161: NASA quer lançar o foguetão mais poderoso de sempre já em 2019

MSFC / NASA

A NASA está a preparar os últimos detalhes para o lançamento da Orion, a sua nova nave espacial. A missão envolve o Space Launch System, o foguetão mais poderoso de sempre.

Ao que tudo indica, a missão da Orion, a nave de exploração espacial desenvolvida pela NASA para transportar astronautas à Lua, a Marte e a asteróides próximos, irá começar já no próximo ano, com o lançamento daquele que é o foguetão mais poderoso de sempre: o Space Launch System.

O foguetão será o primeiro passo para a Orion iniciar a sua trajectória em torno da Lua e de regresso à Terra. Durante a viagem, que irá durar 25 dias, vão ser percorridos quase 400 mil quilómetros a uma velocidade de quase 40 km/h.

O segundo passo baseia-se num novo lançamento, previsto para o início da década de 2020, mas desta vez com humanos a bordo. Será a primeira missão tripulada da NASA, numa nave espacial própria, desde o encerramento do programa Space Shuttle, em 2011.

Segundo a Exame Informática, as duas missões têm como objectivo lançar as bases de uma plataforma que permita à NASA enviar astronautas para a exploração de asteróides, e levar o Homem a Marte – ou mesmo a outros planetas mais distantes.

Os especialistas da NASA afirmam que o lançamento está previsto para Dezembro de 2019. No entanto, os engenheiros da agência espacial norte-americana reconhecem a possibilidade de o SLS ser lançado só em Junho de 2020.

Embora a maioria dos projectos da NASA se encontrem em desenvolvimento, a agência espacial norte-americana faz uso da sua experiência de construção para melhorar a eficiência da produção e da organização do processo.

Recentemente, o fotógrafo Vincent Fournier, da revista Wired, passou 20 dias, em exclusivo, nas instalações onde está a ser preparada a missão. Segundo o fotógrafo, estão a ser realizados vários testes para testar o desempenho do Space Launch System.

Todas as peças estão a ser modeladas de forma a entender como a vibração dos motores as pode afectar. Os engenheiros estão, também, a criar réplicas do foguetão que serão testadas em túneis de vento, para aferirem o seu comportamento.

Uma das réplicas é um modelo à escala, que mede apenas um metro, e será pintada de cor-de-rosa para brilhar sob a luz negra com maior intensidade, conforme a quantidade de oxigénio que atinja.

(dr) Vincent Fournier / Wired

Nestes testes, o oxigénio serve de substituto para a pressão e ajuda a entender exactamente onde é que o foguetão será sujeito a um maior desgaste.

Os depósitos de combustível são construídos com cilindros de metal a roda em peças de alumínio que, depois de fundidos, serão analisados à luz de ultra-sons e raios-X.

Todo este processo implica grande rigor e, sobretudo, tempo. O tanque de hidrogénio, por exemplo, demora cerca de três dias a ser movido da horizontal para a vertical e implica o uso de duas gruas orientadas por GPS e um sistema de alinhamento a laser.

Certo é que, mais cedo ou mais tarde, a NASA irá lançar o foguete mais poderoso de sempre – com a missão de levar de novo ao espaço uma missão tripulada com astronautas seus.

ZAP //

Por ZAP
5 Dezembro, 2017

[vasaioqrcode]

[SlideDeck2 id=42]

[powr-hit-counter id=a133de60_1512476095130]