4143: Campanha científica acrescenta mais de 37 mil quilómetros quadrados ao mapa do mar português

CIÊNCIA/OCEANOGRAFIA

SEAMAP 2030

A campanha científica que o navio hidro-oceanográfico D. Carlos I da Marinha Portuguesa realizou durante nove semanas nos Açores, para levantamentos hidrográficos, permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português”.

Numa nota desta segunda-feira, a Marinha adianta que o navio hidro-oceanográfico atracou esta manhã na Base Naval de Lisboa perfazendo “62 dias de missão e 970 horas de navegação, tendo percorrido 6800 milhas náuticas (mais de 12.593 quilómetros)”, no âmbito do programa SEAMAP 2030 e da cooperação com o Governo Regional dos Açores.

O programa SEAMAP 2030, de mapeamento do mar português, visa a “caracterização da natureza dos fundos marinhos, na perspectiva de serviço hidrográfico nacional, numa abordagem multidisciplinar”, contribuindo para “aumentar o conhecimento nas áreas estratégicas de interesse nacional e para promover as actividades de desenvolvimento tecnológico, exploração sustentável dos recursos e investigação científica associadas às ciências do mar”.

O projecto irá “permitir a aquisição e processamento de dados para desenvolver produtos finais como cartografia náutica, mapas de informação diversa dos fundos marinhos e conhecimento do mar português”.

Esta campanha científica de nove semanas no arquipélago açoriano permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português, no âmbito do programa SEAMAP 2030 e da cooperação com o Governo Regional dos Açores”, salienta a nota.

A Marinha explica ainda que a campanha científica consistiu “no levantamento hidrográfico, com os sistemas sondadores multi-feixe de bordo, de dez montes submarinos com especial interesse para o estudo dos ecossistemas do mar profundo, num raio de 100 milhas náuticas (mais 185 quilómetros) do grupo central do arquipélago dos Açores”.

O navio realizou, ainda, a manutenção de duas boias multi-paramétricas do Sistema Integrado de Monitorização Ambiental da Zona Económica Exclusiva de Portugal, dando apoio a uma equipa técnica do Instituto Hidrográfico.

No âmbito do projecto CETUS (que monitoriza informações sobre cetáceos) e da colaboração da Marinha Portuguesa com o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto (Ciimar), embarcaram quatro observadores de cetáceos, tendo sido avistados vários exemplares das espécies Balaenoptera borealis (baleia-espadarte), Physeter macrocephalus (cachalote) e Grampus griseus (golfinho-de-risso)”.

O navio D. Carlos I é comandado pelo capitão-tenente Teotónio Pires Barroqueiro e tem uma guarnição de 34 militares.

Para esta campanha científica embarcaram ainda um médico e dois mergulhadores da Marinha Portuguesa, e uma equipa da Brigada Hidrográfica do Instituto Hidrográfico, constituída por cinco militares especializados em hidrografia, que realizou levantamentos hidrográficos costeiros e portuários nas ilhas da Graciosa e do Faial.

ZAP // Lusa

Por Lusa
10 Agosto, 2020

 

Avatar

 

4110: Descoberto “Stonehenge de madeira” no complexo pré-histórico dos Perdigões

CIÊNCIA/ARQUEOLOGIA

(dr) Era – Arqueologia

Escavações arqueológicas no complexo dos Perdigões, no distrito de Évora, identificaram “uma estrutura única na Pré-História da Península Ibérica”, anunciou, esta terça-feira, a empresa Era – Arqueologia, que escava no local há mais de 20 anos.

Em declarações à agência Lusa, o arqueólogo responsável pelas escavações que decorrem em terrenos pertencentes à Herdade do Esporão, António Valera, disse tratar-se de “de uma construção monumental em madeira, de que restam as fundações, de planta circular e com mais de 20 metros de diâmetro”.

Segundo Valera, esta construção “seria composta por vários círculos concêntricos de paliçadas e alinhamentos de grandes postes ou troncos de madeira, a qual foi já exposta em cerca de um terço da sua planta”.

Trata-se de “uma construção de carácter cerimonial”, um tipo de estrutura apenas conhecido na Europa Central e nas Ilhas Britânicas, de acordo com o arqueólogo responsável, com as designações “Woodhenge”, “versões em madeira de Stonehenge”, ou “Timber Circles” (círculos de madeira).

“Esta é a primeira a ser identificada na Península Ibérica, estando datada entre 2800-2600 a.C., ou seja, será anterior à construção em pedra de Stonehenge [em Inglaterra], para a qual se tem avançado uma cronologia em torno a 2500 a.C.”, sublinhou o arqueólogo.

A estrutura agora identificada localiza-se no centro do grande complexo de recintos de fossos dos Perdigões e “articula-se com a visibilidade sobre a paisagem megalítica que se estende entre o sítio e a elevação de Monsaraz”, a nascente.

Perdigões – Campanha de 2020

1 minuto ERA para contar a história da confirmação de uma grande descoberta realizada pela nossa equipa no Complexo Arqueológico dos Perdigões.

Publicado por ERA Arqueologia em Segunda-feira, 3 de agosto de 2020

1 minuto ERA para contar a história da confirmação de uma grande descoberta realizada pela nossa equipa no Complexo Arqueológico dos Perdigões.

“Um possível acesso ao interior desta estrutura encontra-se orientado ao solstício de Verão, reforçando o seu carácter cosmológico”, referiu Valera, realçando que “esta situação é também conhecida noutros ‘woodhenges’ e ‘timber circles’ europeus, onde os alinhamentos astronómicos das entradas são frequentes, sublinhando a estreita relação entre estas arquitecturas e as visões do mundo neolíticas”.

O arqueólogo realçou que “esta descoberta reforça a já elevada importância científica do complexo de recintos dos Perdigões no contexto internacional dos estudos do Neolítico Europeu, aumentando simultaneamente a sua relevância patrimonial”, que foi reconhecida em 2019 com a classificação como Monumento Nacional.

O sítio arqueológico dos Perdigões, nos arredores de Reguengos de Monsaraz, corresponde a “um grande complexo de recintos de tendência circular e concêntrica definidos por fossos, abrangendo uma área de cerca de 16 hectares e tendo um diâmetro máximo de cerca de 450 metros”, segundo informação da Era.

Este sítio está ser escavado há 23 anos pela empresa e tem reunido colaborações de várias instituições e investigadores nacionais e estrangeiros.

O que foi descoberto até aqui diz-nos que o sítio terá sido ocupado durante cerca de 1400 anos, desde o final do Neolítico Médio (3400 a.C.) e o início da Idade do Bronze (2000 a.C.) e “é visto essencialmente como um grande centro de agregação de comunidade humanas, onde se desenvolveriam práticas cerimoniais e se geriam relações identitárias, culturais e políticas entre diferentes grupos”.

A sua implantação na paisagem “é representativa do seu carácter cosmogónico“, situando-se “num anfiteatro natural, aberto ao vale da Ribeira de Vale do Álamo, onde se localiza uma das maiores concentrações de monumentos do megalitismo alentejanos. As entradas dos recintos mais exteriores, e outras em recintos mais interiores, estão orientadas aos solstícios ou aos equinócios, funcionando o horizonte para o qual está virado como um autêntico calendário anual do nascer do sol”, ainda segundo a Era – Arqueologia.

ZAP // Lusa

Por Lusa
4 Agosto, 2020

 

Avatar

 

4071: Cientista português procura vida em Marte. Missão passa por Cabo Verde e salinas de Aveiro

CIÊNCIA/MARTE/ASTROBIOLOGIA

Kevin Gill / Flickr

Um cientista português que lidera uma unidade de astrobiologia em Macau disse hoje à Lusa que está envolvido em projectos para descobrir vida em Marte, uma missão com paragens previstas em Cabo Verde e nas salinas de Aveiro.

“O meu papel e o da unidade de astrobiologia que foi recentemente criada (…) é informar (…) e preparar (…) as condições técnicas e laboratoriais necessárias para o sucesso de futuras missões chinesas à procura de vida em Marte e noutras partes do sistema solar”, explicou André Antunes.

Quase uma semana após Pequim lançar uma sonda para pousar no planeta vermelho, um projecto no qual está envolvida a Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau (MUST), o professor associado da instituição sublinhou que a “missão é muito importante no âmbito da recolha de dados (…), nomeadamente a nível de gelo de água existente no subsolo” de Marte, até porque “a água é essencial para a vida como (…) a conhecemos”.

As restrições causadas pela pandemia de covid-19 atrasaram os trabalho de campo programados para Cabo Verde e Portugal, nas salinas de Aveiro, dois locais cuja escolha é explicada pelo cientista natural de Coimbra: “Tendo em conta que a água a existir em Marte será água com elevado conteúdo de sal, é essencial investigarmos ambientes com elevado conteúdo de sal também no nosso planeta”.

