4129: Virgin Galactic quer desenvolver avião comercial supersónico (que promete superar a velocidade do som)

AVIAÇÃO

(dr) Virgin Galactic

A Virgin Galactic vai aliar-se à Rolls-Royce para criar um avião comercial supersónico, ainda mais rápido do que o mítico Concorde.

A empresa de turismo espacial Virgin Galactic anunciou uma parceria com a Rolls-Royce para desenvolver uma aeronave comercial supersónica. As viagens supersónicas são a próxima aposta da companhia, que revelou recentemente a cabine da SpaceShipTwo, a sua nave desenhada para turismo espacial.

Para já, o avião tem a designação provisória de Mach 3, numa referência à velocidade máxima que será capaz de atingir: a aeronave pode chegar aos 3.600 km/h, ou seja, é três vezes mais rápida do que a velocidade do som. Esta característica deixa para trás o máximo conseguido pelo Concorde: Mach 2,04, cerca de 2.500 km/h.

De acordo com o The Verge, a versão final do veículo vai transportar entre nove e 19 passageiros. Com uma capacidade tão limitada, será de esperar um transporte ao alcance de muito poucos.

No entanto, há ainda um longo caminho pela frente, já que a empresa tem ainda de resolver a questão do ruído típico de um avião supersónico e arranjar uma forma viável de o tornar rentável.

Com esta aeronave, viagens entre Nova York (Estados Unidos) e Londres (Reino Unido) seriam feitas em apenas hora e meia, sendo que, actualmente, com o Boeing 787 da United Airlines, a duração média do voo é de seis horas. Além disso, o Mach 3 tem uma particularidade: a aeronave deverá atingir uma altitude em que seja possível ver a curvatura da Terra (18,3 quilómetros acima do nível do mar).

“Temos feito grandes progressos até agora e estamos ansiosos para abrir uma nova fronteira nas viagens de alta velocidade”, afirmou o director espacial da Virgin Galactic, George Whitesides. Para já, este novo projecto não tem uma data para sair do papel.

A Virgin Galactic não é a única empresa a trabalhar na construção de um jato supersónico para passageiros. No ano passado, as agências espaciais da Austrália e do Reino Unido deram a conhecer o projecto de um avião supersónico – Overture – que promete fazer Sidney-Londres em apenas quatro horas.

ZAP //

Por ZAP
8 Agosto, 2020

 

spacenews

 

4103: Richard Branson aponta início de 2021 para ser o primeiro turista no espaço

CIÊNCIA/TURISMO ESPACIAL

A Virgin Galactic anunciou que o dono da empresa irá ser o primeiro passageiro de viagens no espaço, abrindo caminho para voos comerciais.

Richard Branson é o dono da Virgin Galactic

Richard Branson pode ir para o espaço na aeronave Virgin Galactic como o primeiro passageiro no início do próximo ano, anunciou a empresa. Será um passo para potencialmente abrir caminho para voos comerciais.

A empresa tem adiado repetidamente a data em que levará os primeiros turistas para fora da atmosfera terrestre e disse que 600 pessoas desembolsaram 250.000 dólares (212 mil euros) para reservar um assento.

A Virgin Galactic disse na segunda-feira que “espera avançar para a próxima fase do programa de testes” no outono com dois voos tripulados.

“Supondo que os dois voos demonstrem os resultados esperados, a Virgin Galactic antecipa que o voo de Sir Richard Branson ocorra no primeiro trimestre de 2021”, disse a empresa em comunicado.

O voo inovador de Branson – fundador da Virgin Galactic – abriria o caminho para o início das viagens comerciais.

O programa foi atingido por obstáculos sérios, no entanto, com um acidente devastador em 2014 causado por erro do piloto que atrasou o desenvolvimento de aeronaves de passageiros SpaceShipTwo.

Colocar turistas no espaço não é um exercício simples.

A sonda será levada por um avião especial e lançada em alta altitude. Segundos depois, a nave espacial – parte plano, parte foguete – liga o motor e explodirá com uma aceleração de 3,5 g, o que significa três vezes e meia a força gravitacional da Terra.

Em seguida, desligará o motor, o que criará uma sensação de leveza por alguns minutos quando a nave atingir o ponto mais alto, a cerca de 80 quilómetros acima do planeta, e depois iniciar a sua descida.

Deverá pousar no Spaceport America, construído no deserto do Novo México.

Branson estabeleceu uma série de recordes de aviação e aventura náutica, embora tenha falhado, apesar de inúmeras tentativas, em se tornar a primeira pessoa a circum-navegar o globo sem parar em balão.

As façanhas aproximaram-se da tragédia em 1998, quando Branson e o seu co-piloto tiveram que abandonar seu balão no Oceano Pacífico depois de a baixa pressão forçar a nave a cair.

