1309: SpaceX recebe aprovação para colocar mais de 7.500 satélites em órbita

Foto: SpaceX / Flickr

O plano da SpaceX para criar uma constelação de satélites que vai fornecer serviços de Internet em todo o mundo está bem encaminhado.

A SpaceX recebeu luz verde da Comissão Federal de Comunicações dos EUA (FCC na sigla em inglês) para enviar mais de 7.500 satélites para o espaço. Esta aprovação segue-se a uma outra que já tinha sido feita em Março e que previa o lançamento de 4.400 satélites. Conclusão? Actualmente a SpaceX está autorizada a enviar quase 12.000 satélites para o espaço.

Estes satélites vão fazer parte de uma constelação artificial que vai orbitar a Terra – chamada de Starlink – e que tem como objectivo distribuir Internet por todo o planeta, incluindo em locais de difícil acesso.

“Estou entusiasmado por ver o que estes serviços podem trazer e o que estas constelações têm para oferecer. A nossa abordagem reflete o nosso compromisso fundamental de encorajar o sector privado a investir e a inovar”, referiu Ajit Pai, líder da FCC, citado pela publicação The Verge.

Os mais de 7.500 satélites agora aprovados vão orbitar em altitudes que variam entre os 335 e os 346 quilómetros, uma distância muito menor à inicialmente prevista nos planos da SpaceX.

Mas há regras a cumprir: a aprovação da FCT prevê que a SpaceX coloque pelo menos 6.000 destes satélites no espaço nos próximos seis anos, caso contrário a autorização pode ser retirada. Este é um elemento que coloca pressão nas tecnológicas, no sentido de concretizarem os projectos dentro de um período de tempo razoável.

A SpaceX espera ter o projecto Starlink a funcionar em meados da década de 2020 e deverá investir perto de 10 mil milhões de dólares.

DN insider
Sexta-feira, 16 Novembro 2018

 

1294: SpaceX lança satélite do Qatar com foguetão usado. E aterra-o em segurança

O veículo espacial saiu da Florida, colocou um satélite em órbita e a sua secção principal aterrou minutos depois numa plataforma flutuante no oceano.

Momento da aterragem em segurança do foguetão
© Twitter

A SpaceX lançou esta quinta-feira um dos seus foguetões Falcon 9, às 15.46, do Centro Espacial Kennedy da NASA, na Florida, com a missão de colocar um satélite em órbita. Aproximadamente 32 minutos depois, conta a empresa em comunicado, o satélite de comunicações Es’hail-2 já se encontrava implementado na órbita geo-estacionária.

Cerca de 8,5 minutos após o lançamento, a primeira fase do foguetão aterrou com sucesso na plataforma “Off course I still love you” (é claro que ainda te amo, em português), que se encontra no oceano Atlântico, na costa da Florida.

Este Falcon 9 era já usado, tendo sido também usado no lançamento do satélite Telstar 19, no dia 22 de Julho deste ano.

O satélite Es’hail-2 foi construído pela empresa Mitsubishi Electric Corp. e será operado pela empresa Es’hailSat do Qatar. Esta equipamento fornece serviços de banda Ku e Ka, permitindo aos sectores empresariais e governamentais usufruir de comunicações seguras em toda a região do Médio Oriente e do Norte de África.

Num vídeo publicado no Youtube, é possível assistir ao lançamento do foguetão da empresa do multimilionário Elon Musk.

Esta é a 31.ª aterragem da primeira fase de foguetões da Space X, que, ao reutilizar os lançadores, consegue reduzir drasticamente os custos dos voos espaciais.

A Space X fez história em 2015, quando conseguiu, pela primeira vez, lançar o seu foguetão e recuperar a primeira fase do veículo espacial, que colocou em órbita 11 satélites.

Diário de Notícias
DN
16 Novembro 2018 — 00:23

 

1125: Foguete reutilizável da SpaceX iluminou os céus e aterrou (pela primeira vez, na Califórnia)

Mayor Eric Garcetti / Twitter
Espectáculo de luz criado pelo módulo do foguetão Falcon 9 nos céus de Los Angeles

As dúvidas surgiram mas o presidente da câmara de Los Angeles garantiu aos americanos que os raios de luz que preencheram os céus “não eram alienígenas”.

Segundo a Bloomberg, o foguete foi lançado durante a noite da Base da Força Aérea em Vandenberg, a noroeste de Los Angeles. Depois de lançado, o módulo principal do foguete regressou à Base inicial oito minutos depois.

Mas antes de chegar ao solo, ainda no ar, o foguete reutilizável da SpaceX causou uma explosão de luz no céu que levantou várias suspeitas.

De acordo com o The Verge, o Falcon 9 transportou o satélite de observação SAOCOM 1A – satélite argentino equipado com um radar que ajudará equipas de resgate a responder a “emergências e desastres naturais.

Apesar de esta já ser a 30ª aterragem com sucesso do módulo, a aterragem efectuada no passado domingo foi a primeira a acontecer na costa oeste dos EUA. No Twitter, as publicações multiplicaram-se com imagens e vídeos da faixa de luz azul, deixada pelo módulo do foguetão Falcon 9, que preencheu o céu de Los Angeles.

A tecnologia pioneira da SpaceX, que permite que o módulo do foguetão regresse à base de lançamento, servirá para reduzir os custos de produção de foguetões e dos seus lançamentos, atraindo negócios para o sector.

ZAP //

Por ZAP
10 Outubro, 2018

 

1036: Milionário japonês vai ser o primeiro turista a viajar até à Lua

Yusaku Maezawa, um empresário milionário japonês, vai ser o primeiro turista espacial da SpaceX, do magnata Elon Musk, anunciou na segunda-feira a empresa.

O empresário e coleccionador de arte nipónico, de 42 anos, recebeu a notícia com entusiasmo, num evento realizado na noite de esta segunda-feira na sede da empresa espacial, perto de Los Angeles, nos Estados Unidos.

“Sempre adorei a Lua, desde criança. Está sempre lá e continua a inspirar a humanidade”, disse Maezawa, o 14.º empresário mais rico do Japão, fundador das lojas online Start Today e Zozotown.

Para o acompanhar e “inspirar nesta viagem de sonho”, o empresário japonês anunciou que vai convidar entre seis a oito artistas, arquitectos e outros criativos.

De acordo com o fundador da SpaceX, Elon Musk, a viagem irá realizar-se em 2023, a bordo de um novo foguete – o BFR – que ainda está em fase de desenvolvimento.

Da terra à Lua é preciso percorrer cerca de 383.500 quilómetros. A sexta e última missão tripulada à Lua, Apollo 17, realizou-se há quase meio século, em 1942.

Dear Moon Project

MZ, como o milionário pediu para ser chamado durante o evento, anunciou ainda que criou uma iniciativa com a SpaceX para divulgar mais informações e em tempo real sobre a história viagem, apelidada de Dear Moon. Já há um site oficial com informações prévias, que incluem o cronograma do projecto.

Além disso, foi ainda lançada a hashtag #dearmoon para reunir todas as informações de MZ e da SpaceX sobre a viagem. Foram ainda criados perfis no Twitter e no Instagram bem como um canal no YouTube.

(dr) Dear Moon Project
Cronograma do projecto

Elon Musk disse que “a razão pela qual a SpaceX foi criada foi para acelerar o advento da humanidade se tornar uma civilização verdadeiramente espacial“. Na visão do CEO da SpaceX, a humanidade precisa de se tornar uma “civilização multi planetária”, uma vez que a “Terra tal como a conhecemos pode vir a ser destruída”.

Para Musk, a viagem espacial é algo que “nos deixa orgulhosos enquanto seres humanos”, acrescentando ainda que as livros Foundation (1951), de Isaac Asimov, forma uma peça-chave para o criação da SpaceX. O CEO reforçou ainda a a máxima defendida pelo autor: “a ficção científica de hoje é o fato científico de amanhã”.

Quanto ao custo associado ao desenvolvimento do BFR, Musk não adiantou um valor exacto, mas revelou que é de “aproximadamente de 5 mil milhões de euros”. O valor, explicou, não irá ultrapassará os 10 mil milhões, mas não será inferior a 2 mil milhões.

Apesar dos valores astronómicos, Musk considerou ser pouco para “um projecto desta magnitude”.

ZAP // Lusa / CanalTech

Por ZAP
18 Setembro, 2018

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico

1026: SpaceX irá levar passageiro privado numa viagem à volta da Lua

A SpaceX quer tornar o sonho de viajar pelo Espaço numa realidade e não para de trabalhar para alcançar esse objectivo. Aos poucos a empresa de Elon Musk vai fazendo progressos que inspiram o mundo.

A SpaceX anunciou via Twitter que um passageiro privado se registou para uma viagem à volta da Lua no foguetão BFR da empresa. Na próxima segunda-feira, Elon Musk irá desvendar mais detalhes num evento da SpaceX, ao qual pode assistir através da Internet.

O papel do BFR da SpaceX…

O foguetão BFR da SpaceX ainda se encontra em fase de desenvolvimento. Será o foguetão mais poderoso alguma vez construído e será capaz de transportar cem passageiros de cada vez nas viagens a Marte que se espera que realize daqui a alguns anos.

A principal missão deste novo foguetão da SpaceX será ajudar os primeiros astronautas em Marte durante a fase de colonização. Espera-se também que sirva de apoio em missões no planeta vermelho e que tenha outras funções que ainda iremos descobrir mais à frente.

A empresa do ramo Espacial de Elon Musk vê o BFR como o foguetão do futuro e o objectivo passa por, eventualmente, parar a produção de outros foguetões mais antigos e deixar que o Big Falcon Rocket assuma a liderança.

No futuro, o BFR deverá ser capaz de colocar satélites em órbita, ajudar na limpeza de lixo Espacial e até servir como meio de transporte no nosso planeta. O objectivo é estabelecer ligação entre qualquer cidade em menos de uma hora.

Actualmente, ainda estamos um pouco longe disso mas sabemos que alguém, em breve, irá numa viagem à volta da Lua no BFR e queremos saber que é…

O misterioso passageiro do BFR…

Para já, mesmo sem saber quem é este passageiro, podemos dizer que esta será uma viagem épica e que nunca ninguém esquece. Ainda assim a curiosidade existe e aumenta.

Elon Musk, através do Twitter deu-nos a primeira pista. Um utilizador da rede social, perguntou-lhe se seria ele o primeiro passageiro e o multi-milionário respondeu apenas com um emoji da bandeira do Japão.

Até à data de hoje, apenas 24 seres humanos foram até à Lua e ninguém visita este nosso satélite natural desde a missão Apollo 17 em Dezembro de 1972.

Para já a identidade do passageiro, tal como o objectivo da missão ainda são um mistério. Vamos aguardar pela próxima segunda-feira, dia 17 de Setembro, para ficarmos a conhecer mais pormenores.

pplware
14 Set 2018
Tomás Santiago

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico

839: SpaceX começará a transportar Humanos para o Espaço já no próximo ano

A SpaceX, empresa privada do ramo espacial criada por Elon Musk, tem tido imenso sucesso. Em Fevereiro deste ano, lançou o foguetão Falcon Heavy, um acontecimento que teve grande significado e que todo o mundo viu.

O transporte de seres humanos para o Espaço sempre foi um dos grandes objectivos da SpaceX e essa meta deverá ser cumprida em 2019.

NASA quer deixar de contar com os russos…

Desde 2011, ano em que a Space Shuttle voou pela última vez, que os astronautas norte-americanos utilizam veículos espaciais russos para chegar à Internacional Space Station (ISS). Mas a NASA quer mudar isso e a SpaceX é uma das empresas que irá ajudar.

Em 2014, o governo dos Estados Unidos pagou à SpaceX 2,6 mil milhões de dólares por num veículo que fosse capaz de transportar astronautas para órbita. O mesmo acordo foi feito com a Boeing mas num valor de 4,2 mil milhões de dólares.

Desde então, as datas de lançamento de ambos os projectos têm sido adiadas. No entanto, agora já temos datas que, aparentemente, são definitivas.

SpaceX estará pronta em 2019…

Esta quinta-feira, a NASA anunciou que a cápsula Dragon da SpaceX, criada para o transporte de seres humanos, estará pronta em 2019. Em primeiro lugar, em Novembro de 2018, será realizado um teste sem seres humanos abordo e passado cerca de 5 meses será realizada uma missão de teste semelhante mas que contará com a presença de astronautas.

A cápsula CST-100 da Boeing irá realizar também testes semelhantes. De acordo com a NASA deverão ser realizados no final de 2018/início de 2019 e em meados de 2019.

Se os testes tripulados forem realizados com sucesso, cada uma das cápsulas irá ser submetida a uma certificação da NASA.

Mas existe um pequeno problema…

Em Julho deste ano, foi lançado um relatório, realizado por uma agência norte-americana responsável por supervisionar as despesas do Estado, que prevê que a SpaceX termine o processo de certificação apenas em Fevereiro de 2020.

No entanto, os astronautas norte-americanos utilizam a cápsula russa Soyuz para chegar à ISS e o contrato termina em Novembro de 2019. A não ser que todo o processo ande mais rápido, a NASA terá que arranjar uma solução para transportar os seus astronautas até as cápsulas da SpaceX e Boeing estarem prontas.

pplware
03 Ago 2018

Tomás Santiago
Tenho 19 anos, sou do Porto e adoro tecnologia! Estudo Ciência de Computadores na faculdade de Ciências da Universidade do Porto e escrevo para o Pplware.

– Bom artigo, pena é escreveres em brasuquês. Corrigi para português de Portugal.

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=9a06390c_1533319163720]

737: Uma Dragon da SpaceX foi à Estação Espacial levar gelado e café bem forte

NASA Johnson / Flickr

Esta segunda-feira, uma cápsula Dragon da Space X chegou à Estação Espacial Internacional (EEI) com quase 3 toneladas de suplementos para os astronautas, incluindo café bem forte, mirtilos do Texas e uma surpresa especial: barras de gelado.

Através de um braço robótico, os astronautas da Estação Espacial Internacional capturaram a Dragon da Space X, carregada com um lote de Death Wish Coffee, conhecido como “o café mais forte do mundo“.

“Gostamos de manter os nossos astronautas super cafeinados”, disse Kirk Shireman, director do programa da estação espacial da NASA, brincando com este assunto. Esta inovação na “ementa” deve-se, ma verdade, ao facto de quererem dar aos astronautas uma guloseima diferente e completamente nova.

Mas este assunto não é brincadeira. A comida de um astronauta é extremamente importante dado que é um enorme benefício psicológico. “Quando vivemos num ambiente fechado, comemos o mesmo menu repetidamente. Esta é uma forma de ter algo diferente, um verdadeiro deleite”, sustenta Kirk.

Os mirtilos do Texas não são novidade. Esta fruta faz parte de uma carga tradicional de frutas e legumes frescos que compõem 2,700kg dos suplementos transportados para a Estação Espacial pela Dragon. Já o gelado é especial.

Cerca de 1,700kg a bordo da Dragon são totalmente dedicados à ciência. Ainda assim, sobre um espaço na área dos congelados para uma surpresa especial: barras de gelado para os astronautas.

Além do presente, foram também levadas para o espaço novas plantas, como alface e mostarda wasabi, além de uma tecnologia para testar de que forma as algas poderiam servir como uma potencial fonte de alimento.

O Dragon levou também uma tecnologia de micro-gravidade que irá testar a eficácia de medicamentos para tratamento do cancro, assim como uma peça de hardware que será montada no exterior da EEI para acompanhar como é que as plantas respondem ao stress térmico e à falta de água.

E, finalmente, o CIMON, um robô criado de raiz para ajudar os astronautas da Estação Espacial Internacional a completar tarefas.

A chegada da Dragon marcou a 15.ª missão de entrega da SpaceX na Estação Espacial Internacional. Antes de voltar à Terra, a cápsula permanecerá ligada à EEI durante um mês.

ZAP //

Por ZAP
6 Julho, 2018

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=486a8fda_1530869605286]

See also Blog

582: Câmara derrete enquanto fotografa lançamento de foguetão da NASA

Bill Ingalls / Facebook

Durante o lançamento do foguetão SpaceX Falcon 9, esta terça-feira, uma câmara fotográfica que filmava o momento derreteu.

A câmara do fotógrafo da NASA Bill Ingalls estava a registar o lançamento do foguetão SpaceX Falcon 9 quando derreteu. A Canon DSLR estava a cerca de 400 metros do lançamento, num complexo da Força Aérea da Califórnia, onde estavam mais cinco câmaras remotas.

No entanto, por incrível que pareças, todas as fotografias foram salvas. Segundo explicou o fotógrafo no Facebook, as fotografias ficaram todas guardadas e foram tiradas até ao momento em que a máquina derreteu.

Segundo o Jornal de Notícias, o fotógrafo regista lançamentos de foguetões desde 1989. Contudo, Bill Ingalls referiu que esta terá sido a primeira vez que uma das suas câmaras derreteu, sendo que outras que estavam mais perto do local não sofreram qualquer dano.

Quando a câmara deixou de ser um aparelho tecnológico e se transformou em labaredas, foram os bombeiros que a encontraram. “Pelo menos, ainda tirou uma foto (do lançamento do foguetão) antes de se desfazer”, disse o fotógrafo da NASA.

Para Bill Ingalls o problema sãos os resíduos que são projectados, como rochas que podem danificar ou, como neste caso, destruir o equipamento.

As câmaras que se encontram mais perto do lançamento de foguetões têm, geralmente, invólucros que as protegem. Por sua vez, as que estão mais longe têm filtros que protegem as suas lentes.

ZAP //

Por ZAP
24 Maio, 2018

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=b08a78dd_1527206204169]

474: SpaceX vai construir super-foguetão para Marte em Los Angeles

Empresa lançou na quarta-feira o satélite TESS, “caçador de planetas” | REUTERS/Joe Skipper

O BFR criado por Elon Musk deverá iniciar missões ao planeta vermelho em 2022

A cidade dos anjos foi o local escolhido pela SpaceX para construir o seu projecto mais ambicioso de sempre, um foguetão gigante capaz de levar mercadoria e humanos para Marte. Com nome de código BFR, que começou por significar Big Fucking Rocket e agora é referido como Big Falcon Rocket, o foguetão será construído em instalações que vão ser construídas de raiz no Porto de Los Angeles.

O Conselho de Comissários de Portos de LA aprovou ontem a licença n.º 937 que autoriza a SpaceX a construir a sua fábrica de naves espaciais numa área de quase oito hectares arrendada à cidade. O contrato inicial é de dez anos, com uma renda anual de 1,38 milhões de dólares, e mais duas opções de extensão de dez anos cada. Ou seja, a SpaceX poderá contar com este terreno durante os próximos trinta anos.

“Não sabemos exactamente o que vamos construir, mas sabemos que é grande. E que não pode ser transportado por camião”, disse Bruce McHugh, director de construção e imobiliário da SpaceX, aos comissários do Porto de LA que aprovaram o projecto. Foi por isso que a empresa procurou um terreno junto ao porto, porque o BFR só poderá ser transportado por navio. A primeira fase vai durar um ano e compreende a construção de um hangar gigantesco, onde estarão 20 engenheiros e 20 técnicos a tentar perceber como desenvolver o BFR. “Estamos a construir uma nave que nunca foi construída antes”, explicou McHugh.

A empresa já usa o Porto de Los Angeles desde 2012 para operações de recuperação de boosters do Falcon 9 e das cápsulas que caem no oceano de para-quedas após participarem em missões à estação espacial internacional. “O porto vai ter um papel importante na nossa missão de ajudar a tornar a humanidade multi-planetária, à medida que a SpaceX começa o desenvolvimento da produção do BFR – o nosso foguetão e nave espacial de próxima geração capaz de levar tripulação e carga para a Lua, Marte e mais além”, sublinhou a directora de operações da SpaceX, Gwynne Shotwell.

