4847: Uma misteriosa tempestade negra em Neptuno mudou de direcção abruptamente (para fugir à morte certa)

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

M.H. Wong, L.A. Sromovsky e P.M. Fry / STScl / ESA / NASA

Usando o telescópio espacial Hubble da NASA, uma equipa de astrónomos observou um misterioso redemoinho escuro em Neptuno a afastar-se abruptamente para fugir à provável morte.

A tempestade, que é maior do que o Oceano Atlântico, nasceu no hemisfério norte do planeta e foi descoberta pelo Hubble em 2018. Um ano depois, observações mostraram que a tempestade se começou a mover para o sul em direcção ao equador, onde essas tempestades devem desaparecer de vista.

Para surpresa dos astrónomos, o Hubble detectou a mudança de direcção do redemoinho em Agosto de 2020, voltando para o norte.

Embora o Hubble tenha rastreado manchas escuras semelhantes nos últimos 30 anos, este comportamento atmosférico imprevisível é algo inédito.

Além dos seus movimentos enigmáticos, a tempestade não estava sozinha. O Hubble avistou outro ponto escuro em Janeiro deste ano, que apareceu temporariamente perto do seu primo maior. Pode ter sido um pedaço do vórtice gigante que se partiu, afastou-se e desapareceu nas observações subsequentes.

“Estamos entusiasmados com estas observações porque este fragmento escuro mais pequeno é potencialmente parte do processo de interrupção da mancha escura“, disse Michael H. Wong, da Universidade da Califórnia, em comunicado. “Este é um processo que nunca foi observado. Vimos alguns outros pontos escuros a desbotar e desaparecer, mas nunca vimos nada a interromper, mesmo que seja previsto em simulações de computador.”

A grande tempestade, que tem 7.402 quilómetros de diâmetro, é a quarta mancha escura que o Hubble observou em Neptuno desde 1993. Duas outras tempestades foram descobertas pela espaço-nave Voyager 2 em 1989 enquanto voava pelo planeta distante, mas tinham desaparecido antes do Hubble as conseguir observar.

A forma como estas tempestades se formam ainda é um mistério. Este último redemoinho escuro gigante é o mais bem estudado até agora. A aparência escura da tempestade pode ser devido a uma camada elevada de nuvens escuras e à estrutura vertical da tempestade.

Outra característica incomum da mancha escura é a ausência de nuvens brilhantes ao seu redor, que estavam presentes nas imagens do Hubble quando a tempestade foi descoberta em 2018. Aparentemente, as nuvens desapareceram quando o vórtice interrompeu a sua jornada para o sul.

Por Maria Campos
21 Dezembro, 2020