1932: Encontradas ossadas de primo anão do T-Rex

CIÊNCIA

Há 92 milhões de anos, um parente do Tiranossauro Rex com menos de um metro de altura vivia junto com os grandes gigantes do Jurássico.

Uma reprodução de como seria o Suskityrannus hazelae.
Foto Andrey Atuchin

Sterling Nesbitt e o fóssil que descobriu aos 16 anos, em 1998.
Foto DR

Suskityrannus hazelae é um novo dinossauro. Parente do famoso e terrível Tiranossauro Rex (T-Rex), o rei do Jurássico, este novo animal era, no entanto, mais discreto. Uma espécie de primo anão do T-Rex, o Suskityrannus hazelae tinha apenas 0,91 centímetros de altura e 2,74 metros de comprimento.

A descoberta, anunciada esta segunda-feira, foi feita pelo departamento de Geociências da Universidade Virginia Tech, dos EUA e publicada na revista Nature Ecology& Evolution . Mas se a sua descoberta só agora foi anunciada, os seus ossos foram encontrados pelo líder da investigação – Sterling Nesbitt – quando este tinha apenas 16 anos e era um estudante do liceu e participava numa escavação no Novo México, em 1998, liderada por Doug Wolfe, autor do estudo agora publicado. O fóssil encontrado pertence a um animal que teria cerca de três anos.

Acredita-se que este primo do T-Rex pesasse na idade adulta entre 20 e 40 quilos, enquanto o próprio do T-Rex pesava 8 toneladas. A dieta seria uma das coisas em comum entre as duas espécies. Este Suskityrannus hazelae viveu há cerca de 92 milhões de anos no período do Cretáceo, durante o qual viveram alguns dos dinossauros mais famosos: Triceratopos, Velociraptor ou o Bractrossauro. Além, claro do Tiranossauro Rex.

Na revista Nature, Sterling Nesbitt refere que a descoberta “liga os tiranossauros mais antigos e mais pequenos do Norte da América e da China com os maiores que resistiram até ao final da extinção dos dinossauros não-aviários”.

Antes do fóssil descoberto por Nesbitt já outro tinha sido encontrado, um ano antes, mas menos completo. E por 20 anos, os cientistas não souberam o que tinham em mãos. “Essencialmente, não sabíamos que era um primo do Tiranossauro Rex durante muitos anos”, referiu à publicação. Ainda se pensou que as ossadas pertenciam a um Velociraptor, até terem percebido que se tratava de um Suskityrannus hazelae. Nome que junta Suski, o nome dado pela tribo americana Zuni aos coiotes, e Tyrannus, o nome latino para rei. Hazelae é uma homenagem ao professor AHzel Wolfe que apoiou a expedição.

Diário de Notícias
Ana Bela Ferreira
06 Maio 2019 — 22:30

[vasaioqrcode]