2417: Meteorito pode ter desencadeado um enorme tsunami em Marte há 3000 milhões de anos

O impacto de um meteorito poderá ter causado um enorme tsunami (da altura de um arranha-céus) na superfície de Marte há 3,5 milhões de anos.

De acordo com o portal Live Science, a controversa teoria foi apresentada pela primeira vez em 2016 por dois grupos de cientistas. Agora, os especialistas podem ter novas evidências.

Foi Francois Costard, astrónomo do Centro Nacional de Investigação Científica de França e um dos primeiros cientistas a propor a teoria do tsunami, a encabeçar a nova investigação, que tinha como objectivo traçar o caminho da onda para, através da paisagem do Planeta Vermelho, rastrear a sua origem.

Depois de analisar dez crateras cujo tamanho e localização as torna possíveis locais de origem, Costard e a sua equipa concluíram que todos os modelos apontavam para a cratera Lomonosov, que tem cerca de 150 quilómetros de diâmetro.

NASA/JPL/USGS
Topografia da cratera Lomonosov

O co-autor do estudo Alexis Rodríguez explicou que a cratera em causa tem a idade adequada – cerca de 3 mil milhões de anos – e que as suas extremidades estão desgastadas, como se a água tivesse regressado ao “poço” após um forte impacto.

Os novos modelos, detalhados no estudo publicado esta semana na revista científica Journal of Geophysical Research, sugerem que a colisão foi forte o suficiente para desencadear um mega-tsunami (300 metros de altura) capaz de afectar todo o planeta.

Apesar dos resultados, os cientistas mostram-se cautelosos com os novos dados, frisando ser necessário levar a cabo novas investigação para confirmar a causa do tsunami.

As outras teorias incluem deslizamentos de terra, que poderiam ter moldado a paisagem marciana na altura em que o tsunami ocorreu, podendo gerar a onda, bem como um terremoto ou uma erupção vulcânica em alto-mar.

ZAP //

Por ZAP
8 Agosto, 2019

 

2340: Erupção do super-vulcão de Nápoles pode criar um tsunami com 30 metros de altura

CIÊNCIA

Marta Isabella Reina / Flickr

Uma erupção subaquática do super-vulcão de Nápoles, Campi Flegrei, pode produzir um tsunami de 30 metros de altura que poderia ter um impacto muito severo nas áreas costeiras populosas como Pozzuoli e Sorrento.

Ao modelar as erupções no alto mar no vulcão activo, que fica a oeste de Nápoles, os investigadores conseguiram mostrar que os tsunamis podem representar um risco para a região. Os geólogos acreditam que o Plano Nacional de Emergência para o Campi Flegrei deve ser actualizado.

Campi Flegrei é um complexo vulcânico composto por 24 crateras. Muitos deles estão debaixo de água, na baía de Pozzuoli. O vulcão entrou em erupção pela última vez em 1538 durante uma semana e levou à formação de um novo vulcão, o Monte Nuovo. Campi Flegrei está activo há 60 mil anos, tendo a caldeira formado-se durante duas grandes erupções explosivas.

Vários estudos recentes indicaram que estão a ocorrer mudanças no sistema. Num deles, os investigadores descobriram que o magma parece estar a construir-se sob o sistema vulcânico, sugerindo que Campi Flegrei está a entrar num novo ciclo de caldeira. Esta nova fase poderia “em algum ponto indeterminado no futuro” culminar numa “grande erupção de volume”.

Noutro relatório, os cientistas analisaram a deformação do solo ocorrida na região desde a década de 1950, descobrindo que o vulcão tem construído energia ao longo desse período, indicando que está “a evoluir para condições mais favoráveis ​​à erupção“.

Por causa do risco que o Campi Flegrei representa – cerca de 500 mil pessoas vivem na “zona vermelha” do vulcão – o governo italiano tem um Plano Nacional de Emergência para o caso de uma erupção. Este plano, no entanto, não inclui o evento de uma erupção subaquática.

