O momento em que um buraco negro “come” uma estrela do tamanho do Sol

CIÊNCIA

Foto: DR

O telescópio espacial Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS), da NASA, captou o momento em que um buraco negro consumiu uma estrela do tamanho do Sol.

De acordo com a NASA, o evento aconteceu quando as forças gravitacionais do buraco negro dominaram a gravidade da estrela, levando a que esta se despedaçasse. O fenómeno, conhecido como “perturbações da maré”, é raro e muito difícil de ser observado, acontecendo apenas a cada 10 mil anos.

@NASA
What happens when a star strays too close to a black hole? Intense tides break it apart into a stream of gas. @NASA_TESS helped produce the most detailed look yet at the beginning of this cataclysmic phenomenon. Visualize how it unfolded: https://go.nasa.gov/2mYhMsE #BlackHoleWeek

O buraco negro, de acordo com o artigo publicado na revista científica “The Astrophysical Journal”, possui seis milhões de vezes a massa do Sol. Encontra-se localizado no meio da constelação Volans, conhecida como Peixe Voador, está a 375 milhões de anos-luz da Terra.

“Tivemos a oportunidade de ver exactamente quando começou a brilhar. Isso nunca tinha acontecido antes”, explicou Thomas Holoien, um dos cientistas responsável pelo estudo.

Os cientistas explicam que, neste tipo de situações, parte do material da estrela que acaba por ser engolido pelo buraco negro forma um disco de gás quente e brilhante.

“Apenas alguns foram descobertos antes de atingirem o pico de brilho, e este foi encontrado apenas alguns dias depois de começar a brilhar mais intensamente”, disse Thomas Holoien.

As imagens do buraco negro, apresentadas pelos cientistas, são ilustrações. Os equipamentos usados nesta pesquisa captam dados, com as frequências de ondas, que depois são convertidos em modelos gráficos.

Jornal de Notícias
29/09/2019

 

2136: Investigadores descobrem cinco estrelas “raras”

(dr) Gabriel Pérez / SMM

Uma equipa internacional, liderada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, descobriu, nos dois primeiros meses de operações científicas do telescópio espacial TESS, cinco estrelas “raras”.

Em comunicado, o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) adianta que a descoberta, aceite para publicação na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, recorreu a “técnicas asterossísmicas”, um método que observa as oscilações à superfície das estrelas.

“Entre 32 mil estrelas observadas em cadência curta, nos primeiros dois meses de operações científicas da missão espacial TESS (…) a equipa descobriu cinco raras estrelas ‘roAp’”, afirma o IA. O instituto afirma que “duas” das cinco estrelas são “particularmente desafiadoras”, isto porque uma “é menos quente do que a teoria prevê” e outra “oscila com uma frequência inesperadamente alta”.

As estrelas ‘roAp’ (estrelas de oscilação rápida), são “objectos estelares raros” e constituem um subgrupo de estrelas magnéticas (estrelas Ap) cujos campos magnéticos são fortes e oscilam com frequências semelhantes às observadas no Sol.

Além das cinco estrelas ‘roAp’, a equipa de investigadores encontrou, ao longo das operações científicas, “o mais rápido oscilador ‘roAp‘”, que completa uma pulsação a cada 4,7 segundos.

Citada no comunicado, Margarida Cunha, a primeira autora do artigo acrescenta que os dados recolhidos mostram que “as estrelas ‘roAp’ são raríssimas”, uma vez que representam menos de 1% de todas as estrelas com temperaturas semelhantes.

“A importância desta descoberta reside no facto de elas serem autênticos laboratórios estelares. Permite-nos testar teorias relativas a fenómenos físicos fundamentais no contexto da evolução das estrelas, tais como a difusão de elementos químicos e a sua interacção com campos magnéticos intensos”, adianta.

De acordo com o IA, durante uma análise detalhada de 80 estrelas conhecidas por serem “quimicamente peculiares”, os investigadores descobriram ainda 27 “novas” variáveis rotacionais ‘Ap’, onde o brilho das estrelas varia de acordo com as suas rotações.

Também citado no comunicado, Daniel Holdsworth, do Instituto Jeremiah Horrocks da Universidade de Central Lancashire, no Reino Unido, acredita que estas observações vão permitir “estudar este tipo raro de estrelas de uma forma homogénea”

“Podemos finalmente comparar cada estrela com as restantes, sem precisar de tratar os dados de uma forma especial. Com a continuação da missão TESS, que irá fazer uma cobertura quase total do céu, teremos a capacidade de descobrir muitas mais estrelas peculiares”, aponta.

O IA conclui afirmando que estes resultados só foram possíveis porque o telescópio TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite, Satélite de Rastreio de Trânsito de Exoplanetas), “observa continuamente as estrelas por períodos de pelo menos 27 dias e sem a interferência da atmosfera da Terra, algo que não é possível aos observatórios à superfície do nosso planeta”.

ZAP // Lusa

Por Lusa
7 Junho, 2019



[vasaioqrcode]