2174: Inteligência artificial gerou caras de pessoas através das suas vozes

CIÊNCIA

Uma rede neural artificial ouviu várias vozes e, de seguida, gerou uma imagem de como os seus rostos poderiam ser. Apesar dos bons resultados, a tecnologia ainda tem algumas limitações.

As pessoas têm a tendência de associar uma voz a uma determinada cara. Mesmo quando nunca viram a cara, tendem a construir uma imagem mental de como poderá parecer essa pessoa. Agora, a inteligência artificial fez um teste que não esteve longe de confirmar esse pressuposto.

Os resultados da investigação foram pré-publicados na revista online arXiv, mas ainda não foram revistos pelos pares.

A rede neural artificial chamada Speech2Face foi treinada por cientistas para gerar caras de pessoas com base nas suas vozes. Para o efeito, ouviu áudios de mais de 100 mil pessoas a falarem. Associando certas características vocais a determinadas características físicas, a inteligência artificial tornou-se capaz de recriar uma cara foto-realista.

Comparação entre a cara da pessoa e o rosto reconstruido a partir da voz.

As caras geradas pela Speech2Face são bastante semelhantes às reais, mas de acordo com o Live Science, a rede neural ainda não tem a capacidade de determinar as características físicas exactas através da voz. Para chegar a este resultado final, a inteligência artificial tem como base indicadores do género, idade e etnia das pessoas.

“Como tal, o modelo apenas produz caras mais ou menos parecidas com as reais”, escreveram os cientistas. Apesar do realismo das simulações não ser perfeito, a IA acertou com sucesso no género, faixa etária e etnia de maior parte das pessoas.

O problema surgiu quando a rede neural era confrontada com variações na linguagem. Por exemplo, quando um asiático foi gravado a falar chinês, a inteligência artificial gerava o rosto de um asiático. No entanto, num outro clip em que falava inglês, o Speech2Face gerava uma cara de um ocidental caucasiano.

A tecnologia também associava normalmente vozes agudas a mulheres e vozes graves a homens, mesmo quando não era esse o caso.

ZAP //

Por ZAP
14 Junho, 2019

665: Cientistas inventaram software que “vê” vários minutos do futuro

E se conseguíssemos ver o futuro? Hoje, estamos habituados à tecnologia que consegue prever as palavras que queremos escrever. Amanhã, esse tipo de software poderá conseguir prever as nossas acções futuras.

Uma tecnologia recente, criada por cientistas da computação da Universidade de Bonn, na Alemanha, ampliou as fronteiras sobre como os computadores podem antecipar com precisão os comportamentos humanos.

As gerações actuais de software antecipatório só estão interessadas em saber o que faremos nos próximos segundos. Agora, a tecnologia desenvolvida consegue prever os comportamentos dos minutos seguintes.

“Queremos prever o tempo e a duração das actividades, minutos ou até horas antes de acontecerem”, diz o líder da equipa, Jürgen Gall

O objectivo da equipa de investigadores era verificar se um programa conseguia prever uma sequência de acções de até cinco minutos do futuro, com base na observação das primeiras etapas da actividade.

Assim, os cientistas treinaram o software para adivinhar o que é o que o chef faria de seguida, mostrando-lhe uma série de vídeos de pessoas a preparar um pequeno-almoço ou uma salada.

Se nós víssemos um vídeo de alguém a pegar numa tigela e num pacote de cereais, de certeza que adivinharíamos os cinco minutos seguinte. Mas este tipo de raciocínio não é uma tarefa fácil, muito menos inata, para os computadores.

A equipa testou duas abordagens usando diferentes tipos de redes neurais artificiais: uma que antecipou acções futuras e reflectiu antes de antecipar novamente, e outra que construiu uma matriz num único hit antes de analisar as probabilidades. Como seria de esperar, quanto mais olhavam para o futuro, mais erros cometiam.

A precisão foi de 40% para períodos curtos de previsão“, diz Gall.

No fim das tentativas, os cientistas descobriram que o seu software conseguia prever correctamente uma acção e a sua duração em 3 minutos do futuro. Embora possa não parecer impressionante, estabelece uma base sólida para a inteligência artificial futura que pode vir a desenvolver uma super visão humana.

A equipa irá apresentar os resultados na Conferência IEEE deste ano sobre visão computacional e reconhecimento de padrões em Salt Lake City, nos Estados Unidos.

Podemos esquecer a previsão de crimes antes que estes aconteçam. Ainda há um longo caminho a percorrer antes de os cientistas se preocuparem com esse tipo de futuro.

ZAP // ScienceAlert

Por ZAP
17 Junho, 2018

[SlideDeck2 id=1476]

[powr-hit-counter id=64d695a8_1529260985755]