“Há vários altos riscos associados a esta actividade vulcânica, incluindo grandes explosões que destruiriam a paisagem e emitiriam cinzas na atmosfera, um denso fluxo piroclástico de gás quente, cinza e outros materiais vulcânicos que são ejectados na atmosfera durante uma erupção”, disse Martina Ulvrova, do Instituto de Geofísica da ETH de Zurique à Newsweek.

Ulvrova acrescentou que, embora o plano de evacuação para uma erupção mais provável esteja bem estabelecido, um tsunami também pode representar um risco: “Não podemos negligenciá-lo e deve ser incluído nos mapas de perigo para a região”, disse.

Num estudo publicado no PLOS One, Ulvrova e os colegas produziram modelos que mostram os potenciais tsunamis produzidos por erupções de diferentes tamanhos em vários locais da Baía de Pozzuoli. De acordo com os testes, uma explosão formaria uma “cavidade semelhante à cratera na superfície da água”, com uma coluna de água a aparecer no centro. Quando a coluna entra em colapso, produziria uma segunda onda.

As descobertas sugerem que “existe um perigo significativo de tsunami em muitas áreas da Baía de Nápoles”, com o risco mais proeminente na baía de Pozzuoli.

Sob a maioria dos cenários de erupção, foram produzidos tsunamis que se espalharam e atingiram áreas povoadas. A maioria das regiões só seria afectada por ondas relativamente pequenas – com menos de nove metros de altura. As ondas demorariam cerca de 15 minutos para atravessar a baía de Nápoles.

No entanto, no pior cenário, as ondas com 30 metros podem atingir a costa. “”Isso impactaria em grande parte as áreas costeiras densamente povoadas da baía de Pozzuoli com uma infraestrutura densa, incluindo casas, rede ferroviária, restaurantes, edifícios históricos”, rematou Ulvrova.

ZAP //

Por ZAP
20 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

1130: Colapso do Etna para o mar pode causar tsunami devastador na Europa

(CC0/PD) notiziecatania / pixabay
Catania, na Sicília, com o Etna ao fundo

O vulcão do Monte Etna, na parte oriental da Sicília, está a escorregar lentamente para o mar. Um novo estudo mostra agora que há um risco muito maior do que o anteriormente previsto de um colapso originar um tsunami.

Após ter sido comprovado que o Monte Etna está a deslizar para o Mediterrâneo, um novo estudo explica agora o motivo pelo qual este monte se desloca cerca de três a cinco centímetros por ano. O estudo foi publicado a 10 de Outubro na revista Science Advances.

Nos primeiros estudos, os cientistas apontavam como causa para o deslocamento a acumulação de pressão proveniente do magma interno do vulcão.

Contudo, uma equipa de investigação liderada pela Dr.ª Morelia Urlaub, do Centro de Investigação do Oceano GEOMAR Helmholt, estudou os movimentos do fundo do mar durante um período em que a derrapagem do vulcão acelerou.

Entre os dias 12 e 20 de maio de 2017, os investigadores registaram, em pouco mais de uma semana, locais que se distanciaram cerca de 3,9 centímetros um do outro. Este valor foi observado longe da câmara de magma, onde os efeitos de pressão seriam mais significativos de acordo com a primeira teoria avançada pelos especialistas.

Além disso, os investigadores não registaram a existência de qualquer aumento de magma, o que fez cair por terra a teoria de que o deslocamento seria causado pela acumulação de pressão do magma.

Retirada essa hipótese de cima da mesa, Urlaub e a sua equipa acreditam que a explicação para esse fenómeno se prende com a atracção gravitacional da margem continental que se afundou no mar e que está a puxar partes da montanha atrás dela.

O artigo descreve o deslizamento gravitacional como “o processo vector” que causa colapsos, estimulando mudanças no magma que induziram erupções subsequentes.

