1445: As incríveis promessas de Elon Musk para 2019, da Tesla ao espaço

Elon Musk é conhecido como visionário e excêntrico. As suas promessas nem sempre chegam a ver a luz do dia, mas todos ou ouvem com atenção. Para 2019, o líder da Tesla e do SpaceX traçou já metas e desejos ambiciosos.

O que Elon Musk faz ou escreve no Twitter facilmente torna-se notícia. Amado por uns e odiado por outros, o fundador da Tesla e do SpaceX (entre outras empresas), teve um 2018 tão complicado quanto polémico, ao ponto de perder o cargo de chairman da Tesla (mantém-se como CEO).

Entretanto, para enfrentar 2019 a Tesla tem dois novos membros no seu conselho de administração, Kathleen Wilson-Thompson, executiva do Walgreens Boots Alliance e perita em recursos humanos, e o amigo de Musk, Larry Ellison, multimilionário da Oracle.

Super-carregadores por toda a Europa

A rede de Super-carregadores da Tesla vai chegar a 100% da Europa, promete Musk para 2019. Da Irlanda e Kiev, da Noruega à Turquia, incluindo Grécia e Roménia. Musk promete ainda que haverá Super-carregadores “um aumento significativo” dentro das cidades, bem como em colaboração com responsáveis de prédios para adicionar carregamentos em edifícios”.

Neste momento existem 11583 estações de carregamento da rede de Super-carregadores Tesla espalhados pelo mundo, um crescimento exponencial nos últimos anos, mas ainda longe do objectivo da marca de ter 18 mil até ao final de 2018. Sobre África, Musk prometeu um crescimento das estações de carregamento em 2020.

A Gigafábrica 3 da Tesla na China

A empresa de Musk vai abrir em breve uma nova fábrica, a sua primeira na China. As obras começaram em Dezembro e o investimento no novo espaço em Xangai ascende aos dois mil milhões de dólares, com a nova fábrica a ocupar 85 hectares (864 mil m2) e deverá ter uma capacidade inicial de produção de 250 mil carros eléctricos por ano (irá produzir Model 3 e o ainda por estrear Model Y, um pequeno SUV).

Elon Musk anunciou no Twitter que vai visitar nos próximos meses as obras. A China continua a ser o maior mercado mundial de automóveis eléctricos e representam 17,2% das vendas globais da empresa (em 2018 a Tesla vendeu dois mil milhões de dólares em automóveis na China). Actualmente a Tesla leva as unidades dos EUA para a China, o que tem um custo elevado que deverá crescer com o aumento de impostos graças à guerra comercial entre EUA e China.

Elon Musk: Existem 70% de hipóteses de ir viver (e morrer) para Marte

SpaceX testa a nova Starship

Já no que diz respeito à SpaceX, Musk admitiu recentemente mudanças significativas de design e nomenclatura, nomeadamente nos veículos espaciais. O Big Falcon Rocket (BFR) que é reutilizável passou a chamar-se Starship (uma referência ao Star Trek) e o veículo inicial de primeira geração chama-se agora Super Heavy. O testes de voos devem começar já nos próximos meses, no Texas, admitiu recentemente Musk, que espera fazer uma apresentação técnica do projecto do veículo espacial Starship, em Março ou Abril, já depois dos testes.

Há já movimentações no Texas que mostram o nariz do novo veículo, que ganha um aspecto mais elegante e futurista, como Musk sempre quis. Certo é que o líder da SpaceX espera ver humanos em Marte dentro de seis a nove anos.

Boring Company com túneis públicos?

Outra das empresas de Musk, a Boring Company, fez um teste significativo já em Dezembro em Los Angeles no que diz respeito aos chamados túneis subterrâneos de um conceito criado por Elon Musk, chamado Hyperloop. O teste perto do campus da SpaceX, enviou algumas unidades Tesla Model X em modo autónomo por um túnel de quase dois quilómetros a 241 km/h. A empresa espera agora que, em 2019, comece a construção do primeiro tubo subterrâneo para uso público.