Diário de Notícias

DN/AFP

 

spacenews

 

4100: Janelas com vista para o Espaço. Virgin Galactic revela interior de nave espacial para turistas

CIÊNCIA/ESPAÇO

A Virgin Galactic acaba de revelar o luxuoso design do interior da cabine do primeiro veículo SpaceshipTwo – o VSS Unity – que permitirá a astronautas e entusiastas explorar o Espaço com conforto.

A Virgin Galactic, de Richard Branson, revelou recentemente de que forma os passageiros vão viajar na sua SpaceShipTwo em baixa órbita, levantando o véu do interior do VSS Unity, focando-se na cabine dos passageiros.

Segundo o New Atlas, o elegante interior é equipado com 12 janelas de cabine posicionadas na parte superior e nas secções do telhado da nave espacial, através das quais os clientes poderão observar a superfície da Terra enquanto ela desliza por baixo.

No lançamento e durante o pouso, os passageiros serão afivelados em assentos especialmente projectados e adaptados individualmente ao cliente. Todos estes “tronos espaciais” foram construídos com alumínio de alta qualidade e fibra de carbono.

A Virgin Galactic informou que, durante as secções de alta força G do voo, as posições das cadeiras serão controladas, em parte, pelo piloto para aliviar o stress físico dos passageiros. Na ausência de peso, o assento vazio reclina para dar à tripulação o máximo de espaço possível.

Cada fase do voo disponibiliza uma iluminação ambiental automática, e cada passageiro terá acesso a ecrãs com dados ao vivo sobre o voo. Há ainda 16 câmaras para gravar vídeo e capturar fotografias em alta definição, para que os passageiros possam partilhar a sua experiência nas redes sociais.

De acordo com o comunicado de imprensa, existe um espelho muito grande, numa cabine da nave, que reflete em tempo real a experiência dos astronautas.

O interior do SpaceshipTwo foi desenhado em colaboração com a agência londrina de design Seymourpowell, e contou com importantes contribuições de médicos, treinadores de astronautas, pilotos, engenheiros e futuros clientes.

Este modelo de cabine será usado para uma viagem virtual com a equipa de design, mas o seu interior foi desenhado com o objectivo principal de oferecer aos passageiros uma visão perfeita da Terra a partir do Espaço.

“Foi desenhado especificamente para concretizar o sonho de milhares de pessoas em viajar pelo Espaço de forma segura”, disse Richard Branson. Qualquer pessoa pode explorar o design da cabine recém-inaugurada em casa, com a ajuda de uma app de realidade aumentada.

A empresa viu recentemente a sua SpaceShipTwo a planar com sucesso em mais um voo de teste. Agora, prepara-se para fazer testes com a nave espacial com o motor ligado. Enquanto trabalha para concluir o processo de testes, põe a nu detalhes do seu interior.

Apesar de ainda não haver previsão de quando serão realizados os primeiros voos, a empresa avança que 600 pessoas já reservaram bilhetes, com um custo de cerca 213 mil euros.

ZAP //

Por ZAP
3 Agosto, 2020

 

spacenews

 

3446: SpaceX quer levar quatro turistas ao Espaço já em 2021

CIÊNCIA/TECNOLOGIA/ESPAÇO

Crédito: SpaceX / Flickr

Empresa liderada por Elon Musk vai fazer os voos nas cápsulas Dragon preparadas para o transporte de astronautas

A SpaceX quer levar quatro turistas ao Espaço, numa viagem à volta da Terra, entre o final de 2021 e início de 2022. O plano foi revelado nesta terça-feira e para isso a tecnológica fechou uma parceria com a Space Adventures, especializada no transporte de turistas espaciais – foi a empresa responsável por levar sete cidadãos até à Estação Espacial Internacional (ISS na sigla em inglês) em aeronaves russas.

Há pormenores importantes que ainda não são conhecidos – como o processo de selecção dos candidatos, o treino para o voo espacial e o preço que essa viagem pode custar –, com as empresas apenas a revelarem que as viagens vão ser feitas a bordo da versão das cápsulas Dragon desenhada para transportar astronautas até ao espaço.

Segundo a publicação CNBC, os voos vão ser realizados a partir do estado da Florida, nos EUA, e cada viagem deverá ter uma duração de cinco dias. Os voos de turismo espacial não vão acoplar na ISS e vão apenas orbitar o planeta Terra, numa altitude estimada entre os 800 e os 1200 quilómetros – entre duas a três vezes mais do que a altitude de órbita da ISS.

“Esta missão histórica vai abrir caminho para tornar os voos espaciais possíveis a todas as pessoas que sonharam com eles e estamos satisfeitos por trabalharmos com a equipa da Space Adventures na missão”, disse Gwynne Shotwell, directora de operações da SpaceX, em comunicado.