“Temos actualmente saídas de campo, recolhas de amostras programadas para Cabo Verde, interior da china, salinas em Aveiro, salinas que existem no interior de Espanha, porque todas elas têm condições que são extremamente interessantes e bastante úteis para o estudo de Marte”, salientou o responsável pela unidade de astrobiologia do Laboratório de Referência do Estado para a Ciência Lunar e Planetária da MUST.

Grande parte da investigação que se faz actualmente na astrobiologia tem a ver com o estudo de ambientes análogos, acrescentou André Antunes, que chegou a Macau no início de Setembro, já com o projecto chinês de lançamento da sonda para explorar Marte numa fase final.

Ou seja, explicou, boa parte da investigação nesta área dedica-se a analisar “ambientes existentes na Terra que têm condições parecidas” àquelas que podem ser encontradas em Marte ou em outras partes do sistema solar”.

A pandemia de covid-19 “atrapalhou um bocadinho as obras de estabelecimento da unidade [de astrobiologia] e até do ponto de vista de programação de expedições científicas, recolha de amostras, contratação de novas pessoas”, mas a missão continua a ser crucial e será agendada assim que o novo coronavírus der tréguas, assegurou.

A MUST está envolvida na missão chinesa que vai explorar Marte, após Pequim lançar na quinta-feira uma sonda para pousar no planeta vermelho.

Neste momento, o laboratório para a Ciência Popular e Planetária na universidade tem em mãos 11 projectos de investigação em Marte, concluídos ou em desenvolvimento, e vai continuar envolvido nos trabalhos de exploração relacionados com a exploração do planeta, espaço e vida extraterrestre.

O laboratório vai continuar envolvido nos trabalhos sobre a estrutura interna de Marte, as reservas de água congelada, ambiente à superfície e espacial, bem como investigação sobre vida extraterrestre.

Os investigadores da universidade trabalharam na topografia e geo-morfologia de Marte. E uma série de investigações foram conduzidas sobre exploração, astrobiologia, radiação, atmosfera e poeira (formada por tempestades de areia), estrutura interna, campo magnético e ambiente espacial.

Em particular, sublinhou a MUST, a investigação sobre a atmosfera marciana e o clima assolado pela poeira é de grande importância para garantir a exploração segura do veículo espacial marciano.

A MUST conta desde o final de 2019 com um Centro de Ciência e Exploração Espacial da Administração Espacial Nacional, no âmbito de um acordo de cooperação de desenvolvimento científico e tecnológico assinado em Dezembro de 2019 entre aquela entidade chinesa e o Governo de Macau.

Um ano antes, o Ministério da Ciência e Tecnologia já tinha aprovado o estabelecimento do Laboratório Estatal de Ciências Lunares e Planetárias.

A China lançou na quinta-feira a sua mais ambiciosa missão a Marte, numa tentativa de pousar com sucesso uma sonda no planeta vermelho, feito alcançado apenas pelos Estados Unidos até à data.

ZAP // Lusa

Por ZAP
28 Julho, 2020

 

 

4041: Nuvens da Madeira escolhidas para fotografia do dia da NASA

CIÊNCIA/METEOROLOGIA/NASA

NASA

Esta quinta-feira, as nuvens da Madeira foram elegidas como a fotografia do dia para a NASA. O satélite captou o serpenteado das nuvens no arquipélago e a agência explicou as razões para o fenómeno.

Na fotografia, capturada pelo satélite Terra no dia 16 de Julho, é possível observar o arquipélago rodeado por nuvens a serpentear as ilhas, refere o Público.

Este fenómeno natural, visto a milhares de metros de altitude, “é uma parte observável de um padrão de vento chamado ‘vórtices de von Kármán’”. Segundo a NASA, os elevados picos da ilha da Madeira interferiram com a formação das nuvens empurradas pelo vento no Atlântico, conferindo-lhes o serpenteado captado pelo satélite.

“A massa de ar, e as nuvens que com ela se movem, são colocadas em torno da ilha – em vez de sobre a ilha. Este movimento cria um padrão giratório no ar por detrás da ilha, com um lado a soprar no sentido dos ponteiros do relógio e outro no sentido oposto. Neste caso, a velocidade relativamente baixa do vento providencia uma perturbação moderada do vento e nuvens atrás da ilha, deixando um rasto de serpente nas nuvens sobre as águas azuis do Norte do Atlântico”, lê-se na publicação da agência espacial.

A NASA baptizou a Madeira como “a ilha da eterna primavera“, explicando que a alcunha é motivada pela localização da ilha, que garante um clima primaveril e ameno complementado pelas brisas de vento e céus nublados provocados pelos ventos de Nordeste.

Em 2014, um tornado de mosquitos no Ribatejo foi escolhido pela página da agência como fotografia do dia. Dois anos depois, a NASA escolheu uma fotografia captada pelo astro-fotógrafo Miguel Claro que mostrou o Eclipse Penumbral da Lua no Castelo de Sesimbra.

ZAP //

Por ZAP
24 Julho, 2020

 

Avatar

 

3911: Telescópio Solar Europeu vai ter colaboração de Portugal

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

O novo Telescópio Solar Europeu (EST, na sigla em inglês), que será instalado nas Ilhas Canárias, em Espanha, foi apresentado a cientistas e empresas de Portugal esta quinta-feira, dia 25 de Junho.

O evento com o nome Portugal EST Day, em formato webinar, foi organizado pela Universidade de Coimbra, através do Observatório Geofísico e Astronómico e do Centro de Investigação da Terra e do Espaço.

Portugal assegura 1,5 a 2% do investimento Telescópio Solar Europeu

O novo Telescópio Solar Europeu, um telescópio de 4 metros optimizado para estudos do magnetismo solar e das camadas solares mais exteriores, como a fotosfera (que aos nossos olhos parece ser a sua superfície) e a cromosfera (que apenas vemos durante os eclipses), deverá estar operacional em 2027.

O Telescópio Solar Europeu (EST) é a…

Resposta da comunidade científica a esta necessidade de compreender e prever o comportamento solar e suas consequências aqui na Terra, principalmente as consequências na tecnologia que hoje desenvolvemos e usamos. A construção do EST, nas Ilhas Canárias, garantirá o acesso da Física Solar Europeia a uma ferramenta essencial para essa investigação que necessitamos…

As variações da actividade magnética solar induzem alterações terrestres que podem afectar milhões de humanos num breve espaço de tempo. Os fenómenos solares podem ser muito belos quando vistos por um telescópio solar, fascinantes quando parecem novelos de campos magnéticos, espantosos quando criam intensas auroras boreais… Mas também devastadores quando dependemos de uma tecnologia que estes perturbam. Essas alterações são hoje o foco do estudo da meteorologia espacial, do inglês space weather, essa jovem área científica que nasceu da física solar

Nuno Peixinho, investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC)

 

Avatar

 

3810: Portugueses desenvolvem instrumento para o maior telescópio do mundo

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Já ouviu falar no telescópio METIS? Apesar de sermos um mundo pequeno, Portugal é bastante reconhecido ao nível da Engenharia (no geral). Os portugueses têm dado cartas pelo mundo nesta área e estão envolvidos em projectos de referência à escala mundial.

Um grupo de cientistas portugueses está envolvido no desenvolvimento do METIS (Mid-infrared ELT Imager and Spectrograph), um poderoso instrumento que vai equipar o Extremely Large Telescope (ELT), em construção nas instalações do European Southern Observatory (ESO), no Chile.

Um grupo de cientistas da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa), todos eles membros do CENTRA – Centro de Astrofísica e Gravitação, está a participar no desenvolvimento do METIS (Mid-infrared ELT Imager and Spectrograph), um poderoso instrumento que vai equipar o maior telescópio do mundo – o Extremely Large Telescope (ELT).

Telescópio METIS irá detectar radiação invisível ao olho humano

Segundo comunicado, o ELT está em construção nas instalações do European Southern Observatory (ESO), no Chile, e será o maior telescópio terrestre no óptico e infravermelho quando der início às suas operações, prevista para meados desta década.

Tem um espelho primário de 39 metros de diâmetro e sistemas de óptica adaptativa avançados, o telescópio será capaz de ver detalhes seis vezes mais finos do que o Telescópio Espacial James Webb e 20 vezes mais finos do que o Telescópio Hub.