O que não foi propriamente uma promessa, mas não deixou de aparecer nas notícias nos últimos dias foi o facto da Tesla ter tornado possível que os seus modelos façam, em certas circunstâncias (como fazer o pisca), o som de flatulência (ou como diz o dicionário Priberam: “ventosidade que sai do intestino pelo ânus”). Mais um pormenor peculiar da Tesla, possível graças ao facto do seu software poder ser actualizado com frequência nos seus automóveis, como se actualiza o sistema operativo de um smartphone.

Diário de Notícias
Quinta-feira, 3 Janeiro 2019
João Tomé

[vasaioqrcode]

 

400: Elon Musk aceita o desafio e apaga o facebook da Tesla e SpaceX

Thomas Hawk / Flickr
Elon Musk: Sonhador, bilionário, fundador do PayPal, SpaceX, Tesla, Boring Company, HyperLoop, Solar Cities…

Elon Musk apagou as páginas da Tesla e SpaceX do Facebook. O motivo nada tem a ver com a recente polémica que envolve aquela rede social e prova apenas que o multimilionário não resiste a um bom desafio.

Embora se possa pensar que o motivo estaria relacionado com os recentes vazamentos de informação na rede social, o CEO de ambas as empresas simplesmente apagou as contas depois de seguidores do Twitter o terem desafiado.

Foi depois de Brian Acton, co-fundador do WhatsApp, ter recomendado aos seus seguidores que apagassem as contas no Facebook que Musk começou a fazer piadas na rede social. “O que é o Facebook?”, perguntou o homem que enviou um Tesla Roadster para o espaço, em resposta a um dos tweets da Acton, embarcando na brincadeira.

Depois disso, um utilizador enviou a Musk um desafio: “Se és homem, apaga a página da SpaceX do Facebook”, ao que Elon respondeu nem “saber que existia uma. Vou apagar”. Foi assim que a página da empresa com 2,6 milhões de seguidores foi desactivada na rede.

Depois disso, outro utilizador perguntou sobre a página da Tesla. “Esta também vai ser apagada, certo?”, questionou, em tom de desafio. Musk respondeu com: “Certamente. Parece ‘fatela’ de qualquer das formas“.

Minutos depois da conversação, a página, também com cerca de 2,6 milhões de seguidores deixou de ser exibida para quem a tentasse aceder.

Embora pareça uma brincadeira do CEO, até ao momento Elon Musk ainda não voltou atrás na decisão.

Esta iniciativa de Musk apenas vem corroborar os actuais problemas do Facebook. Esta semana, Mark Zuckerberg anunciou mudanças na política de segurança do Facebook, depois de contratar uma auditoria para analisar o caso da Cambridge Analytica.

A empresa ainda está a passar por uma auditoria federal e já teve uma queda recorde nas acções desde o início da semana.

ZAP // Canal Tech

Por CT
24 Março, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=2af0428c_1521896514668]

 

 

304: Tesla descapotável de Elon Musk pode cair na Terra daqui a milhões de anos

Neste momento o Tesla Roadster do dono da SpaceX está na órbita do Sol. Mas esse passeio pode acabar bruscamente e o carro vermelho descapotável “conduzido” pelo boneco Starman vai muito provavelmente cair na Terra.

“O Tesla vai muito provavelmente colidir com a Terra em poucas dezenas de milhões de anos”, calcula Hanno Rein da Universidade de Toronto.

A previsão de Rein e da sua equipa é sustentada pelos cálculos de um simulador, ao avançar uns milhões de anos para ver que caminho percorrerá o carro.

Actualmente está numa órbita que intersecta os caminhos da Terra e Marte, pelo que o carro vai ser muitas vezes “empurrado” quando se aproximar de cada um destes planetas, explica o National Geographic.

O próximo “encontro imediato” com a Terra vai ser em 2091, a uma distância semelhante à da Lua. Será visível através de um telescópio suficientemente potente.

“No início, vai aproximar-se várias vezes da Terra. Depois aproximar-se-á de Vénus e de Marte. E, em cada uma destas aproximações, vai sempre desviar-se um pouco da sua órbita”, explica Rein.

Probabilidades de colisão com a Terra ou outro planeta

Segundo os cálculos da equipa de Rein, há 6% de probabilidade de o Tesla chocar com a Terra e 2,5% de probabilidade de chocar com Vénus. Uma colisão com Marte não está prevista nas simulações desta equipa.