Ao abrir-se ao turismo espacial, a SpaceX passa a concorrer de forma mais directa com a Virgin Galactic e a Blue Origin, duas empresas que estão a trabalhar em veículos de voo sub-orbital e orbital que têm como principal objectivo transportar humanos até ao espaço.

O plano para levar quatro turistas à órbita terrestre surge poucas semanas antes de a SpaceX levar os primeiros astronautas para a ISS, algo que deverá acontecer já a 7 de Maio.

De recordar que Yusaku Maezawa, milionário japonês e fundador do site de comércio eletrónico Zozotown, tornou-se em 2018 no primeiro ‘turista espacial’ da SpaceX, tendo comprado todos os bilhetes para um voo lunar que a empresa americana promete realizar em 2023, a bordo do foguetão Big Falcon Rocket (BFR).

Exame Informática
18.02.2020 às 16h12
Rui da Rocha Ferreira

 

spacenews

 

2734: NASA leva turistas ao espaço por 80 milhões

TURISMO ESPACIAL

Já no próximo ano, a Estação Espacial Internacional vai turistas. Fotografia: D.R.

Em agenda, estão duas missões de até 30 dias para 12 a 13 pessoas por viagem à Estação Espacial Internacional. Viagens à Lua estão a ser estudadas.

A NASA tem já programada a sua primeira viagem turística ao espaço. É já no próximo ano e o preço ascende a 80 milhões de dólares (cerca de 73 milhões de euros). Não é um programa acessível, mas não faltam milionários interessados em usufruir da experiência. “É um destino turístico que não pára de atrair atenções”, disse Sam Scimemi, director da Estação Espacial Internacional da NASA esta semana no primeiro evento internacional dedicado ao turismo espacial e subaquático do mundo, o SUTUS 2019, que decorreu em Marbella, Espanha.

De acordo com Sam Scimemi, a agência espacial norte-americana projecta levar no próximo ano vários cosmo-turistas à estação no espaço. Em agenda, estão duas missões de até 30 dias para 12 a 13 pessoas por viagem. Naturalmente, os interessados têm de garantir um conjunto de requisitos físicos para poderem efectuar a viagem e, para além de pagarem os 80 milhões de dólares, terem fundos para assumir uma despesa de 32 mil euros por noite, que inclui cama, banheiro, alimentação, energia, equipamentos de ginástica e processadores para converter urina em água potável.

O banco suíço UBS calcula que, dentro de dez anos, o negócio do turismo espacial valerá mais de 800 milhões de euros. A NASA e outras agências espaciais internacionais estão dispostas a captar este bolo, até porque é uma forma de se financiarem e, assim, contornarem os cortes dos orçamentos governamentais.

Bernard Foing, responsável pelo grupo internacional de exploração lunar da Agência Espacial Europeia, revelou que estão a trabalhar na possibilidade de explorar viagens turísticas à Lua. Embora admita que a concretização dessa experiência esteja ainda a anos-luz, os trabalhos já incidem sobre soluções para combater os efeitos nocivos da poeira lunar e design de futuros hotéis lunares.

Na Bélgica, a academia de treino espacial já vende experiências de gravidade zero, realiza simulações de voos espaciais e treina futuros cosmo-turistas. Segundo a piloto Nancy Vermeulen, o preço dos cursos de um mês começa nos 15 mil euros por pessoa. Já um voo para experimentar a gravidade zero ascende a 3500 euros.

Dinheiro Vivo
29.09.2019 / 11:59

 

2145: NASA abre Estação Espacial Internacional a turistas a partir de 2020

CIÊNCIA

NASA – A EEI – Estação Espacial Internacional

A NASA vai abrir uma das secções da Estação Espacial Internacional (EEI) para fins comerciais, que poderá ser visitada por turistas espaciais a partir de 2020, noticiou o portal The Verge esta sexta-feira.

“A Estação Espacial Internacional está aberta para negócios comerciais. Estamos a tornar o nosso laboratório acessível a todos os americanos”, pode ler-se na publicação da NASA.

A agência espacial norte-americana permitirá que o mesmo espaço seja utilizado para produzir filmes e anúncios, que terão o Espaço com segundo plano. Cada dia no espaço pode custar cerca de 35 mil euros.

A NASA instou ainda empresas privadas do sector espacial a propor ideias para futuros módulos e espaços residenciais para que no futuro possa ser acoplados à EEI.

As companhias interessadas terão a possibilidade de comprar um determinado período de tempo no espaço em causa para elaborar, promover ou testar os seus produtos a bordo da Estação Espacial Internacional. Para estes procedimentos, poderão recorrer aos serviços e astronautas da NASA ou levar uma equipa própria.

A decisão da NASA mostra uma mudança radical nas políticas da agência que durante muitos anos foi contra a comercialização da EEI. Até afora, a única forma de uma empresa privada enviar um produto para a EEI dependia de uma condição rígida: possuir determinado valo educacional ou a demonstrar uma nova tecnologia.

