3738: As primeiras pegadas de Marte podem pertencer a Jessica Watkins

CIÊNCIA/ASTRONOMIA/MARTE

nasahqphoto / Flickr
Jessica Watkins

A norte-americana Jessica Watkins pode ser a primeira pessoa a pisar o Planeta Vermelho. A geóloga, de 32 anos, é uma das principais candidatas da NASA para participar nas missões do programa Artemis.

A geóloga planetária Jessica Watkins, de 32 anos, é uma das principais candidatas da NASA para participar nas missões do programa Artemis, que pretende enviar astronautas à Lua até ao final de 2024, com o objectivo de construir instalações sustentáveis no satélite terrestre, e, a longo prazo, pavimentar o caminho para a exploração humana em Marte.

De acordo com a Nature, Watkins já possui uma certa familiaridade com o Planeta Vermelho, dado que concluiu o seu doutoramento na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, com um estudo sobre deslizamentos de terra no solo marciano.

A estudante da NASA diz que o Planeta Vermelho desperta a sua curiosidade pelas semelhanças que tem com o nosso próprio planeta. Aliás, Watkins refere mesmo, na entrevista à Nature, que é intrigante como “podemos usar a Terra para fazer analogias e entender mais sobre Marte e a história do planeta”.

Além disso, a geóloga conta que os métodos a que são submetidos os alunos seguem as mesmas directrizes dos treinos adoptados pelos participantes da missão Apollo.

“Fomos a muitos ambientes com actividades vulcânicas com o propósito de entender melhor que tipos de rochas podemos encontrar e como as podemos observar e documentar. Estamos a aprender as habilidades necessárias para permitir que os cientistas aqui na Terra façam as suas próprias investigações com os dados obtidos pela tripulação”, afirma.

Questionada sobre como seria a sua experiência no solo lunar enquanto geóloga planetária, Watkins respondeu que as primeiras missões do programa Artemis devem ser voltadas aos testes das capacidades tecnológicas das operações.

Só depois, em etapas posteriores, é que as expedições devem procurar possíveis depósitos de gelo no pólo sul da Lua, em regiões que são permanentemente escuras.

ZAP //

Por ZAP
23 Maio, 2020

 

spacenews

 

3493: NASA: foguetão que vai à Lua está atrasado e não respeitou orçamento

CIÊNCIA/TECNOLOGIA

NASA

Um relatório interno mostra que o foguetão que deve ser usado para voltar à Lua em 2024 está atrasado dois anos e os custos estão milhões de dólares acima do esperado

Um departamento interno da NASA conclui que o programa Artemis, que prevê o regresso à Lua, está em risco caso os atrasos e o aumento de custos se continuem a verificar. “Todos os grandes elementos de contratos para desenvolvimento e construção do Space Launch System para os Artemis I –Stages, ICPS, Boosters, RS-25 Adaptation e RS-25 Restart passaram por vários desafios técnicos, problemas de desempenho e alterações de requisitos que resultaram num aumento de custo de dois mil milhões de dólares e um atraso de pelo menos dois anos”, afirma o documento revelado hoje.

O primeiro lançamento deste programa deve acontecer já na primavera de 2021, dois anos depois do inicialmente previsto. No entanto, não se prevê que a data para o regresso à Lua derrape para 2026. O programa para o SLS arrancou em 2010 oficialmente e, desde então, tem sofrido adiamentos sucessivos para as diferentes etapas.

Além da componente temporal, os desafios tecnológicos que, quer a NASA, quer os subcontratados enfrentam, conduziram a um aumento de custos associados, com o relatório a estimar que o programa Artemis vá custar mais de 17 mil milhões de dólares no fim do ano fiscal de 2020, dos quais seis mil milhões não estão reportados, noticia o Tech Crunch.

A data de 2024 pode vir a ser revista, à luz destes atrasos sucessivos que o programa tem vindo a registar, mas não se afigura que o cancelamento do Artemis esteja a ser equacionado para já. O departamento interno produziu várias recomendações no sentido de ajudar a NASA a manter uma maior contenção financeira e um controlo mais apertado dos compromissos assumidos pelos fornecedores, quer em termos de custos, quer em termos de prazos.

Exame Informática
12.03.2020 às 10h38

 

spacenews