Com o avançar dos (milhões) de anos, e de cada vez que o carro passar mais perto de cada um destes dois planetas, as probabilidade de choque aumentam: 11% de hipótese de colidir com a Terra daqui a 3 milhões de anos.

Onde está o Tesla Roadster agora?

© SpaceX Tesla descapotável de Elon Musk pode cair na Terra daqui a milhões de anos

Depois de o Tesla Roadster ter sido lançado para o espaço a 6 de Fevereiro e de terem sido enviadas para a Terra as imagens do carro no espaço, deixou de ser possível ver imagens reais a partir da câmara a bordo.

Mas há um site que tem a localização precisa a cada instante que o carro se move pelo sistema solar.

Um Objecto do Sistema Solar

O carro já está catalogado na lista de “Objectos do Sistema Solar” da NASA, constantemente actualizada pelo laboratório Jet Propulsion Lab.

MSN notícias
16/02/2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=f6580d59_1518805214474]

 

 

300: O Tesla de Elon Musk levou uma carga secreta para o espaço

Arch Mission
3 das primeiras 5 bibliotecas Arch criadas até agora

Quando a semana passada a SpaceX lançou o mais poderoso foguetão do mundo, foi a sua carga especial – o Tesla Roadster de Elon Musk – a conquistar toda a atenção. Mas o desportivo eléctrico levava uma segunda carga secreta escondida no carro.

Preso no interior do primeiro carro espacial, está um pequeno objecto, projectado para durar milhões – ou mesmo milhares de milhões – de anos, muito mais que o próprio Roadster vermelho: um minúsculo dispositivo de armazenamento de informações que contém 360 terabytes de dados, o mesmo que 7 mil discos de Blu-Ray.

Chamado Arch, o minúsculo dispositivo feito de cristal de quartzo contém bibliotecas de informação codificadas. Parece um CD em miniatura, tem o tamanho de uma moeda, e é suficientemente resistente para suportar para sempre as terríveis condições espaciais.

Por trás da tecnologia está a Arch Mission Fundation, uma ONG que pretende “preservar e disseminar o conhecimento da humanidade através do tempo e do espaço, para o benefício das futuras gerações”. A tecnologia foi desenvolvida pelo físico Peter Kazansky, da Universidade de Southampton, no Reino Unido.

Os primeiros dois discos criados, o Arch 1.1 e o Arch 1.2, serão em teoria estáveis durante pelo menos 14 mil milhões de anos, graças à técnica de armazenamento em 5D, na qual a informação é codificada com a ajuda de nano-estruturas um vidro de sílica de quartzo.

O Arch 1.2 está agora a percorrer o espaço, no já mítico Tesla espacial de Elon Musk, a uma velocidade de 12.908 km/h, e leva a trilogia Foundation, de Isaac Asimov, um clássico de ficção científica cujo tema é a preservação do conhecimento e cultura humana num universo vasto e cruel. Este primeiro disco foi baptizado de “Biblioteca Solar”.

“A Biblioteca Solar vai estar em orbita do sol durante milhões de anos. Pense nisso como um anel de conhecimento à volta do Sol. Este é o primeiro passo de um projecto épico para seleccionar, codificar e distribuir os nossos dados através do Sistema Solar e além”, explica Nova Spivack, co-fundadora da Arch Mission Foundation.

Dois novos lançamentos estão programados para 2020 e 2030, com as arcas “Lunar” e “Mars”, que irão levar backups do conhecimento humano para a Lua e para Marte. O segundo disco foi também projectado para no futuro ajudar no desenvolvimento de uma Internet no Planeta Vermelho.

Com todas estas arcas espalhadas pelo Sistema Solar, o conhecimento humano ficará descentralizado da Terra – e na realidade estas arcas podem até ser enviadas para muito, muito longe da Via Láctea.

ZAP // HypeScience

Por HS
14 Fevereiro, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=6811cd7f_1518642748047]

 

293: NASA regista Tesla de Elon Musk como um corpo celeste

Há 3 dias, dia 6 de Fevereiro, assistimos a um evento único na história da humanidade e da exploração Espacial que, muito provavelmente, ficará para sempre na nossa memória.

