2130: A Astronomia foi fundamental para o sucesso do desembarque na Normandia

CIÊNCIA

U.S. Coast Guard, Department of Defense

O papel da Astronomia no planeamento do desembarque na Normandia foi fundamental para o sucesso dos Aliados, sobretudo para estudar as marés.

Num artigo publicado na Sky & Telescope, o astrónomo da Universidade Estadual do Texas, Donald Olson, destacou a influência da Astronomia no destacamento de tropas aliadas nas praias da Normandia, marco com mais de 75 anos.

Nas décadas após a Segunda Guerra Mundial, os estrategas da invasão perceberam de forma clara que, para além da necessidade de Lua abundante oriunda da Lua durante a noite, a hora do nascer do sol e os efeitos das fases da Lua nas marés desempenhariam um papel crucial para a escolha da data do desembarque.

A posição do Sol e da Lua relativamente à Terra determina a força das marés e os períodos de tempo com águas baixas ou alta, explicou o cientista.

Os Aliados exigiram uma maré baixa por volta do amanhecer e, nesta parte da costa da Normandia, esta maré só ocorre perto de uma lua nova ou lua cheia. A conjugação destes critérios deixou os Aliados com três potenciais datas em vista: 5, 6 e 7 de Junho. Nenhum destes dias apresentava uma “Lua crescente tardia”.

“Uma invasão de primavera em Maio ou Junho foi o ideal, porque esta data deixaria às forças aliadas todo o verão para fazer recuar as forças alemães anda antes de o mau tempo chegar com a entrada do Outono ou do Inverno (…) Os preparativos para a invasão não foram concluídos em Maio, então o general Dwight D. Eisenhower adiou o ataque até Junho”, sustentou Donald Olson.

“Os Aliados queriam pouca água para explodir os obstáculos alemães na praia, mas também queriam que a água subisse para que pudessem chegar à praia com os barcos e para estes não ficarem presos (…) Se vissem uma maré descendente, a embarcação de desembarque ficaria parada durante 12 horas, o que era uma parte importante do plano do Dia D: o aumento da água, logo após a maré baixa”.

Contudo, esta estreita janela de oportunidade também foi contra aquilo que esperavam os Aliados a 6 de Junho de 1944. A diferença entre a maré baixa e maré alta era de 6 metros. Perto da maré baixa no Dia D, as defesas submarinas dos alemães foram expostas para serem destruídas pelas tripulações de demolição dos Aliados.

O problema neste espaço de tempo, explicou, era que as equipas de demolição tinham apenas 30 minutos para completar a tarefa, sob fogo inimigo, antes que a maré que ia subindo fosse demasiado profunda. Às 7 da manhã do dia 6 de Junho, o nível da água subia 30 centímetros a cada 10 minutos.

Esta subida acelerada fez com que as equipas de demolição eliminassem com sucesso apenas cinco dos 16 buracos previstos pelas defesas submarinas de Omaha Beach. A consequente perda de vidas relacionada com as restantes defesas submarinas contribuiu para o apelido da praia de Bloody Omaha.

ZAP //

Por ZAP
7 Junho, 2019