ZAP //

Por ZAP
9 Junho, 2019

[vasaioqrcode]

1415: Virgin Galactic chegou ao espaço com humanos a bordo e fez história. Vem aí o turismo espacial

A Virgin Galactic, a empresa de Richard Branson, conseguiu lançar uma nave até ao limiar do espaço, com dois pilotos a bordo. Um voo de teste que fez história e que abre caminho ao turismo espacial e a uma nova era na conquista do espaço.

A nave da Virgin Galactic, designada SpaceShipTwo, conseguiu alcançar o espaço sub-orbital (não chegando a entrar em órbita), atingindo uma altitude de 82,7 quilómetros, com dois pilotos no cockpit – Mark “Forger” Stucky e C.J. Sturckow.

Foi “o primeiro voo espacial humano a ser lançado de solo americano desde a missão final do Space Shuttle em 2011″ e “a primeira vez que um veículo pilotado construído para serviço comercial de passageiros alcançou o espaço”, anunciou a Virgin Galactic num comunicado.

A nave atingiu a altitude que a Administração Federal de Aviação dos EUA define como o limiar do espaço, mas o conceito não é unânime. Há quem demarque essa fronteira, chamada de linha de Karman, numa altitude de 100 quilómetros – nesta semântica, a nave de Branson terá ficado a 17 km da entrada no espaço, como nota o astrofísico Jonathan McDowell, da Universidade de Harvard, no LiveScience.

Contudo, o astrofísico refere que a marca dos 100 só existe por ser um número redondo, porque “não há justificação física” para a sua definição como linha de Karman. McDowell defende que é preciso rever aquela marca, constatando nas suas investigações, que tanto as publicações tradicionais como “as análises empíricas” e “teóricas” convergem todas no sentido de que “80 é um número melhor do que 100”.

Independentemente deste pormenor técnico, o teste de voo bem sucedido da SpaceShipTwo é encarado como um marco decisivo para a Virgin Galactic que assume a dianteira na corrida espacial para fins comerciais. A empresa fundada por Richard Branson está agora mais perto do objectivo de levar turistas a voar pelo espaço.

Não admira assim que o momento tenha sido celebrado com muito entusiasmo pela Virgin Galactic, nomeadamente com uma publicação no Twitter que destaca “SpaceShipTwo, bem-vinda ao espaço”.

“Hoje mostramos que a Virgin Galactic pode mesmo abrir o espaço para mudar o mundo de vez”, aponta Richard Branson no comunicado da empresa.

O multimilionário foi um dos muitos entusiastas que assistiu ao teste de voo no deserto de Mojave, na Califórnia. “Foram 14 longos anos até chegar aqui“, disse aos jornalistas um Branson emocionado.

“Tivemos lágrimas, lágrimas reais, e momentos de alegria”, acrescentou, reconhecendo que “as lágrimas de hoje são lágrimas de alegria” e “talvez também, sejam lágrimas de alívio”. “Quando se está no programa de testes de voo de uma companhia espacial, nunca se pode ter completamente 100 por cento de certeza”, constata Branson.

Na memória do empreendedor está certamente ainda o acidente de 2014, durante um outro teste de voo que terminou com a nave a partir-se ao meio, matando o piloto Michael Alsbury.

“Uma conquista extraordinária”

O sucesso deste novo teste é “uma conquista extraordinária”, como atesta o CEO da Virgin Galactic, George Whitesides, frisando que é a prova de que os voos espaciais comerciais vão ser “uma das indústrias definidoras do Século XXI”, com potencial para “transformar os negócios e as vidas pessoais de formas que são ainda difíceis de imaginar”.

Certo é que a Virgin Galactic se coloca na frente de empresas como a SpaceX de Elon Musk e a Blue Origin de Jeffrey Bezos. A empresa de Bezos espera fazer os primeiros testes de voo com humanos em 2019, enquanto que a companhia de Musk pretende começar a levar astronautas da NASA até à Estação Espacial Internacional também no próximo ano.

A entrada em força de empresas privadas na corrida espacial, que tem sido até agora monopolizada por Governos de países como EUA, Rússia e China, pode assinalar uma viragem decisiva nos avanços nesta área. Até porque são movidas por jovens multimilionários cheios de entusiasmo e de dinheiro.

Branson investiu quase mil milhões de dólares da sua fortuna pessoal no projecto espacial da Virgin Galactic que já está a vender bilhetes para as futuras viagens turísticas no espaço.

Entretanto, vai também construir mais naves e planeia edificar vários aeroportos espaciais pelo mundo, para permitir que milhares de pessoas possam viver a experiência. Branson já disse que quer seguir a bordo do primeiro voo espacial comercial.

SV, ZAP //

Por SV
14 Dezembro, 2018

[vasaioqrcode]