O resultado que mais se destaca neste trabalho é a percepção de que um colapso do flanco submarino do Etna é muito mais provável do que aquilo que se pensava anteriormente, isto porque as causas do deslizamento se alteraram.

Segundo os investigadores, o deslizamento gravitacional irá continuar e poderá até tornar-se mais repentino e mais forte, sendo capaz de criar um tsunami devastador.

O Etna é o maior vulcão activo da Europa e um dos vulcões mais activos do mundo. É também a mais alta montanha de Itália. A extensão total da sua base é de 1190 km², com uma circunferência de 140 km, o que o torna quase três vezes maior que o Vesúvio.

Por ZAP
11 Outubro, 2018

[vasaioqrcode]

 

984: Descoberta a causa misteriosa de um dos maiores tsunamis já registados

CIÊNCIA

takatoshiokura / Flickr

O tsunami em Taan Fiord, que aconteceu em Outubro de 2015, mostra como a mudança climática está a alterar as nossas paisagens. Mas o problema é ainda mais preocupante: estamos a aumentar o potencial de gerar cada vez mais eventos como este, avisam os cientistas.

Um raro e extremo tsunami atingiu um fiorde no Alasca há três anos, depois de 163 milhões de toneladas de rochas montanhosas caírem na água e provocarem uma onda devastadora que limpou a costa, alcançando altitudes superiores a 182 metros.

O evento catastrófico que aconteceu em Outubro de 2015, em Taan Fiord, no sudeste do Alasca, foi um dos maiores tsunamis já registados e as origens (relacionadas com o recuo de um glaciar) sugerem que é um tipo de evento que acontece devido ao aquecimento global. Aliás, o novo estudo, publicado na Nature Scientific Reports, alerta para o “perigo causado pelas mudanças climáticas“.

Como os blocos de gelo das montanhas vão continuar a encolher, irá haver cada mais deslizamentos de terra, adiantam os autores do estudo, liderado pelo geólogo Bretwood Higman da Ground Truth Trekking.

“Há 40 anos, Taan Fiord não existia. Estava cheio de gelo”, acrescentou Dan Shugar, geocientista da Universidade de Washington e outro dos 32 autores do estudo, oriundos de instituições dos Estados Unidos, Canadá e Alemanha.

Contudo, o glaciar Tyndall recuou cerca de 16 quilómetros entre 1961 e 1991, enquanto desbastava mais de 300 metros, antes de estabilizar na sua localização actual. Isto não causou apenas a abertura do fiorde como removeu uma grande massa de gelo que apoiava e suportava as paredes montanhosas.

Quando o deslizamento de pedras ocorreu em frente ao glaciar, a forma confinada do fiorde originou a onda gigantesca que viajou muito rápido: a cerca de 96 quilómetros por hora. “Se eu atirar uma bola gigante para a banheira, a água vai para todos os lados. Mas, assim que bate na lateral da banheira, não tem para onde fugir. Aí, a única forma de fugir é ir para cima”, explica Shugar.

Os cientistas detectaram a assinatura sísmica inicial do deslizamento de terra cerca de oito meses depois do tsunami. Para documentar este evento, a equipa estudou os destroços, de modo a detectar as linhas de costa.

Certo é que este não é o único evento do género e, segundo os cientistas, podemos esperar mais deste tipo de fenómenos extremos quando os grandes blocos de gelo recuarem e as montanhas ao seu redor cederem.

“À medida que as encostas das montanhas se ajustam às novas condições, elas podem libertar rochas isoladas, avalanches de rochas ou falhar completamente“, disse Martin Lüthi, geógrafo da Universidade de Zurique que recentemente documentou um pequeno tsunami num fiorde da Gronelândia.

Ainda assim, tsunamis e avalanches não são os únicos perigos causados pelo recuo dos glaciares. O derretimento destes blocos de gelo podem também originar grandes lagos a grandes altitudes, que podem drenar de repente e descer em declives.

Por ZAP
9 Setembro, 2018

(Foram corrigidos 5 erros ortográficos ao texto original)

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico