4060: Região do Árctico estabelece novo recorde. Registados 21,7 graus no arquipélago dos ursos polares

CIÊNCIA/AQUECIMENTO GLOBAL

Gerard Van der Leun / Flickr

O arquipélago norueguês de Svalbard, no Árctico, registou, no sábado, temperaturas acima de 20ºC, a mais quente dos últimos 40 anos e quase igual ao recorde absoluto, de acordo com o Instituto Meteorológico da Noruega.

Com um pico de 21,2ºC, na tarde de sábado, Svalbard, um território norueguês, banhado pelo oceano Glacial Árctico, experimentou o segundo dia mais quente desde que há registos meteorológicos.

Porém, de acordo com o Diário de Notícias, no final da tarde, por volta das 18h locais, registou 21,7ºC, estabelecendo um novo recorde de todos os tempos.

O recorde da mais alta temperatura no arquipélago anterior foi conseguido em 16 de Julho de 1979, quando os termómetros atingiram 21,3ºC.

O pico de calor deve manter-se até segunda-feira, muito acima das médias sazonais de Julho, o mês mais quente do Árctico, que se situam entre os 5 e os 8ºC.

O verão de 2020 na região tem sido marcado por episódios de calor elevado, com a região russa do Árctico a atingir 5ºC acima do normal, tendo os termómetros chegado aos 38 graus, no início de Julho.

De acordo com um recente relatório oficial norueguês “Clima em Svalbard 2100”, a temperatura média em Svalbard para o período 2070-2100 deve aumentar entre 7 e 10ºC em comparação com o período 1970-2000.

O aquecimento global no Árctico está a acontecer duas vezes mais depressa do que no resto do planeta. A mudança já é visível, segundo o relatório, que revela que “de 1971 a 2017, foi observado um aquecimento de 3 a 5ºC, os maiores aumentos no inverno”.

A pensar nas gerações futuras, o GitHub guardou todo o seu software de código aberto num “Cofre do Apocalipse”

A plataforma de hospedagem de código GitHub guardou todo o seu arquivo de software de código aberto num “Cofre do…

Ler mais

O grupo de ilhas, com Spitzbergen à cabeça, a única ilha habitada no arquipélago do norte da Noruega, situa-se a mil quilómetros do Pólo Norte. Conhecida pelos seus ursos polares, Svalbard abriga uma mina de carvão, a energia que emite mais gases de efeito estufa, e uma “Arca de Noé vegetal”, inaugurada em 2008 para proteger as plantas das mudanças climáticas.

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Toronto, no Canadá, alertou, na semana passada, que a a maioria das populações de ursos polares desaparecerá até ao final do século se o aquecimento global continuar ao ritmo actual.

ZAP // Lusa

Por ZAP
27 Julho, 2020

 

spacenews