A SpaceX, empresa dirigida por Elon Musk, um genial empreendedor e visionário tecnológico, foi capaz de lançar para o Espaço o Falcon Heavy, o foguetão mais poderoso da actualidade. E como se, só isso não fosse suficiente, conseguiu colocar um carro, o Tesla Roadster, a orbitar o Sol.

Um carro no Espaço…

Para nós ainda é um pouco surreal um homem ter ido à Lua em 1969. Quer dizer… vá lá… o Homem foi à Lua. Quando tal aconteceu vivíamos numa plena corrida Espacial: os avanços tecnológicos e da ciência estavam a permitir ao Ser Humano ultrapassar barreiras e explorar novas fronteiras.

Desde então a exploração Espacial foi abrandando até chegar a um ponto em que quase nada se fazia e nem se tentavam ultrapassar novos desafios. Mas, Elon Musk e a SpaceX querem mudar isso. Para além de tornar possível a reutilização dos propulsores, o Homem de Ferro da vida real quer fazer com que o Ser Humano seja uma espécie multi-planetária.

E é aqui que, não só mas também, entra o Falcon Heavy, que foi lançado há uns dias. Este foguetão da SpaceX deverá permitir levar grandes quantidades de carga para o Espaço e até transportar Seres Humanos. Mas este primeiro voo foi apenas de demonstração e, como tal, a carga não interessava. De qualquer modo fomos surpreendidos.

Elon Musk decidiu tentar colocar o seu Tesla Roadster com um manequim chamado Starman no lugar do condutor a orbitar o Sol. Quão espectacular é isto?

No entanto, poucas horas depois do carro ter sido colocado na órbita do Sol, Elon Musk utilizou o seu Twitter para dar uma triste notícia… O seu Tesla poderia estar a dirigir-se para a cintura de asteróides. Informações mais recentes dizem que o carro do CEO da SpaceX será capaz de escapar à destruição total.

Astrónomos da NASA realizaram novos cálculos que mostram que o Tesla Roadster não irá entrar na zona da cintura de asteróides. A cintura começa a 529.474.176 km do Sol e o Tesla deverá apenas distanciar-se 257.495.040 km do Sol. Sem dúvida, existe uma grande discrepância entre os números.

Certamente, mais para a frente teremos mais informações relativamente a este assunto.


Tesla no Espaço: Marketing de Génio

Não restam grande dúvidas de que Elon Musk é uma pessoa extremamente inteligente. Tem dado provas disso ao longo da sua vida. Primeiro com a zip2, que o tornou milionário, depois com o Paypal que veio reforçar a sua fortuna; de seguida partiu para a indústria Espacial e é o CEO da Tesla Motors. Para além disso, está envolvido em projectos de Inteligência Artificial e está a tentar descongestionar o trânsito em Los Angeles com a sua Boring Company. Já para não falar no Hyperloop, que promete ser um meio de transporte de alta velocidade.

Basicamente, podíamos estar aqui a escrever o dia todo, para explicar porque é que Elon Musk é extraordinário. Deverá ter os seus defeitos como todos nós, sem dúvida, mas já conseguiu alcançar em menos de cinquenta anos de vida aquilo que várias pessoas juntas não conseguiram alcançar numa vida. E, não só é um gestor e empreendedor de alto nível, como também demonstra excelente visão de Marketing.

E este golpe de levar o Tesla Roadster no Falcon Heavy para o Espaço mostra isso mesmo. Poderá ter sido, uma das maiores estratégias de Marketing de sempre. Tal como Steve Jobs fez ao puxar o MacBook Air do envelope em 2008, também o Tesla dentro do Falcon não seria necessário para tornar o lançamento impressionante. Mas, provavelmente, será algo que nos vamos lembrar para sempre. Será uma associação de ideias inevitável.

Quem sabe se o Tesla de Elon Musk, não será, daqui a uns anos, o grande símbolo da chegada do Ser Humano a Marte…


NASA: Tesla de Musk é um Corpo Celeste

Todo o Mundo ficou perplexo com a ida do Tesla para o Espaço. Aqui não existe grande novidade. Mas quando temos a NASA a registar um carro como um corpo celeste… Bem, há aqui algo incrível a acontecer.

