5095: A SpaceX tem planos para criar um serviço telefónico Starlink

CIÊNCIA/SPACE X/TECNOLOGIA

PIRO4D / Pixabay

Um novo documento da SpaceX descreve os planos para a Starlink oferecer serviço telefónico, backup de emergência para chamadas de voz e planos mais baratos para pessoas com baixos rendimentos através do programa governamental Lifeline.

De acordo com o ArsTechnica, os detalhes destes planos estão na petição da Starlink à Comissão Federal de Comunicações para designação como Operadora de Telecomunicações Elegível (ETC) nos termos da Lei de Comunicações.

A SpaceX disse que necessita desta designação legal em alguns dos estados onde ganhou financiamento do Governo para implantar banda larga em áreas não atendidas.

A designação ETC também é necessária para obter reembolso do programa Lifeline da FCC por oferecer descontos em serviços de telecomunicações para pessoas com baixos rendimentos.

O Starlink está em versão beta e custa 99 dólares por mês, mais uma taxa única de 499 dólares para o terminal de utilizador, tripé de montagem e router.

O documento da SpaceX também revela que a Starlink tem agora mais de 10 mil utilizadores nos Estados Unidos e no exterior.

A SpaceX deve ter capacidade para vários milhões de clientes nos Estados Unidos – a empresa tem permissão para implantar até um milhão de terminais de utilizador – antenas parabólicas – e está a procurar conseguir a permissão da FCC para aumentar o nível máximo de implantação para cinco milhões de terminais de utilizador.

Serviço telefónico e backup de emergência

Embora o Starlink beta inclua apenas banda larga, a SpaceX disse que acabará por vender o serviço VoIP (Voz sobre IP) que inclui “(a) acesso de nível de voz à rede telefónica pública comutada (PSTN) ou seu equivalente funcional; (b) minutos de uso local serviço prestado sem custo adicional aos utilizadores finais; (c) acesso a serviços de emergência; e (d) serviços de limitação de pedágio para consumidores de baixos rendimentos qualificados”.

O serviço de voz será vendido “numa base independente a taxas que são razoavelmente comparáveis ​​às taxas urbanas“, segundo a SpaceX.

O plano não está finalizado, mas a SpaceX disse que está a explorar o uso de “uma plataforma de voz de provedor de serviços gerenciados (MSP) de marca branca”. A SpaceX disse que também está explorando outras opções de serviço telefónico.

Como outros provedores de VoIP, a Starlink venderia uma bateria reserva 24 horas aos clientes que o desejassem. “No nível do utilizador, a Starlink Services oferecerá uma opção de backup de bateria 24 horas para o equipamento do utilizador que fornecerá a capacidade de fazer chamadas em caso de queda de energia”.

“Catapultou-nos para o século XXI”. SpaceX dá a tribo indígena acesso antecipado à Internet Starlink

Uma tribo indígena no estado de Washington, nos Estados Unidos, recebeu uma grande actualização de Internet, obtendo acesso antecipado à…

Ler mais

A oferta de reserva de 24 horas satisfaria uma regra da FCC aprovada em 2015 sob o então presidente Tom Wheeler. Embora a opção de backup descrita no pedido da SpaceX se aplique ao serviço telefónico, o terminal de utilizador pode fornecer banda larga com uma fonte de alimentação portátil.

A SpaceX não forneceu muitos detalhes sobre os planos da Lifeline, além do facto de que pretende oferecê-los. “A Starlink Services actualmente não tem clientes Lifeline porque apenas as operadoras designadas como ETC podem participar do programa Lifeline”.

Porém, assim que receber a designação ETC, a SpaceX “fornecerá a Lifeline para qualificar consumidores de baixos rendimentos e divulgará a disponibilidade do serviço Lifeline de uma forma razoavelmente projectada para alcançar aqueles que provavelmente se qualificam para o serviço.”

O processo da SpaceX também revela que a banda larga e o telefone Starlink serão oferecidos como serviços de operadora comum. “Para os fins desta designação [ETC], a Starlink Services fornecerá serviço de acesso à Internet de banda larga e serviço de voz autónomo ao público em todas as áreas de serviço numa base de operadora comum”.

Por Maria Campos
9 Fevereiro, 2021