2619: Colossal radiotelescópio da China acabou de ouvir um sinal bizarro no espaço

CIÊNCIA

Chama-se FAST e é um colossal radiotelescópio que foi criado pela China. Custou quase 200 milhões de euros e demorou mais de cinco anos para entrar em funcionamento. Este telescópio esférico tem um prato fixo de 500 metros de abertura. Situa-se na cadeia de montanhas na província Guizhou do sudoeste Chinês e é apelidado com uma verdadeira maravilha da tecnologia.

Segundo informações, o maior radiotelescópio completo da Terra detectou um sinal de rádio notoriamente estranho que irradia pelo espaço.

China ajuda a detectar intrigantes Rajadas Rápidas de Rádio

De vez em quando, os radiotelescópios na Terra detectam sinais poderosos de fontes desconhecidas. Estas Rajadas Rápidas de Rádio (em inglês FRB), são frequentemente flashes singulares, mas alguns deles têm sido observados a aparecer repetidamente em intervalos aparentemente aleatórios.

Um sinal em particular, conhecido como FRB 121102, é conhecido por aparecer várias vezes. Agora, o novo colossal radiotelescópio da China ouviu-o alto e claro.

Sinais estranhos e que se desconhece a origem

Ninguém sabe realmente o que cria os FRBs, e isso faz parte do que os torna tão excitantes para os cientistas. Pelo facto de que a maioria deles são explosões únicas, mas que outros como o FRB 121102 continuam a repetir torna o processo que os impulsiona ainda os torna mais misteriosos.

O equipamento da China está pronto para uma revisão final do projecto concluído no final deste mês. Dessa forma, os cientistas dizem que já usaram o telescópio para detectar um sinal de rádio notoriamente estranho que viaja pelo espaço.

Uma vez aprovada a revisão ao radiotelescópio, o FAST torna-se num telescópio aceite para explorar o Universo. O Fast tem sido aberto aos astrónomos chineses desde Abril de 2019. Posteriormente, após a Aceitação Nacional de Construção, ele será aberto a astrónomos de todo o mundo.

Referiu, em comunicado, Jiang Peng, engenheiro responsável do FAST.

FRB 121102 é um fenómeno detectado há pouco tempo

Pese o facto desta rajada, FRB 121102, ter sido identificada pela primeira vez em 2012 pelo Observatório Arecibo em Porto Rico, só voltou a ser detectada recentemente pelo FAST. Mais concretamente foi no dia 30 de Agosto. Posteriormente, deu-se uma repetição a 3 de Setembro, quando mais de 20 pulsos foram registados. Isso caracteriza este sinal como particularmente persistente.

Este evento particular foi especialmente significativo. Isto porque nenhum outro telescópio na Terra alguma vez detectou tantas repetições do sinal num período de tempo tão curto, Desa forma, este feito do novo telescópio da China poderá ajudar a desvendar os segredos do sinal.

Portanto, olhando para o futuro, o FAST terá as suas mãos cheias, com investigadores à espera de o poder usar na contínua procura por pulsares distantes, elementos como o hidrogénio e, é claro, Rajadas Rápidas de Rádio adicionais.

2446: Já temos uma maneira para saber se extraterrestres estão a tentar comunicar connosco

CIÊNCIA

snvv / Canva

Caso extraterrestres estejam a usar raios laser para tentar comunicar connosco, já temos uma maneira de os detectar. O VERITAS consegue captar flashes de luz de nanos-segundos.

Há muitos anos que a ciência se dedica a analisar milhares de exoplanetas para tentar perceber se poderá haver indícios de vida semelhante à Terra. Há teorias que sugerem que os extraterrestres tentam comunicar connosco, mas simplesmente ainda não percebemos como interpretar esses sinais — pelo menos até agora.

Caso os extraterrestres estejam a usar raios laser para nos enviar sinais, os cientistas já descobriram uma forma de os detectar. O Search for Extraterrestrial Intelligence (SETI) é um projecto que tem por objectivo a constante procura por vida inteligente no espaço e anunciou recentemente que vai começar a procurar por sinais de tecnologia extraterrestre através do Very Energetic Radiation Imaging Telescope Array System, mais conhecido por VERITAS.