Ficamos hoje a saber que a NASA registou o Tesla Roadster que está no Espaço como um corpo celeste. Sim, um carro é agora considerado um corpo celeste… Basta aceder à interface web HORIZONS do Laboratório de propulsão a jacto da NASA para ver com os seus próprios olhos. Sim, porque actualmente é ver para crer.

Acedendo ao web-site basta clicar em “Change” onde está escrito target body, depois clica em search e, finalmente em, generate ephemeris. No final deverá ter algo semelhante a isto:

Incrível não é! O carro de Elon Musk é, de facto, um corpo celeste registado pela NASA. E ver o pormenor com que tudo é feito é algo notável.


Depois do Falcon Heavy, o que vem a seguir?

Elon Musk e a SpaceX não param, apesar do lançamento do Falcon Heavy ter sido uma grande meta. Mas acima de tudo, com o Falcon Heavy, a SpaceX foi capaz de mostrar a potenciais clientes que, de facto, consegue transportar grandes quantidades de carga para o Espaço e a um preço acessível (graças à reutilização dos boosters que utiliza).

De qualquer das formas, o próximo grande desafio já está a ser encarado, porque a SpaceX não pretende parar no Falcon Heavy. O BFR (Big Falcon Rocket), ou como muitos lhe gostam de chamar (Big Fuc*ing Rocket) será agora o centro das atenções da empresa de Elon Musk.

Com este foguetão, Elon Musk pretende transportar Seres Humanos e carga até Marte, e desta forma, tornar o Ser Humano numa espécie multi-planetária. Tal como o Falcon 9, o BFR é um foguetão reutilizável e o BRB (Big Rocket Booster) deverá ser capaz de regressar à Terra 10 minutos depois da descolagem.

Mas, como Elon Musk já aprendeu por experiência própria, só a teoria não chega. É necessário experimentar e, por vezes, falhar. Assim, Elon Musk e a sua equipa têm muito para trabalhar de modo a tentar partir para Marte (levando Seres Humanos) em 2024.

Pplware
Tomás Santiago
09 Fev 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=8bf9e2f9_1518279324459]

288: O Tesla falhou a órbita de Marte e está a caminho da Cintura de Asteróides

Elon Musk / Instagram
Starman ao volante de um Tesla Red Roadster a caminho de Marte

Não, o Starman não está a caminho de Marte. O Tesla, colocado a bordo do Falcon Heavy, está fora do trajecto previsto e pode estar afinal a caminho da Cintura de Asteróides.

A bordo do Falcon Heavy, o foguetão mais poderoso do mundo lançado esta terça-feira, seguia um Tesla Roadster com um manequim como piloto, que recebeu o nome de Starman.

Inicialmente, o objectivo de Elon Musk era colocar o automóvel numa órbita heliocêntrica, à volta do Sol, onde iria permanecer durante mil milhões de anos, de forma a aproximar-se regularmente do planeta Marte.

Mas o Tesla está fora do trajecto previsto e quem avança com a notícia é o próprio Elon Musk, através de um post na sua conta de Instagram. O presidente da Tesla e da empresa Space X adiantou que o veículo pode estar a caminho da Cintura de Asteróides, região do Sistema Solar compreendida aproximadamente entre as órbitas de Marte e Júpiter.

A comunidade científica continua a acompanhar a aventura do Tesla Roadster com interesse. Segundo o site The Verge, alguns astrónomos, usando uma ferramenta do Jet Propulsion Laboratory da NASA, identificaram algumas diferenças entre os dados que Musk partilhou e os últimos números enviados pela SpaceX.

Os cientistas garantem que o Tesla não irá alcançar a cintura de asteróides, como afirmou inicialmente Elon Musk. Desde o início que o empresário admitiu que a possibilidade de o veículo chegar a Marte era pequena. O Falcon Heavy tinha criado grandes esperanças, que agora parecem cada vez mais reduzidas.

Elon Musk já tinha admitido que a terceira ignição tinha sido um sucesso e que o Roadster iria ultrapassar Marte, dirigindo-se à cintura de asteróides – entre Marte e Júpiter – mas nunca revelou que isso iria complicar os seus planos iniciais.

