2249: Há um asteróide que poderia tornar todos os habitantes da Terra multimilionários

CIÊNCIA

Os cientistas descobriram que o asteróide Psyche 16 é composto por metais pesados cujo valor se estima em 700 triliões de dólares – equivalente a 615 triliões de euros -, o que significa que poderia converter todos os habitantes da Terra em multimilionários.

De acordo com o Oil Price, este objecto espacial, localizado entre Marte e Júpiter, a cerca de 750 mil milhões de quilómetros da Terra, contem suficientes metais pesados (como ouro, ferro e níquel) para que cada habitante do nosso planeta receba mil milhões de dólares.

O seu diâmetro tem mais de 250 quilómetros e a sua massa é quase 1% de toda a massa existente na cintura de asteróides. Psyque foi o 16º objecto descoberto no cinturão de asteróides, por Annibale de Gasparis a 17 de Março de 1852 em Nápoles e foi baptizado em honra de Psiquê, a bela mortal por quem Eros se apaixonou na mitologia antiga.

Em Julho de 2017, a agência espacial norte-americana NASA anunciou que iria apressar os seus planos de visitar o valiosíssimo asteróide metálico. A sonda da NASA deve chegar ao asteróide quatro anos mais cedo do que o inicialmente previsto, graças à descoberta de uma trajectória mais eficiente que vai levá-la ao seu destino em 2026. Felizmente para a estabilidade económica do nosso planeta, a agência espacial só planeia observar, até porque provavelmente ainda não consegue extrair nada.

“Os titãs do ouro agora controlam centenas das propriedades mais produtivas do mundo, mas os 114 ou 141 milhões de gramas de ouro que trazem para o mercado por ano são piores em comparação às conquistas disponíveis no espaço“, disse Scott Moore, director executivo da EuroSun Mining.

No entanto, John Zarnecki, professor e presidente da Royal Astronomical Society do Reino Unido, estima que demoraríamos cerca de 25 anos para obter uma “demonstração conceptual” sobre se é possível extrair ouro do espaço e meio século para iniciar a produção comercial. Tudo isso dependeria de dois factores-chave: a sua viabilidade económica e o desenvolvimento da nossa tecnologia espacial.

De momento, potências como os EUA e a China já estão a tomar posições para o que será, de acordo com Mitch Hunter-Scullion, fundador da Asteroid Mining Company, o próximo boom na indústria de mineração. A Europa e o Japão também demonstraram interesse.

“Uma vez que a infraestrutura esteja configurada, as possibilidades são quase infinitas”, afirmou Hunter-Scullion, acrescentando que aqueles que sabem aproveitar essa “corrida aos asteróides” podem ganhar “uma quantia astronómica de dinheiro”.

Scott Moore acredita que a Psique 16 será apenas “a primeira paragem nesta aventura” de exploração espacial para obter ouro, já que existem outros asteróides próximos ao nosso planeta que poderiam ser atraídos para uma órbita na qual é possível extrair vários recursos.

Além disso, a Lua abriga ouro e platina, bem como metais de terras raras, e os cientistas dizem que o satélite tem suficiente gravidade para uma actividade de mineração. Enquanto isso, na mesma região do Psique 16 está localizado outro pequeno asteróide de 200 metros de comprimento com uma quantidade de platina que se acredita que poderia valer cerca de 30 mil milhões de dólares.

Estima-se que o mercado global de mineração de asteróides atinja os 3.800 milhões de dólares em 2025, levando em conta as missões actuais e futuras, bem como aumentando os investimentos em tecnologias para o sector, por exemplo, naves espaciais especializadas para esta atribuição. Outras previsões colocam este mercado em 2,7 mil milhões de dólares para o ano de 2040.

ZAP //

Por ZAP
29 Junho, 2019

[vasaioqrcode]