O METIS irá detectar radiação invisível ao olho humano, radiação que se “sente” sob a forma de “calor”. O instrumento – cujo desenho já está concluído, sendo agora necessários cerca de sete anos para terminar a respectiva construção e instalação no ELT – irá tirar total partido do espelho primário gigante do ELT para estudar uma enorme quantidade de tópicos científicos, desde objectos do nosso sistema solar até galáxias activas distantes, com uma precisão revolucionária.

O custo total do METIS ronda os 95 milhões de euros e a sua massa é de cerca de 12 toneladas (equivalente a um autocarro de dois andares).

Pplware
08 Jun 2020

 

Avatar

 

3751: Portugal participa no projecto do maior telescópio solar europeu

CIÊNCIA/ASTRONOMIA/ASTROFÍSICA

(CC0/PD) Pixabay / Pexels

Portugal vai participar no projecto do novo Telescópio Solar Europeu (TSE), que deverá estar operacional em 2027 nas ilhas Canárias, Espanha, de onde vai observar a actividade do Sol e medir o seu impacto na Terra.

O envolvimento de Portugal no projecto do TSE será feito através da Agência Espacial Portuguesa (Portugal Space), que passará a integrar a direcção do consórcio que irá estudar a viabilidade científica e económica do “maior telescópio solar alguma vez construído na Europa”, com um custo de obra estimado em 180 milhões de euros.

A direcção do consórcio irá reunir-se pela primeira vez “nas próximas semanas”, refere a Agência Espacial Portuguesa em comunicado, sem precisar datas. O valor da participação portuguesa no projecto não foi avançado.

Portugal “irá participar na fase preparatória do projecto, que visa testar a validade do conceito científico e a exequibilidade”, adianta. Durante esta fase, que deverá terminar no fim deste ano, o consórcio e as organizações financiadoras do novo telescópio vão “elaborar um plano detalhado” sobre a “instalação da infra-estrutura”, incluindo uma “análise de custos e risco”.

Além da Agência Espacial Portuguesa, participam na fase preparatória do projecto mais 29 instituições de 17 países, que irão trabalhar sob coordenação do Instituto de Astrofísica das Canárias. O TSE​ integra o Fórum Estratégico Europeu sobre as Infra-estruturas de Investigação, onde Portugal é representado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

O novo telescópio, que terá um espelho de quatro metros de diâmetro, será construído e operado pela Associação Europeia de Telescópios Solares, que agrega várias instituições científicas, incluindo a Universidade de Coimbra. Espera-se que a construção do TSE se inicie em 2021 e o telescópio esteja a funcionar em 2027.

Segundo a Portugal Space, o novo telescópio “será crucial para compreender a actividade magnética solar e o impacto dos ventos e tempestades solares na Terra”.

Os ventos solares são emissões contínuas de partículas altamente energéticas provenientes da coroa (camada mais externa da atmosfera do Sol). As tempestades solares são perturbações temporárias na magnetosfera, região que envolve um planeta como a Terra, em que o seu campo magnético controla os processos físicos que nela acontecem.

A Agência Espacial Portuguesa salienta que o estudo da actividade do Sol é importante para “prever, adaptar e minimizar” os impactos de fenómenos como as tempestades solares, que “podem atingir sistemas eléctricos sensíveis, levando a que as comunicações por satélite sejam interrompidas e que os sistemas globais de navegação por satélite e redes de energia à escala nacional ou internacional falhem”.

Com o Telescópio Solar Europeu, a Europa “pretende preencher um vazio” que não é superado “por nenhuma das outras ferramentas terrestres ou espaciais”, uma vez que o TSE será capaz de examinar a actividade magnética do Sol, desde a fotosfera (região superficial que emite a maior parte da luz e do calor da estrela) até à cromosfera (camada da atmosfera acima da fotosfera).

O telescópio “pode também revelar os atributos térmicos, dinâmicos e magnéticos” do plasma (gás ionizado) do Sol em “alta resolução”, destaca o comunicado, adiantando que as observações feitas pelo TSE serão complementares às realizadas pela sonda europeia Solar Orbiter, lançada para o espaço em Fevereiro e que tem tecnologia de empresas portuguesas.

Equipada com dez instrumentos, a Solar Orbiter permite observar a superfície turbulenta do Sol, a coroa e as alterações no vento solar. A sonda europeia trabalha em paralelo com a sonda norte-americana Parker Solar Probe, em órbita desde 2018, e que tem quatro instrumentos para estudar o campo magnético do Sol, o plasma, as partículas energéticas e o vento solar.

O Telescópio Solar Europeu integra o Fórum Estratégico Europeu sobre as Infra-estruturas de Investigação, onde Portugal é representado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

ZAP // Lusa

Por Lusa
28 Maio, 2020

 

Avatar

 

3372: Portuguesa Zita Martins participa em missão espacial inédita que vai interceptar cometa primitivo

CIÊNCIA

Uma missão espacial europeia, com a participação da astro-bióloga portuguesa Zita Martins, vai procurar interceptar pela primeira vez um cometa primitivo, inalterado pela radiação do Sol, para obter respostas sobre a origem da vida na Terra.

© Orlando Almeida / Global Imagens

A missão da Agência Espacial Europeia (ESA) “Comet Interceptor” (Interceptor de Cometa, em tradução livre) tem lançamento previsto para 2028 e será a primeira a recolher informação sobre um cometa que nunca se aproximou do Sol e, por isso, se manteve inalterado desde a sua formação.

“Apanhar” tais cometas tem sido difícil, uma vez que só podem ser detectados quando se aproximam do Sol pela primeira vez, deixando pouco tempo para planear e enviar uma missão espacial na sua direcção.

A missão “Comet Interceptor”, que conta com a colaboração da agência espacial japonesa (JAXA), vai colocar uma sonda a 1,5 milhões de quilómetros da Terra, na direcção contrária ao Sol.

Em conjunto com telescópios terrestres, um deles a ser construído no Chile, o aparelho irá permitir detectar um cometa proveniente da Nuvem de Oort, região nos confins do Sistema Solar, e eventualmente corpos interestelares que entraram no Sistema Solar pela primeira vez e estão na trajectória de aproximação ao Sol.

Assim posicionada, a sonda, a principal, será um “ponto de espera” a um desses cometas, disse à Lusa Zita Martins, especialista no estudo da origem da vida na Terra e a única cientista portuguesa que integra a equipa internacional que vai analisar os dados recolhidos na missão.

Depois de identificar o cometa até então desconhecido, a sonda viajará durante meses ou anos pelo espaço para estar no sítio e no momento certos para interceptar o cometa quando este cruzar o plano da elíptica, o plano da órbita da Terra em relação ao Sol.

Duas sondas mais pequenas serão libertadas da sonda principal antes de se aproximarem do cometa. São estes dois aparelhos que vão circundar o cometa e recolher o máximo de informação possível, incluindo sobre a composição da sua superfície, a forma e estrutura.

Todos os dados obtidos serão transmitidos para telescópios terrestres através da sonda principal com a qual comunicam.

Para Zita Martins, professora no Instituto Superior Técnico, em Lisboa, interceptar um cometa primitivo é como entrar na “máquina do tempo”, uma vez que possibilitará desvendar quais “as moléculas orgânicas” disponíveis no início da formação do Sistema Solar e, assim, dar pistas mais concretas sobre a origem da vida na Terra.

Os cometas, vulgarmente descritos como “bolas de gelo sujas”, têm na sua composição, além de gelo, poeira, fragmentos rochosos, gás e compostos orgânicos (estes últimos terão chegado à Terra fruto do impacto dos cometas na superfície terrestre).

Missões espaciais anteriores estudaram cometas que entraram várias vezes no Sistema Solar e passaram perto do Sol, que produziu alterações na sua superfície, escondendo a sua aparência original.

A sonda europeia Rosetta orbitou durante dois anos, entre 2014 e 2016, o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, que viaja entre as órbitas da Terra e de Júpiter. Foi a primeira vez que uma sonda orbitou um cometa e teve um módulo robótico na sua superfície.

A missão “Comet Interceptor” será lançada à boleia de uma outra, a Ariel, também da ESA, que vai estudar a composição química da atmosfera de exoplanetas (planetas fora do Sistema Solar) já descobertos e que conta também com a participação de cientistas portuguesas.

Diário de Notícias

DN/Lusa

Avatar

 

3264: Chuvas de Dezembro ajudam, mas não resolvem a seca no país

METEOROLOGIA

contadagua.org / midianinja / Flickr

Apesar das fortes chuvadas sentidas em Dezembro, a seca vai manter-se nas zonas mais críticas do país, nomeadamente no Baixo Alentejo e no Algarve.

Os últimos dias foram marcados por chuvas fortes e por milhares de ocorrências, resultado da passagem das depressões Elsa e Fabien. No entanto, apesar destas chuvadas de Dezembro, o Diário de Notícias avança que a seca vai manter-se nas zonas mais críticas.

Em Novembro, quase 70% do país estava em situação de seca, sendo o problema mais grave o sul, com o Baixo Alentejo e o Algarve no topo das regiões que apresentam mais falta de água.

Segundo o jornal, as previsões avançadas pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) sobre a seca no início do mês dão conta de uma “diminuição significativa da sua intensidade no Baixo Alentejo e Algarve” e o seu fim em grande parte da região a sul do Tejo.

Isto significa, de acordo com o DN, que a seca se mantém nas zonas em que é classificada de severa ou de extrema e, embora seja alterada para moderada ou fraca, ainda assim continua a existir.

“Esta água que caiu não nos tirou da seca extrema. Precisava de chover quatro ou cinco vezes mais”, diz ao diário António Pina, presidente da Câmara Municipal de Olhão e da Comunidade Inter-municipal dos Municípios do Algarve (AMAL).

Na passada sexta-feira, os representantes das autarquias algarvias, o vice-presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e o responsável pelas Águas do Algarve reuniram, na sede da AMAL, tendo decidido que vai ser constituído um grupo de trabalho de forma a serem estudadas medidas para mitigar as consequências desta questão.

A sensibilização da população, a reutilização das águas residuais, as restrições no licenciamento de novas captações de água subterrânea, a necessidade de construir uma nova barragem — ou alargar as já existentes — e a criação de uma central de dessalinização da água do mar foram algumas das soluções apontadas.

Em Novembro, também foi anunciado que o Governo vai constituir um outro grupo de trabalho com vista à definição de medidas e procura de soluções.

ZAP //

Por ZAP
24 Dezembro, 2019

 

Avatar

 

3226: A NASA está à procura de seis estudantes portugueses para estágio

CIÊNCIA/SOCIEDADE

NASA / Wikipedia
O astronauta Bruce McCandless, da missão STS-41-B da ISS, numa EVA, “Extravehicular Activity”

Esta quinta-feira terminam as candidaturas para o programa internacional de estágios na NASA. Há seis vagas para alunos portugueses.

Em 2016, a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) assinou um contrato com a NASA para Portugal participar no programa internacional de estágios da agência espacial norte-americana.

Dezoito estudantes portugueses passaram, desde então, pelos centros de investigação da agência. As vagas, seis por edição, são limitadas, e é por esse motivo que os requisitos são apertados, explica a TSF.

Os estudantes devem ter nacionalidade portuguesa, residência em Portugal, fluência em língua inglesa e devem apresentar uma média mínima de conclusão de licenciatura ou mestrado de 16 valores, um grau concluído e o comprovativo que estão a frequentar outro grau – licenciatura, mestrado ou doutoramento.

“Nós temos 14 oportunidades actividades de formação em áreas como a robótica, a mecânica, a bioengenharia, a radiação. Várias áreas de engenharia se aplicam a estas áreas que são pedidas nos estágios, desde engenharia aeroespacial, engenharia mecânica, electrotécnica, física”, explica Filipa Coelho, da FCT, à rádio. As vagas são direccionadas para estudantes das áreas das Ciências, Tecnologias, Engenharias e Matemática.

Segundo Filipa Coelho, a NASA “considera os estudantes portugueses, que já passaram nestas três edições, muito bons”. Os estagiários da agência espacial estão totalmente envolvidos nos projectos, admite a responsável, adiantando que “fazem toda a parte de investigação, experimentação relacionado com esses projectos”.

Os seis portugueses escolhidos vão estagiar entre Junho e Dezembro do próximo ano no NASA AMES, um dos dez centros da NASA, localizado em Silicon Valey na Califórnia.

Além disso, os estagiários vão ter direito com um subsídio mensal de 1464,36 euros para licenciados e de 1726,93 euros para mestres. Também dispõem de um subsídio de viagem de 600 euros, um subsídio único de instalação de mil euros e de um seguro de saúde e acidentes pessoais.

ZAP //

Por ZAP
19 Dezembro, 2019

 

Avatar

 

3217: Viriato, o herói que se tornou num planeta a orbitar a estrela Lusitânia

CIÊNCIA

NASA
Ilustração do exoplaneta HD 45652 b

De figura heróica a figura dos céus, Viriato, o líder do povo lusitano na Roma Antiga, é também nome de um planeta gigante gasoso que orbita uma estrela, a Lusitânia, a 114 anos-luz da Terra, foi hoje anunciado.

Os nomes do planeta extras-solar e da sua estrela foram propostos por Portugal e aprovados pela União Astronómica Internacional (UAI), que lançou uma nova campanha para designar estes “exomundos” no ano em que comemora o seu centésimo aniversário.

Os resultados, que ditaram nomes a 112 planetas fora do Sistema Solar e às suas respectivas estrelas, foram hoje divulgados pela UAI, liderada pela astrónoma portuguesa Teresa Lago.

Os nomes aprovados pela UAI, entidade que reconhece oficialmente a atribuição de um nome a um corpo celeste como um planeta, foram propostos por 112 países, incluindo Portugal, durante campanhas nacionais que envolveram o voto do público.

Ao todo, foram escolhidos 112 nomes de uma lista inicial de 360 mil, que foi reduzida e sujeita a votação em cada país. A aprovação final coube a um comité da UAI formado por vários membros, incluindo a astrónoma portuguesa Lina Canas.

Um dos critérios era que os nomes propostos teriam de estar relacionados com objectos, pessoas ou lugares com significado cultural, histórico ou geográfico.

O planeta ‘HD 45652b’, agora designado como Viriato, que liderou o povo lusitano contra o domínio do Império Romano na Península Ibérica, foi descoberto em 2008 e é constituído maioritariamente por gás, estando localizado na constelação Monoceros (Unicórnio).

A sua estrela, a ‘HD 45652’, baptizada como Lusitânia, que era uma das três províncias romanas da Península Ibérica onde vivia o povo lusitano e que coincidia na sua maior parte com o território português actual, é uma anã laranja, que o seu planeta leva 44,1 dias a completar uma órbita.

A primeira campanha pública promovida pela UAI para nomear exoplanetas decorreu em 2015.

ZAP // Lusa

Por Lusa
17 Dezembro, 2019

 

Avatar

 

3193: Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

CIÊNCIA

Giovanni Toso / Flickr

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico.

Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, Miguel Moreno-Azanza, Octávio Mateus e Eduardo Puértolas-Pascual revelam que aqueles animais coabitaram “em rios jurássicos da região” da Lourinhã, refere uma nota de imprensa divulgada na quinta-feira.

A existência de pelo menos cinco diferentes crocodilomorfos – grupo que inclui os crocodilos actuais e os antepassados mais próximos – vem enriquecer a biodiversidade de animais do Jurássico Superior já descobertos na Lourinhã e permite explorar as relações ecológicas entre todos, salientam os cientistas.

Os dentes pertencentes àqueles crocodilomorfos permitiu distinguir comportamentos alimentais diferentes.

Uns alimentavam-se de presas com concha e moles, outros de animais com conchas, como caracóis ou moluscos, e havia também outros que preferiam pequenos artrópodes, como insectos e crustáceos e, ocasionalmente, pequenos vertebrados, como mamíferos e anfíbios. O quinto crocodilomorfo, ainda indeterminado, era um predador carnívoro terrestre.

A investigação resultou de um trabalho de mais de 700 horas a peneirar centenas de quilogramas de sedimentos jurássicos, triando fósseis – alguns “são tão pequenos quanto um milímetro”.

Entre os milhares de fósseis encontrados, que integraram a colecção do Museu da Lourinhã, encontram-se dentes de crocodilomorfos. “O pequeno tamanho dos dentes encontrados sugere que os animais a que pertenciam a espécies pequenas ou eram jovens de espécies maiores”, apontam os paleontólogos, acrescentando que só a descoberta de outros restos esqueléticos destes animais poderia trazer mais certezas científicas.

Dos mais de 120 dentes descobertos e reunidos entre 2017 e 2018, os investigadores conseguiram distinguir dez morfologias diferentes de cinco animais diferentes: Atoposauridae, Goniopholididae, Bernissartiidae, Lusitanisuchus mitracostatus e um crocodilomorfo indeterminado.

Todas estes grupos taxonómicos já eram conhecidos da comunidade científica, sendo que o Lusitanisuchus mitracostatus foi identificado pela primeira vez na Mina da Guimarota, em Leiria.

O estudo, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e por uma bolsa de investigação financiada pelo Parque dos Dinossauros da Lourinhã, é parte integrante da dissertação de mestrado de Alexandre Guillaume, investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e do Museu da Lourinhã e que agora está a iniciar o doutoramento em micro-fósseis de vertebrados.

