3936: Nasceu uma estrela: é o magnetar mais jovem de sempre

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

(dr) ESA
Representação artística do magnetar Swift J1818.0-1607

Astrónomos da NASA e da ESA descobriram o pulsar mais jovem alguma vez conhecido. Esta “criança celeste” tem apenas 240 anos.

É muito raro encontrar um objecto celeste muito novo. No entanto, esta pequena estrela, conhecida como Swift J1818.0-1607, é a mais nova do género, e está a apenas 60 anos-luz da constelação Cassiopeia.

Uma das características desta recém-nascida é que não é apenas uma estrela de neutrões, mas também um magnetar, um tipo de estrela de neutrões que gira a alta velocidade sobre si mesma e que possui um intenso campo magnético. Até agora, só foram descobertos 30 magnetares.

Além disso, segundo o New Atlas, pertence ao clube exclusivo de magnetares que também são pulsares de rádio, dos quais existem apenas cinco membros conhecidos.

Ser tão jovem ajuda os astrónomos a aprender mais sobre os primeiros dias este objecto estelar. “Este objecto está a mostrar-nos um tempo anterior na vida de um magnetar, logo após a sua formação”, disse Nanda Rea, em comunicado.

A Swift J1818.0-1607 reúne a massa de dois sóis num espaço do tamanho de uma cidade, girando uma vez a cada 1,36 segundos, uma característica que a torna um dos objectos de rotação mais rápidos que conhecemos. O seu poderoso campo magnético significa que muitas vezes explode em raios gama, raios-X e ondas de rádio.

O Observatório Neil Gehrels Swift, da NASA, localizou o corpo celeste a 12 de março, durante uma explosão de raios-X. O artigo científico com as descobertas foi publicado recentemente no Astrophysical Journal Letters.

Apesar de os magnetares serem muito raros, a equipa refere que podem ser mais comuns do que imaginamos. “É provável que os magnetares sejam muito bons a esconderem-se sob o radar quando estão adormecidos e só sejam descobertos quando ‘acordam’. Este bebé magnetar demonstrou isso mesmo, dado que era muito menos luminoso antes da explosão que levou à sua descoberta.”

ZAP //

Por ZAP
30 Junho, 2020

 

spacenews