4365: A Antárctida está em perigo. “Glaciar do juízo final” está a derreter a um ritmo alarmante

CIÊNCIA/AQUECIMENTO GLOBAL

Jeremy Harbeck / Nasa

Novas estudos deixam um alerta: A Antárctica está a correr sérios perigos de desaparecer. Os cientistas já apelidaram o Thwaites – um glaciar do tamanho da Grã-Bretanha localizado no oeste do continente –  de “glaciar do juízo final”, devido à rapidez com que está a derreter.

O Thwaites, está a derreter a um ritmo alarmante: está a recuar cerca 800 metros por ano. Os cientistas acreditam que o glaciar deverá perder todo o seu gelo nos próximos 200 a 600 anos. Quando isso acontecer, haverá um inevitável aumento do nível do mar em cerca de 0,5 metros. Contudo, o aumento do nível do mar não é a única consequência do derretimento de gelo na Antárctida – revela o Science Alert.

O colapso do Thwaites pode trazer com ele carradas de gelo que estão presentes no oeste da Antárctica. Sendo assim o aumento do nível do mar não aumentaria apenas 0,5 metros, mas sim 3 metros, o que acabaria por colocar grandes cidades submersas, como é o caso de Nova York, Miami e Holanda – regiões costeiras.

David Holland, professor de ciência atmosférica na Universidade de Nova York diz que este fenómeno pode implicar “uma grande mudança”.

Dois novos estudos acrescentaram ainda mais detalhes a este quadro que já é alarmante. Uma pesquisa publicada na semana passada no jornal Cryosphere, descobriu que as correntes oceânicas quentes podem estar a corroer os extremos do glaciar Thwaites.

Entretanto, um estudo publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences na segunda-feira, usou imagens de satélite para mostrar o Thwaites e o seu vizinho, o glaciar Pine Island. Os dois estão a fragmentar-se mais rapidamente do que se pensava e já contribuíram com cerca de 5% para o aumento global do nível do mar.

A má notícia é que não é só o Thwaites que está a desmoronar, pois a camada de gelo da Antárctica está a derreter seis vezes mais rápido do que na década de 1980, perdendo assim 252 mil milhões de toneladas por ano da sua composição, contra os 40 mil milhões de toneladas por ano que perdia há 40 anos.

O novo estudo PNAS descobriu que as margens de cisalhamento nos glaciares Pine Island e no Thwaites estão a enfraquecer, e por isso estão mais vulneráveis o que faz com que se partam –  o que pode estar a causar o fluxo de gelo para o oceano.

Quando as camadas de gelo derretem por baixo, podem perder a sua estrutura, fazendo com que derretam ainda mais rápido e se desintegrem no oceano, como está a acontecer com o glaciar Thwaites.

A fusão do glaciar Thwaites é tão preocupante que os EUA, e o Reino Unido criaram uma agência internacional para estudar o fenómeno, a Colaboração Internacional do Glaciar Thwaites.

Os investigadores calcularam que o glaciar de Pine Island perdeu uma área equivalente ao tamanho de 10 cidades de Lisboa, nos últimos seis anos. “São os primeiros sinais que temos de que a plataforma de gelo de Pine Island está mesmo a desaparecer“, disse Stef Lhermitte, especialista em satélites e principal autor do estudo PNAS.

De acordo com um relatório de 2018, o aumento do nível do mar pode afectar até 800 milhões de pessoas até 2050.

O relatório, da rede climática C40 Cities, descobriu que o aumento do nível do mar pode ameaçar o fornecimento de energia a 470 milhões de pessoas,e regularmente expor 1,6 mil milhões de pessoas a temperaturas extremamente altas.

Num cenário mais trágico, se todo o de gelo da Antárctica derretesse, os cientistas estimam que o nível do mar aumentaria 60 metros.

ZAP //

Por ZAP
21 Setembro, 2020

 

spacenews

 

4253: Mega-constelações de satélites podem dificultar o rastreamento de asteróides perigosos

CIÊNCIA/TECNOLOGIA

(CC0/PD) 9866112 / Pixabay

Mega-constelações de satélites colocadas em órbita podem por em risco as observações astronómicas, podendo mesmo dificultar o rastreamento de asteróides potencialmente perigosos para a Terra.

Um relatório publicado esta semana pelo grupo de trabalho Constelações de Satélites (SATCON1) alerta para esta situação, frisando que o brilho dos satélites pode afectar os programas que procura e rastreamento de asteróides e/ou cometas.

O documento, conta o Space.com, aponta especialmente o dedo à rede Starlink de Elon Musk, que visa fornecer um melhor acesso à Internet em zonas remotas do mundo.

Os potenciais impactos das mega-constelações na órbita baixa da Terra (LEO), como a rede Starlink da SpaceX, estimam-se numa variação significante entre “significante e extrema”, pode ler-se no documento agora publicado.

Este projecto da empresa de sistemas espaciais de Elon Musk consiste numa “constelação” de satélites de cerca de 42.000 unidades que serão colocadas em órbita para fazer chegar Internet de alta velocidade a todos os cantos do mundo.

Depois dos lançamentos dos primeiros lotes de satélites, a iniciativa da SpaceX recebeu uma chuva de críticas de vários astrónomos, que alegam que estes dispositivos estão a “poluir” os céus, dificultando as observações astronómicas.

Mas a SpaceX não está sozinha na corrida: a Amazon pretende lançar 3.200 satélites de banda larga para alimentar a sua própria rede, numa iniciativa baptizada de Projecto Kuiper.

Space X trabalha num Starlink “escuro” para não perturbar observações astronómicas

A SpaceX está a estudar uma série de alterações aos seus satélites Starlink, visando minimizar o impacto destes dispositivos nas…

Ler mais

ZAP //

Por ZAP
1 Setembro, 2020

 

spacenews

 

4188: Um asteróide do tamanho de um carro “quase acertou” na Terra

CIÊNCIA/ASTRONOMIA

Provavelmente desvalorizamos o facto de existirem muitos asteróides “por perto” e podermos um dia destes estar na rota de colisão com um dos “monstros”. Temos confiança nos sistemas que vigiam os espaço e entendemos que estes controlam realmente as trajectórias destas rochas. Contudo, no passado dia 16 de Agosto, um asteroide passou perto da Terra, a 2.950 km, e só foi detectado seis horas depois.

Era pequeno, do tamanho de um carro, mas poderia causar problemas. Sobrevoou o planeta e seguiu a sua rota.

Asteróide chegou, entrou, partiu e ninguém deu por ela

Asteróides que penetram na Terra são algo que esperamos evitar. Imagine se tal impacto acontecesse numa das nossas principais cidades, os efeitos seriam catastróficos. É por isso que existem invenções como o motor iónico da NASA, por exemplo.

Então, quando um asteroide quase do tamanho de um carro passou perto do nosso planeta no domingo e ninguém percebeu até depois do fato, as notícias são bastante preocupantes.

Percorreu apenas 1.830 milhas (2.950 km) pela Terra, de acordo com o Business Insider.

O quase acidente

Tanto quanto foi registado, o voo do asteróide foi o mais próximo de voar pela Terra de todos os tempos. Foi captado por um programa financiado pela NASA, que chamou o asteroide 2020 de QG.

Mesmo que o asteróide tivesse colidido com a Terra, devido ao seu tamanho, não teria causado nenhum dano enorme. O que é preocupante é que ninguém o viu a chegar até que já tivesse passado.

O asteróide aproximou-se sem ser detectado da direcção do Sol. Nós não previmos isso.

Explicou Paul Chodas, director do Centro de Estudos de Objectos Perto da Terra da NASA.

Foi o Observatório Palomar quem primeiro notou o caminho do asteróide.

Segundo Chodas, a aproximação deste asteróide é a mais próxima registada, se não contarmos alguns asteróides conhecidos que realmente chocaram com o nosso planeta. O 2020 QG sobrevoou o hemisfério sul, e Tony Dunn no Twitter criou uma simulação para mostrar a sua velocidade – 12,4 km por segundo. As imagens mostram o voo impressionantemente perto da Terra.

Foto do perfil, abre a página do perfil no Twitter em uma nova aba
Tony Dunn
@tony873004
Newly-discovered asteroid ZTF0DxQ passed less than 1/4 Earth diameter yesterday, making it the closest-known flyby that didn’t hit our planet. @renerpho Simulation: orbitsimulator.com/gravitySimulat

Uma vez que as leituras do telescópio mostraram que o asteróide era do tamanho de um carro, este deveria ter entre dois e 5,5 metros de largura. Assim, se este asteróide tivesse causado impacto na Terra, provavelmente teria explodido na atmosfera e não teria um efeito maior nas pessoas do que o sentir de alguns sons distantes.

O problema do Sol

O problema com este asteróide era que ele vinha da direcção do Sol e, como tal “não há muito que possamos fazer sobre a detecção de asteróides vindos da direcção do Sol, já que os asteróides são detectados a usar apenas telescópios ópticos (como ZTF), e só podemos procurá-los no céu nocturno.” referiu Chodas.

A ideia é que os descubramos numa das suas passagens anteriores pelo nosso planeta, e então façamos previsões com anos e décadas de antecedência para ver se eles têm alguma possibilidade de impacto.

Concluiu o investigador da NASA.

NASA afirma que nenhum asteróide registado vai colidir com a Terra nos próximos 100 anos

Há hoje uma preocupação maior relacionada com os asteróides. Ameaças do asteróide do Apocalipse ou do Deus do Caos estão a ser vigiadas pela NASA que desdramatiza os possíveis casos de colisão com a … Continue a ler NASA afirma que nenhum asteroide registado vai colidir com a Terra nos próximos 100 anos

18 Ago 2020

 

spacenews

 

4156: Moradores das Maurícias estão a cortar o próprio cabelo para ajudar a evitar um desastre ambiental

CIÊNCIA/DESASTRES ECOLÓGICOS

Pierre Dalais / EPA

Moradores das Maurícias estão a cortar o seu próprio cabelo para para tentar minimizar os danos causados pelo derrame de petróleo de um navio japonês encalhado nos recifes de coral ao largo da ilha.

Estima-se que uma tonelada de petróleo da carga de um navio japonês de quatro toneladas já tenha escapado para o mar, segundo as autoridades.

O país declarou estado de emergência e em causa pode estar um desastre ecológico.

Enquanto o Governo tenta obter ajuda internacional, os moradores tentam ajudar de outra forma: estão a criar barreiras caseiras para conter o petróleo, usando palha, folhas de cana-de-açúcar E cabelos humanos que são depois colocados em sacos de tecido.

“Os cidadãos estão a construir quilómetros de barreiras flutuantes para conter o derrame de petróleo (…) estamos a fazê-lo com folhas de cana-de-açúcar, mas também com cabelo, uma vez que o cabelo é um óptimo absorvente de petróleo“, disse à BBC Joanna Berenger, parlamentar das Maurícias, que cortou o seu cabelo para ajudar.

Foto do perfil, abre a página do perfil no Twitter em uma nova aba
Bethan Govier
@Bethan_Govier
Fellow warden currently on the mainland sent this through. Free haircuts at the local mall to collect hair to help absorb some of the #oilspill in #mauritius. The official response may have been severely lacking but the community are coming together and it’s fantastic.

Imagem

Na verdade, o cabelo é uma ferramenta perfeita para ajudar a conter um derrame de petróleo, uma vez que é lipofílico, isto é, repele a água, mas é capaz de se ligar a qualquer outro composto feito a partir de petróleo ou outro óleo, sendo por isso útil na separação entre os dois – na prática, tem afinidade química com as gorduras.

Segundo Berenger, um quilograma de cabelo pode absorver 8 litros de petróleo.

Ao longo dos anos, vários cientistas sugeriram já utilizar cabelo, seja este de origem humana ou animal, para absorver derrames de petróleo, recorda o IFL Science.

Um estudo da NASA publicado no final da década de 1990 concluiu que 11.340 quilogramas de cabelo podem ser suficientes para absorver 170.000 barris de petróleo derramado e que um barril pode ser absorvido em menos de um minuto.

Os moradores locais estão agora a ser incentivos a cortar e a doar os seus cabelos à causa, havendo salões de cabeleireiro a oferecer os cortes de cabelo a quem quiser participar na iniciativa. França, antiga governante colonial da ilha, também se juntou à causa e prevê fazer chegar às Maurícias 20 toneladas de cabelo.

O primeiro-ministro, Pravind Jugnauth, declarou o estado de emergência e apelou à ajuda internacional, adiantando que o derrame “representa um perigo” para o país de 1,3 milhões de pessoas, que depende fortemente do turismo e foi já fortemente prejudicado pelas restrições de viagem causadas pela pandemia de covid-19.

Maurícias numa corrida contra o tempo para evitar desastre ambiental

Milhares de estudantes, activistas ambientais e residentes das Maurícias continuam a trabalhar para tentar minimizar os danos causados pelo derrame…

Ler mais

ZAP //

Por ZAP
12 Agosto, 2020

 

spacenews

 

4137: Maurícias numa corrida contra o tempo para evitar desastre ambiental

CIÊNCIA/DESASTRE AMBIENTAL

Pierre Dalais / EPA

Milhares de estudantes, activistas ambientais e residentes das Maurícias continuam a trabalhar para tentar minimizar os danos causados pelo derrame de petróleo de um navio encalhado nos recifes de coral ao largo da ilha.

Estima-se que uma tonelada de petróleo da carga de um navio japonês de quatro toneladas já tenha escapado para o mar, segundo as autoridades.

Os trabalhadores estavam a tentar impedir mais fugas de petróleo, mas com os ventos fortes e o mar agitado, registaram-se, este domingo, novas fissuras no casco do navio.

O primeiro-ministro, Pravind Jugnauth, declarou o estado de emergência e apelou à ajuda internacional, adiantando que o derrame “representa um perigo” para o país de 1,3 milhões de pessoas, que depende fortemente do turismo e foi já fortemente prejudicado pelas restrições de viagem causadas pela pandemia de covid-19.

“Esta é a primeira vez que enfrentamos uma catástrofe deste tipo e não estamos suficientemente equipados para lidar com este problema”, disse também Sudheer Maudhoo, o ministro da Pesca do país ao New York Times, citado pelo site Live Science.

Imagens de satélite mostram uma mancha escura a alastrar nas águas turquesa perto de zonas húmidas classificadas de “muito sensíveis” do ponto de vista ambiental.

Defensores da vida selvagem e voluntários transportaram, entretanto, dezenas de tartarugas bebé e plantas raras de uma ilha perto do derrame para a ilha Maurícia, a maior do país.

“Isto já não é uma ameaça para o nosso ambiente, é um desastre ecológico completo que afectou uma das partes mais importantes das ilhas Maurícias, a Lagoa de Mahebourg”, disse Sunil Dowarkasing, um consultor ambiental e antigo membro do Parlamento.

“O povo das Maurícias, milhares e milhares, têm estado a tentar evitar tantos danos quanto possível”, disse Dowarkasing.

De acordo com este responsável, foram criadas longas jangadas flutuantes para tentar abrandar a propagação do petróleo. Estão também a ser usadas faixas de tecido cheia com folhas e palha de cana de açúcar e mantidas a flutuar com garrafas de plástico. Estudantes universitários e membros de clubes locais estão entre os voluntários.

Estamos a trabalhar a todo o vapor. É um grande desafio, porque o petróleo não está apenas a flutuar na lagoa, está já a espalhar-se para a margem”, disse Dowarkasing, adiantando que os ventos constantes e as ondas espalharam o combustível pelo lado oriental da ilha. “Nunca vimos nada assim nas Maurícias” acrescentou.

A lagoa é uma área protegida, criada há vários anos para preservar uma zona da ilha Maurícia como há 200 anos.

“Os recifes de coral tinham começado a regenerar-se e a lagoa estava a recuperar os seus jardins de coral”, disse Dowarkasing. “Agora tudo isto pode ser novamente morto pelo derrame de petróleo”, acrescentou.

Residentes e ambientalistas questionam por que razão as autoridades não agiram mais rapidamente após o navio, o MV Wakashio, encalhar num recife de coral a 25 de Julho.

Essa é a grande questão“, disse Jean Hugues Gardenne, da Fundação Mauritian Wildlife Foundation. “Porque é que aquele navio estava há tanto tempo naquele recife de coral e nada foi feito”, insistiu.

No Japão, responsáveis da empresa proprietária do navio, a Nagashiki Shipping, e do operador do navio, Mitsui O.S.K. Lines, pediram desculpa pela fuga de petróleo.

Na sua primeira conferência de imprensa desde que o navio encalhou há duas semanas, os responsáveis disseram ter enviado peritos às Maurícias para se juntarem ao esforço de limpeza.

Os dirigentes adiantaram que o Wakashio deixou a China a 14 de Julho e estava a caminho do Brasil. O navio estava a cerca de uma milha da costa sudeste da Maurícia quando encalhou, embora fosse suposto estar a 10 a 20 milhas (16 a 32 quilómetros) de distância da ilha, estando em investigação a razão pela qual o navio se desviou da rota. Depois de o navio ter encalhado, a tripulação foi evacuada com segurança.

ZAP // Lusa

Por ZAP
10 Agosto, 2020

 

spacenews

 

4108: NASA dá 150 mil euros a quem consiga resolver um problema “poeirento” da Lua

CIÊNCIA/NASA/LUA

A superfície da Lua está coberta por uma poeira estranha e “pegajosa” que se agarra a tudo à sua volta. Conforme já foi anteriormente referido, este pó, à primeira vista inofensivo, ao microscópio revela-se, grão a grão, tremendamente afiado e áspero como uma lixa. O grão é tão pequeno que se entranha em qualquer canto ou recanto dos fatos dos astronautas. Além disso, provoca um cheiro estranho e leva as pessoas a espirrar compulsivamente.

Assim, para tentar resolver este problema, a agência espacial dos EUA oferece 180.000 dólares a estudantes universitários que proponham ideias para proteger as missões espaciais do pó da Lua.

Pó lunar cheira mal e pode causar graves problemas de saúde

O pó do solo lunar é fino, muito fino mesmo, e ao microscópio os grãos têm uma aparência afiada e áspera. Assim, estas características não foram tidas em conta nas primeiras missões Apollo. Como tal, esta ameaça negligenciada provocou reacções adversas aos astronautas após a sua caminhada pelo solo do nosso satélite natural.

Os relatos dos primeiros homens a pisar o solo lunar diziam que havia um cheiro estranho quando Armstrong e Aldrin regressaram ao módulo lunar, após a primeira caminhada. De seguida, apareceu uma doença lunar desconhecida, sofrida por Harrison Schmitt, astronauta da Apollo 17. Era uma espécie de “febre do feno lunar”, uma patologia que faz as pessoas espirrarem compulsivamente e que pode tornar-se muito perigosa se inalada em grandes quantidades, produzindo algo semelhante à silicose que os mineiros experimentam.

NASA premeia com cerca de 150 mil euros quem descobrir solução

Agora que a NASA está a planear colocar os homens (e a primeira mulher) de volta na Lua com o programa Artemis, a agência espacial americana não quer cometer o mesmo erro e procura soluções para o irritante e perigoso pó da Lua. Assim, a NASA está a oferecer 180.000 dólares (pouco mais de 150.000 euros) a quem possa fornecer soluções para contrariar as consequências desta pequena ameaça. Este assunto, se negligenciado, poderá colocar toda a missão em risco, além de afectar gravemente a saúde dos astronautas.

A NASA procura ideias inovadoras da comunidade académica para uma vasta gama de soluções, para mitigar a poeira lunar e problemas que incluem a redução de nuvens de poeira na aterragem, a remoção de poeira dos fatos espaciais e outras superfícies, a obstrução dos sistemas ópticos e a redução dos níveis de partículas, entre outros.

Referiu a agência espacial norte-americana numa declaração.

NASA 2021 BIG Idea Challenge

Conforme a comunicação, este é o Grande Desafio de Ideias de 2021. Não é uma iniciativa inédita e tem como missão propor aos estudantes universitários novas abordagens aos problemas reais da missão espacial.

O 2021 BIG Idea Challenge proporciona uma oportunidade de conceber, construir e testar novas tecnologias que poderão ser utilizadas para aplicações lunares. Este concurso pretende ser um desafio de inovação aberta com constrangimentos mínimos para as equipas proponentes criarem e desenvolverem soluções prontas a usar.

Segundo o que consta no regulamento, as partes interessadas, que devem registar-se até 25 de Setembro de 2020, devem resolver os seguintes desafios:

  • Prevenção e atenuação da poeira na aterragem na Lua: evitar ou proteger interacções com colunas de poeira ou a superfície da lua que possam resultar em sondas lunares.
  • Tolerância ao pó e mitigação em fatos espaciais: limitar a aderência do pó e outros efeitos nocivos aos seus sistemas.
  • Prevenção, Tolerância e Mitigação do Pó Exterior: proteger os sistemas de superfície lunar ou impedir a entrada de pó em ‘habitats’ e sondas.
  • Tolerância e Mitigação do Pó da Cabine: Limpar volumes habitáveis e as suas superfícies interiores. Ajuda a evitar que o pó chegue à estação Gateway e à nave espacial Orion, quando a sonda regressa à órbita lunar a partir da superfície.

As propostas em vídeo podem ser submetidas até 13 de Dezembro deste ano. Posteriormente, os finalistas serão convidados a apresentar as suas soluções no 2021 BIG Idea Forum, agendado para Novembro de 2021.

Pplware
Autor: Vítor M.

 

spacenews

 

3046: Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

CIÊNCIA

NASA

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo.

A gravidade não só afecta a vida na Terra, como também a falta dela pode representar um problema para os astronautas no Espaço. Como não há gravidade para puxar o sangue para a parte inferior dos nossos corpos, a cabeça e o peito ficam mais rosados e inchados.

Além disso, um novo estudo publicado esta semana na revista científica JAMA Netw Open, aponta que a circulação sanguínea pode reverter-se na parte superior do corpo dos astronautas.

A presença durante um longo período de tempo no Espaço, de acordo com o estudo divulgado pelo Tech Explorist, pode ter influência na forma como o sangue circula em várias artérias do corpo dos cosmonautas. Este representa um problema de saúde perigoso que era desconhecido até então.

Para chegarem a esta conclusão, os investigadores trabalharam de perto com 11 astronautas da Estação Espacial Internacional. Ao fim de 50 dias de missão, sete membros da tripulação apresentaram um fluxo sanguíneo estagnado ou invertido na veia jugular interna esquerda — responsável por levar sangue ao cérebro, à cara e ao pescoço. Um dos astronautas até desenvolveu um trombo na veia durante o voo.

“Esta foi uma descoberta inesperada. Não esperávamos ver estase e fluxo invertido. Isso é muito incomum. Na Terra, suspeitar-se-ia imediatamente de uma trombose, um tumor ou algo assim”, explicou Michael B. Stenger, autor principal do estudo.

ZAP //

Por ZAP
17 Novembro, 2019

 

2678: Asteróide “sorrateiro” pregou um susto à NASA e quase colidiu com a Terra em Julho

CIÊNCIA

State Farm / Wikimedia

Em finais de Julho, um asteróide do tamanho de um campo de futebol pregou um susto à NASA quando passou a apenas 65.0175 quilómetros da Terra. Foi a maior rocha espacial a passar tão perto num século.

Mais alarmante do que o sobrevoo em si, foi o quanto o asteróide apanhou a NASA de surpresa. “Este apareceu na nossa frente”, escreveu um especialista da NASA em um e-mail interno, de acordo com documentos internos da agência obtidos pelo BuzzFeed News.

O asteróide, que recebeu o nome de 2019 OK – como para tranquilizar os astrónomos – passou de forma quase imperceptível no espaço, passando a uma distância aproximadamente cinco vezes mais próxima da Terra do que a lua a 88 mil quilómetros por hora.

“Se 2019 OK tivesse entrado na atmosfera terrestre, a onda de explosão poderia ter causado devastação localizada numa área de aproximadamente 80 quilómetros de diâmetro”, de acordo com um comunicado de imprensa enviado pelo Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA quando finalmente notaram a rocha gigante a passar pelo nosso planeta.

Apesar de a NASA notar que o asteróide não era um perigo para a Terra, o que é posto em cima da mesa é o facto de não ter sido detectado com maior antecedência.

“Este objecto deslizou por toda uma série das nossas redes de captura”, escreveu Paul Chodas, do JPL, num e-mail obtido pelo BuzzFeed dois dias após o asteróide passar, observando que era uma pequena rocha espacial “sorrateira”.

Embora a NASA tenha desculpas por não ter percebido que a rocha espacial vinha a caminho, este não é um grande começo para o Departamento de Coordenação de Defesa Planetária (PDCO), cujo objectivo era “encontrar e caracterizar asteróides e cometas que passam perto da órbita da Terra ao redor do sol”.

Em 2005, os legisladores ordenaram que a agência espacial norte-americana detectasse 90% dos asteróides perigosos, mas não financiaram telescópios e naves espaciais suficientemente grandes para fazer esse trabalho, segundo concluíram as Academias Nacionais de Ciências dos EUA num relatório de Junho.

ZAP //

Por ZAP
20 Setembro, 2019

 

2460: NASA: Asteróide classificado como perigoso vai passar pela Terra no próximo ano

Chama-se 1998 OR2 e é um enorme asteróide que está actualmente numa trajectória para passar pelo nosso planeta. Contudo, este não é um asteróide qualquer. O astro tem órbita excêntrica, é classificado como objecto próximo da Terra e como asteróide potencialmente perigoso do grupo Apollo.

O 1998 OR2 foi descoberto no dia 24 de Julho de 1998. Quem o detectou foram astrónomos do programa NEAT no Observatório de Haleakala, no Havai. Contudo, este é um dos asteróides mais brilhantes e um dos mais perigosos que existe.

Asteróide  de 1998 OR2 é da classe dos mais perigosos que passam pela Terra

Os asteróides – corpos rochosos que vagueiam pelo no espaço – não evocam uma sensação particularmente positiva. Na verdade, cada vez se tem falado mais, após sabermos que não estamos a salvo dos impactos.

Assim, há cada vez mais olhos a vigiar o espaço e, segundo informações recentes, parece que há uma grande rocha prestes a passar por cá. Se entrar na nossa atmosfera, seguramente vai fazer muitos estragos.

Chama-se 1998 OR2, esta rocha está desde há muitos anos na mira da NASA. A agência projectou a sua órbita até ao ano 2197. Pela estimativa da rota, este astro nunca irá colidir com a Terra, a não ser que algo perturbe a sua rota.

NASA classifica como muito grande

O Centro de Estudos de Objectos Próximos à Terra (CNEOS) da NASA revelou que o asteróide 1998 OR2 tem um diâmetro estimado de 4 quilómetros e espera-se que passe pela Terra no dia 29 de Abril de 2020, às 15:26 horas de Portugal Continental.

No seu ponto mais próximo, o asteróide estará a uma distância de aproximadamente 0,04205 unidades astronómicas ou cerca de 6,3 milhões de quilómetros do centro do nosso planeta. Parece seguro, certo? Bem, o curso do asteróide pode ser alterado devido a alguns fenómenos e pode eventualmente colidir com a Terra.

Mas que fenómenos serão esses?

Em primeiro lugar existe o efeito Yarkovsky, que é conhecido por afectar o semieixo maior dos asteróides. Este fenómeno pode ser definido como a força consequente exercida sobre um corpo celeste devido a mudanças na temperatura. Entre as várias razões para esta alteração da temperatura, está a influência da radiação externa ou a gerada internamente.

Dessa forma, este tipo de alteração pode afectar a rotação do asteróide 1998 OR2 e, eventualmente, a sua órbita, fazendo com que este se vire para a Terra.

O segundo factor que poderia levar ao evento catastrófico de colisão de asteróides seria a perturbação da trajectória causada pela Fenda de ressonância gravitacional. Este último pode ser descrito como uma pequena região no espaço em torno de um planeta onde a gravidade do planeta pode alterar a órbita de um corpo celeste que transita por perto. Dessa forma, no caso de um asteróide, a gravidade poderá atrair para dentro da órbita do planeta, levando a uma colisão.

Que consequências resultariam de um impacto deste asteróide o planeta?

Há muitos dados apenas avançados com base em previsões, felizmente não temos registos que atestem a certeza dos factos. Contudo, além do dano tectónico causado pelo asteróide, o impacto também alteraria severamente as condições meteorológicas e atmosféricas do planeta.

17/08/2019

 

2420: Vem aí um asteróide maior do que o Empire State Building (mas não há perigo)

(CC0/PD) Frantisek_Krejci / pixabay

Sim, um asteróide maior do que o Empire State Building vai passar pela Terra no próximo sábado. Não, isso não significa que precisemos de ficar preocupados.

No próximo sábado, o asteróide 2006 QQ23 vai passar a 0,049 unidades astronómicas da Terra, a cerca de 16.740 quilómetros por hora. Embora seja uma distância e uma velocidade suficientes para poder classificar este objecto de “asteróide potencialmente perigoso”, não há nada a temer.

Em declarações à CNN, Lindley Johnson e Kelly Fast, que controlam os objectos próximos da Terra com o Gabinete de Coordenação da Defesa Planetária da NASA, afirmam que este asteróide, com quase 570 metros de diâmetro, é “mais ou menos benigno”.

Segundo o canal televisivo, controlar estes objectos funciona principalmente como um mecanismo de defesa, para garantir que nenhum deles fica perto de atingir a Terra. Todos os anos, cerca de seis objectos do tamanho deste asteróide — que é maior do que o emblemático Empire State Building (443 metros) — passam pelo nosso planeta.

Além disso, existem actualmente cerca de 900 objectos espaciais próximos de nós no Sistema Solar que têm quase um quilómetro de diâmetro, ou seja, são muito maiores do que este asteróide 2006 QQ23.

É verdade que se atingisse a Terra, este asteróide poderia devastar uma grande área. No entanto, segundo Johnson, o impacto com a Terra é algo raro, ocorrendo talvez uma vez a cada dois ou três séculos.

E, como escreve a CNN, a NASA possui tecnologia para encontrar estes asteróides e perceber quando vão passar perto da Terra. Por exemplo, no caso do 2006 QQ23, os cientistas seguiram os dados de órbita a começar em 1901 até ao ano de 2200.

Porém, na semana passada, investigadores do Royal Institution of Australia, organização científica australiana sem fins lucrativos, anunciaram que um asteróide “assassino de cidades” passou muito perto da Terra — e quase passou despercebido.

ZAP //

Por ZAP
9 Agosto, 2019

 

2280: Destroços do satélite derrubado pela Índia continuam em órbita e ameaçam a EEI

NASA
A EEI – Estação Espacial Internacional

Os destroços do satélite indiano destruído no passado mês de Março pelas Forças Armadas deste país asiático continuam em órbita, pondo em perigo a Estação Espacial Internacional (EEI). Os cálculos oficiais apontaram na altura que os escombros seriam desintegrados em menos de 45 dias.

O aviso é deixado por Jonathan McDowell, astrónomo do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, nos EUA, que identificou 41 fragmentos do satélite indiano ainda em órbita.

Alguns destes escombros estão em altitudes que coincidem com as da EEI – que orbita a pouco mais de 400 quilómetros de altura – e, segundo estimativas de especialistas, vão levar cerca de um ano para caírem na atmosfera e se desintegrarem.

Jonathan McDowell @planet4589

Updated plot of Indian ASAT debris height versus time. Still 41 tracked debris objects in orbit.

A destruição do satélite gerou, pelo menos, 400 fragmentos de lixo espacial, alguns dos quais atingiram altitudes mais altas do que a da EEI, criando perigo de colisão com outros objectos e ameaçando a segurança de astronautas a bordo, disse, em Abril passado, Jim Bridenstine, da agência espacial norte-americana (NASA).

“O risco para a Estação Espacial Internacional aumentou 44%”, disse ainda o responsável da NASA, descrevendo a situação como “inaceitável”.

Por sua vez, o Ministério das Relações Exteriores da Índia têm insistido que a demolição feita na atmosfera mais baixa para evitar a acumulação de detritos, evitando que estes continuassem em órbita ao fim de algumas semanas.

Já primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, descreveu o lançamento do míssil que destruiu o satélite como um “grande avanço, considerando que o feito coloca o país entre as principais potências espaciais do mundo.

ZAP //

Por ZAP
5 Julho, 2019

2028: Os percevejos andaram ao lado do T-rex (e sobreviveram ao asteróide que matou os dinossauros)

CIÊNCIA

Piotr Naskrecki / Wikimedia

Percevejos têm sido companheiros parasitas de outras espécies além dos humanos durante mais de cem milhões de anos, tendo caminhado na terra ao mesmo tempo que os dinossauros.

Uma equipa internacional de cientistas comparou o ADN de dúzias de espécies de percevejos para entender as relações evolutivas dentro do grupo, bem como a sua relação com os seres humanos.

A equipa descobriu que os percevejos são mais velhos que os morcegos – um mamífero que as pessoas acreditavam ser o primeiro hospedeiro há cerca de 50 a 60 milhões de anos. Percevejos, na verdade, evoluíram cerca de 50 milhões de anos antes.

Os percevejos ocupam uma posição de destaque na lista dos companheiros humanos mais indesejados, mas até agora pouco se sabia sobre quando se originaram. Especialistas descobriram que a história evolutiva dos percevejos é mais complexa do que se pensava anteriormente, sendo que as criaturas já existiam durante o tempo dos dinossauros.

São necessários mais estudos para descobrir como era naquele tempo, embora o entendimento actual sugira que é improvável que se alimentassem do sangue dos dinossauros. Isso ocorre porque os percevejos e todos os seus parentes se alimentam de animais que têm uma “casa” – como um ninho de pássaros, uma toca de coruja, um morcego ou uma cama de humanos.

A equipa passou 15 anos a recolher amostras de locais selvagens e museus em redor do mundo, evitando morcegos e búfalos em cavernas africanas infectadas com ébola e a escalar penhascos para recolher ninhos de pássaros no sudeste da Ásia.

Mike Siva-Jothy, do Departamento de Ciências Animais e Vegetais da Universidade de Sheffield, que fazia parte da equipa, disse em comunicado: “Pensar que as pragas que hoje vivem nas nossas camas evoluíram há mais de 100 milhões de anos e andavam pela terra lado a lado com os dinossauros foi uma revelação. Isto mostra que a história evolutiva dos percevejos é muito mais complexa do que pensávamos anteriormente”.

“A primeira grande surpresa que descobrimos foi que os percevejos são muito mais velhos do que os morcegos, o que todos supunham ser o primeiro hospedeiro”, acrescentou Steffen Roth, do Museu da Universidade de Bergen, na Noruega, que liderou o estudo publicado na revista Current Biology.

O estudo também revela que uma nova espécie de percevejo conquista os humanos a cada meio milhão de anos. Além disso, quando os percevejos mudam de hospedeiro, nem sempre se especializam nesse novo hospedeiro e mantêm a capacidade de regressar ao hospedeiro original. Isto demonstra que, embora alguns percevejos se tornem especializados, alguns permanecem generalistas, saltando de um hospedeiro para outro.

A equipa também descobriu que as duas principais pragas dos percevejos humanos – o percevejo comum e o tropical – são muito mais velhas que os humanos, o que contrasta com outras evidências de que a evolução de humanos antigos causou a divisão de outros parasitas humanos em novas espécies.

Os cientistas esperam que as descobertas ajudem a criar uma história evolutiva de um importante grupo de insectos, permitindo-nos entender como os outros insectos se tornam portadores de doenças, como evoluem para usar diferentes hospedeiros e como desenvolvem novos traços. O objectivo é ajudar a controlar os insectos de forma eficaz e prevenir a transmissão de doenças vectorizadas por insectos.

ZAP //

Por ZAP
23 Maio, 2019


[vasaioqrcode]

2023: Cachalote encontrada morta em praia italiana. Tinha quilos de plástico no estômago

DESTAQUE

(dr) Greenpeace Italia

Uma cachalote com cerca de sete anos foi encontrada morta com o estômago cheio de plástico numa praia em Cefalù, destino turístico na Sicília, em Itália.

O anúncio foi feito pela Greenpeace italiana, na sexta-feira, na sua página de Facebook. A organização colocou várias fotos da carcaça do animal na praia e mostrou o plástico que foi recolhido do seu estômago. “Como podem ver pelas fotos que estamos a partilhar, encontrámos muito plástico no estômago do cachalote”, disse Giorgia Monti, da Greenpeace, em comunicado. “Não sabemos se o animal morreu por causa do plástico, mas também não podemos simplesmente fingir que nada aconteceu”, continuou.

No sábado, dez peritos fizeram a autópsia da jovem fêmea de cachalote “que ainda nem tinha dentes” directamente na praia. Carmelo Isgro, da Universidade de Messina, partilhou várias imagens no Facebook, que mostram o procedimento. “São imagens fortes, mas quero que todos vejam e percebam o que estamos a fazer ao nosso mar e aos seus animais”, explicou.

Isgro publicou um vídeo onde é possível ver o momento em que os peritos abrem o estômago da fêmea e retiram do seu interior vários sacos de plástico. Num outro vídeo, Isgro retira um dos sacos e coloca-o num caixote do lixo. “Impressionante, isto é inacreditável”, disse, afirmando que foram retirados do interior do animal “vários quilogramas de plástico”.

“Muito provavelmente, o plástico criou um bloqueio que impediu a passagem de comida. Esta é muito provavelmente a causa de morte. Não encontrámos sinais que nos dessem qualquer outra razão para a morte”, explicou o perito da Universidade de Messina.

Giorgia Monti revelou ainda que, nos últimos cinco meses, cinco cachalotes deram à costa mortos em praias italianas. Em Abril, uma fêmea de cachalote grávida foi encontrada em Sardinia com 22 quilos de plástico no estômago. “O mar está a enviar-nos um alarme, um SOS de desespero. Temos de intervir imediatamente para salvar as fantásticas criaturas que vivem no mar”, apelou Monti.

A Greenpeace de Itália está a cooperar com o Blue Dream Project para investigar, controlar e alertar para a poluição de plástico no oceano. Durante as próximas três semanas, as duas organizações vão controlar o nível de plástico na costa italiana. A expedição termina na Toscânia a 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos.

Já esta terça-feira, investigadores da Universidade de Pádua vão apresentar em conferência de imprensa um relatório sobre as dificuldades dos cetáceos nas águas de Itália. O principal destaque do documento irá para cachalotes e poluição de plástico.

Os cachalotes vivem habitualmente 70 a 80 anos. Pesam entre 35 a 45 toneladas e podem chegar aos 18 metros de comprimento. Segundo a National Geographic, comem uma tonelada de peixe e lulas por dia e têm um cérebro maior do que qualquer criatura que já viveu na Terra.

ZAP //

Por ZAP
21 Maio, 2019


[vasaioqrcode]

1921: Mais de 2,25 milhões de corpos celestes podem ser perigosos para a Terra

CIÊNCIA

Ethan Tweedie

No espaço existem numerosos asteróides e meteoritos de diferentes tamanhos. Enquanto grandes objectos celestes são estudados adequadamente, os cientistas ainda sabem muito pouco sobre aqueles cujo diâmetro não excede um quilómetro.

Embora existam mais de 2,25 milhões de corpos celestes que existem e que são potencialmente perigosos para a Terra, apenas 19 mil deles são conhecidos pela ciência, disse Sergei Naroenkov, especialista do Instituto de Astronomia da Academia Russa de Ciências, ao portal russo de divulgação científica Cherdak.

Felizmente, dos 900 asteróides com mais de um quilómetro de diâmetro e potencialmente perigosos para o planeta, as trajectórias de 893 já são conhecidas.

O impacto de um corpo desse tamanho poderia ter consequências catastróficas para a Terra. A queda de um meteorito de 10 quilómetros de diâmetro em Chicxulub, no México, há cerca de 65 milhões de anos, causou a extinção dos dinossauros – e outras espécies de biodiversidade continental e marinha não sobreviveram após a explosão.

As explosões mais poderosas deste tipo nos tempos modernos foram as causadas pelo meteorito de Chelyabinsk (cerca de 20 metros de diâmetro) e o de Tunguska (com cerca de 50 metros de diâmetro).

Naroenkov afirma que, de acordo com estimativas, mais de 250 mil objectos do tamanho do meteorito de Tunguska e mais de dois milhões em magnitude semelhante ao de Chelyabinsk ainda não são conhecidos pela ciência.

O astrónomo russo assegura que, a fim de detectar asteróides perigosos no tempo, é necessário construir novos observatórios com telescópios modernos com grandes aberturas, uma vez que essas ferramentas nos permitem antecipar a aproximação dos corpos celestes de 140 metros em dois meses.

ZAP //

Por ZAP
4 Maio, 2019

[vasaioqrcode]

 

1912: NASA alerta sobre meteoritos: é preciso defender a Terra

O patrão da agência espacial americana, Jim Bridenstine pediu esta terça-feira a colaboração internacional para detecção de objectos com risco de colisão com a Terra. “O perigo é real”, disse numa conferência em Washington

© Robert Mikaelyan

Aconteceu em Cheliabinsk em 2013, com um saldo de mais de mil feridos. A rocha vinda do céu, à velocidade de 30 km por segundo naquele dia de Fevereiro, foi apenas o mais aparatoso dos incidentes deste tipo nos últimos tempos. “Mas não foi de maneira nenhuma o único [embora os outros não tenham causado vítimas] “, afirmou esta terça-feira, o patrão da NASA, Jim Bridenstine, numa conferência que está decorrer em Washington sobre defesa planetária.

“Não se trata de Hollywood, nem de filmes, trata-se em última análise de proteger o nosso planeta, o único sobre o qual temos neste momento a certeza de que pode albergar vida“, afirmou Bridenstine, citado na imprensa americana, sublinhando que “são necessárias parcerias internacionais para lidar com esta ameaça”.

O meteorito que caiu em 2013 em Cheliabinski, na Rússia, causando 1500 feridos, “tinha a potência de 30 bombas de Hiroxima”, sublinhou ainda o responsável. “Queria muito poder dizer-vos que estes episódios são excepcionais, mas não são. Não são raros e acontecem, e somos nós que temos de conseguir detectá-los e segui-los, já que podem constituir uma ameaça para a Terra”.

A NASA tem um programa para detectar e rastrear estas rochas espaciais com dimensões até 140 metros de diâmetro que circulam nas proximidades da Terra, mas o objectivo de traçar o rasto à esmagadora maioria deles (90% é a meta atual) “está longe de conseguido”, admitiu o director da NASA na conferência.

“Só conseguimos observar um terço destes objectos e por isso precisamos de mais parceiros internacionais para participar neste esforço”, apelou.

De acordo com Jim Bridenstine, são necessários mais sistemas de observação em terra para detectar e seguir o rasto a estes perigosos calhaus do espaço.

Diário de Notícias
DN
01 Maio 2019 — 16:52

[vasaioqrcode]

 

1895: Há fungos tóxicos no Espaço (e ninguém sabe se são perigosos)

NASA

Fungos potencialmente perigosos estão a viver em estações e naves espaciais – mas não se sabe se são prejudiciais para os astronautas.

Essa é a conclusão de um novo estudo publicado em 11 de Abril na revista Astrobiology, revendo o que é sabido sobre as micotoxinas – compostos fúngicos que podem prejudicar os seres humanos – no espaço.

A Terra está repleta de habitantes microscópicos, como bactérias e fungos unicelulares. Portanto, não é de surpreender que tenham conseguido apanhar a boleia com os humanos a bordo da Estação Espacial Internacional e de outras naves espaciais.

Embora os cientistas tenham feito uma boa quantidade de estudos sobre bactérias no espaço, os fungos continuam relativamente pouco estudados. Parte da razão é que estes primos de cogumelos microbianos normalmente causam problemas de saúde apenas em pessoas que vivem sob condições stressantes ou que têm sistemas imunológicos severamente comprometidos.

Mas o stress prolongado do voo espacial mostrou afectar o sistema imunológico dos astronautas. Portanto, uma equipa da Universidade de Ghent, na Bélgica, questionou a forma como os fungos podem afectar a saúde dos astronautas. Numa revisão da literatura científica, o pouco que surgiu foi principalmente relacionado com a detecção de diferentes espécies de fungos.

“Mas sobre as micotoxinas não encontrámos quase nada“, disse Sarah de Saeger, cientista farmacêutica da Universidade de Ghent e co-autora do novo artigo.

Isto é problemático porque os fungos específicos que foram encontrados em naves espaciais, como Aspergillus flavus e membros do género Alternaria, são conhecidos por produzir compostos carcinógenos e imuno-depressivos e as moléculas geralmente formam-se quando os fungos estão stressados. Ainda não se sabe se os astronautas estão a ser afectados por essas toxinas.

A equipa de De Saeger recomenda que as agências espaciais realizem um melhor trabalho na detecção e pesquisa de micotoxinas em naves. Em particular, sugerem que novos métodos devem ser desenvolvidos para monitorizar as superfícies e atmosferas de naves. Actualmente, a maioria das detecções de fungos é feita enviando amostras de volta aos laboratórios da Terra, mas isso não será possível em missões de longa duração, como um voo tripulado para Marte.

De Saeger salientou que a presença de micotoxinas não significa necessariamente perigo para os astronautas. Na Terra, as pessoas estão frequentemente expostas a estes compostos, mas a sua contribuição específica para diferentes doenças nem sempre é fácil de perceber. Por outro lado, ninguém sabe como os fungos podem crescer e evoluir no ambiente fechado de uma missão espacial duradoura.

“Acredito que a maior mensagem é que os fungos e as bactérias são parte integrante dos corpos humanos”, disse Adriana Blachowicz, que investigou fungos na Estação Espacial Internacional, mas não participou do estudo. “Onde quer que vamos, fungos e bactérias seguirão-nos.”

As bactérias têm-se mostrado mais virulentas no espaço, e por isso há alguma preocupação de que os fungos também possam ser.

ZAP // Live Science

Por ZAP
27 Abril, 2019

[vasaioqrcode]

 

1731: Cientistas revelam o único método capaz de evitar uma catástrofe climática

(CC0/PD) Myriams-Fotos / Pixabay

Cientistas de três centros universitários adiantam que o único método eficaz para combater os efeitos das alterações climáticas sem prejudicar o meio ambiente é a geoengenharia e as emissões de aerossóis.

Um dos principais equívocos inerentes à geoengenharia solar (colocar aerossóis na atmosfera para reflectir a luz do Sol e reduzir o aquecimento global) é que poderia ser usada como uma solução viável para reverter as tendências do aquecimento global e trazer a temperatura de volta aos níveis pré-industrias.

Mas desengane-se: não é assim tão linear. A aplicação de enormes doses de geoengenharia solar para compensar todo o aquecimento do aumento dos níveis atmosféricos de C02 poderia piorar o problema climático – particularmente os padrões de precipitação – em certas regiões.

No entanto, doses menores de geoengenharia solar aliadas a cortes de emissões poderiam ser a arma fatal para erradicar os riscos das mudanças climáticas.

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Harvard, em colaboração com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e com a Universidade de Princeton, descobriu que se a geoengenharia solar for usada para reduzir para metade os aumentos da temperatura global, pode haver benefícios à escala mundial.

Na prática, o que os cientistas defendem é que é possível determinar um nível seguro de emissões de aerossóis na atmosfera de maneira a que estes reflitam a luz solar e reduzam o aquecimento global. O artigo científico foi publicado recentemente na Nature Climate Change.

“Alguns dos problemas identificados em estudos anteriores são exemplos do velho ditado de que a dose é o veneno“, disse David Keith, professor de física aplicada da Universidade de Harvard e principal autor do estudo, citada pelo Phys.org.

Os cientistas desenvolveram assim um modelo climático de chuvas extremas e ciclones tropicais para determinar o efeito da geoengenharia em diferentes regiões da Terra. Foram determinados os índices extremos de temperatura e precipitação, a disponibilidade de água doce e a intensidade dos furacões.

As emissões de aerossóis na atmosfera reduzem o aumento da temperatura global para metade, têm um efeito favorável no abastecimento de água e na precipitação em várias regiões, compensando o aumento (em mais de 85%) dos desastres naturais.

Ao mesmo tempo, menos de 0,5% dos territórios seriam afectados negativamente pelos métodos da geoengenharia. Estas regiões afectadas são caracterizadas pela resiliência ao aquecimento global, afirmam os cientistas.

Estes resultados refutam a opinião de que os aerossóis podem agravar significativamente a situação climática da Terra. Para evitar um efeito negativo, é necessário calcular correctamente a quantidade admissível de aerossóis emitidos para a atmosfera, advertem os especialistas.

Segundo a investigação, este é o único método para combater eficazmente os efeitos das mudanças climáticas.Uma outra opção seria reduzir ,imediatamente as emissões de gases de efeito de estufa. No entanto, neste último caso, o aquecimento só poderia ser interrompido se todas as instalações eléctricas, fábricas e mesmo automóveis fossem rapidamente desactivados –  e isso parece (muito) improvável.

Muitos cientistas acreditam que a Humanidade já perdeu a oportunidade de evitar uma catástrofe climática causada pelo aumento da temperatura média da Terra em mais de 1,5 graus Celsius. A única esperança reside, assim, nos métodos de geoengenharia.

ZAP //

Por ZAP
17 Março, 2019

– Eles, os cientistas, chamam-lhe de geoengenharia solar. Eu, não cientista, chamo-lhe de CHEMTRAILS e as descargas químicas e emissões de aerossóis estão a ser efectuadas há anos e a instalar doenças nas pessoas…

1543: Iminente catástrofe global? Concentração de CO2 atinge recorde este ano

(CC0/PD) Myriams-Fotos / Pixabay

Cientistas da Universidade de Exeter, na Inglaterra, descobriram que em 2019 a concentração de dióxido de carbono na atmosfera do planeta será uma das mais altas em todo o histórico de observações.

Tanto o aumento das emissões antropogénicas como a redução da eficácia da absorção do dióxido de carbono pelos ecossistemas são causas que irão contribuir para o aumento da concentração de dióxido de carbono na atmosfera do nosso planeta. O resultado das projecções é relatado no portal Phys.org.

De acordo com os investigadores, o controlo atmosférico realizado no Observatório Mauna Loa, no Havai, mostrou que desde 1958 a concentração de dióxido de carbono na atmosfera aumentou 30%. Este aumento é causado em grande parte pelas emissões resultantes da queima de combustíveis fósseis e produção de cimento.

Grande parte dos gases de efeito de estufa são capturados por plantas – o que clarifica que, sem plantas, o aumento da concentração de dióxido de carbono seria ainda maior. Segundo a previsão, a absorção destes gases será menos eficaz este ano, o que levará a um aumento recorde de CO2 na atmosfera da Terra.

As flutuações anuais da temperatura da água no oceano Pacífico são também um factor determinante neste processo. Segundo a Sputnik News, durante os anos quentes, muitas regiões da Terra tornam-se secas e a falta de humidade afecta a capacidade das plantas de absorverem carbono da atmosfera.

No ano passado, o oceano Pacífico era mais frio. Agora em 2019, o aquecimento aumentará o teor de dióxido de carbono em cerca de 2,75 partes por milhão (ppm). Assim, a concentração média será de 411,3 ppm com um máximo de 414,7 ppm.

Todos os anos a concentração total de dióxido de carbono está a aumentar – e isso é verdadeiramente preocupante. Quanto maior é o teor de dióxido de carbono no sistema atmosfera-oceano, tanto maior é o aumento na temperatura média da Terra.

Devido ao crescente acréscimo na quantidade de energia térmica na atmosfera da Terra, até 2100 a tendência é de que haverá cada vez mais e intensos desastres naturais, erosão do solo, aumento do nível do mar e perdas significativas de produtos agrícolas.

ZAP //

Por ZAP
1 Fevereiro, 2019

[vasaioqrcode]

 

1501: Fissura na Estação Espacial foi feita por dentro, diz cosmonauta russo

NASA
Cápsula russa Soyuz acoplada à Estação Espacial Internacional

O buraco da cápsula Soyuz terá sido perfurado a partir de dentro, afirma um cosmonauta russo. As amostras, que regressaram agora à Terra, estão a ser investigadas.

Em Agosto, a tripulação da Estação Espacial Internacional foi surpreendida ao saber da existência de um vazamento que provocou uma pequena perda na pressão do ar a bordo da estação. Há mistérios que nunca chegam a ser desmistificados, mas em relação ao pequeno buraco na cápsula Soyuz, tudo parece ser uma questão de tempo.

Os cientistas selaram o buraco de imediato, mas a sua causa permanece um mistério até então. No entanto, segundo o cosmonauta russo Sergey Prokopyev, a pequena fissura foi perfurada a partir do interior da cápsula.

A tripulação da Expedição 57 realizou uma “caminhada espacial sem precedentes” no dia 11 de Dezembro para determinar a causa do pequeno buraco na Soyuz. Depois de recolher várias amostras do lado de fora da nave, Sergey Prokopyev e Oleg Kononenko concluíram que o buraco foi perfurado a partir do interior, o que levanta ainda mais questões.

Inicialmente atribuído a um micro-meteorito, a fissura foi rapidamente determinada como resultado de uma perfuração. Apesar de não representar uma ameaça quer para a nave, quer para a tripulação, causava uma pequena queda na pressão do ar.

NASA
O orifício na nave Soyuz MS-09 antes de ter sido reparado com o selante especial

Os resultados da análise de Kononenko and Prokopyev foram revelados assim que regressaram à Terra. O buraco não representou nenhuma ameaça durante o retorno porque a secção onde apareceu foi descartada antes da reentrada na atmosfera da Terra.

No verão, surgiram rumores de que o buraco havia sido deliberadamente perfurado, quando a cápsula foi fabricada ou quando estava em órbita. Por sua vez, estes rumores geraram rumores ainda mais graves de que a fissura podia ter sido parte de uma tentativa de sabotagem.

No entanto, apesar de Prokopyev ter concluído que o buraco foi feito por dentro, rejeita a hipótese de que foi deliberadamente perfurado por um astronauta.

Apesar disso, tanto a NASA quanto as autoridades russas continuam convencidas de que causa do buraco permanece desconhecida e que tem de ser totalmente investigada. Como Prokopyev resumiu, “cabe aos órgãos de investigação julgar quando é que aquele buraco foi feito”.

ZAP // ScienceAlert

Por ZAP
20 Janeiro, 2019

[vasaioqrcode]

 

1463: Flutuar na micro-gravidade dá às bactérias um impulso genético permanente (e isso não é uma boa notícia)

NASA
A EEI – Estação Espacial Internacional

Quando expostas à micro-gravidade, alguns tipos de bactérias podem sofrer mutações para se reproduzirem mais rapidamente. Esta não é uma excelente notícia para nós humanos, futuros turistas espaciais, já que estamos repletos de bactérias no nosso corpo.

Apesar de não estar claro o motivo pelo qual estas bactérias responderam tão positivamente à micro-gravidade, os cientistas estão agora a tentar descobrir formas de proteger os astronautas no Espaço, tentando também reduzir os danos caso uma colónia de bactérias modificada encontre o caminho de volta para a Terra.

Segundo o ScienceAlert, investigadores da Universidade de Houston, nos Estados Unidos, monitorizaram células de Escherichia coli durante 1.000 gerações de crescimento em condições simuladas de micro-gravidade e descobriram que se espalharam muito mais rápido do que a amostra de controlo que continha bactérias inalteradas.

Além disso, as células de E. coli captaram, pelo menos, 16 mutações genéticas diferentes, embora ainda não se saiba de que forma essas mutações afectam a taxa de crescimento da bactéria, individualmente ou em grupo.

Segundo os cientistas, as células adaptadas cresceram cerca de três vezes mais do que as E. coli não modificadas. O artigo científico foi recentemente publicado na NPJ Microgravity.