Jonathan McDowell, astrofísico de Harvard, calcula agora que na próxima década o mais perto que o Roadster vai conseguir estar de Marte é a cerca de 6,9 milhões de quilómetros, em Outubro de 2020. Em Março de 2021, o Tesla voltará a passar relativamente perto da Terra, a 45 milhões de quilómetros, estimou.

ZAP //

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=64eb51d5_1518180849489]

 

284: Elon Musk lançou com sucesso o foguete mais potente do mundo (e um Tesla vermelho)

O foguete Falcon Heavy, da SpaceX, descolou com sucesso da plataforma de lançamento 39A do Centro Espacial John F. Kennedy, na Florida, no que foi o seu primeiro voo de demonstração.

A viagem servia para testar se o Falcon Heavy, com 70 metros de altura e capaz de transportar mais de 66 toneladas, podia ser usado para transportar carga para o espaço. E a carga testada era nada menos que um Tesla com um passageiro especial.

O foguete, considerado actualmente o mais poderoso do Mundo  e o segundo mais potente da história, atrás apenas do Saturno V, da NASA, partiu para o espaço com um luxuoso Tesla Red Roadster.

Dentro do icónico veículo eléctrico, cientistas da empresa do bilionário Elon Musk instalaram um manequim com dimensões humanas, vestido de astronauta com um dos novos fatos espaciais da SpaceX e baptizado Starman em homenagem ao músico David Bowie – autor do álbum Space Oddity e do tema Life On Mars, entre outros que nos anos 70 dedicou à exploração espacial.

A ideia, concluída com sucesso, era colocar o carro em órbita do sol. Lançado no espaço, o Tesla Roadster irá agora entrar em orbita da nossa estrela até que ela se apague, daqui a uns milhares de milhões de anos – excepto, claro, se for entretanto atingido por um asteróide em contra-mão ou parado por um polícia espacial por excesso de velocidade.

O objectivo da SpaceX é usar o foguetão gigante para transportar satélites mais pesados para o espaço e até, no futuro, seres humanos, graças à sua potência e capacidade apenas superados pela aeronave Saturn V, que esteve ao serviço nas missões Apollo nas décadas de 60 e 70.

Os entusiastas da aventura espacial podem acompanhar a trajectória do veículo e do seu ilustre tripulante na transmissão ao vivo do canal da SpaceX no YouTube.

O Falcon Heavy é a primeira etapa de um ambicioso plano de Musk. A ideia do carismático milionário, que planeia levar os primeiros humanos a Marte já em 2024, é levar para o Planeta Vermelho pelo menos 100 pessoas por ano durante 100 anos – acelerando assim a sua colonização.

De acordo com o SpaceX, o Falcon Heavy é capaz de colocar em órbita uma carga de quase 64 toneladas métricas, o dobro da carga de seu rival mais próximo, o Delta IV Heavy.

Uma das características mais inovadoras do novo foguetão da SpaceX é que os foguetões propulsores laterais são recuperáveis, de uma forma invulgar: após o lançamento, voltam à Terra e aterraram sozinhos.

O lançamento com sucesso do Falcon Heavy foi um pequeno passo para um manequim, mas sem dúvida um passo de gigante na caminhada para Marte.

ZAP // Sputnik News

Por SN
7 Fevereiro, 2018

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=ad3aced9_1518004383133]

281: O foguetão mais poderoso do mundo faz a primeira viagem (e leva um Tesla ao espaço)

Space X
Starman ao volante de um Tesla Red Roadster a caminho de Marte

O foguetão gigante Falcon Heavy, com o qual a SpaceX espera realizar missões para Marte no futuro, vai descolar esta terça-feira no Cabo Canaveral, na Florida, Estados Unidos, para uma viagem de teste com um carro desportivo a bordo.

Estamos prestes a viver um momento histórico, no que é mais um emocionante episódio da aventura da Humanidade no espaço. Elon Musk, presidente da SpaceX e da Tesla, confirmou esta terça-feira na sua conta no Twitter que “todos os sistemas têm luz verde para o lançamento” do Falcon Heavy, o foguetão mais poderoso do mundo.

