2223: No Azerbaijão, há chamas que ardem há quatro mil anos

CIÊNCIA

Interfase / Wikimedia

Chamas altas dançam sem descanso num trecho de 10 metros de encosta. É o Yanar Dag – que significa “montanha em chamas” – na Península Absheron, no Azerbaijão.

“Este fogo queimou 4.000 anos e nunca parou”, disse Aliyeva Rahila, guia turística local. “Mesmo com a chuva, neve, vento – nunca pára de queimar”.

Um efeito colateral das abundantes reservas de gás natural do país, que às vezes vazam para a superfície, Yanar Dag é um dos vários incêndios espontâneos que fascinaram e assustaram os viajantes do Azerbaijão ao longo dos milénios.

O explorador veneziano Marco Polo escreveu sobre os fenómenos misteriosos quando passou pelo país no século XIII. Outros comerciantes da Rota da Seda trouxeram notícias sobre as chamas enquanto viajavam para outras terras. É por isso que o país ganhou o apelido de “terra do fogo”.

Estes incêndios já foram abundantes no Azerbaijão, mas como levaram a uma redução da pressão do gás no subsolo, interferindo na extracção de gás comercial, a maioria foi extinguida.

Yanar Dag é um dos poucos exemplos remanescentes e talvez o mais impressionante. Houve uma época em que desempenharam um papel fundamental na antiga religião zoroastriana, que foi fundada no Irão e floresceu no Azerbaijão no primeiro milénio a.C.

Para os zoroastrianos, o fogo é um elo entre os humanos e o mundo sobrenatural, e um meio pelo qual podem ser obtidas percepção e a sabedoria espirituais. É purificante, sustentador da vida e uma parte vital da adoração.

Hoje, a maioria dos visitantes que chegam ao centro de visitantes Yanar Dag é o espectáculo e não a realização religiosa. A experiência é mais impressionante à noite ou no inverno. Quando a neve cai, os flocos dissolvem-se no ar sem nunca tocar no chão, de acordo com a CNN.

Apesar da alegada antiguidade das chamas de Yanar Dag – alguns argumentam que o incêndio em particular só pode ter sido aceso na década de 1950 – é uma longa viagem de carro de 30 minutos ao norte do centro de Baku para vê-lo. O centro tem apenas um pequeno café e não há muito mais na área.

Para uma visão mais profunda da história de adoração ao fogo do Azerbaijão, os visitantes devem seguir para leste de Baku até o Templo de Fogo de Ateshgah. “Desde os tempos antigos, acham que o deus está aqui”, segundo a guia.

Os rituais de fogo neste local datam do século X ou anterior. O nome Ateshgah vem do persa para “lar do fogo” e a peça central do complexo é um altar com uma cúpula, construído sobre um respiradouro de gás natural.

Uma chama natural e eterna queimou no altar central até 1969, mas actualmente o fogo é alimentado pelo principal suprimento de gás de Baku e só é aceso para os visitantes. O templo é associado ao zoroastrismo, mas é como lugar de adoração hindu que a sua história é melhor documentada.

Construído como uma estalagem de viajantes, o complexo tem um pátio murado rodeado por 24 quartos. Foram usados pelos peregrinos, comerciantes e ascetas residentes.

O templo deixou de ser usado como um local de culto no final do século XIX, numa época em que o desenvolvimento dos campos de petróleo circundantes significava que a veneração de Mammon estava a ganhar uma influência mais forte. O complexo tornou-se um museu em 1975, foi nomeado como Património Mundial da UNESCO em 1998 e hoje recebe cerca de 15 mil visitantes por ano.

ZAP //

Por ZAP
24 Junho, 2019

[vasaioqrcode]