5050: Peregrinos medievais terão tentado afastar a peste com crachás obscenos

CIÊNCIA/HISTÓRIA

Wikimedia

Na época em que a Peste Negra assolou a Europa, os peregrinos medievais usavam crachás sexuais nos seus chapéus. Os investigadores acreditam que o objectivo era afastar a doença.

Na Europa medieval, cristãos percorriam todo o caminho de Inglaterra a Espanha e as suas longas túnicas arrastavam-se por estradas sujas, onde viajantes solitários eram alvos frequentes de ladrões. Os peregrinos levavam uma bolsa de couro com comida e dinheiro, uma garrafa de água e talvez um livro religioso. À noite, o manto servia como saco-cama.

Segundo conta o AtlasObscura, os peregrinos cobriram os seus chapéus de abas largas com emblemas de estanho produzidos em massa para mostrar todos os santuários pelos quais viajaram. No final da jornada de meses, a recompensa era ver o túmulo do apóstolo Tiago na catedral de Santiago de Compostela e adicionar uma concha de vieira ao chapéu.

A peregrinação era extremamente popular. Estima-se que, nos séculos XIII e XIV, 500 mil peregrinos por ano visitavam Santiago de Compostela. Mas, embora essas viagens mais longas fossem comuns, também havia viagens locais ou regionais  – um passeio rápido a Canterbury para ser curado pelas roupas ensanguentadas do mártir religioso Thomas Becket ou uma estadia em Norfolk para ver uma garrafa de vinho de leite materno da Virgem Maria.

Em grande parte, os peregrinos procuravam cura ou perdão e os emblemas que acumulavam serviam como prova da sua devoção e como poderosos protectores. Os santuários populares vendiam mais de 100 mil emblemas por ano.

Criados por gerentes de santuários como uma táctica de marketing, os emblemas tornaram-se lembranças mágicas. “Os distintivos eram muito mais do que uma recordação”, explicou Ann Marie Rasmussen, da Universidade de Waterloo, principal investigadora num projecto de análise de emblemas medievais.

Enquanto a maioria dos crachás retratam motivos religiosos e cenas relacionadas com santos e santuários específicos, um número não insignificante era de natureza sexual. Alguns exemplos são vulvas e pénis antropomórficos que apresentam braços, pernas ou asas. Noutros, vulvas cavalgam, vestem-se de peregrinos ou assam um pénis num espeto em cima de uma armadilha de gordura vulvar.

Os emblemas sexuais, catalogados pelo coleccionador holandês H. J. E. Van Beuningen, datam de 1350 a 1450 e foram descobertos durante escavações arqueológicas em áreas urbanas nos Países Baixos e em França, tendo sido alguns encontrados perto de Londres. Muitos estudiosos acreditam que os crachás foram pensados para uma função específica: protecção contra doenças e desastres.

Naquela época, a peste foi especialmente brutal. Após a Grande Fome, a Peste Negra matou 25 milhões de europeus. Na altura, os vectores de transmissão eram assustadoramente vagos: as teorias incluíam miasma (ar corrompido), veneno, um desequilíbrio dos humores do corpo ou estar no alvo do olhar de uma pessoa doente.

Os emblemas podem ter sido usados na esperança de proteger contra a Peste Negra, afastando olhares infecciosos. “Distintivos religiosos ou eróticos de peregrino cabem facilmente no kit de ferramentas anti-infecção de uma pessoa medieval posterior”, disse Winston E. Black, um historiador da medicina e farmácia medievais.

(dr) The Trustees of the British Museum
Crachás sexuais usados por peregrinos medievais

Para evitar a peste, as pessoas geralmente recorriam a procissões comunitárias, missas especiais, confissão vigorosa e orações para “santos da peste”, como Sebastião e Roch.

A peregrinação local aumentou durante os surtos de peste. Suplicantes assustados também se voltaram para outras pomadas. “Era totalmente aceitável usar remédios religiosos e naturais contra a peste, sem falar dos remédios mais supersticiosos ou mágicos”, explicou Black.  Os remédios incluíam vinagre forte e ervas amargas, para serem cheirados após entrar em contacto com ar potencialmente envenenado.

Embora ainda não tenha descoberto evidências que liguem os emblemas sexuais à prevenção da peste, Black acredita que é provável que tenham sido usados para esse propósito e também para desviar outros problemas, como o “mau olhado”. Ambos os usos teriam chamado a apotropaia – o processo de desviar um olhar potencialmente prejudicial ou outros fenómenos mal intencionados.

Primeiro, os aspirantes a deflectores tinham de atraí-lo – de preferência, para algo diferente de si mesmos. Uma forma de o fazer era com uma imagem chocante.

“Quase todos esses crachás sexuais não tinham a intenção de ser eróticos no sentido de provocar excitação sexual, mas principalmente como apotropaicos – pela exposição do ícone genital, seja masculino ou feminino, tinham a intenção de desarmar aquela malevolência sempre presente, mas vaga conhecido como o Olho do Mal”, afirmou Malcolm Jones, folclorista medieval, em The Secret Middle Ages.

As raízes do poder da genitália

O poder de vencer o mal da genitália, especialmente da vulva, tem raízes antigas. As crenças sobre a genitália apotropaica remontam à Grécia no século V a.C.

Itália, França, Irlanda, China, Índia e áreas da África do Norte têm mitos que envolvem os poderes apotropaicos da vulva. O folclore polinésio e finlandês confere-lhe habilidades sobrenaturais.

Porém, nem todos concordam que os crachás sexuais funcionassem como dispositivos apotropaicos. Estudiosos sugerem que os emblemas parodiam a devoção religiosa, refletem a veneração da época dos “poderes geradores” do pénis e da vagina, ou caricaturam os interessados em mais uma peregrinação sexual do que religiosa.

Uma nova teoria afirma que os emblemas encontrados em Londres, representando um galo em cima de uma galinha, foram trocados como símbolos de amor entre os adolescentes.

Isaac Newton escreveu uma receita para curar a Peste Negra: pastilhas de vómito de sapo

Duas páginas não publicadas das anotações de Isaac Newton no “De Peste”, um livro sobre a praga de Jan Baptist…

Ler mais

A natureza sexual dos emblemas significa que muitas vezes eram negligenciados, categorizados incorrectamente ou examinados por uma lente moderna em vez de uma medieval.

Com base nas datas e áreas urbanas onde foram encontrados, Rasmussen acredita que os crachás sexuais estão relacionados com a cultura do carnaval. “Nas cidades do final da Idade Média, as áreas públicas eram espaços de espectáculos quase constantes – liturgias, execuções, impostos, casamentos, tratados de paz, aniversários de derrota de inimigos”, disse Rasmussen. Crachás especiais podem ter sido feitos para esses eventos.

Por Maria Campos
2 Fevereiro, 2021