A tese foi coordenada pelos paleontólogos Miguel Moreno-Azanza e Octávio Mateus, da mesma universidade, juntando-se também para este artigo Eduardo Puértolas-Pascual, especialista em crocodilomorfos ibéricos.

ZAP // Lusa

Por Lusa
13 Dezembro, 2019

 

Avatar

 

3103: Portugal propõe à ESA uma nova constelação de satélites para observação dos oceanos

CIÊNCIA

Portugal preside com a França ao conselho ministerial da ESA, que se inicia nesta quarta-feira em Sevilha. Além da nova constelação de satélites, o ministro Manuel Heitor preconiza uma melhor articulação entre as verbas da ESA e as da União Europeia

Portugal preside com a França à conferência ministerial da ESA.
© ESA, CC BY-SA 3.0 IGO

A conferência ministerial da ESA, a agência espacial europeia, que arranca nesta quarta-feira em Sevilha, presidida por Portugal e pela França, tem uma agenda cheia. Um dos objectivos centrais é definir o orçamento da organização espacial europeia para os próximos cinco anos, bem como as missões em que a ESA vai apostar no mesmo período e a mais longo prazo. Mas o debate também vai passar, desta vez, por novas questões essenciais.

Uma delas é de uma melhor articulação entre os fundos da organização, que resultam das contribuições dos seus Estados membros, e os financiamentos da União Europeia para o sector do espaço. A outra é a necessidade de encontrar novos mecanismos de política industrial, que melhor se adaptem ao sector, hoje mais vasto, mais transversal e mais flexível do que era nos anos de 1970, quando a ESA foi criada.

Portugal, que neste ano preside à conferência a par da França, leva também para os trabalhos a sua estratégia, que passa pelo reforço da sua contribuição financeira em cerca de 10%, de 18 milhões para 20 milhões de euros anuais, pela instalação de um pequeno porto espacial europeu nos Açores e pela proposta de criação de uma nova constelação de satélites para a observação dos oceanos. No caso, o Atlântico, o mar do Norte, o Mediterrâneo e o Báltico

Desta vez, para além da subscrição dos programas científicos obrigatórios da ESA, para os quais todos os Estados membros têm de contribuir, Portugal vai colocar também as suas fichas nos programas da organização para a observação da Terra, telecomunicações, transporte espacial e segurança do espaço (relacionado com o lixo espacial), todos eles essenciais à aposta no porto espacial dos Açores e na nova constelação de satélites. Com isso o governo espera criar no país, na próxima década, cerca de mil novos empregos qualificados no sector do espaço.

Agilizar a relação da ESA com a União Europeia

Em relação ao orçamento da organização para os próximos anos – definido nestas conferências ministeriais, realizadas de três em três anos -, “não se espera um grande aumento”, admite o ministro da Ciência, Manuel Heitor, que preside, juntamente com a sua homóloga francesa, Frédérique Vidal, à conferência em Sevilha. “O orçamento da ESA para o período de 2020 a 2024 deverá ficar em cerca de 14 biliões de euros”, adianta, sublinhando que mais importante vai ser investir “numa melhor articulação das verbas” da ESA e da UE para o sector.

“A forma como a ESA usa o seu orçamento está muito pouco articulada com os financiamentos europeus, mas como vai ser lançado em 2021 o programa europeu para a o espaço, como o próprio Horizonte Europa [programa-quadro europeu para a ciência, tecnologia e inovação] tem várias linhas de investigação no espaço e como há fundos estruturais que podem ser usados para o espaço, é preciso articular esses diferentes financiamentos para melhor desenvolver o sector espacial, que hoje representa oportunidades para o desenvolvimento económico em toda a Europa”, diz Manuel Heitor.

Outra “questão crítica”, que vai estar em cima da mesa em Sevilha, é a da política industrial da organização, que vem do tempo em que foi criada, em 1975, e que assenta num único mecanismo: os Estados membros fazem as respectivas contribuições financeiras e a ESA faz com isso a contratação das empresas para o desenvolvimento das missões aprovadas – é de regra que o valor dos contratos com as empresas de um determinado país tem de ser pelo menos idêntico ao da respectiva contribuição.

Para Manuel Heitor, este panorama deve diversificar-se. “As aplicações do espaço mudaram radicalmente e áreas como a exploração espacial, a observação da Terra ou as telecomunicações são muito diversas, e isso exige a reformulação do ponto de vista industrial dos próprios mecanismos de funcionamento da ESA”, afirma. E sublinha: “O papel do Estado também mudou. Antes, o espaço era sobretudo o dos mercados institucionais e a ESA ocupou muito bem esse lugar, mas hoje há uma diversificação e uma tendência para novos mercados comerciais, com pequenas novas empresas a surgir, e a ESA tem de se modernizar neste contexto, que é diferente, para uma política industrial mais adequada aos novos tempos. Aceitei assumir nesta conferência estas duas principais questões.”

Nesse sentido, Manuel Heitor leva a Sevilha uma proposta concreta que passa por agilizar os debates e tornar anuais os encontros ministeriais para a tomada de decisões. A começar já no próximo ano. “Vou propor em Sevilha uma nova conferência ministerial a realizar em Lisboa até final de Junho do próximo ano, na qual o director-geral da ESA [o alemão Jan Wörner] poderá apresentar a nova proposta de articulação” de financiamentos da ESA com a União Europeia.

“Oportunidade única para Portugal”

Portugal é membro da ESA desde 2000, mas esta é a primeira conferência ministerial em que participa já com uma agência espacial, a Portugal Espaço, criada em Março deste ano para promover o desenvolvimento do sector nacional do espaço, dinamizando a criação de programas, de novas empresas e de mais emprego qualificado nesta área.

A aposta na criação de um pequeno porto espacial em Santa Maria, nos Açores, e a proposta de criação de uma nova constelação de satélites para observação dos oceanos inserem-se na estratégia do governo de investimento no sector, que pretende multiplicar por dez a facturação com este sector em 2030, dos actuais 40 a 50 milhões de euros para pelo menos 500 milhões de euros.

Para isso, Portugal pretende investir na ESA, entre 2020 e 2030, um total de 250 milhões de euros, verba com a qual pretende alavancar um investimento global de 2500 milhões de euros, incluindo fundos europeus e privados.

“Hoje há uma nova oportunidade científica e económica para constelações de pequenos satélites que podem ser lançados por pequenos lançadores e isto é uma oportunidade única para Portugal”, resume o ministro Manuel Heitor. “Por isso temos esta proposta, que levarei a Sevilha, para criar um pequeno porto espacial, que não compete com o grande porto espacial de Kourou [na Guiana Francesa], mas que o complementa. Kourou lança grandes cargas, de muitas toneladas, e nós estamos a falar em Santa Maria de um porto espacial europeu para pequenos lançadores, abaixo de 500 quilos de capacidade.” O espaço, conclui, “já não é só o sonho de chegar à Lua, é também a nossa economia real”.

Diário de Notícias

 

Espécie “rara” de abutre avistada em Mogadouro

CIÊNCIA

Os técnicos constataram que o avistamento do abutre havia sido registado por câmaras de armadilhagem fotográfica no passado dia 19 de junho, num campo de alimentação para aves necrófagas em Bruçó, no concelho de Mogadouro.

Investigadores da Palombar, uma associação transmontana que se dedica à conservação da natureza, registou a presença de um “raro” grifo-de-rüppell (‘Gyps rueppellii’), em Bruçó, no concelho de Mogadouro, revelou à Lusa o biólogo, José Pereira.

“Trata-se de uma espécie de ave rupícola (grifo/abutre) que se encontra ameaçada no mundo, tendo sido registada a sua presença, num campo de alimentação para aves necrófagas em Bruçó, em Pleno Parque Natural do Douro Internacional [PNDI]”, indicou o técnico da Palombar.

Os técnicos constataram que o avistamento do abutre havia sido registado por câmaras de armadilhagem fotográfica no passado dia 19 de Junho, num campo de alimentação para aves necrófagas em Bruçó, no concelho de Mogadouro, gerido pela Palombar, no âmbito do projecto “LIFE Rupis”.

“A Palombar confirmou que se tratava de um indivíduo da espécie ‘Gyps rueppellii’, tendo consultado outros especialistas em abutres, que deram igualmente um parecer afirmativo, corroborando que, de facto, se trata de um grifo-de-rüppell”, frisou José Pereira.

Segundo vários especialistas envolvidos no projecto, devido às “alterações climáticas que se verificam e à progressiva ‘africanização’ do clima na Península Ibérica, muitas espécies de aves africanas parecem estar a colonizar este território, incluindo alguns abutres”.

