terceira missão secreta levada a cabo pela SpaceX, que transportou o satélite espião do National Reconnaissance Office dos Estados Unidos e o avião espacial não-habitado X-37B da Força Aérea norte-americana.

ZAP //

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=6745dab0_1515499984506]