3264: Astrónomos descobrem uma das “fusões mais violentas” entre dois grupos de galáxias

CIÊNCIA

Chandra / NASA / CXC / SAO / E. O’Sullivan / ESA / XMM / SDSS

Uma equipa de astrónomos descobriu dois grupos de galáxias no sistema de fusão NGC 6338 a colidir a uma velocidade gritante de cerca de 6,4 milhões de quilómetros por hora.

Através dos dados fornecidos pelo Observatório de Raios-X Chandra da NASA, do XMM-Newton da ESA, do Telescópio Gigante de Metaveave e do Observatório Apache Point, uma equipa de astrónomos descobriu dois grupos de galáxias a colidir a grande velocidade –  a 6,4 milhões de quilómetros por hora. Esta pode ser a colisão mais violenta alguma vez observada entre grupos de galáxias.

As observações permitiram também concluir que os núcleos frios destes grupos de galáxias estão embutidos numa grande região de gás aquecido.

O sistema NGC 6338 mora na constelação de Draco, a cerca de 380 milhões de anos-luz do nosso planeta. A massa total deste sistema é de cerca de 100 biliões de massas solares – cerca de 83% na forma de matéria escura, 16% na forma de gás quente e 1% de estrelas.

Estudos anteriores indicaram a presença de regiões de gás frio, que emitem raios X em torno dos centros de ambos os grupos de galáxias – conhecidos como “núcleos frios”. Esta descoberta ajudou os cientistas a reconstruir a geometria deste sistema, revelando que a colisão entre os grupos de galáxias aconteceu quase ao longo da linha de visão da Terra. Esta descoberta foi confirmada neste novo estudo.

“Os novos dados mostram que o gás à esquerda e à direita dos núcleos frios, e entre eles, parece ter sido aquecido por frentes de choque formadas pela colisão“, adiantou Ewan O’Sullivan, do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, nos Estados Unidos, citado pelo Sci-News.

Este padrão de gás aquecido por choque foi previsto em simulações de computador, mas o sistema NGC 6338 pode ser a primeira fusão de grupos de galáxias a demonstrar este fenómeno. Por sua vez, o aquecimento impedirá que parte do gás quente arrefeça para formar novas estrelas.

“Uma segunda fonte de calor comummente encontrada em grupos e aglomerados de galáxias é a energia fornecida por explosões e jactos de partículas de alta velocidade geradas por buracos negros super-massivos”, explicaram os astrónomos. Esta fonte de calor parece estar inactiva em NGC 6338.

“Esta ausência pode explicar os filamentos de gás de arrefecimento detectados em raios X e dados ópticos em torno da grande galáxia no centro do núcleo frio no sul”. O artigo científico foi publicado recentemente na Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

ZAP //

Por ZAP
25 Dezembro, 2019

 

spacenews