Em Setembro de 2018,a Palombar anunciava o avistamento, também no PNDI, de uma outra “espécie rara”, uma águia-imperial-ibérica, igualmente no âmbito do projecto “LIFE Rupis”.

Segundo o biólogo, esta espécie encontra-se principalmente na África central e habita sobretudo na savana aberta e árida, em áreas semi-desérticas, em zonas limites do deserto e em zonas de montanha.

Apesar de ainda não existirem registos definitivos que comprovem a ocorrência de reprodução dessa espécie na Europa, o grifo-de-rüppell tem sido avistado com cada vez mais frequência na Península Ibérica, acreditam os técnicos ligados à conservação da natureza.

“O grifo-de-rüeppell é uma espécie de abutre africana que chegou ao Douro Internacional”, vincou José Pereira.

Quinta espécie de abutre “ameaçada globalmente”

Para os ambientalistas e técnicos da conservação da natureza, a Europa poderá passar a ter uma quinta espécie de abutre “ameaçada globalmente” no seu território.

Segundo esta associação, os campos de alimentação para aves necrófagas “são fundamentais para assegurar a conservação de espécies de aves com hábitos alimentares necrófagos”.

“Isto porque uma das principais ameaças que estas aves enfrentam é a falta de disponibilidade de alimento, a qual foi agravada com a chamada crise das ‘Vacas Loucas’, que levou a que as carcaças de gado não pudessem mais ficar no campo. Esta sempre foi a principal fonte de alimentação das aves necrófagas “, indicam estudos da Palombar.

O projecto Life Rupis, lançado há cerca de quatro anos por nove entidades ibéricas ligadas à conservação da natureza no Douro Internacional, apresenta resultados “positivos”, nomeadamente no reforço da população de aves como a águia-perdigueira e o britango.

O projecto teve início em Julho de 2015 e tem uma duração de quatro anos, estando dotado com um financiamento de 3,5 milhões de euros, comparticipado a 75% pelo programa LIFE da União Europeia e cabendo os restantes 25% aos nove parceiros envolvidos.

Os parceiros envolvidos neste projecto são a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), Associação Transumância e Natureza, Palombar, Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, Junta de Castilla y León, Fundación Patrimonio Natural de Castilla y León, Vulture Conservation Foundation, EDP Distribuição e GNR.

Diário de Notícias

Lusa
12 Novembro 2019 — 15:27

 

2960: Couraça dos crocodilos é diferente da dos seus antepassados

CIÊNCIA

b00nj / Flickr

Um antepassado dos crocodilos encontrado na Lourinhã permitiu aos cientistas concluírem que há 150 milhões de anos a couraça daqueles répteis primitivos era diferente da actual.

O estudo dos paleontólogos Octávio Mateus e Eduardo Puértolas Pascoal foi publicado na revista Zoological Journal of the Linnean Society, e conclui que há 150 milhões de anos a couraça dos crocodilos era diferente da actual.

Os fósseis de crocodilomorfos (grupo primitivo do qual derivaram os crocodilos) “até agora descobertos estão muito pouco preservados e articulados”, explicaram à Lusa os paleontólogos do Museu da Lourinhã e da Universidade Nova de Lisboa.

Pelo contrário, o exemplar encontrado em 1999 na praia da Peralta, no concelho da Lourinhã, doado ao Museu da Lourinhã em 2014 e agora estudado, “é um caso raro em posição de vida com boa parte do dorso preservado”.

Parte do esqueleto do animal encontra-se “na conexão anatómica de um crocodilomorfo, composto por osteodermes [ossos da pele], vértebras, costelas e alguns ossos dos membros posteriores”, descreveram na nota de imprensa divulgada. O material fóssil foi sujeito a uma micro Tomografia Axial Computorizada (TAC) nos laboratórios do Centro Nacional de Investigación sobre la Evolución Humana, em Espanha.

A técnica permitiu “recriar modelos em três dimensões” do animal e concluir que “a presença de vértebras anficélicas, típicas na maioria dos crocodilomorfos primitivos, a morfologia peculiar da sua armadura dérmica (formada por duas fileiras de osteodermes dorsais que se articulam através dum espinho lateral) e a presença de osteodermes ventrais poligonais indicam que, muito provavelmente” se trata de um Goniopholididae, da mesma família dos crocodilomorfos.

Os Goniopholididae são um grupo extinto de crocodilomorfos que viveram na Europa, Ásia e América do Norte, durante os períodos Jurássico e Cretácico, mas cuja linhagem se separou dos jacarés, crocodilos e gaviais durante o Jurássico, apresentando diferenças anatómicas.

Uma dessas diferenças é a sua armadura dérmica, que é formada por osteodermes, que, actuando como um todo, lhe conferem estabilidade durante a locomoção.

Por isso, mais do que protecção e absorção do calor, há 150 milhões de anos a couraça destes répteis tinha também uma função locomotora, que se perdeu depois do Jurássico Superior até aos actuais crocodilos.

Enquanto os crocodilomorfos atingiriam cinco metros de comprimento, em vida este animal teria “menos de um metro”, o que leva os paleontólogos a equacionar que poderia ser um anão, um juvenil ou uma nova espécie, conclusões a que vão conseguir chegar ao determinarem a idade deste exemplar.

O animal foi descoberto numa das jazidas do Jurássico Superior, com 150 milhões de anos, da Lourinhã, conhecidas a nível mundial pelos fósseis de dinossauro e uma das mais ricas regiões do mundo em achados paleontológicos.

ZAP // Lusa

Por Lusa
4 Novembro, 2019

 

2951: Português entre os premiados com 2,7 milhões por imagem de buraco negro

CIÊNCIA

A equipa de cientistas, que inclui o astrofísico português Hugo Messias, que obteve a primeira imagem de um buraco negro recebe este domingo um prémio de três milhões de dólares (2,7 milhões de euros) pelo trabalho inédito.

A NASA também tem estudado os buracos negros
© NASA NASA/Reuters

O Prémio Breakthrough, atribuído nos Estados Unidos, reconhece avanços científicos de excelência, tendo como patrocinadores Mark Zuckerberg, um dos fundadores do Facebook, e Sergey Brin, ex-presidente da Google.

A “fotografia” do buraco negro – localizado no centro da galáxia M87, a 55 milhões de anos-luz da Terra, e com uma massa 6,5 mil milhões de vezes superior à do Sol – foi apresentada em Abril e foi conseguida graças aos dados recolhidos das observações feitas, no comprimento de onda rádio, com uma rede de oito radiotelescópios espalhados pelo mundo, que funcionaram como um só e com uma resolução sem precedentes.

O “telescópio gigante” foi designado Event Horizon Telescope, tendo Hugo Messias participado nas observações com um dos radiotelescópios, o ALMA, no Chile.

A equipa internacional de 347 cientistas que obteve a primeira imagem de um buraco negro super-maciço, neste caso a sua silhueta formada por gás quente e luminoso a rodopiar em seu redor, foi premiada na categoria de Física Fundamental.

A imagem dos contornos do buraco negro – o buraco em si, um corpo denso e escuro de onde nem a luz escapa, não se vê – permitiu comprovar mais uma vez a Teoria da Relatividade Geral, de 1915, do físico Albert Einstein, que postula que a presença de buracos negros, os objectos cósmicos mais extremos do Universo, deforma o espaço-tempo e sobreaquece o material em seu redor.

De acordo com a equipa científica envolvida na observação, a sombra do buraco negro registada é o mais próximo da imagem do buraco negro em si, uma vez que este é totalmente escuro.

Diário de Notícias
Lusa
03 Novembro 2019 — 09:15

 

2793: Autarcas de Portugal e de Espanha preocupados com redução drástica do caudal do Tejo

AMBIENTE

Nuno Veiga / Lusa

Autarcas de Portugal e de Espanha apelaram às entidades responsáveis para estabelecerem um quadro que garanta a boa gestão dos caudais e a melhoria da qualidade da água no rio Tejo.

Autarcas de Portugal e de Espanha manifestaram esta segunda-feira “apreensão e grande preocupação” pela redução drástica do caudal do rio em toda a extensão do Tejo Internacional.

Em comunicado enviado à Lusa, os autarcas de Castelo Branco, Vila Velha de Ródão e Idanha-a-Nova (Portugal) e de Cedillo, Carbajo, Herrera de Alcántara e Alcântara (Espanha) condenam a forma como foram geridos os caudais no percurso do Tejo Internacional, que originaram elevados prejuízos ambientais, turísticos e económicos.

