3005: Trânsito de Mercúrio em 2019

 

No dia 11 de Novembro de 2019 ocorre um trânsito de Mercúrio que será visível em todo o território português. Veja aqui os detalhes.

Em Portugal Continental, a duração total do trânsito de Mercúrio aproxima-se das 5h com início cerca das 12h 36 min, o máximo próximo das 15h 20min e o término não será visível uma vez que o ocaso do Sol ocorre pelas 17h 27min. Nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, o fenómeno será visível por completo. Os tempos exactos podem ser consultados no nosso ficheiro sobre o Trânsito de Mercúrio em 2019.

Consulte a nossa página sobre como observar o trânsito de Mercúrio em segurança.

ATENÇÃO: a observação do Sol pode ser perigosa!Seja cuidadoso, certifique-se que conhece todos os perigos e as formas seguras de observar o sol e informe, ajude, quem não sabe.
A população escolar deve ter especial cuidado com a observação do sol durante o trânsito.
Consulte a nossa página com informação completa sobre este tema e técnicas seguras de observação, em colaboração com a DGS e a SPO:    OBSERVAR O SOL EM SEGURANÇA

OAL – Observatório Astronómico de Lisboa

 

3004: Observar o Trânsito de Mercúrio em Segurança

Tal como todas as observações que implicam olhar para o Sol, tem de seguir as regras de segurança apropriadas, que são descritas aqui.

Durante o trânsito, o planeta apenas tapa a luz solar na nossa direcção, aparecendo como um pequeno disco negro em frente ao disco solar.

NÃO é possível observar o trânsito de Mercúrio através dos filtros solares oculares!

Um objecto só é  perceptível se o seu diâmetro angular aparente for maior do que o limite de resolução angular α do instrumento de observação. Este limite é dado por α=1,22 λ/D onde λ é o comprimento de onda da luz (0,5 μm para a cor verde, onde está a máxima intensidade solar) e D é o diâmetro da abertura do sistema óptico. O diâmetro da pupila é D≈2 mm durante o dia, dilatando para D≈6mm à noite. Nestas condições o limite de resolução angular do olho humano numa observação diurna é α= 63”. Como o diâmetro angular de Mercúrio é de 12″ < 63″, é impossível observá-lo directamente.

Assim, de nada serve usar os filtros solares oculares (os conhecidos “óculos de eclipse”) para tentar ver o trânsito solar deste planeta.

Pode observar o trânsito de Mercúrio através dum telescópio equipado com filtro objectivo solar adequado!

O pequeno tamanho angular implica a utilização dum sistema óptico com pelo menos 1 cm de diâmetro para se poder ver o pequeno disco negro do planeta sobre o Sol. Porém, como o disco solar é 158 vezes maior do que o diâmetro angular de Mercúrio, o planeta só é bem visível com recurso a ampliação óptica.

Para o observar recomenda-se a utilização dum telescópio com uma ampliação de 50x a 100x. Porém, a objectiva deve ser tapada com um filtro solar adequado (VER AQUI), que deve ser adquirido em lojas da especialidade. Os requisitos visuais e fotográficos para o trânsito são idênticos aos da observação de manchas solares e de eclipses solares parciais.

PREFIRA a observação do trânsito de Mercúrio pelos métodos de Projecção

A maneira mais acessível de observar o trânsito de Mercúrio é projectar a imagem do Sol através de binóculos para um cartão branco. Um segundo cartão com um furo pode ser colocado em frente da ocular, o que melhora o contraste da imagem projectada. A imagem solar no cartão alvo aparecerá branca com o pequeno ponto negro de Mercúrio (semelhante a uma mancha solar). A mesma técnica de projecção pode naturalmente ser utilizada com um telescópio refractor.

OU, dirija-se a um local onde haja observações do trânsito de Mercúrio por pessoas qualificadas e responsáveis.

OAL – Observatório Astronómico de Lisboa
5 Nov 2019

 

2993: Mercury Transit on Monday: The Gear You Need to Watch It Safely

SCIENCE

Mercury will pass across the face of the sun Monday (Nov. 11) in its first such “transit” since 2016.

The Mercury transit — which begins Monday at 7:35 a.m. EST (1235 GMT) and ends at 1:02 p.m. EST (1804 GMT) — is accessible to amateur astronomers, as long as they have the right equipment to view the event safely. (Warning: Never look directly at the sun without protection; serious and permanent eye damage can result.)

Here’s a brief rundown of the ways you can safely watch the transit, either first-hand or live online.

Related: Mercury Transit 2019: Where and How to See It on Nov. 11

Projecting the image

Mercury is so small that projecting the image using a simple pinhole camera, as many observers do to view solar eclipses, will not produce good results; it’s likely you won’t be able to see anything at all. Instead, you can project the image using binoculars, refractors or small Newtonian telescopes. (Schmidt-Cassegrain and Maksutov designs can’t be used for this, because of the risk of damage.)

Put a low-power eyepiece into your telescope — one that you don’t mind losing if the sun’s heat cracks it. Do not look through the eyepiece or the finder scope. Instead, align the telescope using its shadow on the ground. The more closely aligned the scope is to the sun, the darker and more circular its shadow will appear, according to the British Astronomical Association (BAA).