O projecto inclui instalações de pesquisa, design e produção de foguetões e naves e tem o potencial de criar 700 empregos especializados. Vai ocupar um terreno que não tem inquilinos desde 2005, porque o anterior deixou o solo contaminado. A recuperação da área valerá à SpaceX alguns milhões em créditos para abater à renda anual.

Esta aprovação conclui as negociações que começaram em 2015, antes mesmo de o CEO Elon Musk fazer a apresentação pública do que chamou então “sistema interplanetário de transporte” e a ambição de colonizar Marte. A primeira missão, não tripulada, está marcada para 2022. “Este é um veículo que promete levar a humanidade para as profundezas do espaço mais do que nunca”, disse o mayor de LA, Eric Garcetti, sobre o investimento.

DN
20 DE ABRIL DE 2018 00:19
Ana Rita Guerra, Los Angeles

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=9cf700db_1524214601898]

“Caçador” de exoplanetas da NASA vai para o espaço com portugueses “a bordo”

O novo “caçador” de planetas fora do nosso sistema solar da agência espacial dos Estados Unidos, NASA, vai ser lançado para o espaço na segunda-feira, numa missão em que participam cientistas portugueses.

O lançamento do telescópio TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite, Satélite de Rastreio de Exoplanetas em Trânsito) será feito a bordo do foguetão Falcon 9, da empresa aeroespacial privada SpaceX, da base de Cabo Canaveral, na Florida, nos Estados Unidos.

A hora de lançamento está marcada para as 18:32 locais (23:32 em Lisboa), segundo a NASA, que tem feito esta semana a contagem decrescente no seu portal.

Dois meses após a colocação na órbita terrestre, e depois de testados os instrumentos, o satélite artificial começará a sua missão, que tem uma duração inicial de dois anos.

© ESO/M. Kornmesser “Caçador” de exoplanetas da NASA vai para o espaço com portugueses “a bordo”

Ao contrário do telescópio espacial Kepler, também da NASA, que ‘caçou’ mais de 2.600 exoplanetas numa determinada zona do céu, a maioria a orbitar estrelas pouco brilhantes, entre 300 e 3.000 anos-luz da Terra, o TESS vai procurar novos planetas fora do Sistema Solar em todo o céu.

No primeiro ano da missão será observado o hemisfério sul e no segundo ano o hemisfério norte, com o telescópio a concentrar-se em planetas que orbitam estrelas próximas da Terra, a menos de 300 anos-luz, e 30 a 100 vezes mais brilhantes do que as estrelas-alvo do Kepler.

Na missão TESS participa o investigador Tiago Campante, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, que esteve envolvido no planeamento científico, nomeadamente na selecção de estrelas-alvo a observar.

Com o telescópio em funcionamento, e do qual são esperados os primeiros dados compilados no fim do ano ou em Janeiro, o astrofísico vai estudar em particular a vibração (oscilações no brilho) das estrelas a partir da decomposição da sua luz.

Estas oscilações permitem caracterizar detalhadamente as estrelas, como a sua massa, o diâmetro e a idade, conforme explicou anteriormente à Lusa o cientista, contemplado este ano com uma bolsa europeia Marie Curie no valor de 160 mil euros.

Tiago Campante sublinhou que o telescópio vai fazer “a detecção, o levantamento” de exoplanetas “por todo o céu”.

Planetas que possam, inclusive, estar na chamada ‘zona habitável’ da estrela (planetas nem demasiado perto nem demasiado longe da estrela-mãe e que, por isso, poderão ter à superfície água líquida, elemento essencial para a vida tal como se conhece).

O astrofísico adiantou que a validação dos novos planetas extras-solares detectados será feita em terra com outros telescópios por outros investigadores, incluindo portugueses, do núcleo do Porto do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, especialista neste tipo de planetas.

Lusa
msn notícias
SIC Notícias
13/04/2018

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=200aeb4e_1523652129354]