A situação é inédita e inaceitável, demonstrando profunda insensibilidade para com este território, em que os autarcas têm investido no sentido de o Tejo ser um factor de atractividade e de desenvolvimento”, lê-se na nota.

Exigem ainda que a situação que agora ocorreu não volte a verificar-se no futuro e apelam às entidades responsáveis de Portugal e Espanha que estabeleçam um quadro que garanta a boa gestão dos caudais e a melhoria da qualidade da água no rio Tejo.

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) esteve representada numa reunião realizada pelos autarcas, onde prestou todos os esclarecimentos relativos a este assunto.

Comunicou ainda que a situação resultou de descargas extraordinárias verificadas da barragem de Cedillo, com o objectivo de Espanha cumprir o regime de caudais estabelecido na Convenção de Albufeira para a bacia hidrográfica do Tejo.

ZAP // Lusa

Por Lusa
7 Outubro, 2019

 

2761: Novas gravuras rupestres descobertas junto ao rio Zêzere

CIÊNCIA

Pedro Dias / Flickr
Rio Zêzere

Um novo conjunto de gravuras rupestres foi descoberto no Poço do Caldeirão, junto ao rio Zêzere, na freguesia da Barroca, concelho do Fundão, distrito de Castelo Branco, disse à Lusa o director do Museu Arqueológico local, Pedro Salvado.

“Estamos a falar de um conjunto de novas gravuras que representam a cabeça de um cavalo, um caprino e figuras geométricas, e que estão enquadradas num complexo gráfico que remonta à pré-história. Aparentemente, são do período do Paleolítico Superior, mas esse estudo terá de ser aprofundado”, apontou Pedro Salvado.

Estas gravuras foram recentemente identificadas por uma equipa do Museu Arqueológico Municipal José Alves Monteiro, no âmbito de trabalhos de monitorização, e estão na mesma zona onde já se tinham descoberto outras gravuras, em 2003.

O conjunto agora identificado conta com diferentes figuras, sendo que uma dela desperta mais atenção pela conservação da rocha e pela nitidez da imagem, que representa um caprino.

“Também é uma rocha que está muito próxima da linha de água e que confirma a importância que o rio sempre teve nas comunidades, sendo que estamos perante um conjunto de mensagens milenares que confirma a importância daquele sítio fabuloso, que é o Poço do Caldeirão, que continua a comunicar e que está muito longe de estar esgotado do ponto de vista do estudo”, acrescentou.

Depois de identificadas as rochas, o Museu Arqueológico deu a conhecer as imagens a especialistas, designadamente a Primitiva Bueno e Rodrigo de Balbín, catedráticos de pré-história na Universidade de Alcalá (Madrid, Espanha), que, numa primeira abordagem, confirmaram a importância do achado por abrir a porta a “uma sequência completa do Paleolítico Superior” naquela região.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes, garantiu que esse trabalho científico será “seguramente” realizado, até no âmbito da recém-criada Rede Nacional de Arte Pré-Histórica, promovida pelo Museu do Côa e da qual o Fundão é membro fundador.

Paulo Fernandes destacou ainda a relevância do achado e lembrou que, após as primeiras descobertas, o município apostou num programa de visitação e da criação de um espaço interpretativo, investimento que pretende agora intensificar de modo a incluir as novas figuras, quer nos programas, quer nos conteúdos do espaço.

São descobertas muito importantes que consolidam aquilo que é um lugar arqueológico de primeira linha e o que nos torna um ponto incontornável daquilo que são as rotas da arte pré-histórica em Portugal”, apontou.

Descobertas novas gravuras rupestres no Vale do Côa. E são uma surpresa

Uma equipa de arqueólogos colocou a descoberto uma nova rocha com gravuras rupestres, no sítio da Penascosa, no Parque Arqueológico…

ZAP // Lusa

Por Lusa
3 Outubro, 2019

 

2660: Descoberto em Ílhavo primeiro sítio pré-histórico subaquático português

CIÊNCIA

Antonio da Silva Martins / Flickr

Uma equipa de arqueólogos descobriu vestígios de uma mancha de ocupação ou possível acampamento do neolítico a cerca de dois metros de profundidade na Ria de Aveiro, em Ílhavo.

“Temos estado a apanhar algumas surpresas valentes. O neolítico não estávamos à espera e muito menos no sítio onde está”, avança Tiago Fraga, director científico da equipa de arqueólogos, sobre os vestígios daquele que será o primeiro sítio pré-histórico subaquático do país.

No âmbito do acompanhamento arqueológico dos trabalhos de dragagem no Canal de Ílhavo, também conhecido como Rio Bôco, foram encontrados em Agosto passado vários artefactos datados entre 4.000 a.C. e 3.000 a.C. e uma estrutura que se encontra submersa.

“Inicialmente encontrámos cerâmicas com mamilos e decoração, que se vê claramente que são da pré-história. Mais para a frente, começaram a sair líticos, ou seja, pedras talhadas, percutores e esse tipo de materiais”, descreveu o arqueólogo.

Para verificação dos materiais descobertos pelas arqueólogas Soraya Sarmento e Natália Quitério ocorreram diversos mergulhos de arqueologia subaquática que identificaram uma estrutura no local que provavelmente estará associada. “Sabemos por isso que não são peças perdidas no rio. É mesmo um sítio coeso que está lá debaixo de água”, reforçou o responsável que tem liderado várias missões arqueológicas de investigação e salvaguarda.

A equipa de arqueólogos suspeita que se possa tratar de “uma grande mancha de ocupação relacionada com um povoado” que está ali “algures” e acreditam que, muito provavelmente, “vão continuar a aparecer mais materiais”.

“A linha do nível médio do mar estava a 60 quilómetros daqui [Rio Bôco], portanto, toda esta zona eram planícies que estão neste momento debaixo de água. Agora, não estávamos à espera de encontrar estes materiais, muito menos na zona do Rio Bôco, onde foram localizadas, e é o primeiro sítio pré-histórico subaquático do país”, disse Tiago Fraga.

A descoberta já foi comunicada à Direcção-Geral do Património Cultural que irá determinar o que será feito relativamente ao local do achado. “A decisão poderá ir da manutenção no local, até à sua conservação por registo que é a escavação integral do sítio, para se poder continuar a fazer a empreitada. Neste caso, como o sítio arqueológico não está em perigo, deverá ficar no solo”, explicou.

A equipa liderada por Tiago Fraga foi contratada para fazer o acompanhamento arqueológico dos trabalhos de desassoreamento da Ria de Aveiro, uma empreitada promovida pela Polis Litoral da Ria de Aveiro que começou no passado mês de Abril e que se irá estender ao longo de quase 100 quilómetros de canais.

Entre as várias acções desenvolvidas pelos arqueólogos está a protecção de estruturas arqueológicas, o estudo de materiais que vão aparecendo e a valorização e divulgação dos achados.

“Como é uma empreitada de grande envergadura, é necessário fazer acompanhamento arqueológico e a valorização patrimonial dos sítios arqueológicos já conhecidos, com o objectivo de aumentar o conhecimento da zona, perceber como é que Ílhavo e Aveiro apareceram e como era o tráfego marítimo na zona”, explicou Tiago Fraga.

Os arqueólogos estão também a fazer o despiste de “cinco possíveis túmulos de lastro” que foram identificados, no âmbito do estudo de impacto ambiental da empreitada. “Já fizemos o primeiro e não é um túmulo de lastro. Estamos com esperanças que um deles seja um naufrágio”, disse o responsável.

Apesar de todo o património arqueológico subaquático que já foi encontrado na Ria de Aveiro, Tiago Fraga diz que ainda há muito por descobrir no fundo da laguna.

“Toda a gente sabe que existem mais de 14 naufrágios aqui e um deles é o mais antigo de Portugal – ainda está em sítio na zona do Canal de Mira. Sabemos o que se passa no Canal de Mira e, agora, apanhámos esta surpresa no canal do Bôco, mas não sabemos nada do que se passa na zona Norte, em direcção a Ovar, que era o antigo canal da época islâmica e aí poderemos ter outras surpresas”, afirmou.

ZAP // Lusa

Por Lusa
17 Setembro, 2019

 

2575: Encontrados edifícios e via romanos em escavações arqueológicas de Tavira

CIÊNCIA

Filipe Farinha/ Lusa
Escavação arqueológica na cidade de Balsa, em Tavira, desvendou edifícios e uma via romanos.

As escavações arqueológicas realizadas nos vestígios da antiga cidade romana de Balsa, em Tavira, confirmaram a existência de edificações e de uma via com orientação este-oeste.

A definição de onde acaba e começa a cidade romana do século I é o grande objectivo do projecto de investigação de três anos iniciado este verão.