Com este conjunto de telescópios, os cientistas vão conseguir analisar o céu à procura de flashes de luz de nanos-segundos. “Quando se trata de vida inteligente além da Terra, não sabemos onde ela existe ou como comunica”, explicou Yuri Milner, físico de partículas criador do programa Listen do SETI.

Como tal, os cientistas tentam procurar no máximo de sítios possível. “O VERITAS expande ainda mais o nosso alcance de observação”, acrescentou Yuri.

“Com o VERITAS, somos sensíveis a uma importante nova classe de sinais: pulsos óticos rápidos”, disse Andrew Siemion, director do centro investigação do SETI. Esta tecnologia já é usada pela NASA para transmitir imagens de alta definição directamente da Lua para a Terra.

O VERITAS permite ainda captar sinais a uma distância muito maior do que antes, aumentando assim a probabilidade de os cientistas captarem sinais mais fracos, que antes passariam despercebidos.

Composto por quatro telescópios com 12 metros de altura, “é impressionante como o VERITAS encaixa tão bem neste projecto”, conta David Williams, professor de física na Universidade da Califórnia, citado pela Live Science.

“Algures no cosmos, talvez vida inteligente esteja a observar as nossas luzes, conscientes do que elas significam”, disse o icónico Stephen Hawking no lançamento do programa Listen, em 2015. Esta iniciativa, que contou com um financiamento de 100 milhões de dólares, já analisou mais de mil estrelas à procura de sinais extraterrestres, mas sem o sucesso desejado.

ZAP //

Por ZAP
14 Agosto, 2019

 

2332: Não há explosões suficientes no Espaço que expliquem os estranhos sinais de rádio

CIÊNCIA

OzGrav, Swinburne University of Technology

Muitos dos mais brilhantes e estranhos fenómenos no espaço vêm de eventos cataclísmicos, como explosões ou colisões.

As rajadas rápidas de rádio são um dos fenómenos mais intrigantes de todo o Universo. Estes sinais cósmicos são extremamente poderosos, podendo mesmo gerar tanta energia como centenas de milhões de sóis. Apesar da sua energia, estas emissões são breves e pontuais, sendo, por isso, difícil de as detectar e estudar directamente.

Ou seja, os cientistas não conseguem “prever” a observação destes fenómenos. A menos que um radiotelescópio – com um campo de visão relativamente estreito – esteja direccionado exactamente na área exacta do céu em que essa explosão é dispara, o sinal cósmico é perdido.

FRBs são rajadas de milissegundos de poderosas ondas de rádio que vêm das profundezas do espaço. Já se pensou ter diversas fontes diferentes, desde fusões de estrelas de neutrões a naves espaciais alienígenas, mas nenhuma explicação está, para já, confirmada.

Os astrónomos falaram pela primeira vez da existência de misteriosos explosões rápidas de rádio (FRB) em 2007, quando foram descobertas acidentalmente enquanto se observavam os pulsares de rádio com o Telescópio Parks na Austrália.

Nos anos subsequentes, os cientistas encontraram vestígios de mais três dezenas de tais explosões, cuja comparação mostrou que poderiam ser de origem artificial, e até mesmo ser potenciais sinais de civilizações extraterrestres, por causa da periodicidade inexplicável da sua estrutura.

Todas elas tinham uma coisa em comum – a potência extremamente elevada e a distância invulgarmente longa até às suas fontes. Assim, os astrónomos assumiram inicialmente que tais rajadas surgem durante a fusão de estrelas de neutrões ou de outros objectos compactos que se transformam num buraco negro.

A maioria dos FRBs que encontramos aparecem apenas uma vez, mas três parecem repetir-se, enviando várias ondas de rádio pelo espaço. Esses três não podem vir de eventos cataclísmicos como colisões de estrelas de neutrões ou super-novas que destroem seus progenitores.

Agora, Vikram Ravi, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, calculou que o resto dos sinais provavelmente também não virá desses eventos. O cientista usou algumas das FRBs não repetitivas mais próximas para calcular um limite inferior de frequência com que ocorrem e comparou essa taxa com as taxas de eventos cataclísmicos no universo próximo.

