4680: Sonda privada vai levar restos mortais para a Lua em 2021

CINZAS/LUA/PEREGRINE

Daniel Garzon Herazo/NurPhoto via Getty Images

A Celestis contratou a Astrobotic’s para, a bordo da Peregrine Mission One, transportar cinzas mortais a Lua no próximo ano

Entre as muitas cargas a bordo da Peregrine, que será lançada em 2021, estão várias cápsulas que contêm porções simbólicas de cinzas e amostras de ADN de pessoas ou familiares que contrataram este serviço da Celestis. A empresa, sediada em Houston, nos EUA, está a tratar a missão Luna 02 como o “voo da Tranquilidade”, numa homenagem às missões da Apollo e num trocadilho sobre o descanso final destes vestígios mortais. O ADN de Arthur C. Clarke, o escritor de ficção científica, estará na carga desta missão e acabará, no próximo ano, por ser depositado na zona nordeste da Lua, em Lacus Mortis.

Charles Chafer, CEO da Celestis, explica que o “serviço Luna está entre os mais populares, uma vez que permite a familiares e amigos um serviço fora do planeta e fornece uma lembrança constante quando se olha na noite estrelada” para o local de descanso de um ente querido. A missão de 2021 é a 18ª do género para a Celestis: no passado, a empresa lançou porções simbólicas de cinzas mortais no espaço sub-orbital, na órbita da Terra e na superfície lunar, noticia o Space.com. A missão Luna 01 levou as cinzas do astro-geólogo Eugene Shoemakr para a Lua em 1998, após sugestão e recomendação da cientista planetária Carolyn Porco.

“À medida que a Humanidade expande os limites de um planeta único, é particularmente apropriado fazer estes rituais, celebrações e memoriais entre nós”, refere Chafer, justificando as formas de homenagem escolhidas por familiares e entes queridos que apontam à Lua ou ao espaço.

A sonda Peregrine, da Astrobotic’s, vai ser lançada com um foguetão da United Launch Alliance Vulcan Centaur a partir do Cabo Canaveral no próximo ano e levará a bordo 10 a 13 cápsulas. As reservas para um ‘lugar’ a bordo estão encerradas e começaram nos 12500 dólares. Cinzas de Arthur C. Clarke, de engenheiros aeroespaciais, de um trabalhador da indústria do aço, de um executivo de uma transportadora aérea, de um professor de Matemática e de um professor de Química estão entre as que vão ser levadas para a Lua em 2021. Mareta West, geóloga lunar que teve um papel importante na determinação do local de aterragem da primeira missão tripulada à Lua, a pequena Audrey June Langford, que morreu em 2019 com dez anos, Liam Anand, que perdeu a vida aos 16 anos num acidente de mota e o skydiver Micah Couch também fazem parte deste voo da Peregrine.

Exame Informática
18.11.2020 às 12h26