João Pedro Bernardes, investigador da UAlg, fez um balanço positivo do trabalho desenvolvido no primeiro ano do projecto de investigação, que permitiu descobrir “os limites de duas edificações e a via que existia entre ambas, com direcção este-oeste”.

Durante um dia aberto na escavação, o arqueólogo mostrou-se satisfeito com os resultados alcançados, porque foram descobertas estruturas, que “confirmaram o que já se tinha identificado com as sondagens geofísicas” e os trabalhos de prospecção feitos em 2017.

“A cidade teve um período áureo entre o século I e século II, marcado por grandes construções e edifícios, e depois temos uma fase mais de decadência da cidade, que se regista a partir do século III e que vai até ao século VII, e que reaproveita os materiais da fase mais antiga”, afirmou o investigador da UAlg.

“É isso que estamos aqui a constatar e que é provado também por materiais que nos chegam aqui de todo o mediterrâneo”, acrescenta João Pedro Bernardes  entre esses materiais estão “cerâmicas finas“.

Os arqueólogos encontraram ainda um fragmento de uma peça “com a marca do oleiro” e que se sabe que foi “importada da actual França, da antiga Gália”, referiu o investigador.

Foi também possível, numa outra escavação mais acima no terreno, perceber os danos que a exploração agrícola na zona ao longo de anos e a utilização de máquinas provocou nos vestígios que estavam enterrados, “porque são visíveis as marcas das máquinas na pedra” que estava na base do terreno, explicou o arqueólogo.

Sobre o que fica para fazer nos próximos dois anos, a mesma fonte respondeu que falta o grande objectivo, que é o de “determinar a extensão da cidade“.

“E para isso precisaremos provavelmente de entrar em negociações com vários proprietários, porque pensamos que a cidade se prolonga para outras propriedades“, disse o investigador, referindo-se à zona a nascente da actual localização.

A autarquia de Tavira, através da vice-presidente, Ana Paula Martins, salientou ainda a importância de haver transparência em toda a informação disponível sobre Balsa, para que “se saiba exactamente o que lá está” e “libertar as zonas onde não há vestígios”, com a definição de uma nova Zona Especial de Protecção (ZEP).

Balsa situa-se na freguesia de Luz de Tavira, na zona da Torre D’Aires, numa área protegida localizada junto à ria Formosa, e está já abrangida por uma ZEP.

As escavações arqueológicas estão a ser conduzidas pela Universidade do Algarve (UAlg) e o Centro de Ciência Viva de Tavira, com o apoio da Direcção Regional de Cultura e a Câmara de Tavira, em terrenos privados da Quinta da Torre D’Aires, na freguesia de Luz de Tavira.

DR, ZAP //

Por DR
4 Setembro, 2019

 

2542: Portuguesa Critical Software volta a ajudar a ESA a preparar missões espaciais mais seguras

CIÊNCIA

Com 20 anos de experiência na área, a empresa portuguesa de tecnologia que já trabalhou com a NASA vai agora participar na modernização das directrizes de referência da Agência Espacial Europeia.

Depois de ter participado, em 2006, na criação do guia de Verificação e Validação Independente de Software (ISVV) da Agência Espacial Europeia (ESA), a Critical Software vai agora colaborar com a Rovsing, a empresa de equipamentos para satélites, na modernização das directrizes de referência deste sector.

De acordo com o comunicado feito pela empresa internacional de tecnologia fundada em Portugal, o novo manual vai estabelecer regras relativamente à forma como são levadas a cabo as actividades de ISVV nos sistemas de software da ESA. Embora não sofra alterações desde 2008, o guia vai passar a seguir as normas da European Cooperation for Space Standardization, tendo em conta não só as observações realizadas na área da exploração espacial, mas também os avanços tecnológicos registados no desenvolvimento de software.

Segundo Nuno Pedro Silva, responsável pelo projecto, “na indústria espacial os acidentes podem ter proporções catastróficas”, motivo pelo qual a Critical Software vai trazer os seus 20 anos de experiência na área para garantir que o guia ajude profissionais a criar sistemas cada vez mais seguros.

De acordo com o website da empresa, a ISVV assume uma importância fulcral na preparação de uma missão espacial. Por mais surpreendente que pareça, as naves espaciais não são totalmente testadas antes de serem lançadas, excepto em casos muito particulares, ou então quando se trata de foguetões.

Além do facto de que lançar uma nave apenas para a testar seria economicamente insustentável, dificilmente se conseguem recriar as condições do espaço no nosso planeta. Assim, a ISVV permite aos profissionais independentes e empresas que trabalham na área das actividades espaciais consigam averiguar se o software por eles produzido é seguro.

Sendo uma das primeiras na Europa a disponibilizar serviços de ISVV, a Critical Software teve como primeiros clientes a ESA e a NASA, tendo também participado em mais de 20 missões espaciais.

Sapo Tek
29 Ago 2019 19:20

 

2512: Descoberta em Alenquer uma das maiores muralhas do país do Calcolítico

CIÊNCIA

Mário Cruz / Lusa

Arqueólogos portugueses e espanhóis descobriram em Alenquer uma muralha monumental, uma das maiores do país do período Calcolítico, com quatro a cinco mil anos, após terem realizado este mês as primeiras escavações.

A uma altitude de 170 metros, em pleno Canhão Cársico da Ota, classificado como paisagem protegida de âmbito local, foi descoberto “um recinto murado com cinco mil anos”, os primeiros vestígios do que poderá vir a ser um povoado pré-histórico, disse à agência Lusa o arqueólogo André Texugo Lopes.

Através do motor de localização por satélite Google Earth, o arqueólogo já tinha conseguido identificar a estrutura murada pré-histórica, mas, devido à vegetação densa, só os trabalhos de desmatação e as escavações deste ano permitiram pô-la em parte a descoberto.

“Já identificámos quatro a cinco metros de largura da estrutura e um comprimento de 150 metros” afirmou o investigador do Centro de Estudos Geográficos e do Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa, apontando para que seja “provavelmente a maior estrutura pré-histórica deste tipo de sítios”.

As escavações, realizadas em conjunto com Ana Catarina Basílio, investigadora do Centro Interdisciplinar em Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano da Universidade do Algarve, com a colaboração de arqueólogos da Universidade de Coimbra, da Universidade Autónoma de Madrid e da Universidade de Jaén (Espanha), permitiram perceber que o muro possui uma altura conservada de 1,4 metros, apesar de ter vários derrubes identificados.

O sítio arqueológico da Ota terá uma dimensão na ordem dos cerca de quatro hectares, incluindo uma zona de dois hectares rodeada pela muralha e outra fora da mesma, onde os arqueólogos também identificaram e escavaram estruturas e materiais de importância arqueológica, que estão, contudo, por datar.

O sítio estava identificado desde 1936, mas só em 2016 André Texugo Lopes, natural do concelho, no distrito de Lisboa, fez prospecções no local e estudou os materiais recolhidos à superfície nas últimas décadas, no âmbito da sua dissertação de mestrado e de um dos projectos que venceram o Orçamento Participativo de 2014 da Câmara Municipal de Alenquer.

A localização do sítio pré-histórico pode dever-se à existência de “água por perto e ao controlo e defensibilidade sobre a zona a 360 graus, localizando-se este sítio sobre uma via de comunicação importante, o rio Ota, que nasce na serra do Montejunto e desagua no Tejo”.

Durante as escavações, os arqueólogos encontraram materiais muito fragmentados do período Calcolítico e elementos da Idade do Bronze (cerca de 1500 anos antes de Cristo), da Idade do Ferro (cerca de 700 anos a.C.), do período romano (entre 400 anos a.C. e 200 anos d.C.) e do período islâmico (século VIII d.C.), que revelam uma ampla ocupação do sítio, ainda que com dinâmicas distintas.

Entre eles, destacam-se machados de bronze, machados de pedra polida, cerâmicas decoradas, elementos construtivos romanos, artefactos em sílex, ossos polidos e até um ‘lagomorfo’, que pensam estar associado a contextos funerários.

A dimensão do sítio leva os arqueólogos a depositar elevada expectativa em futuras campanhas.

“Sempre que desmatamos mais um bocadinho conseguimos sempre incrementar valor e encontrar estruturas arqueológicas”, disse André Texugo Lopes.

No âmbito da tese de doutoramento que está a desenvolver, André Texugo Lopes vai pela primeira vez em Portugal efectuar prospecção arqueológica recorrendo a ‘drones’ e a tecnologia, com um raio laser a penetrar na densa vegetação e a chegar ao nível do solo, identificando “com grande precisão estruturas arqueológicas, como as identificadas na Ota”.

ZAP // Lusa

Por Lusa
25 Agosto, 2019