Esta viagem serve para testar se o Falcon Heavy, com 70 metros de altura e capaz de transportar mais de 66 toneladas, pode ser usado para transportar carga para o espaço. E a carga que vai ser testada é nada menos que um Tesla – com um passageiro especial.

De acordo com o Mashable, o veículo é propulsionado por 27 motores – nove em cada foguetão – que têm de funcionar em perfeita sintonia. Foi o que aconteceu no último teste antes do lançamento desta terça-feira, que ocorreu no dia 24 de Janeiro. O teste foi bem-sucedido e consistiu na ignição dos 27 motores do foguetão simultaneamente.

Este é o foguetão mais potente do mundo e viajará para o espaço a uma velocidade média de 11 quilómetros por segundo.

Segundo o site oficial do projecto, “o impulso de elevação do Falcon Heavy equivale aproximadamente a 18 aviões 747 a plena potência. O veículo pode levantar o equivalente a um avião 737 totalmente carregado – completo com passageiros, bagagem e combustível – para a órbita”.

Uma das características mais inovadoras do novo foguetão da SpaceX é que os foguetões propulsores laterais são recuperáveis, de uma forma invulgar: após o lançamento, voltam à Terra e aterraram sozinhos.

Segundo o plano original de Elon Musk, o Falcon Heavy deveria ter realizado o seu voo inaugural, em 2013, mas o design do foguetão revelou-se mais complexo do que o que se previa e em 2016, por exemplo, a SpaceX perdeu um outro foguetão – o Falcon 9 – que explodiu durante testes.

Todos os imprevistos fizeram com que a data para o teste de lançamento deste veículo – que junta três Falcon 9 – se arrastasse até esta terça-feira.

Um carro eléctrico da Tesla, vermelho, será a carga que o Falcon Heavy deixará numa órbita próxima de Marte se a missão decorrer como planeado. “Adoro imaginar um carro à deriva pelo espaço e talvez a ser descoberto por extraterrestres daqui a milhões de anos”, justificou o empresário.

Mas Musk não ficou por aqui. Como um carro não se conduz sozinho, o Tesla irá também levar um passageiro a bordo. Sentado ao volante do carro vermelho, irá o Starman, um manequim vestido de astronauta com um dos novos fatos espaciais da SpaceX.

Este é um dos lançamentos mais esperados desde as missões Apollo (1961-1972) que levaram o homem para a lua, tanto que os bilhetes foram colocados à venda e são esperadas milhares de pessoas no Cabo Canaveral, nos Estados Unidos.

Mas o que acontece se algo correr mal? A probabilidade de o lançamento não ser bem sucedido aumenta pelo facto de o Falcon Heavy ser um foguete novo e poderoso, com um elevado número de motores e quantidades maciças de combustível que irá ser testado pela primeira vez.

Embora seja possível um vasto número de percalços, existe uma única certeza: a de que, se o foguete explodir, seria melhor que não explodisse perto do Kennedy Space Center, plataforma de lançamento da NASA. Segundo o Mashable, que cita Elon Musk, “se ele explodir, e se explodir longe, já considero isso uma vitória, para ser honesto”.

O objectivo da empresa SpaceX é usar o foguetão gigante para transportar satélites mais pesados para o espaço e até, no futuro, seres humanos, graças à sua potência e capacidade apenas superados pela aeronave Saturn V, que actuou nas missões Apollo nas décadas de 60 e 70.

O futuro espacial não depende do sucesso desta missão. No entanto, caso o teste de lançamento corra bem, podem abrir-se portas para novas missões espaciais com o intuito de levar satélites e até mesmo operações para lá da órbita com carga e tripulantes humanos.

O teste de lançamento do potente veículo reutilizável que junta três Falcon 9 – o Falcon Heavy – foi agendado para esta terça-feira, entre as 18h30 e as 21h de Portugal Continental.

Enquanto o lançamento não acontece, podemos sempre deleitar-nos com o soberbo vídeo da simulação da missão – adequadamente acompanhado pelo maravilhoso “Life on Mars”, de David Bowie – que aqui lhe deixamos.

ZAP // Lusa

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=10f66b35_1517923685566]