Take a piece of white paper and hold it about 1 foot (30 centimeters) away from the eyepiece to see the image. You may need to wiggle the telescope a bit to get a good view.

Physics lecturer Mohammad Baqir and his pet duck observed the May 9, 2016 Mercury transit using safe projection techniques.
(Image credit: Mohammad Baqir )

Binoculars or telescopes

You can also outfit your binoculars or telescope with solar filters to view the transit. The type of solar filter depends on your equipment, so check with the manufacturer to see what’s approved.

Alternatively, you can make your own filters using a sheet of Mylar or Baader AstroSolar Film. Just be sure that the homemade filter is securely over the front end of your binoculars or telescope, with no cracks.

“It is essential that the filter fixes very securely to your telescope, that it is undamaged, and that it is designed for safe use with your telescope,” the BAA officials wrote in a press release. “Only buy from reputable suppliers you trust, and thoroughly inspect your filters for damage every time you use them.”

Filters designed for eyepieces should never be used because they are “of suspect quality” and often crack when exposed to the sun’s heat, the BAA added.

A student uses his smartphone and a photographers lens with a solar filter to capture a photo of the planet Mercury transiting the sun on May 9, 2016.
(Image credit: Bill Ingalls/NASA)

Community telescopes

Many museums or amateur astronomy organizations are holding special public events for the Mercury transit. So if you don’t have your own gear, check the nearest science museum or astronomy club to see if they are going to set something up somewhere in your community.

You can find the nearest astronomy club in your area here.

Watching online

Another option is to watch the transit from wherever you happen to be that day, which is especially handy if you are stuck at work or school. Space.com will show live webcasts from Slooh and the Virtual Telescope Project.

The Slooh online observatory will begin streaming live views of the Mercury transit from telescopes around the world at 7:30 a.m. EST (1230 GMT). You can watch it live here on Space.com or directly via Slooh’s YouTube channel.

At the same time, astrophysicist Gianluca Masi of the Virtual Telescope Project in Italy will also stream live telescope views of the transit. You can watch the free webcast live here.

Meanwhile, NASA will post real-time images from its Solar Dynamics Observatory at mercurytransit.gsfc.nasa.gov/2019.

Editor’s note: Visit Space.com on Monday to see live webcast views of the rare Mercury transit from Earth and space, and for complete coverage of the celestial event. If you SAFELY capture a photo of the transit of Mercury and would like to share it with Space.com and our news partners for a story or gallery, you can send images and comments in to managing editor Tariq Malik at spacephotos@space.com.

This article was originally posted on May 6, 2016 for the previous Mercury transit and has been updated for 2019.

Follow Elizabeth Howell @howellspace. Follow Space.com on Twitter @Spacedotcom and on Facebook.

livescience
By Elizabeth Howell – Live Science Contributor
08/11/2019

 

2965: Raro evento astronómico ocorre na próxima semana (e só se repete em 2023)

CIÊNCIA

NASA

Na próxima segunda-feira, 11 de Novembro, Mercúrio passará entre a Terra e o Sol, protagonizando um raro evento astronómico que não se repetirá em 13 anos.

“Da nossa perspectiva da Terra, só podemos ver Mercúrio e Vénus quando [estes] estão ou passam em frente ao Sol (…) e é por isso que este é um evento raro que não quererá perder”, escreve a agência espacial norte-americana (NASA) na sua página oficial.

A AccuWeather, por sua vez, detalhou que este tipo de movimentação ocorre, aproximadamente “13 vezes a cada 100 anos“, indicando que o próximo fenómeno deste tipo acontecerá a 13 de Novembro de 2031.

De acordo com a NASA, o fenómeno poderá ser observado em quase toda a América do Norte e do Sul, bem como na Europa, África e oeste da Ásia.

Durante o espectáculo, que durará 5,5 horas, Mercúrio será visível sob a forma de um ponto negro que se move em frente ao sol. Para observar evento e tendo em conta o tamanho pequeno do planeta, serão necessários binóculos ou telescópios com filtro solar.

Neste sentido, os cientistas recordam ainda que a observação directa do Sol sem equipamentos especiais de protecção pode causar danos nos olhos e perda de visão.

A este fenómeno chama-se o trânsito de Mercúrio. Por orbitar muito próximo da sua estrela, Mercúrio é difícil de observar. O planeta, em termos de tamanho, situa-se entre a Terra e a Lua, é composto sobretudo por ferro e tem uma atmosfera extremamente fina, formada por hélio, oxigénio, hidrogénio, mas também por sódio e potássio.

Apesar da sua proximidade com o Sol, Mercúrio não é o planeta mais quente (é Vénus), mas tem a maior variação de temperatura, entre -180ºC e +450ºC. Orbita o Sol em 87,97 dias e as suas crateras fazem lembrar as da Lua.

À semelhança de Mercúrio, também Vénus pode passar entre a Terra e o Sol, o que acontece duas vezes em cada cem anos.

ZAP //

Por ZAP
5 Novembro, 2019