Mesmo quando as bactérias sobrealimentadas foram removidas das condições de micro-gravidade até 30 gerações antes do teste, 72% da vantagem de crescimento foi retida, mostrando que algumas mudanças provocadas pela viagem espacial podem ser permanentes.

“Estamos perante verdadeiras mudanças genómicas e, portanto, permanentes”, disse um dos investigadores, George Fox, da Universidade de Houston, à New Scientist. “O próximo passo é descobrir o que é que estas mudanças estão, de facto, a provocar.”

Apesar dos estudos anteriores não terem sido tão abrangentes, já haviam dado sinais de que as bactérias podem reproduzir-se mais prontamente no Espaço. Aliás, já foi provado que certas estirpes crescem 60% mais rapidamente em micro-gravidade. Desta forma, fica claro que há algo neste ambiente que agrada muito a estes microrganismos.

Os cientistas estão agora a centrar a sua atenção em futuras experiências, tanto no Espaço como em ambientes simulados, para averiguar de que forma é que as bactérias conseguem obter uma vantagem reprodutiva nestas condições.

A principal preocupação dos cientistas relaciona-se com os astronautas: o seu sistema imunológico altera-se no Espaço, tornando-os mais susceptíveis a infecções. Assim, se estas bactérias se tornarem mais virulentas ou resistentes a antibióticos, elas podem representar um grande risco.

Felizmente, as células mutantes da experiência eram tão susceptíveis aos antibióticos quanto antes da sua exposição à micro-gravidade. Assim, mesmo que a micro-gravidade transforme as bactérias em super-bactérias, os antibióticos continuarão a ser uma poderosa arma de defesa.

ZAP //

Por ZAP
10 Janeiro, 2019

[vasaioqrcode]

 

1332: Algumas regiões do planeta vão ter até seis desastres naturais simultâneos este século

CIÊNCIA

Hotli Simanjuntak / EPA

Os desastres naturais vão piorar no próximo século. Este é o alerta de um grupo de investigadores sobre alterações climáticas.

De acordo com um artigo, publicado a 19 de Novembro na revista Nature Climate Change, actualmente, a maioria dos lugares sofre apenas um desastre climático de cada vez. Mas até 2100, as regiões podem esperar lidar com vários desastres de uma só vez.

“Estamos a enfrentar uma ameaça enorme para a humanidade”, disse Camilo Mora, da Universidade do Havai. “Somos sensíveis aos perigos que já aconteceram e, infelizmente, estes riscos só vão piorar.”

Para entender melhor as ameaças que estão por vir, Mora e os seus colegas analisaram mais de três mil artigos científicos e descobriram 467 maneiras pelas quais as mudanças climáticas já afectaram a humanidade.

O relatório narra a forma como os riscos climáticos, como ondas de calor, incêndios florestais, inundações e aumento do nível do mar, afectaram doenças humanas, o suprimento de alimentos, economias, infra-estrutura, segurança, entre outros. “Eu não conseguia parar de estar assustado todos os dias para ser honesto”, disse Mora, principal autor do estudo.

A equipa de investigação criou um mapa mundial complementar e interactivo com base em projecções. A imagem demonstra a sobreposição de impactos da mudança climática nas populações humanas até 2100.

Na mudança do século, por exemplo, as pessoas em Nova York poderá enfrentar quatro riscos climáticos distintos, incluindo a seca, a elevação do nível do mar, as chuvas extremas e as temperaturas altas. Do outro lado do país, Los Angeles provavelmente enfrentará até três desastres. Regiões tropicais especialmente vulneráveis ​​do mundo poderão lidar com até seis ameaças de uma só vez.

O estudo prevê que as nações em desenvolvimento enfrentarão maiores perdas de vidas humanas, enquanto o mundo desenvolvido suportará uma grande carga económica associada a danos e adaptação.

Embora a mudança climática tenha sido estudada extensivamente, Mora disse que investigações anteriores isolam o impacto de um ou dois perigos em vez de fornecer uma visão geral das consequências do aquecimento global.

Os investigadores dão alguns exemplos: o aumento na temperatura atmosférica pode levar à evaporação da humidade do solo em locais secos, o que leva a secas, ondas de calor e incêndios florestais. Em locais húmidos, chuvas extremas e inundações podem acontecer. À medida que os oceanos aquecem, a água evapora rapidamente, causando furacões húmidos e com ventos fortes e tempestades devido ao aumento do nível do mar.

“É como ter um quebra-cabeça no qual todas as peças estão em todo o lado. Só se pode realmente ver a imagem quando todas as peças são colocadas juntas”, disse Mora.

Mora espera que a Ciência acabe por inspirar as pessoas a tornarem-se parte da solução. Mesmo os esforços de comunidades como o projecto Go Carbon Neutral do Havai, que visa compensar as emissões de carbono através da plantação de árvores, podem contribuir para mudar o curso da mudança climática. “Esta é uma luta que não podemos perder. Não temos nenhum outro planeta para onde ir”, rematou.

ZAP // Discover

Por ZAP
24 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]

 

1299: A Terra está a comer os seus próprios oceanos

CIÊNCIA

(CC0/PD) Samir Belhamra / pexels
A quantidade de água puxada por zonas de subducção “é incompreensível”, dizem os cientistas

À medida que as placas tectónicas da Terra mergulham umas nas outras, arrastam 3 vezes mais água para o interior do planeta do que se pensava.

Estes são os resultados de um novo artigo publicado a 14 de Novembro na revista Nature. Usando os sismos naturais da zona de subducção propensa a terremotos na fossa das Marianas, onde a placa do Pacífico está a deslizar sob a placa das Filipinas, os investigadores da Universidade de Washington estimaram a quantidade de água que é incorporada nas rochas que mergulham profundamente por baixo da superfície.

A descoberta tem grandes ramificações para o entendimento do ciclo das águas profundas da Terra, segundo explica a especialista em geologia marinha e geofísica norte-americana Donna Shillington.

A água por baixo da superfície da Terra pode contribuir para o desenvolvimento do magma e pode lubrificar as falhas, tornando os terremotos mais prováveis, disse Shillington, que não esteve envolvida no estudo.

A água é armazenada na estrutura cristalina dos minerais. O líquido é incorporado na crosta terrestre tanto quando as placas oceânicas se formam como quando as mesmas partem. O processo de subducção é a única forma pela qual a água penetra profundamente na crosta e no manto, mas pouco se sabe sobre a quantidade de água que se move durante o processo, de acordo com Chen Cai, líder do estudo.

Os investigadores usaram dados recolhidos por uma rede de sensores sísmicos posicionados em redor da fossa central das Marianas no oeste do Oceano Pacífico. A parte mais profunda da vala fica a quase 11 quilómetros abaixo do nível do mar. Os sensores detectam terremotos e réplicas que soam na crosta terrestre.

Cai e sua equipa analisaram a rapidez com que esses tremores viajavam: uma desaceleração na velocidade indicaria fracturas cheias de água em rochas e minerais “hidratados” que prendem a água dentro dos seus cristais.

Falta de água

Os investigadores observaram essa desaceleração profunda na crosta, a cerca de 30 quilómetros abaixo da superfície. Usando as velocidades medidas, a equipa calculou que as zonas de subducção puxam 3 mil milhões de teragramas de água para a crosta a cada milhão de anos.

“A quantidade puxada por zonas de subducção é incompreensível“, disse Cai. “É três vezes mais água do que se estimava que as zonas de subducção recebessem”.

Isto levanta algumas questões: a água que desce surge, geralmente, no conteúdo de erupções vulcânicas. A nova estimativa sobre a quantidade de água está a ir para baixo é maior do que as estimativas do quanto está a ser emitido por vulcões, o que significa que falta algo nas estimativas dos cientistas.

“Não há falta de água nos oceanos”, segundo o investigador. “Isso significa que a quantidade de água arrastada para dentro da crosta e a quantidade de água expelida deveriam ser aproximadamente iguais. O facto de não serem sugere que há algo sobre a forma como a água se move através do interior da Terra que os cientistas ainda não entendem.

ZAP // Live Science

Por ZAP
17 Novembro, 2018

[vasaioqrcode]