4212: O consumo de recursos naturais teve uma diminuição histórica. A culpa é da Covid-19

CIÊNCIA/ECOLOGIA/CORONAVÍRUS

Nicolas Raymond / Flickr

Com a pandemia de Covid-19 a assombrar a população mundial, é agora possível  reconhecer uma consequência positiva do vírus para a Terra. Em comparação com o mesmo período do ano passado, o Planeta Azul teve uma redução de 9,3% na pegada ecológica deixada pela humanidade.

A humanidade tem vindo a ser a principal causadora de destruição de importantes recursos naturais oferecidos pelo planeta Terra. Contudo, os dados apresentados mostram que houve uma diminuição drástica na utilização recursos naturais, em resultado da pandemia do novo coronavírus – revela o The Guardian.

O Earth Overshoot Day, o dia em que o consumo humano excede o que a natureza é capaz de regenerar durante um ano, teve um retrocesso de mais de três semanas – o que corresponde ao período de 29 de Julho a 22 de Agosto deste ano. “Este dia é uma forma de ilustrar o desafio ecológico que enfrentamos”, disse Mathis Wackernagel, presidente da Global Footprint Network.

O atraso de três semanas entre as datas do Earth Overshoot Day em 2019 e 2020, representa uma mudança histórica. Desde a década de 1970, início do overshoot global, que não haviam alterações positivas tão significativas. Contudo, Wackernagel diz que apesar de os dados deste ano serem motivadores, é necessário continuar a caminhar em prol de uma evolução.

De acordo com uma pesquisa da Global Footprint Network, as restrições impostas pelo coronavírus levaram a uma redução de 9,3% na pegada ecológica da humanidade. No entanto, para continuar a consumir recursos ecológicos de forma equilibrada, seriam ainda necessários, aproximadamente, 1,6 planetas Terra.

Wackernagel garante que a sustentabilidade do planeta é essencial e está ao alcance de todos, pois “temos uma escolha muito simples, a prosperidade de um planeta ou miséria de um planeta”.

Também Mike Childs, director político da Friends of the Earth, deixou um alerta importante. “A melhoria deste ano deve-se exclusivamente à Covid-19. A menos que haja uma mudança significativa na maneira como agimos, a situação provavelmente voltará ao normal, ou então irá piorar nos próximos anos”, remata.

A redução da actividade humana durante o período de quarentena levou a um consumo muito mais baixo no que toca aos recursos do planeta. Os animadores resultados de 2020 só podem ser equiparado aos níveis apresentados no ano de 2006.

ZAP //

Por ZAP
23 Agosto, 2020

 

spacenews

 

2666: Há décadas que o buraco na camada de ozono não estava tão pequeno (e pode estar quase curado)

CIÊNCIA

(cv) Seeker / Youtube

Após um enorme esforço global, a camada de ozono sobre a Antárctida é a mais pequena em décadas. Nesse ritmo de recuperação, a agência ambiental das Nações Unidas declarou que a maior parte da camada de ozono será completamente curada durante a nossa vida.

Desde 2000 que partes da camada de ozono se recuperam a uma taxa de 1 a 3% a cada 10 anos, de acordo com a mais recente avaliação científica da deplecção de ozono. Espera-se que a taxa sugira que o Hemisfério Norte e o ozono de latitude média se curem completamente até aos anos 2030, com o Hemisfério Sul reparado nos anos 2050.

O ozono é uma molécula composta por três átomos de oxigénio. 10% do ozono atmosférico pode ser encontrado na troposfera, que se estende ao nível do solo até a uma altitude de cerca de sete quilómetros. No nível do solo, o ozono é um poluente do ar, formado por subprodutos na combustão de escapamento de veículos e combustíveis fósseis.

A camada de ozono é uma região da estratosfera da Terra com altas concentrações de ozono gasoso que ajuda a proteger o planeta dos raios ultravioleta nocivos do Sol.

O uso de certos produtos químicos fabricados pelo homem, especialmente refrigerantes e solventes manufacturados, pode actuar como substâncias que destroem o ozono após serem transportados para a estratosfera, causando o esgotamento da camada e a formação de um “buraco”.

Actualmente, o buraco na camada de ozono da Antárctica está a passar por um surto de crescimento sazonal que começa todos os anos em Agosto e atinge o pico em Outubro. Dados recentemente divulgados pelo Serviço de Monitorização de Atmosfera Copernicus (CAMS) mostraram que o ozono está a comportar-se de uma forma “muito incomum”.

