2913: Os restos desta super-nova parecem algodão doce (e já sabemos porquê)

CIÊNCIA

NASA / CXC / RIKEN & GSFC / T. Sato et al / DSS
Super-nova de Tycho

Uma equipa de cientistas da NASA podem, finalmente, ter descoberto por que uma super-nova famosa se assemelha a uma gigantesca bola de algodão doce.

A explosão cósmica, denominada Super-nova de Tycho – assim baptizada em homenagem ao astrónomo do século XVI -, não tem gerado consenso entre os astrónomos, que tentam explicar a sua estranha aparência há muito tempo. No entanto, com os novos dados e simulações de raios-X, a NASA pode finalmente ter resolvido este debate.

Segundo o Futurism, uma das teorias alega que a super-nova original foi muito suave, tendo, mais tarde, acontecido algo que prejudicou a explosão ainda em expansão.

Por sua vez, outros argumentam que algo inerente à super-nova original causou aglomerações estranhamente semelhantes a nuvens. Contudo, um artigo científico – publicado no ArXiv no início deste ano, e mais tarde no The Astrophysical Journal – não encontrou provas conclusivas que suportam esta teoria.

Para pôr um ponto final neste debate, os investigadores compararam dados mais recentes obtidos pelo Observatório de Raios-X Chandra com simulações de como seria a super-nova se as duas teorias acima descritas estivessem corretas.

As observações foram muito semelhantes ao modelo no qual a super-nova formava uma forma suave, em vez do modelo em que foi moldada por algum factor externo.

“Embora os cientistas não tenham certeza, uma hipótese é que a explosão da estrela tenha vários pontos de ignição“, informou um porta-voz da NASA, “como paus de dinamite a ser disparados simultaneamente em diferentes locais”.

Resolver este mistério poderia esclarecer o que causa estes aglomerados de pontos brilhantes e outros mais apagados depois de uma explosão ou se este fenómeno é o resultado de algum processo depois de a estrela ter, efectivamente, explodido.

Esta super-nova foi uma das oito visíveis a olho nu já registadas na história da Astronomia. Embora tenha recebido o nome do astrónomo dinamarquês Tycho Brahe, muitos outros puderam observar o novo objecto no céu a brilhar na constelação de Cassiopeia.

A super-nova era do tipo Ia, o que significa que era o resultado da explosão de uma anã branca, estrela que completou o seu ciclo de vida normal e cessou a sua fusão nuclear.

ZAP //

Por ZAP
27 Outubro, 2019