2519: Cientistas deram passo gigantesco para salvar o rinoceronte-branco do norte

CIÊNCIA

Ol Pejeta

Cientistas anunciaram, na última sexta-feira, ter conseguido colher óvulos de Najin e Fatu, os últimos dois exemplares do rinoceronte-branco do norte.

Actualmente, há apenas dois exemplares do rinoceronte-branco do norte: Najin e Fatu. Mas, agora, temos a esperança renovada para conseguir manter a sobrevivência desta espécie. Segundo o Science Alert, cientistas anunciaram, na última sexta-feira, ter conseguido colher óvulos da mãe e filha.

“Conseguimos colher um total de dez ovócitos — cinco da Najin e cinco da Fatu —, mostrando que as duas fêmeas ainda podem fornecer óvulos e assim ajudar a salvar estas criaturas magníficas”, disse o especialista em reprodução animal Thomas Hildebrandt, do Leibniz Institute for Zoo and Wildlife Research, situado em Berlim.

O objectivo agora é inseminar artificialmente os óvulos com espermatozóides crio-preservados de dois rinocerontes-brancos do norte machos já falecidos, Suni e Saút.

Depois, se tudo correr como planeado, o embrião resultante poderia ser transferido para uma mãe substituta da outra subespécie — o rinoceronte-branco do sul — que poderia levar ao nascimento do feto. Isto porque Najin e Fatu, filha e neta de Sudan, têm problemas de saúde que as impediria de ir para a frente com uma gravidez.

Apesar dos desafios, depois do sucesso da extracção dos óvulos — algo nunca antes tentado com rinocerontes-brancos do norte — os investigadores estão muito motivados.

“Estava aqui há cinco anos quando descobrimos que Fatu e Najin não seriam capazes de se reproduzir naturalmente, e quando percebemos que precisávamos de tentar meios artificiais. Agora, isso está finalmente a acontecer”, congratulou-se Jan Stejskal, do jardim zoológico Dvůr Králové, na República Checa, à National Geographic.

Depois do procedimento de colheita dos óvulos, durante o qual mãe e filha foram colocadas sob anestesia geral, as duas rinocerontes estão agora a recuperar. Entretanto, os óvulos vão ser transportados para Itália, onde os cientistas vão iniciar cuidadosamente o processo de fertilização com o sémen preservado — com base na investigação de fertilização in vitro com rinocerontes publicada no ano passado.

ZAP //

Por ZAP
26 Agosto, 2019