Embora o buraco de ozono deste ano tenha crescido sob algumas condições estranhas, fazendo com que pareça mais distante do pólo do que o habitual, os meteorologistas prevêem que ainda está a caminhar para a menor área de qualquer buraco de ozono na Antárctida em 30 anos.

“As nossas previsões mostram que permanecerá pequeno esta semana e esperamos que o buraco de ozono deste ano seja um dos menores que temos visto desde meados da década de 1980″, disse Antje Inness, cientista sénior do CAMS, em comunicado.

Depois de o buraco no ozono ter sido descoberto em 1985, o mundo agiu rapidamente para resolver o problema. Em 1987, 196 países e a União Europeia assinaram o Protocolo de Montreal para eliminar gradualmente a produção de quase cem substâncias responsáveis ​​pela destruição do ozono.

Até ao momento, este continua a ser o único tratado das Nações Unidas a ser adoptado por todos os Estados membros. Como os resultados reafirmam, o protocolo foi um sucesso sem precedentes.

No momento em que o mundo está a oscilar no precipício de mudanças climáticas catastróficas, a recuperação do buraco na camada de ozono serve como um lembrete de que é possível que o mundo resolva os seus problemas ambientais por meio de acções colectivas e mudanças políticas.

“O Protocolo de Montreal foi um sucesso tão grande por causa do apoio global unânime”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, em comunicado da ONU. “Devemos lembrar que o Protocolo de Montreal é um exemplo inspirador de como a humanidade é capaz de cooperar para enfrentar um desafio global e um instrumento fundamental para enfrentar a crise climática de hoje”.

ZAP //

Por ZAP
19 Setembro, 2019

 

1065: Aquecimento global no Pleistoceno elevou nível do mar até 13 metros

leungchitak / Flickr

O aquecimento global no final do período do Pleistoceno, com temperaturas similares às previstas para este século, reduziu a camada de gelo da Antárctida oriental e elevou o nível do mar até 13 metros acima do actual.

A conclusão é de um estudo internacional, liderado por cientistas do Instituto de Ciências da Terra do “Imperial College London”, publicado esta quinta-feira na revista Nature.

O gelo polar é uma componente essencial do sistema climatérico e afecta o nível global da água do mar e a circulação e transporte de calor nos oceanos.

Até agora a comunidade científica tinha-se centrado na camada de gelo da Antárctida ocidental, aquela que actualmente está mais vulnerável ao degelo. Ao mesmo tempo também se pensava que a região leste da Antárctida, com uma superfície equivalente a 115 vezes Portugal, e que contém cerca de metade da água doce da Terra, era menos sensível ao aquecimento global.

No entanto, o estudo agora publicado sugere que um aquecimento de dois graus na região, se se mantiver um par de milénios, vai derreter uma importante área da Antárctida oriental, com implicações no nível global da água do mar.

“Estudar o comportamento da camada de gelo no passado geológico permite-nos informar-nos sobre mudanças futuras”, disse Carlota Escutia, investigadora do Instituto Andaluz de Ciências da Terra, da Universidade de Granada, Espanha.

“Ao formarmos uma imagem de como cresceu e diminuiu o manto de gelo em cenários passados podemos entender melhor a resposta que terá a massa de gelo da Antárctida oriental no aquecimento global”, sustentou a cientista.

Para o estudo os cientistas investigaram amostras de sedimentos do fundo oceânico provenientes da bacia sub-glacial de Wilkes. As amostras foram recolhidas nas profundezas do oceano austral durante uma expedição em 2010.

As pegadas químicas deixadas nos sedimentos permitiram revelar os padrões de erosão continental à medida que a camada de gelo avançava e retrocedia.

“Detectamos que as alterações mais extremas se deram durante dois períodos entre glaciações, entre há 125.000 e 400.000 anos, quando o nível global do mar estava entre seis a 13 metros acima do nível actual”, disse Francisco Jiménez, também investigador do Instituto Andaluz de Ciências da Terra.

O Pleistoceno abrange um período que vai entre aproximadamente 1,8 milhões de anos e 11.500 anos atrás.

ZAP // Lusa

Por Lusa
23 Setembro, 2018

[vasaioqrcode]

See also Blogs Eclypse and Lab Fotográfico