“A taxa de FRBs parece ser maior do que a taxa de qualquer coisa que podemos realmente pensar que pode fazer uma FRB apenas uma vez”, disse Ravi, de acordo com o New Scientist. Isso significa que um único tipo de explosão ou colisão não pode contabilizar todos os FRBs.

É possível que todas as propostas de fontes cataclísmicas sejam simultaneamente corretas, mas talvez seja mais provável que a maioria – ou mesmo todas – das FRBs sejam, na verdade, repetidoras.

Dessa forma, cada fonte produz várias explosões ao longo da sua vida útil. Podemos não estar a detectar todas as explosões repetidas porque são mais lentas ou mais fracas do que as fontes repetidas.

“Não acho que podemos descartar que haja várias classes de coisas que surgem no céu da rádio”, afirmou Victoria Kaspi, da McGill University, em Montreal, Canadá. “Suspeitamos e temos alguma evidência de que existem várias classes e que fracção pertence a cada classe é desconhecida.” Como nenhum dos modelos actuais se encaixam bem, a cientista diz que também é possível que os FRBs se formam através de eventos que nunca vimos .

“Precisamos de dizer muito especificamente de que tipo de galáxias FRBs vêm e de onde vêm essas galáxias”, disse Ravi. Apenas três foram localizados até agora. “Se estamos a fazer o nosso trabalho correctamente, devemos conseguiu descobrir isso nos próximos cinco anos.”

ZAP //

Por ZAP
19 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

1694: Revelada origem de misteriosos sinais extra-galácticos

NASA

Novos achados lançam luz sobre a origem do misterioso fenómeno espacial FIRST J141918.9 e revelam que representa uma explosão longa de raios gama “órfã”.

Usando um conjunto de radiotelescópios, astrónomos europeus estudaram o FIRST J141918.9+394036 e chegaram a várias hipóteses para a origem do fenómeno misterioso.

Um transiente de rádio é uma substância extra-galáctica de evolução lenta cujo brilho tem diminuído gradualmente nos últimos anos. O recente estudo revelou que este fenómeno poderia ser um resplendor no rescaldo de uma poderosa explosão de raios gama.

Entretanto, descobriu-se que os raios gama emitidos são indetectáveis na Terra, o que dá o nome ao fenómeno – a primeira explosão “órfã” de raios gama na história, de acordo com o novo estudo publicado no arXiv.

A emissão de rádio proveniente do FIRST J1419+3940 também poderia ser explicada por uma nebulosa recém-nascida alimentada por uma jovem magnetar, caracterizada por um campo magnético extremamente forte.

Como o transiente tem características e galáxia hospedeira semelhantes à fonte de rádio associada às primeiras rajadas rápidas de rádio repetidas FRB 12102, alguns astrónomos supuseram que FIRST J1419+3940 é uma magnetar relativamente nova que gira rapidamente.

Os astrónomos confiaram numa rede de telescópios para descobrir qual das duas hipóteses é a mais plausível: “Para distinguir estas hipóteses, realizamos observações de rádio usando a Rede Europeia de Interferometria de Longa Linha de Base em 1,6 GHz para resolver a emissão de forma espacial e encontrar rajadas de rádio com duração de milissegundos”, informaram os astrónomos liderados por Benito Marcote.

A equipe de Marcote acredita que o FIRST J1419+3940 é uma pequena fonte de rádio com uma densidade de fluxo ao nível de 620 microjansky. Com uma distância de luminosidade de cerca de 283 milhões de anos-luz, o tamanho da fonte foi estimado em cerca de 5,2 anos-luz.

Paralelamente, as observações não detectaram explosões de duração ao nível de milissegundos de origem astrofísica a partir deste objeto e confirmaram que a emissão de rádio proveniente dele não é térmica.

Os investigadores notaram que o FIRST J1419+3940 ainda poderia produzir rajadas rápidas de rádio, admitindo que é necessário realizar mais estudos do local.

ZAP // Phys

Por ZAP
10 Março, 2019

[vasaioqrcode]