2392: Nuvem radioactiva que cobriu a Europa vinha de uma instalação nuclear secreta na Rússia

CIÊNCIA

rclarkeimages / Flickr

Uma vasta nuvem de radiação nuclear que se espalhou pela Europa continental em 2017 originou-se num desconhecido acidente nuclear no sul da Rússia.

Uma equipa internacional de investigadores concluiu que a nuvem radioactiva detectada na Europa no fim de Setembro de 2017 pode ter sido causada por um acidente de reprocessamento de combustível nuclear na Associação de Produção de Mayak, uma instalação nuclear na região de Chelyabinsk dos Montes Urais, na Rússia, entre o meio-dia de 26 de Setembro e o meio-dia de 27 de Setembro.

A Rússia confirmou que uma nuvem de radiação nuclear foi detectada nos Montes Urais na época, mas o país nunca reconheceu qualquer responsabilidade pelo vazamento de radiação nem admitiu que um acidente nuclear tenha ocorrido em Mayak em 2017.

Em comunicado, o principal autor da investigação, o químico nuclear Georg Steinhauser, da Universidade Leibniz, em Hannover, na Alemanha, disse que mais de 1.300 medições atmosféricas em todo o mundo mostraram que foram libertados entre 250 e 400 terabecquerels de ruténio radioativo-106 durante esse período.

Ruténio-106 é um isótopo radioactivo do ruténio, o que significa que tem um número diferente de neutrões no seu núcleo. O isótopo pode ser produzido como um subproduto durante a fissão nuclear de átomos de urânio-235.

Embora a nuvem resultante da radiação nuclear tenha sido suficientemente diluída para não causar danos às pessoas, a radioactividade total estava entre 30 e 100 vezes o nível de radiação libertada após o acidente de Fukushima no Japão em 2011, disse Steinhauser ao Live Science.

A nuvem foi detectada em Setembro de 2017 na Europa central e oriental, na Ásia, na Península Arábica e até nas Caraíbas. Apenas ruténio-106 radioactivo foi detectado na nuvem Durante o reprocessamento do combustível nuclear – quando o plutónio e o urânio radioactivos são separados do combustível nuclear usado de reactores nucleares – o rutênio-106 é tipicamente separado e colocado em armazenamento de longo prazo.

Isso significava que qualquer libertação maciça de ruténio só poderia vir de um acidente durante o reprocessamento de combustível nuclear – e as instalações de Mayak eram um dos poucos lugares no mundo que realizavam esse tipo de reprocessamento, de acordo com os resultados publicados em Julho na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

Estudos meteorológicos avançados feitos como parte desta nova investigação mostraram que a nuvem de radiação só poderia ter vindo das instalações de Mayak. O estudo mostrou que o acidente de 2017 não foi causado por uma libertação simples de gás radioactivo. Em vez disso, um incêndio -ou mesmo uma explosão – poderia ter exposto trabalhadores a níveis nocivos de radiação.

A Rússia não reconheceu que algum acidente tenha ocorrido nas instalações de Mayak, talvez porque o plutónio é fabricado para armas termo-nucleares. No entanto, a Rússia estabeleceu uma comissão para investigar a nuvem radioactiva. A comissão russa decidiu que não há provas suficientes para determinar se um acidente nuclear foi responsável pela nuvem.

O acidente ocorreu pouco mais de 60 anos desde que um acidente nuclear em Mayak, em 1957, causou uma das maiores emissões de radiação na história da região, perdendo apenas para a explosão de 1986 e o incêndio na central nuclear de Chernobyl, na Ucrânia.

No acidente de 1957, conhecido como o desastre de Kyshtym, um tanque de lixo nuclear líquido explodiu nas instalações de Mayak, espalhando partículas radioactivas pelo local e causando uma pluma radioactiva de fumo que se estendeu por centenas de quilómetros.

ZAP //

Por ZAP
31 Julho, 2019

[vasaioqrcode]

 

1525: Físicos comprovam teoria da radiação de Hawking sobre buracos negros

Kjordand / Wikimedia

A famosa teoria da radiação sobre buracos negros do astrofísico Stephen Hawking, apresentada em 1974, foi testada em laboratório por uma equipa de investigadores, escreve a revista Physics World.

A investigação, levada a cabo em Israel pelo Instituto de Ciências Weizmann e pelo Departamento de Física do Centro de Pesquisa e Estudos Avançados do México, pode ser um enorme passo para verificar experimentalmente a existência da célebre conjectura teorizada pelo astrofísico britânico.

Em laboratório, e através do análogo óptico de um buraco negro, a equipa de investigadores conseguiu promover a apelidada “radiação de Hawking“. O teste imita este fenómeno noutros meios através de pulsações de luz para estabelecer condições artificiais.

“A radiação de Hawking é um fenómeno muito mais geral do que se pensava inicialmente”, explicou o físico e director da investigação Ulf Leonhardt, acrescentando que esta radiação pode ocorrer “sempre que horizontes são feitos, sejam estes na astrofísica ou por luz em materiais ópticos, ondas de água ou átomos ultra-frios”. 

Na sua teoria, Hawking assinala em que “os buracos negros não são tão negros“, porque são capazes de emitir radiação apenas para fora do seu horizonte de eventos, além do ponto em que nem a luz é capaz de escapar da gravidade intensa.

Esta radiação – que não foi ainda comprovada, uma vez que os instrumentos actuais não a conseguem detectar – implica que os buracos negros evaporam lenta e constantemente e, apesar de ainda não ser possível verificar a sua veracidade, a conjectura é aceite pela comunidade científica.

Apesar de admitir que ainda existem muitas perguntas sem respostas, o director do estudo, no início de Janeiro publicado na Physical Review Letters, afirmou que a investigação marcou a visualização da radiação espontânea de um buraco negro.

A Physics World recorda que Stephen Hawking afirmava que, caso a sua previsão mais famosa tivesse sido verificada experimentalmente, teria ganho um Nobel, prémio atribuído apenas a descobertas científicas corroboradas com dados observacionais.

ZAP // SputnikNews

Por ZAP
26 Janeiro, 2019

[vasaioqrcode]