3861: Descobertas estranhas estruturas gigantes nas profundezas da Terra

CIÊNCIA/GEOLOGIA

Matthew Dillon / Flickr

Uma equipa de cientistas da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, encontrou uma “vasta estrutura” com “um denso material”, cuja existência era até agora desconhecida, entre o núcleo e o manto da Terra.

De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica Science, a equipa da universidade norte-americana chegou a esta conclusão graças a pesquisas anteriores sobre o comportamento das ondas sísmicas.

Os cientistas utilizaram o mesmo algoritmo que é aplicado para analisar galáxias distantes, tal como refere o portal de Ciência New Scientist.

A estrutura em causa foi encontrada sob as ilhas Marquesas, um dos cinco arquipélagos da Polinésia Francesa, no Pacífico Sul, que são de tipo vulcânico. A investigação revelou ainda que a estrutura é muito maior do que se pensava anteriormente.

Os cientistas não sabem ainda o que compõe esta estrutura, mas acreditam que este “oferece uma oportunidade para melhor entender os intrincados processos que permitiram ao nosso planeta evoluir e mudar ao longo do tempo”.

“Observando milhares de ecos da fronteira do manto central de uma só vez, em vez de analisar alguns de cada vez, como costuma ser feito, ganhamos uma perspetiva totalmente nova“, explicou Doyeon Kim, autor principal do estudo, em comunicado.

“[A descoberta] mostra-nos que a região de fronteira do núcleo do manto tem muitas estruturas que podem produzir estes ecos [agora descritos], mas isto era algo que não tínhamos percebido antes porque só tínhamos uma visão estreita”.

Doyeon Kim/University of Maryland

Vedran Lekić, geólogo da universidade de Maryland e co-autor do estudo, completou: “Ficamos surpresos por encontrar um recurso tão grande nas Ilhas Marquesas que nem sabíamos que existia antes (…) É realmente empolgante, porque mostra como é que o algoritmo Sequencer pode ajudar-nos a contextualizar dados sismográficos em todo o mundo de uma forma que não podíamos antes”.

ZAP //

Por ZAP
17 Junho, 2020

 

spacenews